“A Inglaterra dos imigrantes”, texto de Hanif Kureishi

9 04 2018

 

 

767px-The_Secret_of_England's_Greatness'_(Queen_Victoria_presenting_a_Bible_in_the_Audience_Chamber_at_Windsor)_by_Thomas_Jones_BarkerO segredo da grandeza da Inglaterra, 1863

[Rainha Vitória presenteando uma Bíblia na Câmara de Audiência, no Castelo Windsor]

Thomas Jones Barker (GB, ? — 1882)

óleo sobre tela

National Portrait Gallery, Londres

 

 

 

“Por fim, Mamoon abriu os olhos para dizer: “Vivemos num país que só tem passado e nenhum futuro. SE sou conservador é porque desejo conservar o que considero o caráter desse passado, da Inglaterra, e do povo inglês. Sou imigrante, mas a Inglaterra é meu lar. Passei mais tempo neste deserto de macacos, nesta democracia de asnos, do que em qualquer outro lugar. Também tenho acompanhado sua comédia e sua tragédia com muito interesse. Quando eu era criança a Grã-Bretanha era o país mais poderoso do planeta, seus representantes eram temidos e admirados. Adoro o ceticismo que ele desenvolveu nos anos 60, a maneira como as figuras políticas, longe de serem idealizadas, como são muitas vezes em outros países, são avacalhadas e ridicularizadas sem medo.

“Porem agora, ao que parece, nós, escritores e artistas não temos permissão para ofender. Não devemos questionar, criticar ou insultar os outros, com medo de sermos perseguidos e assassinados. Hoje em dia, um escritor sem guarda-costas dificilmente pode ser considerado um escritor sério. Uma resenha ruim é o menor de nossos problemas. Qualquer idiota que acredite em qualquer insanidade deve ser tratado com complacência, porque é seu direito humano. O direito de falar é sempre usurpado, sempre condicional. Temo que o jogo esteja quase encerrado para a verdade. As pessoas não a desejam; não as ajuda a ficarem ricas.”

 

 

Em: A última palavra, Hanif Kureishi, São Paulo, Cia das Letras:2016, p. 117

 

 





Lidos: nas duas últimas semanas!

4 03 2018

 

 

DSC03753

 

Receita para ler muito:

Prepare-se para mudar de residência.  Precisa de uma pequena obra?  Precisa de uma ligação da Companhia elétrica? E a entrega de uma nova máquina de lavar, vai chegar quando?  Entre 12 e 18 horas?  Prepare-se para horas e mais horas de espera em um local sem móveis, sem conforto, sem ar-condicionado, sem ninguém.  Compre uma cadeira de praia como fiz, leve uma garrafa grande de água mineral e comece a ler. Na verdade, você terá tanto tempo de espera, que o passatempo LER, começa a ser enfadonho, a não ser que você se dedique a mais de um livro.  Foram 4 livros nas duas últimas semanas, e estou matando mais dois logo no início desta semana porque as coisas ainda não entraram nos eixos… E olhem só: estou me mudando para um local a menos de 4 km de onde moro.  É uma parada!  Não sei se é assim fora do Rio de Janeiro, mas é assim que as coisas funcionam: paramos para Carnaval, para enchente, para festas, para fim de semanas… ninguém dá hora de entrega ou de chegada.  Um dos meus trabalhadores, que iria colocar insufilme nas janelas, foi roubado no meio do caminho, no ônibus.  O bombeiro eletricista faltou três dias seguidos porque sua casa inundou com a chuvarada … enfim  vamos falar de leituras. Destes livros, dos 4 cujas sinopses coloco aqui, dois eu já havia lido e os reli porque fizeram parte das leituras do grupo Ao Pé da Letra.

 

LIDOS:

A LIVRARIA
Penelope Fitzgerald
Bertrand:2018

SINOPSE

O livro que deu origem ao filme estrelado por Emily Mortimer, de A ilha do medo, e Patricia Clarkson, de House of Cards Florence Green, uma viúva de meia-idade, decide abrir uma livraria — a única — na pequena Hardborough, uma cidade costeira no interior da Inglaterra. Florence não esperava, contudo, que seu projeto pudesse transformar Hardborough em um campo de batalha: enquanto a influente e ambiciosa Violet Gamart, que tinha outros planos para a centenária casa que ela escolheu como sede, faz de Florence sua inimiga, a empreendedora também conquista um aliado na figura do excêntrico Sr. Brundish. Na história de Florence Green enfrentando a cortês mas implacável oposição local, vê-se a denúncia de uma estrutura de privilégios apoiada em invejas e crueldades, e, no microcosmo de Hardborough, Penelope Fitzgerald monta um cenário repleto de detalhes precisos e personagens atemporais.

 

A MULHER NA ESCADA

Bernhard Schlink

Record: 2018

SINOPSE

Por décadas, o mundo da arte acreditou que um quadro estava perdido. Em um museu na Austrália, um homem se depara com uma tela que retrata a mulher por quem, há muito tempo, arriscou tudo e que, em seguida, desapareceu misteriosamente de sua vida. Quando era um jovem advogado, ele foi atraído para um relacionamento complicado e destrutivo, um triângulo amoroso formado por um pintor, pela mulher cujo retrato ele havia feito e pelo marido dela. Os três o envolveram em uma rede de obsessão, intriga e traição. Agora, ao se ver diante da pintura que desencadeou tudo, o advogado precisa lidar com o passado e com o que sua vida se tornou. E, quando ele consegue localizar a mulher, é forçado a enfrentar o verdadeiro significado do amor que nutria por ela e a influência que esse sentimento teve por toda a sua vida.

“A mulher na escada”, de Bernhard Schlink, autor do best-seller “O leitor” é um romance intrincado, comovente e encantador sobre criatividade e amor, sobre os efeitos da passagem do tempo e, acima de tudo, sobre os arrependimentos que nos acompanham ao longo da vida.

 

Estes dois extraordinariamente bons.  Devo a todos minhas resenhas. Aliás devo resenha dos quatro.

 

RELIDOS

MOÇA COM  BRINCO DE PÉROLA

Tracy Chevalier

Betrand: 2002

 

SINOPSE:

Em meio a sua carreira, o célebre pintor holandês Johannes Vermeer pintou uma moça de turbante e brinco de pérola.

Este famoso quadro, ´Moça com Brinco de Pérola´, tem sido chamado de a Mona Lisa holandês. Às vezes, a moça parece estar sorrindo sensualmente; outras, insuportavelmente triste…

História e ficção se misturam, imperceptíveis, neste brilhante romance sobre sensibilidade artística e despertar da sensualidade por meio dos olhos da jovem que inspirou um dos mais famosos quadros de Vermeer, considerado por muitos especialistas em arte a obra-prima do pintor.

 

Minha 4ª leitura foi

BARTLEBY, THE SCRIBNER [ No Brasil, Bartleby, o escriturário, ou o escrivão]

de Herman Melville

Que li em inglês porque tinha em casa e era projeto do grupo Ao Pé da Letra, assim como o livro de Tracy Chevalier.

SINOPSE

Publicado anonimamente em 1853, Bartleby, o escriturário: uma história de Wall Street revela o estilo bem-humorado e por vezes sombrio de Herman Melville (1819-1891). Trata-se de uma história surpreendente pela simplicidade e aterradora pelo realismo. O narrador, um bem-sucedido advogado, contrata Bartleby para trabalhar como auxiliar de escritório. Ele se mostra um prestativo funcionário até que um dia, sem razão alguma, responde a um pedido de seu chefe com um desconcertante “Prefiro não fazer”. Esse desacato, essa insubordinação ultrapassa a compreensão humana: é como se rompesse com a organização moral do mundo, desafiando verdades até então universais.

 

Então, recomendo os quatro.  Resenhas seguirão quando eu encontrar tempo para pensar, no momento só posso ler mesmo.





Os livros mais lidos do mundo!

28 02 2018

 

 

HAROLD HARVEY (BRITISH, 1874-1941) Portrait of Stella Mary Burdett, ost, 51 x 40 cmRetrato de Stella Mary Burdett

Harold Harvey (GB, 1874 – 1941)

óleo sobre tela, 51 x 40 cm

 

 

É muito interessante perguntar ao Google quais são os 10 livros mais lidos no mundo.  Dependendo da língua que usamos para fazer a pergunta as respostas diferem um pouco.  Mas, é claro, há alguns pontos em comum.  O mais claro é a leitura da Bíblia, que aparece quase sempre em primeiro lugar.  (Estou falando aqui do mundo ocidental)

 

Em inglês

 

nº – 10 — O diário de Anne Frank, Anne Frank

nº – 9 — Pense e enriqueça, Napoleon Hill

nº – 8 — E o vento levou, Margaret Mitchel

nº – 7 — Saga do Crepúsculo, Stephenie Meyer

nº – 6 — O código Da Vinci, Dan Brown

nº – 5 — O alquimista, Paulo Coelho

nº – 4 — Senhor dos anéis, Tolkien

nº – 3 —  Harry Potter,  J. K. Rowling

nº – 2 — Citações do Chairman Mao, Mao Tse-Tung

nº – 1 — Bíblia

 

Em espanhol

 

nº – 10 — As mil e uma noites

nº – 9 — A metamorfose, Franz Kafka

nº – 8 — Senhor dos anéis, Tolkien

nº – 7 — O código Da Vinci, Dan Brown

nº – 6 — O alquimista, Paulo Coelho

nº – 5 — O diário de Anne Frank, Anne Frank

nº – 4 — O pequeno príncipe, Saint-Exupéry

nº – 3 —  Cem anos de solidão, Gabriel Garcia Marquez

nº – 2 — Don Quixote de la Mancha, Cervantes

nº – 1 — Bíblia

 

Em francês

 

nº – 10 — Alice nos país das maravilhas, C. S. Lewis

nº – 9 — O Sonho da Câmara Vermelha, Cao Xueqin

nº – 8 — O pequeno príncipe, Saint-Exupéry

nº – 7 —  O Senhor dos anéis, Tolkien

nº – 6 — Um conto de duas cidades, Charles Dickens

nº – 5 —  Harry Potter,  J. K. Rowling

nº – 4 — Don Quixote de la Mancha, Cervantes

nº – 3 — Citações do Chairman Mao, Mao Tse-Tung

nº – 2 — O Corão

nº – 1 — Bíblia

 

Em italiano

 

nº – 10 — O senhor dos anéis,  Tolkien

nº – 9 — O pequeno príncipe, Saint-Exupéry

nº – 8 — Cinquenta tons de cinza, E. L. James

nº – 7 —  O Sonho da Câmara Vermelha, Cao Xueqin

nº – 6 — Harry Potter e a pedra filosofal, J. K. Rowling

nº – 5 —  O caso dos dez negrinhos, Agatha Christie

nº – 4 — Hobbit, Tolkien

nº – 3 — O jovem Holden [Semeador de centeio], J. D. Salinger

nº – 2 — O alquimista, Paulo Coelho

nº – 1 — O código Da Vinci, Dan Brown

 

Na Alemanha

nº – 10 — O senhor dos anéis, Tolkien

nº – 9 — Escotismo para rapazes, Baden Powell

nº – 8 — Um conto de duas cidades, Charles Dickens

nº – 7 — Trechos selecionados, Mao Tse-tung

nº – 6 — Xinhua Zidian, dicionário do mandarim, Wei Jiangong

nº – 5 — Frases de Mao Tse-Tung, Mao Tse Tung

nº – 4 — Manifesto do partido comunista

nº – 3 — O Corão

nº – 2 — Citações do Chairman Mao, Mao Tse-Tung

nº – 1 — Bíblia

 

No Brasil

Não há uma listagem confiável.  Aqui a listagem é só de vendas. Cada livraria conta suas vendas.  Não há interlocução com bibliotecas para levar em conta livros emprestados, como acontece nos países de língua inglesa, francesa e alemã.  Talvez porque haja poucas bibliotecas.  Uma pena.  A lista que encontrei chega a dar dor… mas vejamos estes são os livros mais vendidos desde 2010.  Também não sei o quanto é válida.  Os editores não colaboram.  Estamos cheios de associações de editores, de intelectuais, etc, mas poucos abrem o jogo.  Temos uma tradição muito negativa de não divulgar dados.  Conhecimento é poder.  E quanto menor a área de poder, parece que mais arraigadas as pessoas ficam ao pouco que sabem. A conclusão é que religião vende.

Lista encontrada no Brasil.

 

nº – 10 — Kairós, Padre Marcelo

nº – 9 — Philia, Padre Marcelo

nº – 8 — O pequeno príncipe, Saint-Exupéry

nº – 7 — Jardim secreto, Johanna Basford

nº – 6 — Ansiedade, Augusto Cury 

nº – 5 — Cinquenta tons de cinza, E. L. James

nº – 4 — Ágape, Padre Marcelo

nº – 3 — A culpa é das estrelas, John Green

nº – 2 — Nada a perder 2, Edir Macedo

nº – 1 — Nada a perder 3, Edir Macedo





Palavras para lembrar — Christophe André

26 02 2018

 

 

715 Gabriel Picart (Espanha, 1962) ostMoça lendo

Gabriel Picart (Espanha, 1962)

óleo sobre tela

 

 

 

“Muitos estudos mostram que a leitura de obras de ficção aumenta a capacidade de empatia e de compreensão dos outros, comparada à leitura de não-ficção ou à ausência da leitura.”

 

 

Christophe André

 





“Os livros de amor”, texto de Luís Sepúlveda

8 02 2018

 

 

 

Ferdinand Hodler - Reading priestPadre lendo

Ferdinand Hodler (Suíça, 1853-1918)

óleo sobre tela, 71 x 51 cm

 

 

“O livro nas mãos do padre foi como isca para os olhos de Antonio José Bolívar. Pacientemente, esperou até que o padre, vencido pelo sono, o deixasse cair de um lado.

Era uma biografia de são Francisco, a qual ele examinou furtivamente, sentindo que ao fazê-lo cometia um pequeno roubo.

Juntava as sílabas, e à medida que o fazia, o desejo de compreender tudo o que havia naquelas páginas o levou a repetir a meia voz as palavras capturadas.

O padre despertou e observou, divertido, Antonio José Bolívar com o nariz metido no livro.

— É interessante? — perguntou.

— Desculpe, eminência.  Mas eu o vi dormindo, e não quis incomodá-lo.

— Interessa-lhe? — repetiu o padre.

— Parece que fala muito de animais — respondeu timidamente.

— São Francisco amava os animais. Amava todas as criaturas de Deus.

— Eu também gosto deles.  À minha maneira. O senhor conhece são Francisco?

— Não.  Deus me privou de tal prazer. São Francisco morreu há muitíssimos anos. Quer dizer, deixou a vida terrena e agora vive eternamente junto ao criador.

— Como sabe disso?

— Porque li o livro. É um dos meus preferidos.

O padre enfatizava suas palavras acariciando a rafada brochura. Antonio José Bolívar o olhava enlevado, sentindo a coceira da inveja.

— O senhor leu muitos livros?

— Uma porção. Antes, quando ainda era jovem e meus olhos não se cansavam, devorava toda obra que parasse em minhas mãos.

— Todos os livros tratam de santos?

— Não. No mundo há milhões e milhões de livros. Em todas as línguas, e abrangem todos os temas, inclusive alguns que deveriam estar proibidos aos homens.

Antonio José Bolívar não entendeu aquela censura e continuou com os olhos cravados nas mãos do padre, mãos gorduchas, brancas sobre a brochura escura.

— De que falam os outros livros?

— Já lhe disse. De todos os temas. Há livros de aventuras, de ciência, histórias de seres virtuosos, de técnica, de amor…

O último interessou-lhe. Conhecia do amor aquilo que ouvia nas canções, especialmente nos pasillos cantados por Jurito Jaramillo, cuja voz de guaiaquilenho pobre às vezes escapava de um rádio de pilhas tornando os homens taciturnos. Segundo os pasillos, o amor era como uma picada de um inseto invisível, mas procurado por todos.

— Como são os livros de amor?

— Temo que não possa lhe falar disso. Não li mais que  um par.

— Não importa. Como são?

— Bem, contam a história de duas pessoas que se conhecem, se amam e lutam para vencer as dificuldades que os impede de ser felizes. ”

 

Em: Um velho que lia romances de amor, Luís Sepúlveda, tradução de Josely Vianna Baptista, São Paulo, Editora Ática: 1995, pp 42-43.

 





“A magia das palavras”, Hanif Kureishi

5 02 2018

 

 

(ilustración de Duy Huynh)Ilustração de Duy Huynh.

 

 

 

“Mamoon sempre se preocupou com a tarefa quase impossível de usar palavras reais para descrever coisas invisíveis. Você e eu sabemos que a linguagem é o único encantamento que existe. A magia alternativa — feitiços, cristais, lâmpadas para esfregar, tudo isso não passa de doces futilidades.”

 

 

Em: A última palavra, Hanif Kureishi, São Paulo, Cia das Letras:2016, p.254





Gates e Zuckerberg sugerem leituras para Davos

20 01 2018

 

 

Pausa na leitura em viagem de aviãoLeitura para viagem

 

 

Esta semana que se inicia traz para o noticiário internacional o encontro anual do Foro Econômico Mundial que se reúne em Davos, na Suíça.  O jornal The Guardian, do Reino Unido, publicou há uns dez dias as sugestões de leitura que tanto Bill Gates quanto Mark Zuckerberg deram para esta ocasião, baseadas no que eles estarão lendo durante o encontro.  Achei interessante saber que o gol de Gates é ler pelo menos um livro por semana e o de Zuckerberg, ler  um a cada duas semanas.  Com tudo que esses empresários fazem, o ritmo de leitura é bastante puxado.  Mas não é de surpreender, afinal, ambos — o segundo e o quarto empresários mais ricos do mundo — acreditam que o fato de lerem muito os levou ao sucesso.

São três sugestões de leitura, todas três já traduzidas para o português.  Que beleza!

 

Slide1

 

Ambos concordam que a leitura de  Better Angels of Our Nature: Why Violence has Declined, do psicólogo Steven Pinker é leitura obrigatória para o mundo de hoje.

Outras sugestões:

The Gene: An Intimate History , do oncologista Siddhartha Mukherjee, também  é sugestão de Bill Gates

Para uma boa distração, Zuckerberg sugere The Three-Body Problem do escritor chinês Liu Cixin, sugestão de Mark Zuckerberg.

 

No Brasil:

Os anjos bons da nossa natureza: por que a violência diminuiu, Steven Pinker, Cia das Letras: 2013, 1087 páginas

O gene: uma história íntima, Siddhartha Mukherjee, Cia das Letras: 2016, 656 páginas

O problema dos três corpos, Liu Cixin, Suma das Letras: 2016, 320 páginas

 

Então vamos aceitar essa lista?  Lanço um desafio: ler pelo menos dois deles, sendo que um deles há de ser Os anjos bons da nossa natureza: por que a violência diminuiu, Steven Pinker.

 

 

 








%d blogueiros gostam disto: