Resenha: “O romance inacabado de Sofia Stern”, de Ronaldo Wrobel

10 06 2016

 

 

Noite em Hamburgo,Hamburgo à noite

Leonid Afremov (Bielorússia/Israel, 1955)

óleo sobre tela

Coleção Particular

 

 

Acabo de ler o novo livro de Ronaldo Wrobel, O romance inacabado de Sofia Stern. Foi grande o prazer de reconhecer aqui o escritor que me encantara com Traduzindo Hannah há cinco anos. É reconfortante constatar que um autor de que gostamos inicialmente continua a produzir obras da qualidade e do interesse que percebemos anteriormente.

Sofia Stern é obra bem mais complexa e dinâmica. É narrada como um thriller.  Ao final de cada capítulo uma questão, uma curiosa mudança de rumo, uma observação intrigante nos leva ao capítulo seguinte com ansiedade.  Trata-se de uma aventura, iniciada no Brasil, por um brasileiro, morador de Copacabana que, esperançoso de ser recipiente de uma fortuna de milhões de euros, viaja  com a avó nonagenária, imigrante de guerra, de volta à Alemanha, a fim de apresentar documentação para que ela seja considerada herdeira legal da cobiçada fortuna. No meio do caminho, conturbado e repleto de reviravoltas, como Ronaldo Wrobel já mostrou ser seu estilo narrativo, aprendemos muito sobre ele, ela, a família e a Alemanha de Hitler.

 

sofia

 

A Segunda Guerra Mundial é o tema mais importante e modelador das artes do século passado. Direta ou indiretamente ela molda até hoje a produção literária e artística mundial. Não haverá ficção literária, em número ou natureza, que possa transmitir a nós, gerações pós-apocalipse, o que foi uma guerra em que morreram quase sessenta milhões de pessoas, um pouco mais de 3% população mundial em 1940.  Ronaldo Wrobel se encarrega, junto a outros, de nos lembrar disso. Precisamos saber para não esquecer, e jamais repeti-la.  Mas talvez por estar duas gerações removidas da hecatombe, ele toma a liberdade de encará-la por ângulo diferente.  Em seus livros, Hannah e Sofia Stern, Wrobel  se concentra na vida dos que sobreviveram. Seu foco está nas histórias dos que tiveram vidas modificadas como consequência da guerra e nas estratégias que usaram para tornar suas vidas relevantes em outras circunstâncias. É o sobreviver que o atrai, que o fascina. Com fino humor, afiada observação do comportamento humano e muita pesquisa Ronaldo Wrobel tem feito, aos poucos, uma pequena revolução literária no país, abrindo a porta outrora fechada do bolorento recinto onde escritores brasileiros se abrigam. Ventilando o ambiente, ele se separa dos autores dedicados a publicações autorreferenciais e herméticas, escravas de modismos intelectuais, acorrentadas por programas político-sociais que passam por literatura.

Aqui não.  Temos um texto ágil, inteligente, informativo, divertido que dá prazer de ser degustado.  Até pouco tempo essas eram características inexistentes nas prateleiras das estantes nativas. A prova é que nossos leitores se debruçam mais sobre obras em tradução, concebidas no exterior, do que sobre as publicações nacionais que raramente consideram a existência de um público leitor inteligente, curioso e ávido por uma boa história.  Ronaldo Wrobel nos dá exatamente o que faltava no horizonte literário brasileiro.

 

Ronaldo-Wrobel1Ronaldo Wrobel

 

A produção literária de Wrobel o coloca num contexto maior do que a Segunda Guerra Mundial. Há, subjacente nos dois livros mais recentes do autor, temática sutil e relevante: a questão da identidade. Esse é um tópico explorado nos meios literários, amiúde, a partir da segunda metade do século XIX, quando a fome e a pobreza na Europa levaram milhares de imigrantes italianos, irlandeses, alemães e outros às terras do Novo Mundo. Mais tarde depois de cada uma das grandes guerras, um maior número de pessoas deslocadas habita novas terras, refazendo vidas. A identidade que desenvolvem é um tema de relevância que precisa ser aventado, hoje, quando multidões atravessam fronteiras impacientes para forjar nova vida em melhores circunstâncias.

Imediatamente após a imigração segue-se a questão de identidade. Todos os imigrantes passam por essa experiência e Wrobel não é alheio a isso. Escritores, ensaístas, como André Aciman e Amin Maalouf entre outros dedicaram-se a essa complexa questão. Não se trata só da língua, do país ou da cultura que se deixou para trás cair no esquecimento. Hábitos de aldeias que não mais se sustentam em novas realidades deixam um tremendo vazio na alma. Mas há, sobretudo, a necessidade de pertencimento ao país que abraçou o imigrante.  O que o imigrante faz para se integrar ao novo mundo? E quais são, afinal, os sacrifícios para que os sonhos num novo horizonte se construam?  Sem necessariamente abordar essa questão diretamente, Ronaldo Wrobel descreve para o leitor as diversas artimanhas que envolvem a nova vida. Lição importante para os dias de hoje.

Tema riquíssimo, o jogo de identidades desafia a compreensão de quem somos e de quem projetamos ser.  Já no início do século XX Pirandello questionava a percepção da realidade em uma de suas mais conhecidas peças teatrais, Assim é se lhe parece (1917). Mas hoje, cidadãos de uma cultura global nos encontramos de hora em hora nos definindo e redefinindo, como fazem os astutos personagens de Hannah e de Sofia Stern. A cada avatar um novo nome, uma nova vida. Como disse Mia Couto: “A verdade é que nós somos sempre não uma mas várias pessoas e deveria ser norma que a nossa assinatura acabasse sempre por não conferir. Todos nós convivemos com diversos eus, diversas pessoas reclamando a nossa identidade.” [E se Obama fosse africano?: O planeta das peúgas rotas]. Assim segue O romance inacabado de Sofia Stern. Com uma variante que nos faz pensar ainda uma vez na questão de identidade, Ronaldo Wrobel se insere na narrativa ficcional. Ele é ao mesmo tempo personagem e narrador.  Provavelmente só para mostrar que o jogo de identidades é universal. Este é um bom e sedutor livro que nos envia mais questões do que as levantadas aqui. Além de entretenimento de primeira ordem, o livro nos leva a considerar temas atuais sob uma nova perspectiva.  Ronaldo Wrobel está de parabéns.

Recomendo a leitura sem quaisquer restrições.

 

 





Joinville: Colônia Dona Francisca, texto de James C. Fletcher

17 05 2015

Decio soncini, ensolarado, 2010Ensolarado, 2011

Décio Soncini (Brasil, 1953)

acrílica sobre tela, 80 x 80 cm

Coleção Raul Forbes

www.soncini.com.br

 

 

 

“A colônia Dona Francisca é um novo empreendimento, cuja origem pode ser exposta em poucas palavras. Em 1843 o Príncipe de Joinville casou-se com Dona Francisca, a irmã do Imperador do Brasil. Recebeu, então, como dote, grande extensão de terras cobertas de matas na província de Santa Catarina. Não faz muitos anos, numa das estações de água da Alemanha, o Príncipe encontrou-se com o Senador Schroeder, de Hamburgo, que lhe propôs um plano para valorizar o seu dote — isto é: conceder uma certa porção das terras para uma companhia, que nela fundaria uma colônia. O Príncipe concedeu nove léguas quadradas, reservando uma certa quantidade de acres para si próprio, nas melhores situações. A companhia se constituiu, e concordou em trazer uns mil e seiscentos colonos com um dado prazo de tempo. De março de 1851 a março de 1855, o número estipulado no contrato havia sido atingido. A maioria dos colonos eram alemães-suíços, embora franceses e alemães estivessem representados por considerável minoria. A vila de Joinville contém cerca de sessenta casas; nas regiões adjacentes há cento e vinte, e outras em construção. Deduzidas as mortes há aproximadamente mil e quinhentos habitantes nessa colônia; por outro lado, há um considerável número de franceses, e franceses-suíços, nas colônias adjacentes fundadas pelo Príncipe de Joinville em suas próprias terras. Dois terços da totalidade dos colonos são sem dúvida protestantes, e o outro terço é constituído por católicos.

Qual será o sucesso da colônia, esperemos para ver. (…)”

 

 

Kidder e Fletcher, publicação “O Brasil e os brasileiros“.

 

 

Em: Pinheirais e Marinhas, Paraná e Santa Catarina, coleção Histórias e Paisagens do Brasil, seleção de Ernani Silva Bruno, São Paulo, Cultrix: 1959, pp: 62-3

 

 

NOTA: James C. Fletcher esteve no Brasil entre os anos de 1851 e 1865, prosseguindo os trabalhos de propaganda do Protestantismo empreendidos vários anos antes por seu colega Daniel P. Kidder.








%d blogueiros gostam disto: