Os dez maiores pensadores do mundo? Você concorda?

26 04 2013

The_Thinker__1876-1877, Pierre AUguste Renoir, ost

Jovem sentada ou A reflexão, 1876-77

Pierre-Auguste Renoir (França, 1841-1919)

óleo sobre tela, 66 x 55 cm

Barber Institute of Fine Arts, Birmingham,

Inglaterra

A revista Prospect acabou de contabilizar sua enquete – feita a cada cinco anos – para eleger os maiores pensadores do momento. A lista traz nomeações de todos os caminhos, de diversas partes do mundo. Há um único brasileiro entre os 65 selecionados.  Para minha surpresa, esse foi Roberto Mangabeira Unger, classificado em 40º lugar.

Considerando-se que a maior parte dos leitores da Propect são fluentes em inglês,  usuários assíduos da internet e tem uma educação bem acima da média, acho que a lista é muito mais eclética do que eu teria imaginado se houvesse ponderado a respeito.  Teria  uma enorme predominância de americanos.  E no entanto, apesar de  estarem fortemente presentes – são 22 de 65 – um terço portanto não chegam à maioria e são  seguidos pela Inglaterra, país que aparece com 10 eleitos.

 Foram 10.000 eleitores  de mais de 100 países.  Interessante: em literatura há poucos mencionados, mas a grande potência nesse ramo é a Inglaterra.  Arundhaty Roy dentre os escritores é a melhor colocada, nativa da Índia, ganhou o Booker Prize, com  um dos mais interessantes romances do final do século passado: O Deus das pequenas coisas. Um dos meus favoritos de todos os tempos.  Ela é a primeira mulher a aparecer, colocada em nº 15 na lista.  Mas aparece aqui  por seu trabalho como ativista, já que o romance mencionado acima foi seu primeiro e único romance.   Outros escritores listados são David Grossman – que só conheço por seus trabalhos para adolescentes – lembro-me de ter lido Alguém para correr comigo;  Hilary Mantel, que conheço de seu trabalho anterior a  Wolf Hall sobre a Inglaterra de Thomas Cromwell, aclamado pela excelência em romance histórico e Zadie Smith, também inglesa cujos livros Dentes brancos e Sobre a beleza, foram excepcionalmente marcantes na minha lista de favoritos da década passada.  Não conheço o trabalho de Andrew Solomon.

Será que você conhece algum deles?

1. Richard Dawkins (UK), biólogo

2. Ashraf Ghani (Afeganistão) economista

3. Steven Pinker (Canada)psicólogo e linguista

4. Ali Allawi (Iraque)economista

5. Paul Krugman (EUA)economista e jornalista

6. Slavoj Žižek (Eslovênia) filósofo

7. Amartya Sen (Índia)economista

8. Peter Higgs (UK) físico teórico

9. Mohamed ElBaradei (Egito)diplomata

10.Daniel Kahneman (Israel)teórico da finança comportamental

736px-Almeida_Júnior_-_Moça_com_Livro

Moça com livro, 1879

José Ferraz de Almeida Júnior (Brasil, 1850-1899)

óleo sobre tela

Museu de Arte de São Paulo

11. Steven Weinberg,  (EUA), físico
12. Jared Diamond, (EUA) biólogo,antropólogo
13. Oliver Sacks, (UK) psicólogo
14. Ai Weiwei, (China)  artista plástico
15. Arundhati Roy, (Índia) escritora e ativista
16. Nate Silver, (EUA) estatístico
17. Asgar Farhadi, (Irã) cineasta
18. Ha-Joon Chang,(Coréia)  economista
19. Martha Nussbaum,(EUA), filósofa
20. Elon Musk, (África do Sul) empresário
21. Michael Sandel,(EUA) filósofo
22. Niall Ferguson,(UK) historiador
23. Hans Rosling, (Suécia) médico-estatístico
24. Anne Applebaum,(EUA), jornalista
25. Craig Venter, (EUA) biólogo
26. Shinya Yamanaka, (Japão)médico-biólogo
27. Jonathan Haidt, (EUA) psicólogo
28. George Soros, (EUA) filantropo
29. Francis Fukuyama, (EUA) cientista político
30. James Robinson e Daron Acemoglu, (EUA) cientista político e economista
31. Mario Draghi,(Itália) economista
32. Ramachandra Guha,(Índia) historiador
33. Hilary Mantel, (UK) escritora
34. Sebastian Thrun, (Alemanha) ciências informáticas
35. Zadie Smith, (UK) escritora
36. Hernando de Soto, (Peru) economista
37. Raghuram Rajan, (Índia) economista
38. James Hansen, (EUA) cientista do clima
39. Christine Lagarde,(França) economista
40. Roberto Unger,(Brasil) filósofo-economista
41. Moisés Naím,(Venezuela) cientista político
42. David Grossman, (Israel) escritor
43. Andrew Solomon, (UK) escritor
44. Esther Duflo,(França) economista
45. Eric Schmidt,(EUA)empresário
46. Wang Hui, (China) cientista político
47. Fernando Savater, (Espanha) filósofo
48. Alexei Navalny,(Rússia)advogado e ativista
49. Katherine Boo, (EUA) jornalista
50. Anne-Marie Slaughter (EUA), cientista político
51. Paul Collier,(UK) esconomista

Amberg, Wilhelm (1822-1899)

Jovem ao largo do regato, [Contemplação], antes de 1886

Wilhelm Anberg (Alemanha, 1822-1899)

óleo sobre tela, 82 x 61 cm

Museu de Arte da Filadélfia, EUA

52. Margaret Chan, (China) médica
53. Sheryl Sandberg,(EUA) empresária
54. Chen Guangcheng,(China) ativista
55. Robert Shiller,(EUA) economista
56.  Ivan Krastev,(Bulgária) cientista política
56. Nicholas Stern,(UK) economist
58. Theda Skocpol, (EUA)socióloga
59. Carmen Reinhart,(Cuba) economista
59. Ngozi Okonjo-Iweala,(Nigéria) economista
61. Jeremy Grantham, (UK)estrategista de investimentos
62. Thomas Piketty e Emmanuel Saez, (EUA)economista
63. Jessica Tuchman Mathews, (EUA) cientista política
64. Robert Silvers, (EUA) editor
65. Jean Pisani-Ferry, (França) economista





Onde estão os críticos e teoristas da literatura?

9 05 2010
Ilustração: Donald e Margarida numa galeria de arte, Walt Disney.

Há duas semanas uma grande controvérsia foi iniciada na página literária Prosa e Verso do jornal O Globo, quando Flora Süssekind, em 24 de abril de 2010, escreveu um artigo de duas páginas “A crítica como papel de bala” fazendo observações não muito generosas ao pensamento crítico literário cá pelas nossas bandas.  Como sou nova no pedaço,  tenho me distraído muito com as diversas reações ao artigo, que aparentemente se dividem ao longo de diferentes correntes da crítica.  Em qualquer campo de trabalho há sempre líderes e seguidores.  E aqueles que se dividem de acordo com seus interesses mais próximos.  Mas confesso que há poucas áreas tão férteis para desavenças imateriais quanto as humanidades.  Às vezes chego a me encabular com a mesquinharia de muitos.   Meu marido, que como eu, sempre trabalhou no campo humanístico, repete ocasionalmente um provérbio que se tornou auto-explicativo, que corria na faculdade em que ele ensinava literatura: “quanto menor o valor do que está sendo discutido, maiores as paixões”.

Não tenho preparo, conhecimento, nem interesse de entrar nessa briga de “cachorros grandes”,  de críticos, resenhistas, pesquisadores e pensadores brasileiros.  Achei, no entanto, muito interessante – para a gente ver como é Zeitgeist – o espírito do tempo – que dois dias depois [26/04/2010], saísse publicado no The Chronicle of Higher Education, um artigo Onde estão os críticos/teoristas da literatura? com a intenção de escarafunchar ainda mais um outro aspecto da crítica literária, dessa vez considerando o que acontece nos EUA.

Traduzo livremente do artigo na internet:

Onde estão os críticos/teoristas da literatura?

Mark Bauerlein

Os cursos superiores de literatura fazem a maior parte das humanidades, mas quando se fala de pesquisa nas humanidades, os pensadores literários e teoristas e críticos e pesquisadores são sistematicamente deixados de lado, e são considerados  pensadores de outras áreas  — filosofia, lingüística, psicologia, antropologia.

 

Esta conclusão pode ser feita através da lista compilada pela ISI Rede de Ciência e publicada no Suplemento do Times Higher Education.  Nela, autores são listados de acordo com o número de citações que seus livros receberam nas pesquisas , das humanidades, durante o ano de 2007.  (Nota: há uma certa ambigüidade entre o título e a descrição na listagem, e não fica claro se esta lista se aplica somente às humanidades ou não.  Cada um dos nomes foi citado pelo menos 500 vezes.

 

Abaixo vemos a lista dos autores que conseguiram mais de 1000 citações:

 

Michel Foucault (1926-1984) Filosofia, sociologia, crítica        2,521      

Pierre Bourdieu (1930-2002) Sociologia       2,465     

Jacques Derrida (1930-2004) Filosofia       1,874   

Albert Bandura (1925- ) Psicologia        1,536      

Anthony Giddens (1938- ) Sociologia       1,303    

Erving Goffman (1922-1982) Sociologia      1,066     

Jurgen Habermas (1929- ) Filosofia, sociologia        1,049

 

Nenhum critico literário no grupo.  Na verdade, a lista inteira, que contem 37 pessoas, cujos últimos nomes são os de Marx e Nietzeche, tem só um crítico literário/pesquisador/teorista, Edward Said.  Isso não teria acontecido há 50 anos, quando, imagino T.S. Elliot, I.A. Richards, Rene Wellek, Lionel Trilling e alguns outros críticos literários estariam na lista.

 

Não é simplesmente o fato da crítica literária ter-se tornado teoria literária.  Teoristas literários mais recentes tais como Paul de Man, Harold Bloom e Sandra Gilbert não são tampouco mencionados.   Ao invés disso, temos pesquisadores de literatura procurando em outros cantos por direção e inspiração.    É claro que todos esses citados na lista têm implicações de peso no estudo da literatura, mas a ausência quase total daqueles que foram treinados nas escolas superiores em literatura e que vivem nelas é impressionante.

[Mark Bauerlin é um professor de Língua Inglesa na Universidade Emory].

 

Não obstante a diferença de teorias, de maneiras de se estudar a literatura existente entre os EUA e o Brasil, o fato é que a crítica literária cá e lá foi sempre muito mais conservadora do que seu próprio tempo.  Este é um dos parâmetros da crítica.  Não cabe a ela, abrir novos horizontes nas artes, na literatura.  Ela está por definição sempre mais atrás.  Observando o que se passa, o que foi feito.  Por isso mesmo não me surpreendo com os resultados numéricos encontrados pela ISI Rede de Ciência: pesquisadores americanos são em geral muito mais conservadores do que seus equivalentes fora do país, refletindo em muito a postura daquela sociedade, que não é feita de extremos.  Mesmo nos campos intelectuais é uma sociedade que tende ao consenso, à média democrática e também aceitar o pensamento estrangeiro com certa desconfiança, não só porque é um país de proporções continentais, mas, sobretudo porque acredita no valor de seu próprio ensino e de seus conceitos [e preconceitos].   E todos esses aspectos levam a um maior conservadorismo de citações, de engajamento no que há de mais moderno na crítica literária ou de outros campos.  Lá constrói-se tijolo por tijolo, pacientemente, há modismos mas  em menor escala.  Os americanos em geral não são tão ansiosos por parecerem “modernos” quanto nós. 





Yusuf al-Qaradawi — número três na lista dos intelectuais de maior influência

19 09 2008

É um dos mais radicais líderes muçulmanos no momento, apesar de sua idade avançada.  Nasceu  no Egito, numa pequena aldeia no Delta do Nilo em 1926.   O menino desde cedo se negou a trabalhar onde a família o aconselhava: como carpinteiro ou a na quitanda dos pais.  Com 9 anos já tinha lido e decorado todo o Corão.   Na sua juventude foi bastante influenciado por Hasan al-Banna fundador  nos anos 20 do século passado da Irmandade Muçulmana, um dos maiores movimentos muçulmanos do século, uma organização atenta à revitalização dos princípios mais rígidos do Islã.

 

The Telegraph, UK.

Yusuf-al-Qaradawi. Foto: The Telegraph, UK.

 

Yusuf al Qaradawi formou-se me teologia islâmica pela universidade Al-Azhar no Cairo, em 1953.   Neste período de estudos universitários continuou com seus contatos com a Irmandade Muçulmana, participando de treinamento paramilitar onde aprendeu e ensinou aos universitários a usar armas e explosivos.  Incentivou também o treinamento da doutrina islâmica como motivação para a expulsão dos ingleses e israelitas do oriente médio.

 

Apesar de se considerar e de ser considerado por muitos uma voz moderada, não conseguiu até hoje se desvencilhar da reputação anteriormente adquirida de extremista,  quando participou ativamente da Irmandade Muçulmana —  que é uma organização ilegal no Egito.  Para uma pessoa do ocidente é difícil considerá-lo moderado.  Hoje é um estudioso do Islã que trabalha na Universidade do Qatar. E principal responsável pelo Conselho Europeu para Pesquisas e Fátuas.

 

O permitido e o proibido no Islã, livro de Yusuf al-Qaradawi, publicado em 1982

O permitido e o proibido no Islã, livro de Yusuf al-Qaradawi, publicado em 1982

Sua popularidade aumentou muito no mundo ocidental depois que ele começou a aparecer semanalmente num programa interativo de perguntas e respostas chamado Al-Shariaa wa Al-Haya [Lei islâmica e a vida] em que ele responde a comentários do publico.   Neste programa ele pretende demonstrar como a ideologia islâmica tem uma resposta para qualquer problema.  

 

 

 

 

Apesar de ter se distanciado dos controversos bomba-suicidas, ele ainda se manifesta a favor dos bomba-suicidas (mesmo que o atentado seja contra civis) e apóia principalmente o suicida palestino contra o estado de Israel.  Ele tem encontrado bastante resistência aos seus ensinamentos, principalmente entre mulheres ocidentais com dificuldade em aceitar suas posições em relação não só à circuncisão feminina.  Vale lembrar que a circuncisão feminina é uma prática considerada universalmente como inaceitável pela Organização Mundial da Saúde e pelas Nações Unidas já que é uma forma de mutilação genital das mulheres.    Ele também freqüentemente no seu programa na Al-Jezeera  fala em defesa do espancamento de mulheres, chegando a dizer até que há mulheres que gostam de serem assim tratadas.

 

Ele tem muitos muçulmanos entre as pessoas que não concordam com ele.  Dos dois lados, ou seja aqueles que o acham mais radical do que precisa e impressionantemente aqueles que acreditam que ele é moderado demais principalmente porque  ele condenou publicamente os ataques de 11 de setembro de 2001, e não condenou música e canto nos filmes muçulmanos, como muitos esperavam que fizesse. 

 

Fica a impressão de que Yusuf al-Qaradawi é uma pessoa difícil de se delinear e bastante complexa para que uma mulher ocidental como a autora deste blogue se sinta satisfeita de vê-lo não só incluído entre os 10 mais importantes intelectuais do mundo, mas ocupando o número 3 da popularidade mundial.  

 

 

Veja postagens anteriores:

Muhammad Yunus — quem é segundo mais votado intelectual?

Fethullah Gülen – quem é o intelectual n° 1 do mundo?

Você conhece os 10 mais importantes intelectuais de 2008?

 





Correspondência de Fernando Pessoa vai ser leiloada

17 07 2008

 

Num artigo publicado ontem, 15/7/2008, no New York Times, por Michael Kimmelman, soube da gritaria, da confusão lusitana ao redor da venda da correspondência de Fernando Pessoa ao escritor britânico Aleister Crowley.  Esta correspondência do poeta português com o místico escritor britânico foi iniciada em 1930.  Sua venda, negociada pelos herdeiros de Fernando Pessoa, está marcada para o período de alta visibilidade na Europa, o outono, que é a estação de abertura dos eventos culturais do ano e será feita em leilão público.  A confusão é gerada pela reclamação de alguns da saída do país de documentos de tal importância.

 

Mas, é justamente de vendas como esta, que a Biblioteca Nacional de Portugal pode se beneficiar, como já o fez no ano passado quando arrematou, para seu acervo, cadernos de notas de Fernando Pessoa.  Como Kimmelman em seu artigo lembra, a maior parte da obra de Pessoa está em manuscritos, nunca tendo sido publicada — diz-se que chegam aos 30.000, ainda guardados em baús na última moradia do escritor. 

 

A decisão dos herdeiros de venderem pelo maior e melhor preço estes documentos é volátil.  Recentemente o ministro da cultura de Portugal, José Antonio Pinto Ribeiro, lembrou, numa conferência aberta ao público na Casa Fernando Pessoa, que o estado português tem o poder de manter dentro de seu território qualquer objeto (e os manuscritos se enquadram aqui) que achar ser necessário para o patrimônio nacional.  A mensagem, bem entendida por Manuela Nogueira, a sobrinha de Fernando Pessoa, que se encontrava na audiência, era de que ela não se sentisse muito confiante, porque a qualquer momento o governo poderia decidir que tais documentos eram do interesse cultural do país e não só proibir sua venda, como também tombar tais documentos, e nada dar aos herdeiros em troca. 

 

Manuela Nogueira já estava preparada para a luta.  Já havia fotografado tudo que pretendia vender de modo que cópias estarão sempre abertas para estudiosos, não importando o destino final dos originais.  Além do que, um contrato já havia sido assinado por ela e pela casa de leilões.

 

O artigo de Michael Kimmelman continua então com considerações sobre Pessoa e sobre a alma portuguesa, inclusive opiniões sobre a última, com uma breve entrevista sublinhando as opiniões de Inês Pedrosa, a escritora que esteve recentemente aqui em Paraty, na FLIP [Feira Literária Internacional de Paraty] deste ano.  O artigo revela também algumas opiniões de Jerônimo Pizarro diretor da Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.  Mas, o assunto pelo qual tenho interesse aqui é diferente daquele enfatizado pelo New York Times, que se mostrou mais interessado em mostrar a forma peculiar, culturalmente falando, de pensar dos portugueses – um artigo até bastante irônico. O que me interessa é ponderar sobre os diversos direitos envolvidos neste caso, para que possamos, no futuro, pensar em como resolver situações semelhantes que certamente ocorrerão na tentativa de preservação de uma cultura brasileira:

 

1° – Tanto no Brasil como em Portugal seria necessário tornar mais claras as regras estabelecidas para dar prioridade ao que deve ou não ser preservado dentro do país.

 

2° – Acredito que os herdeiros têm todo o direito de vender os documentos.  Muitos autores, com herdeiros, fazem projetos de vida contando com esta possibilidade de renda para as gerações futuras, assim como os grandes donos de terras o fazem.

 

3° – Também acredito que o governo tem todo o direito de comprar os documentos.  Se são de tamanha importância como se diz, tenho certeza que qualquer governo acharia os meios de comprá-los no leilão, ou seja ao valor estabelecido pelo mercado.

 

4° – Onde há vontade há um meio.  O governo pode se juntar a diversas ONGs culturais para comprar os documentos e mantê-los na Biblioteca Nacional ou em alguma outra instituição pública de acesso livre aos estudiosos.

 

5° – Nada impede que um grupo de intelectuais e outros interessados, que hoje choram e gritam lamentando a perda física dos documentos, não se cotizem para comprá-los e depois doá-los ao país.  Acho que as pessoas têm que aprender a colocar o dinheiro onde insistem ser um bom investimento, quer seja cultural ou econômico.

 

6° – Não há nada mais injusto do que o governo proibir alguém de vender algum objeto ou documento por o haver declarado Patrimônio Nacional, tombá-lo e não indenizar o atual dono do patrimônio ao preço de mercado.

 

7° – Se nenhuma destas possibilidades aparecerem, por que os documentos não podem sair do país e serem velados por uma outra instituição de responsabilidade social como seria o caso de uma biblioteca especializada em manuscritos de grandes autores?

 

8° – Último, estive vendo, no outro dia que a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro é a 7ª maior biblioteca do mundo.  ALÔ !!!!  Diretores da BN, está na hora de aumentarmos o nosso patrimônio!  Tenho certeza de que Portugal preferiria que nós  brasileiros – da mesma pátria, porque afinal nossa língua é nossa pátria – fossemos os guardiões destes documentos.  Melhor do que qualquer outro país que se interessar possa, não é mesmo?





Você conhece os 10 mais importantes intelectuais de 2008?

2 07 2008

 

A revista inglesa Prospect, fundada em 1995, tem feito jus ao seu slogan: “a conversa inteligente da Grã-Bretanha”.  Sempre apresenta uma faceta diferente da visão mundial e gosto de seguir suas reportagens.  Junto com a revista Foreign Policy, a Prospect  faz de tempos em tempos uma enquête para descobrir quem seus leitores consideram ser os 100 maiores pensadores da atualidade.  A última tomada de pulso foi em 2005 quando Noam Chomsky, professor de Linguística  no MIT, foi o primeiro colocado.  Seguido de Umberto Eco, escritor, crítico e professor de semiótica em segundo lugar e por Richard Dawkins, eminente zoólogo, professor da Universidade de Oxford.  Seguiram-se Vaclav Havel, escritor e dramaturgo, Christopher Hitchens,  jornalista e crítico literário, Paul Krugman, economista e jornalista,  Jürgen Habermas, filósofo e sociólogo,  Amartya Sen, economista laureado com o Nobel, Jared Diamond,  biólogo evolucionário, fisiologista, biogeógrafo e Salman Rushdie, escritor.  Estes foram os dez primeiros colocados há três anos. 

 

Quando a revista fez a mesma enquête este ano, ficou surpresa ao receber mais de meio milhão de votos, e mais ainda com o resultado da pesquisa.  A lista publicada agora, no mês de julho, mostra que os nomes dos 10 mais votados são todos de intelectuais muçulmanos.   Os organizadores logo procuraram saber se havia um hacker atrás da votação, e que tipo de campanhas haviam sido montadas e para que nomes.   E é claro que o vencedor deste ano, Fethullah Güllen, escritor, pensador e filósofo Suni, teve uma grande campanha por votos dentro da Turquia, a partir de maio quando Zaman o jornal de maior circulação no país e associado ao movimento de Güllen, publicou que havia esta competição para pensadores influentes.   Como explica Tom Nuttal em uns dos artigos deste mês na revista, antes de publicarem a lista, Prospect e Foreign Policy se certificaram da validade dos votos e das campanhas existentes.

 

 

  

 

 

 

 

 

 

Fethullah Güllen

Veja: 

https://peregrinacultural.wordpress.com/2008/07/16/fethullah-gulen-%E2%80%93-quem-e-o-intelectual-n%C2%B0-1-do-mundo/

 

https://peregrinacultural.wordpress.com/2008/08/12/muhammad-yunus-quem-e-segundo-mais-votado-intelectual/

 

  

 

Houve campanhas a favor de Mario Vargas Llosa, de Al Gore, Gary Gasparov, para dar alguns nomes, mas nenhuma delas vingou.  Provavelmente porque nenhuma destas campanhas teve a disciplina entre seus seguidores de manter o interesse pela votação vivo e a disciplina de arrecadar votos, que os seguidores de Güllen tiveram.  Cada eleitor poderia sugerir 5 nomes.  Mesmo assim, como é amplamente explicado em considerações sobre a lista, nenhuma campanha, poderia justificar o posicionamento de 10 muçulmanos entre os maiores e mais influentes pensadores do momento. 

 

O que estamos testemunhando, como diz Tom Nuttal, é a emergência de um novo tipo de intelectual, aquele que tem uma grande corrente de amigos e seguidores, que podem ser facilmente mobilizados.  Entre os nomes que apareceram entre os 10 mais votados estão também Yusuf al-Qaradawi, Amr Khaled .  Yusuf al-Qaradawi que já tinha aparecido na lista em 2005, subindo da posição 56 para a 3ª colocação e  Amr Khaled religioso muçulmano e produtor de programas televisos, que entrou na lista este ano, obtendo a 6ª posição.  Ambos seguidores próximos de Güllen com campanhas angariando votos, bem organizadas no Facebook.  Muhammad Yunus, economista e banqueiro em Bangladesh e Shirin Ebadi, advogada e ativista sobre direitos humanos no Iran, foram ambos agraciados com o Nobel da Paz e também tiveram bastante sucesso.

 

Os outros nomes entre os 10 mais votados em 2008 são: o escritor Orhan Pamuk;  Aitzaz Ahsan, advogado, membro da Suprema Corte do Paquistão e ativista em direitos humanos;  Abdolkarim Soroush o filósofo,  Rumi estudioso; Tariq Ramadan professor universitário e pensador muçulmano e Mahmood Mamdani, antropólogo e sociólogo,

 

A lista completa dos 100 mais votados se encontra aqui.  Em parênteses a colocação de cada um na enquête de 2005.  Asterisco significa que esta é a primeira vez que esta pessoa está sendo citada. 

 

 

Continue lendo »








%d blogueiros gostam disto: