Eu, pintora: Carmen Garrez

11 10 2019

 

 

Carmen Garrez Autorretrato em Córdoba autorretrato à espanhola, de 1998Autorretrato em Córdoba, à espanhola, 1998

Carmen Garrez (Brasil, contemporânea)

 





Trova dos jangadeiros

17 06 2019

 

 

 

VAN DIJK, Wim (1915 1990)Jangada de Ceará, o.s.t. 46 x 55. Assinado cid e verso, datado 1988Jangada do Ceará,  1988

Win Van Dijk (Holanda/Brasil, 1915-1990)

óleo sobre tela,  46 x 55 cm

 

 

Conversas de marinheiro

ouço nas conchas do mar.

São almas de jangadeiros

Que não puderam voltar.

 

(Hegel Pontes)





Rio de Janeiro, à beira da Guanabara!

3 05 2019

 

 

 

Dall'ara, TiradentesPraça Tiradentes, com o restaurante Stadt München

Gustavo Dall’ara (Itália/Brasil, 1865 -1923)

óleo sobre tela,  62 x 46 cm

Museu Imperial, Petrópolis





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

28 06 2017

 

 

WILTON TONELLI (BRASIL, 1907-1995)Natureza morta,ost,80 X 100Natureza morta

Wilton Tonelli (Brasil, 1905-1977)

óleo sobre tela, 80 x 100 cm





Postou? Ficou para sempre… Preste atenção à sua imagem na internet

31 08 2013

Children_Day_vector_wallpaper_0168043bIlustração captada na internet sem autoria especificada.

Há pouco tempo criei um mal-estar na família, por sugerir a um jovem membro que considerasse, pensasse, e talvez limitasse a postagem de uma ou outra foto que haviam sido postadas na internet, no Facebook mais precisamentre. Os pais não entenderam a observação como crítica construtiva, levaram para o lado pessoal… Lembraram-me que eu não sabia como as coisas funcionavam no mundo moderno, e assim foi…  Abandonei a ideia de contribuir para a preservação do futuro da família, deixei de lado qualquer advertência.  As fotos, na verdade,  não tinham nada demais, mas eu sabia, por experiência de vida e de usuária da internet, há mais tempo do que a maioria das pessoas, que devemos ter muito cuidado, muito cuidado, com aquilo que postamos.  As pessoas mudam, os costumes mudam e nem sempre o que poderia ser interpretado num dado momento como engraçado, pode ser visto mais tarde como tal. Foi uma pena…

Hoje, no entanto, o primeiro parágrafo da coluna A nova era digital da Cora Ronai no jornal O Globo, recomendando a leitura de “A nova era digital: como será o futuro das pessoas, das nações e dos negócios”, de Eric Schmidt e Jared Cohen (Intrínseca, 320 páginas, tradução de Ana Beatriz Rodrigues e Rogerio Durst) serve justamente de advertência a pais e outros usuários.  Ela lembra que a internet não esquece.  E que tudo que lá se posta fica guardado para sempre, e que uma simples busca na web pode revelar muito do que se sabe a seu respeito, desde suas preferências até as loucuras da adolescência.  Dos palavrões às  declarações de amor… das fotos comportadas às que mostram um comportamento questionável. Postou?  Ficou para sempre.  Só postou fotos suas, tiradas com o celular?  Quem disse que não o considerarão narcisista, preocupada só consigo mesmo, com a sua aparência? De brincadeira tirou uma foto beirando o erótico?  Que pensarão seus futuros empregadores sobre você?  Estará tudo lá. Para sempre… ad eternum...    Então fiquem aqui com a advertência de quem é considerada EXPERT na internet, leiam o primeiro parágrafo da Cora Ronai e cliquem no link para ler o artigo inteiro.  Sinto-me justificada.

“Um dia — que já devia ter sido ontem — todos os pais e mães terão uma conversa muito séria com os filhos a respeito da vida online. Essa conversa é ainda mais importante do que aquela clássica conversa sobre sexo da qual todos querem fugir, e deve começar cada vez mais cedo: a internet não esquece nada, e pode ser que, lá na frente, o destino profissional de uma pessoa possa ser prejudicado por uma bobagem que ela postou na adolescência. Pela primeira vez desde que o mundo é mundo, a vida das pessoas começa a ser registrada antes mesmo que elas venham o mundo, com as ultrassonografias postadas por pais orgulhosos nas redes sociais; o registro continua, implacável, pelos anos escolares, pela universidade, pelo trabalho. Uma busca das mais simples pode revelar hábitos alimentares, culturais e de consumo, amores e ódios. Nos tempos pré-internet, os humanos gozavam o benefício do esquecimento. Fomos geneticamente programados para isso, numa prova de que a natureza é sábia até socialmente: uma pessoa de 30 anos guarda muito pouco de quem era aos 15. Basta ver os cortes de cabelo e as roupas que tínhamos coragem de usar…”





Preconceitos e a Wikipedia

3 05 2013

luluzinhateen004

A New York Review of Books de domingo passado trouxe um artigo de James Gleick  [Wikipedia’s Women Problem] sobre o sistemático desaparecimento dos nomes femininos das listas de escritores americanos, na Wikipedia.  Melhor explicando: alguém, ou mais de uma pessoa, estava editando a Wikipedia, retirando cuidadosamente  os nomes de mulheres das listas de escritores americanos em geral e passando esses mesmos nomes para uma lista específica de ‘Escritoras Americanas Mulheres’. Ou seja, as escritoras do sexo feminino não seriam encontradas na lista titulada ‘Escritores Americanos’, mas unicamente na lista ‘Escritoras Mulheres Americanas’, como se uma nota em separado, como se houvesse dois pesos e duas medidas.  Haveria então um “teto de vidro” ou uma separação de qualidade nas listas encontradas na Wikipedia? Aparentemente sim. Houve é claro uma grande reação a respeito do assunto.

Esse incidente traz ao debate  a questão se em algumas áreas ainda se faz necessária a separação das conquistas femininas daquelas feitas por homens. A discriminação contra o sexo feminino se fez por quase toda a história da humanidade. O estudo em separado das conquistas femininas foi essencial para descobrirmos valores esquecidos, para dar às mulheres exemplos dignos de serem seguidos, nas carreiras profissionais que escolhem.  A introdução da mulher educada no mercado de trabalho, característica do século XX, quando a mulher ganhou também o controle da natalidade, abriu uma enormidade de questões relacionadas à identidade e a auto-estima para mais da metade da população mundial.  Essas novas circunstâncias que trouxeram poder de controle para cada mulher sobre como gostaria de construir sua vida,  fizeram necessária uma total reconsideração da história e reavalições direcionadas exclusivamente às mulheres.

Clube-do-Bolinha---capa_1

Foi justamente por causa desses estudos femininos que pudemos descobrir pintoras como Artemisia Gentileschi e Lavínia Fontana; escritoras como Charlotte Perkins Gilman e  Kate Chopin [ é interessante lembrar que ainda no século XIX, mulheres de talento se sentiam na obrigação de se esconder sob cognomes masculinos para poderem ser publicadas, como aconteceu com George Sand ( Amandine Aurore Lucile Dupin) e George Elliot — (Mary Ann Evans)]. Por que seria importante descobrirmos esses valores?  Porque as novas gerações,  de mulheres, essas  que tomam conta de suas próprias vidas, como qualquer outro ser humano, precisam de exemplos em que se mirar, de sentir que fazem parte de um todo, de uma comunidade, de uma continuidade.  Deixar obscuro o passado de pessoas exatamente como elas seria roubá-las de um contexto histórico universal.

Mas recentemente, quando foi anunciada a lista dos livros finalistas para o prêmio Woman Prize for Fiction [ex-Orange Prize]  a restrição, a ênfase no gênero dos escritores concorrentes, me pareceu anacrônica.  Seria ainda necessária tal segmentação na literatura?  Parecia, na minha opinião, que já estávamos alguns passos além dessa questão.  Dei uma olhadela rápida nos premiados dos últimos 25 anos  do Man Booker Prize e encontrei 9 prêmios para escritoras, sendo que desde 2000 as mulheres ganharam  4 vezes (Hilary Mantel levando o prêmio duas vezes).  O resultado é  pobre.  Sim, ainda precisamos dar estímulo às mulheres.  Porque somos mais da metade da população mundial.  Se considerarmos todos os autores finalistas para o mesmo prêmio as estatísticas mudam. Um pouco.  As mulheres ainda não chegam a ser metade dos autores finalistas. A cada ano são seis autores finalistas. De 2000 para 2012 então tivemos 72 nomeações, das quais só 24 autoras diferentes sendo que quatro delas Hilary Mantel (2), Sarah Waters (3) Ali Smith (2) e Margaret Atwood (2) foram nomeadas mais de uma vez.  Mas estamos progredindo.

imageswiki

É um erro comum vermos a Wikipedia como autoridade máxima do saber, atribuir a ela a mesma correção de dados que assumimos haver numa Enciclopédia Britânica ou num Larousse.  Não é.  É diferente.  É um conquista, sem dúvida.  Se eu não acreditasse nela, não seria uma contribuinte ocasional para o seu conteúdo.  Gosto de saber que ela democratiza o conhecimento, fato importante para países como o Brasil em que a educação formal é precária mesmo nos grandes centros urbanos.  Ela democratiza porque a educação, o conhecimento, é uma barreira à ascensão social. Mas aconselho a todos que a consultem de verificar por outros meios a veracidade dos fatos lá listados, pois há erros.  Não poucos.  Alguns significantes. E há também preconceitos.

Por exemplo, a Wikipedia em português com entradas no Brasil tem um viés de esquerda na escolha de verbetes comum nos meios universitários locais.  Basta, por exemplo, vermos o verbete sobre Fidel Castro onde apesar de uma substancial página com diversas informações, em nenhum local, em absolutamente nenhum parágrafo, descreve-se o sistema de governo implantado em Cuba e não se faz referência à falta de eleições no país.  E se clicamos no link Anticastrismo, vemos pérolas tais como “Segundo os anticastristas, Castro converteu Cuba numa ditadura, onde as liberdades fundamentais são negadas (inclusive o direito de associação e expressão).”  Yoani Sánchez, a blogueira que nos visitou recentemente, cubana, moradora da ilha, educada pelo regime Castrista teria grande dificuldade em reconciliar o verbete sobre Fidel Castro com o que sabe ser a realidade de seu país;  assim como a dúvida gerada na descrição do anticastrismo da falta de liberdade de expressão em Cuba, inferindo a existência de um preconceito, essa mesma blogueira teria dificuldade em aceitar tendo tido sua liberdade posta em risco, mais de uma vez, justamente por tentar exercer esse direito.

Assim, usar as informações da Wikipedia deve ser feito com cautela.  Como no resto do mundo digital, fica o aviso: todo cuidado é pouco. Examine, procure outras fontes.





A grande contribuição da internet …

5 05 2010

Pateta lendo, ilustração Walt Disney.

No sábado passado, dia 1º de maio, o jornal O Globo publicou no caderno Prosa e Verso  um pequeno artigo de Guilherme Freitas, intitulado O livro muda para continuar sendo o mesmo, em que o autor apresenta para o público o novo lançamento da Editora Record, Não contem com o fim dos livros, do jornalista francês Jean Philippe.  Este é um livro que reúne diálogos entre o escritor italiano Umberto Eco e o escritor francês Jean-Claude Carrière.    Entre outros assuntos mencionados no livro, Guilherme Freitas ressalta a posição de Jean-Claude Carrière quando este comenta sobre a memória coletiva:

Fascinado pelos critérios subjetivos que regem a transmissão dos saberes ao longo da História,  Carrière diz que o acesso maciço a informações possibilitado pela internet muda nossa relação com o conhecimento.

— O que vemos agora é uma nova forma de erudição.  Não se trata mais apenas de uma questão de saber, mas de ser capaz de discernir aquilo que devemos reter nessa grande massa de informação na qual vivemos.  Isso desperta inúmeras questões.  Cada indivíduo constrói seus próprios filtros?  Ou existem fatores sociais e coletivos que influem nisso?  É um tema fascinante.

Esse é um assunto que me é particularmente caro, principalmente depois que voltei a estabelecer residência no Brasil.  Peço permissão para passar um pouquinho da  minha história pessoal.

 Tio Patinhas foi à biblioteca, ilustração Walt Disney.

Nos primeiros meses que tive contato com uma universidade americana, uma das coisas que mais me surpreendeu, muito antes da internet existir, foi a facilidade de acesso à informação que cada aluno tinha em solo americano.  Não só alunos, mas todos.  Tanto as universidades particulares (conheci de perto a Universidade Johns Hopkins) quanto as do governo (estudei na Universidade de Maryland, governo estadual), — e mais tarde pude verificar o mesmo em outras universidades que entraram para o meu dia a dia, tais como Universidade Duke (privada), North Carolina State University e University of North Carolina at Chapel  Hill (as duas do governo estadual) tinham excelentes bibliotecas abertas ao público em geral,  quer universitários ou não.  Qualquer pessoa podia consultar seus acervos.  Era só uma questão de estar interessado o suficiente para fazê-lo.   Essa democratização do conhecimento na época estava bastante distante da realidade brasileira, assim como ainda está.  Mas foi um aspecto importantíssimo para que eu viesse a entender a sociedade americana de uma maneira diferente do mero visitante, diferente da pessoa que vai fazer um pequeno curso de especialização.  Porque só esse convívio diário com “os templos do saber”  em cidades e estados diferentes conseguem dar a idéia de quão abrangente o acesso ao conhecimento pode ser. 

Parece então muito natural que o maior ímpeto para a democratização do conhecimento, para a democratização de textos, do saber – digamos assim – tenha vindo através de ferramentas eletrônicas – internet, Google, livros digitais e muito mais – criadas por indivíduos estabelecidos  nos Estado Unidos, americanos ou não.

Numa das primeiras visitas minhas ao Brasil depois de estar estudando nos EUA,  marquei um encontro com antigos professores e colegas de turma das duas faculdades que cursei —  uma no Rio de Janeiro e outra em Niterói.  Fiquei  desapontada, na época, com o preconceito que demonstraram ao me dizerem que o ensino nos EUA não poderia se comparar ao europeu.  Na época não quis rebater.  Achei que talvez se tratasse de um pouco de ciúmes, de um pouco de desconhecimento.  Mas, confesso, não voltei a procurá-los.  Hoje, entendo melhor, porque vejo claramente que ainda temos muitas raízes no preconceito que estipula que “conhecimento é para uns poucos iluminados”.  Este preconceito fertilizado e cuidado é perpetuado por uma sociedade que se divide em classes sociais rígidas e em que uma delas se encontra os “intelectuais”—estes que por suas próprias cornetas alardeiam a importância de seus conhecimentos, de suas habilidades de discernimento.  

 —

Ilustração francesa, autor desconhecido.

A memória cultural, a memória coletiva de um povo, só pode identificá-lo, quando o acesso ao conhecimento vai além da propriedade de uns poucos para ser generalizado.  Alguns dirão que o processo democrático não deveria influenciar o que “realmente vale a pena reter” porque as massas não saberão entender o que lhes será de maior valia.  Mas nunca foi assim.  Como  Carrière mesmo reflete no diálogo acima, a retenção do saber sempre passou por critérios completamente subjetivos.  Se olharmos a história da transmissão de pensamentos e idéias, das barreiras impostas por traduções ou falta delas do grego ou do árabe sabemos que mais frequentemente do que gostamos de imaginar, o conhecimento de alguma nova equação, de algum conhecimento científico, dependeu lá atrás, há muitos e muitos séculos, da habilidade de algum monge de traduzir um texto do grego, do orgulho de algum rei ou califa de construir uma biblioteca repleta de preciosos manuscritos de outros povos, por vezes povos conquistados, para abrilhantar o seu reino ou o seu ego.  E muito do que foi passado de geração em geração, principalmente nas culturas orais – como é o caso da nossa —  dependeu, mais do que se admite da memória singular de uma avó, de uma tia, de um antepassado que cantava o seu conhecimento.

Graças à internet e à democratização de tudo que se conhece e do que se pensa ou pensou, não viveremos mais sob a ditadura do conceito de que o acesso a qualquer informação é só para os iniciados.  Graças à internet e ao fácil acesso a informação conseguiremos mudar a cara do Brasil, saber quem realmente somos e decidir sobre aquilo que devemos reter nessa grande massa de informação na qual vivemos.








%d blogueiros gostam disto: