Flores para um sábado perfeito!

8 06 2019

 

 

 

JOHN GRAZ,Flores,Guache. Ass. dat. 1944 inf. dir. 49 x 60 cm.

Flores, 1944

John Graz (Suíça/Brasil, 1891-1980)

guache sobre papel, 49 x 60 cm





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

6 07 2018

 

 

DÉCIO VIEIRA - Guache - 1922 - 1988, série Guanabara, assinada no c.i.d. datada 1971. Adquirido da família do artista com recibo. 75 x 49 cmSem título, 1971

[da série Guanabara]

Décio Vieira (Brasil, 1922 – 1988)

Guache, 75 x 49 cm





Nossas cidades: Caraguatatuba

15 05 2017

 

 

Benedito Calixto - Caraguatatuba - Guache sobre Cartão - 40x50 - 1920 -Caraguatatuba, 1920

Benedito Calixto de Jesus (Brasil, 1853 – 1927)

guache sobre cartão, 40 x 50 cm

Salvar





Imagem de leitura — Mai Trung Thu

2 05 2017

 

 

MAI TRUNG THU (VIETNAM, 1906-1980), Os escolares, 1971, ink and gouache on silk in the original frame,17 x 16 cmOs escolares, 1971

Mai Trung Thu (Vietnã, 1906-1980)

nanquim e guache sobre seda, 17 x 16 cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

11 01 2017

 

 

yolanda-mohaly-natureza-morta-com-flores-guache-sobre-papel-ass-c-i-d-e-datado-de-1956-med-048x067Natureza morta com flores, 1956

Yolanda Mohalyi (Romênia, 1909 — Brasil, 1978)

guache sobre papel, 48 x 67 cm

 

 

 





Resenha: “Imperatriz Orquídea” de Anchee Min

17 09 2016

 

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÓpera de Beijing, o mestre dos fantoches

Zhang XuanZheng (Huxian, China,1954)

aquarela, guache sobre papel de arroz, 25 x 25 cm

 

 

 

Não conheço a história da China. Como qualquer pessoa do século XX, mais ou menos educada, sei dos principais eventos da história recente do país. Mulheres de pés amarrados, milhões de bicicletas no trânsito, aquarelas, Hong Kong skyline, finíssima porcelana, Ano Novo fora de época, papel de arroz, I Ching, peões de chapéus pontudos no campo, dragões, Mao, O livro vermelho, homens de rabichos, a muralha, pandas, comida deliciosa, chá,  perspectiva axonométrica, crisântemos, Charlie Chan e seu filho nº 1 são alguns dos dados que correm pela minha imaginação quando penso na China.  Sobre o país li muito pouco. Ainda adolescente li da biblioteca de minha mãe, alguns livros de Pearl S. Buck: Pavilhão de mulheres, Vento leste, vento oeste, Mulher imperial.  Mamãe também era fã de Lin Yu Tang;  dele só li Um momento em Pequim. Encontrei Jung Chang, recentemente, autora de Cisnes Selvagens: três filhas da China, até hoje um dos meus livros favoritos e Qiu Xiaolong, cujas obras centradas no Inspetor-chefe Chen Cao,  detetive, filósofo e poeta, passaram a ocupar a prateleira da leitura preferida – The Death of the Red Heroine, A Loyal Character Dancer,  When Red is Black, A Case of Two Cities.  Mais recentemente enveredei pelas obras da jornalista Xinran: Enterro Celestial, uma obra de impacto pela espiritualidade, e As Boas Mulheres da China.  Fiz a curadoria de uma exposição de aquarelas chinesas recentes, pós anos 60, produto de um esforço do governo comunista de dar uma ocupação a peões do campo ociosos durante o inverno.  Essas imagens e mais algumas resumem o meu conhecimento sobre a China, nada especial e absolutamente incompatível com o tamanho e a importância do país.

Essa introdução contextualiza minha incredulidade sobre boa parte desse romance histórico enaltecedor da mulher manchu, Yehonala, concubina do Imperador Hsien Feng. A Imperatriz Orquídea, como ficou conhecida ou “Tzu Hsi” – Imperatriz do Palácio Ocidental –figura controversa em qualquer verbete enciclopédico — reinou sobre a China como regente de seu filho Tung Chih, que era infante ainda, quando se tornou órfão do imperador Hsien Feng.  Yehonala sobreviveu a um atentado de golpe, às Guerras do Ópio, à Rebelião Tai Ping em Nanquim, e à Rebelião Boxer e morreu em 1908.

 

 

961309bb-788e-4d7d-9f8d-5a2d2377d85c

 

Anchee Min tinha nas mãos um excelente assunto. Pela própria figura controversa, tinha um número razoável de opções de narrativas. Talvez para agradar a uma fatia específica do mercado, transformou a história dessa regente, numa variação de Cinderela: menina pobre descoberta pelo príncipe encantado e escolhida para ser sua concubina.  Apimentou a narrativa fazendo a jovem concubina, ainda despercebida pelo imperador, fugir da Cidade Proibida para receber aulas de sedução num prostíbulo.  Mesmo para quem pouco sabe a respeito da história da China, imaginar que uma jovem já dentro da Cidade Proibida, escolhida pelo imperador, mantida a sete chaves na companhia de observadores eunucos, pudesse fazer isso é algo inimaginável. Anchee Min aproveitou-se de dados nebulosos  sobre a vida de Yehonala, para tecer um romance fantasioso que compromete o resto de sua pesquisa história.

Como se precisasse nos seduzir pelo exotismo, passamos quase metade deste romance focados nos rituais da corte chinesa, a cada virada dedicados a sabermos dos mais infinitésimos detalhes, das descrições detalhadas de bordados de flores na túnicas usadas, aos noventa e nove pratos de comida servidos unicamente para ela, concubina — uma de muitas — a  detalhes sórdidos que não contribuem para a história, a não ser chocar, como o fedor que acompanhava as centenas de eunucos que ao serem castrados são incapazes de controlar o esvaziamento da bexiga.  Para quê?  Meio livro gasto nessas elucubrações, nas fantasias do dia a dia da concubina. Na segunda metade do livro, quando Yehonala se torna regente do país e enfrenta inimigos dentro e fora da corte, terreno mais fértil e de maior interesse histórico Anchee Min deixa o detalhismo contundente de lado e usa de pinceladas corridas para pintar um cenário impressionista sobre essa mulher que surpreendeu o mundo por sua habilidade política e pelo enfrentamento que teve com os poderes europeus e aqueles de dentro de sua própria corte. Passa-se do detalhismo do luxo à simplificação e superficialidade de eventos conhecidos envolvendo a Imperatriz Orquídea.

 

anchee-main_telegraphAnchee Min

 

Para fazer justiça ao leitor da resenha preciso anunciar que minha opinião foi a mais radicalmente contra essa leitura num grupo de vinte leitoras que gostaram do livro. Se você se aventurar a lê-lo tenha em mente que a classificação Ficção Histórica, neste caso está mais para a ficção do que para a história. Desapontada, de cinco estrelas dou três, simplesmente porque cheguei até o final.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar





Carnaval na pintura, seleção de 2015

10 02 2015

ARTUR THIMOTEO - Carnaval - Óleo sobre tela - 1913 - Coleção particularCarnaval, 1913

Arthur Timótheo da Costa (Brasil, 1882-1922)

óleo sobre tela

Coleção Particular

 

Antonio Gomide, Pierrot e Colombina,ose, 40x32Pierrot e Colombina, década de 1920

Antônio Gomide (Brasil, 1895-1967)

óleo sobre eucatex, 40 x 32 cm

 

ALOYSIO ZALUAR,Clóvis , guache, medindo 36 x 49 cm.Clóvis, s/d

Aloysio Zaluar (Brasil, 1937)

guache sobre papel, 36 x 49 cm

 

Gilberto Trompowsky (Brasil, 1912-1982)escola de samba, osm, 1953, 38 x 46 cmEscola de samba, 1953

Gilberto Trompowsky (Brasil, 1912-1982)

óleo sobre madeira, 38 x 46 cm

 

Augustus Earle-jogos-durante-o-entrudo-no-Rio-de-Janeiro-Aquarela-circa 1822Jogos durante o Entrudo no Rio de Janeiro, 1822

Augustus Earle (Inglaterra, c. 1793- c. 1838)

aquarela sobre papel

 

Mario Gruber, 1981, Figura de CarnavalFigura de Carnaval, 1981

Mário Gruber (Brasil, 1927)

óleo sobre tela, 80 x 80 cm

 

erico santos (RS) carnaval80x60cm2010_GRCarnaval, 2010

Érico Santos (Brasil, 1952)

óleo sobre tela, 80 x 60 cm

www.ericosantos.com.br

 

Emiliano Di Cavalcanti, Carnaval - osc. - med. 30,5 x 20 cmCarnaval

Emiliano Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976 )

óleo sobre cartão

 

 

 

 

 





A lenda do algodão, folclore brasileiro

26 12 2014

 

Candido Portinari, Colheita do Algodão, Guache sobre PapelColheita do algodão, 1937

Cândido Portinari (Brasil, 1903-1962)

guache sobre papel, 37 x 26 cm

Acervo do Palácio Capanema, Rio de Janeiro

 

 

A lenda do algodão

 

Há umas centenas de anos, os índios viviam sem cultivar a terra; tampouco domesticavam os animais. Não fiavam, nem teciam. Era um tempo quando ainda não construíam as malocas que tanto associamos a eles. Moravam em cavernas ou nas copas das árvores mais altas e frondosas, junto aos pássaros e longe dos animais selvagens que não subiam tantos metros acima da terra.

Nessa época havia um pajé, chefe da tribo, chamado Sacaibu. Ele era muito sábio e, vendo que o local onde estavam não oferecia alimentos em abundância, resolveu levar seu povo para outras terras, numa região montanhosa, onde havia muita caça, água fresca das nascentes dos rios próximos e grande variedade de árvores frutíferas que dariam ao seu povo uma alimentação mais rica e equilibrada. Acabaram por se estabelecer numa área verde, a mais plana da região, próxima a um despenhadeiro, que formava um abismo, tão íngreme que a tribo não conseguia descer.

Lá chegando Sacaibu plantou a semente, de uma planta que ele desconhecia, mas que lhe havia sido dada por Tupã, o trovão, o mensageiro que transmitia todas ordens de Deus. Sacaibu ficou feliz ao ver que a semente em pouco tempo germinou e passado algum tempo se transformou em um arbusto frondoso. Para surpresa de todos, ele dava uma flores diferentes: tufos brancos.

Curiosos com a aparência dessas flores, os índios colheram os tufos e começaram a imaginar o que poderia ser feito com eles.

Eventualmente aprenderam a desfiar, tecer, trançar e descobriram que com essas flores podiam fazer corda, cordas fortes, que prendiam ou levantavam muito peso. Com as cordas eles desceram ao longo do abismo e lá embaixo encontraram outro povo, muito adiantado que logo lhes ensinou a cultivar a terra.





Flores para um sábado perfeito!

15 11 2014

 

 

 

JOHN GRAZ (Genebra, 12 de Abril de 1891 SP, 27 de Outubro de 1890) - Fleurs. Guache. Ass. cid. mi 68 x 98 cmFlores

John Graz (Suíça/Brasil, 1891-1980)

guache sobre papel, 68 x 98 cm





Revendo a leitura da adolescência

5 10 2014

 

Charlie__Roberts_Hat_and_Glasses_2007 44 x 30 Inches  Gouache on PaperChapéu e óculos, 2007

Charlie Roberts (EUA, 1983)

guache sobre papel, 111 x 76 cm

 

 

Em um charmoso ensaio The Pleasure of Reading to Impress yourself, [O prazer de ler para impressionar a si mesma] publicado na revista The New Yorker, Rebecca Mead, escritora do cadre da revista, revela a lista de livros lidos que anotara a partir dos anos oitenta, ainda adolescente. Ela começa com Dr. Jivago, em 1983 e deixa de listar suas leituras quatro anos depois, em 1987, quando, já na faculdade, fazia crítica literária para um jornal universitário. O último item da longa lista é o livro de Malcolm Bradbury, Mensonge, uma sátira.

Rebecca Mead se redescobre ao ver, mais de vinte anos depois, a lista dos livros lidos. Percebe pela inclusão de muitos títulos que era uma leitora ambiciosa. “O que o meu caderno de títulos me oferece é o meu retrato dessa leitora, jovem mulher, ou um esboço de quem ela era. Eu queria ler muito, mas eu também queria ser bem instruída. O caderno é um pequeno registro dessa realização, mas é também um esboço de uma grande aspiração. Há prazer na ambição também.

Ela  lembra um ponto importante. Nesses anos de formação, de leituras que não são obrigatórias, que não são exigidas pela escola, digamos, nesses vãos de dias e horas livres o adolescente vai se conhecendo, tanto pelos livros chamados ‘comerciais’ que escolhe, como pelos ‘clássicos da literatura’. Muitos livros chegam às nossas mãos nessa época através de algum interesse romântico, através de uma amiga de infância, de alguém que se admira ou de quem queremos nos aproximar. Ela, como muitos adolescentes, comprava seus livros no sebo mais próximo e por uma quantia irrisória foi lendo o que estava dentro de seu orçamento. Daí a presença primeiro muitos clássicos americanos, editados muitas vezes, facilmente encontrados e outros livros mais comerciais. Levou um tempo para chegar aos clássicos ingleses, e mais ainda para vagar pela literatura internacional. Para isso usou a lista de publicação dos livros de bolso Penguin Classics como diretiva.

Foi uma volta ao passado e uma surpresa ao descobrir-se tão ambiciosa. E você? Que memórias tem das suas leituras nos anos formativos?








%d blogueiros gostam disto: