Quadrinha para o Dia das Mães

9 05 2014

 

 

mãe ninando o bebe. frederick richardson, 1975Ilustração de Frederick Richardson, 1975.

 

Tão pequenino e, no entanto,
traduz o amor mais profundo;
que nome existe, mais santo,
do que o teu, mãe, neste mundo?

(Cecília Cerqueira Cavalcanti)





Quadrinha para o Dia das Mães

8 05 2014

 

 

mãe com criança, tombo, jardim, guarda-sol, ilust walter craneIlustração de Walter Crane.

 

Ó minha mãe! em meus cantos,
num grato e eterno estribilho,
bendigo a Deus que, entre tantos,
me escolheu para teu filho!

(J.G. de Araújo Jorge)





Quadrinha para o Dia das Mães

7 05 2014

 

 

mãe e filha vestidos iguaisIlustração de moda, assinatura ilegível, 1930 (França).

 

Mamãe, boa mamãezinha,

Deus a proteja e abençoe;

mãezinha, minha rainha,

se sou ingrata, perdoe!

 

(Maria Guiomar Galvão Coelho Leal)





Quadrinha pelo Dia das Mães

6 05 2014

 

 

mãe e filho, Elizabeth Tyler WolcottIlustração de Elizabeth Tyler Wolcott.

 

Teu dia, Mãe, se reveste
dos remorsos que chorei:
pelo muito que me deste
pelo pouco que te dei.

 

(Roberto Medeiros)





Fábula: a onça e o gato

11 06 2013

Joacilei Gomes Cardoso,(Brasil, 1960)Onça deitada, ost,100 X 180cm.www.projetoararaazul.org..br

Onça deitada, s/d

Joacilei Gomes Cardoso,(Brasil, 1960)

óleo sobre tela, 100 X 180cm

www.projetoararaazul.org.br

 A onça e o gato

A Onça pediu ao Gato que lhe ensinasse a saltar. O Gato saltou, então, de todas as maneiras.  Quando terminou, a Onça disse que ia também saltar para ver se tinha aprendido. Começou então a repetir os saltos do Gato. Mas, de repente, deu um pulo sobre o mestre para devorá-lo. Este, porém, deu um salto para o lado, evitando o golpe da Onça. Queixou-se esta de que o Gato não lhe tinha ensinado esse salto.  Ao que o Gato respondeu:

— “Não sou tão tolo que, ao menos, não reservasse este pulo para me livrar das suas garras”. E com outro salto de mestre, sumiu no mato.

Em: Terra Bandeirante, 3º ano, a história, as lendas e as tradições do estado de São Paulo, Theobaldo Miranda Santos, São Paulo, Agir: 1954.





Os pessegueiros, de Guerra Junqueiro

14 03 2013

a-boy-with-peachesAleksander Gierymski (1850 – 1901, Polish)

Menino com pêssegos, 1892

Julian Falat (Polônia, 1853 – 1929)

aquarela sobre papel, 46 x 36 cm

Obra perdida durante a segunda guerra mundial, 1939-1945

The Lost Museum

Os pessegueiros

Guerra Junqueiro

Um lavrador tinha quatro filhos, trouxe-lhes um dia cinco pêssegos magníficos. Os pequenos, que nunca tinham visto semelhantes frutos, extasiaram-se diante das suas cores e da fina penugem que os cobria. À noite, o pai perguntou-lhes:

— Então, comeram os pêssegos?

— Eu comi, disse o mais velho. Que bom que era! Guardei o caroço, e hei de plantá-lo para mais tarde nascer uma árvore.

— Fizeste bem, respondeu o pai, é bom ser econômico e pensar no futuro.

— Eu, disse o mais novo, o meu pêssego comi-o logo, e a mamã ainda me deu metade do que lhe toco a ela. Era doce como mel.

— Ah! Acudiu o pai, foste um pouco guloso, mas na tua idade não admira; espero que quando fores maior te hás de corrigir.

— Pois eu cá, disse o terceiro, apanhei o caroço que meu irmão deitou fora, quebrei-o e comi o que estava dentro, que era como uma noz. Vendi o meu pêssego e com o dinheiro hei de comprar coisas quando for à cidade.

O pai meneou a cabeça.

— Foi uma idéia engenhosa, mas preferia menos caçulo. E tu, Eduardo, provaste o teu pêssego?

— Eu, meu pai, respondeu o pequeno, levei-o ao filho do nosso vizinho, ao Jorge, que está, coitadinho, com febre. Ele não queria, mas deixei-lhe em cima da cama, e vim-me embora.

— Ora bem,  pergunto o pai, qual de vós é que empregou melhor o pêssego que eu lhe dei?

E os três pequenos disseram à uma:

— Foi o mano Eduardo.

Este, no entanto, não dizia palavra, e a mãe abraçou-o com os olhos arrasados de lágrimas.

Em: Contos para a Infância, edição do Porto, de 1953, sem editora.





Todo cuidado é pouco, texto de leitura escolar

25 09 2012

Guarda de trânsito, ilustração de Helen Prickett.

Todo cuidado é pouco

A vida no meu bairro começa cedo. Mas desponta o sol no horizonte, tem início o movimento. As ruas se enchem de pessoas e veículos. Primeiro, surgem os ônibus levando os operários para as fábricas e construções. Depois aparecem os carrinhos de sanduíches, oferecendo café da manhã para quem está com pressa.  Aparecem logo também as motocicletas dos entregadores e as bicicletas de quem trabalha mais perto.  Mais tarde, vêm os caminhões carregados de mercadorias e os automóveis conduzindo passageiros para o centro da cidade.

Às sete horas, quando saio para a escola, o movimento é intenso.  Sigo então pela calçada, evitando esbarrar nos outros. Quando preciso mudar de calçada, olho para os lados e, se não vem nenhum veículo, atravesso a rua com cautela. Faço isso porque tenho lido, nos jornais, notícias de desastres com meninos imprudentes, apanhados pelos automóveis.

Não quero ficar aleijado para toda vida, como Zezé, meu vizinho, que desobedeceu a ordem do guarda-civil e foi atropelado por um caminhão.

Para subir e descer do ônibus, espero que ele pare completamente.  Não gosto de apanhar o ônibus andando.  Não desejo voltar para casa num carro do Pronto Socorro. Por isso quando ando pela cidade, nunca esqueço das palavras do papai:

— Na rua, meu filho, todo cuidado é pouco!

TEXTO EDITADO E ADAPTADO

De: Leituras Infantis, Theobaldo Miranda Santos, 2º livro, para escolas primárias do Brasil, 14ª edição, Rio de Janeiro, Agir: 1962.








%d blogueiros gostam disto: