Menina loura, poesia de Stella Leonardos

15 03 2017

 

 

VAN DIJK, WIN (1915-1990)RetratodeMariaCatarina Douat,ost, 1957,95 X 60Retrato da menina Maria Catarina Douat, 1957

Win van Dijk ( Holanda/Brasil, 1915-1990)

óleo sobre tela, 95 x 60 cm

 

 

Menina Loura

 

Stella Leonardos

 

(Para Leilá)

 

 

É uma sílfide dançando.

É uma infanta adolescendo.

Cabelo de ouro brilhando.

Alvor de lírio crescendo.

 

Coração de cristal puro,

Alma de rosa nevada,

Sonha trepada no muro.

E não sabe que é uma fada.

 

 

Em: Pedaço de Madrugada, Stella Leonardos, Rio de Janeiro, Livraria São José: 1956, p.51





A intrigante primeira frase…

6 03 2017

 

 

VICENTE ROMERO (Espanha, 1956) Leitura - Pastel - 60 x 81.Leitura

Vicente Romero (Espanha, 1956)

Pastel,  69 x 80 cm

 

 

“Meu irmão é adotado, mas não posso nem quero dizer que meu irmão é adotado.”

 

 

Julián Fuks em A resistência, São Paulo, Companhia das Letras:2015, página 9, primeiro capítulo, primeira página.

 

 

 





Canção, poesia de Mauro Mota

9 02 2017

 

 

candido-portinari_flautista-1934-oleo-sobre-madeira46-x-375cm-col-part

Flautista, 1934

Cândido Portinari (Brasil,  1903-1962)

óleo sobre madeira, 46 x 37 cm

Coleção Particular

 

 

 

Canção

 

Mauro Mota

 

 

Para onde fui? Ou essa

música de onde veio?

Uma flauta divide

a noite pelo meio.

 

 

Em: Antologia Poética, Mauro Mota, Rio de Janeiro, Editora Leitura: 1968, p. 93.





Resenha: “A irmãs Makioka” de Jun’ishiro Tanizaki

27 01 2017

 

 

osakaO Castelo de Osaka, 1967

Yuzaburo Kawanishi (Japão, 1923)

xilogravura policromada

 

 

 

O ritmo, a saga de As Irmãs Makioka me lembraram Eça de Queiroz. Talvez seja por isso que desde o início me senti inclinada a gostar da obra de Jun’sihiro Tanizaki, sem levar em conta as mais de 700 páginas da edição brasileira.  O ritmo é lento. O texto se move como as estações do ano, vagarosamente, cada passagem de tempo uma atividade, novo enfoque, nova oportunidade.  Esperança. O universo é retratado nos detalhes, nas minúcias do cotidiano.  E são os pormenores da vida que nos dão a medida certa da sociedade que as produziu.

Considerado uma obra clássica da literatura japonesa, esse livro retrata o período em que o Japão esteve em guerra com a China até sua aproximação à Alemanha de Hitler.  No entanto, a julgar pelo descrito neste livro, no interior montanhoso do país, as guerras quase não tiveram impacto.  Os ecos das batalhas são longínquos e não arrepiam as penas dos pássaros nos jardins.  As irmãs Makioka retrata quatro anos (1936-1941) na vida de quatro irmãs vindas de uma família tradicional, de abastados comerciantes, que perdeu a influência financeira e social. Elas tentam manter, cada qual à sua maneira, as tradições familiares de classe e dinheiro, no entanto, os resultados são modestos e diferem para cada uma delas.  O Japão está no seu momento mais intenso de ocidentalização antes da segunda metade do século XX. E essa mudança de hábitos, de roupas, de maneiras de pensar está presente no dia a dia das irmãs.

 

as_irmas_makioka_1239396971b

 

 

No antigo Japão – e francamente não sei como é agora – irmãs haveriam de casar na ordem em que nasceram. Essa regra, mantida pelas Makiokas, é o fio da trama.  Na abertura, a primeira filha é casada com seis filhos, a segunda, casada com uma filha, a mais jovem, rebelde, desafiadora do status quo já está comprometida para casar, mas a terceira , não consegue um marido à altura, está ficando velha demais para um bom casamento e empaca a vida da mais nova.  A solução desse problema segura a narrativa de início ao fim.  Cada uma das irmãs é detalhadamente descrita, não há como confundirmos seus nomes.  Como  é um romance movido pelo personagens, com muito pouca ação, o conhecimento profundo de cada elemento é essencial.

A vida não para porque Yukiko não consegue casar.  Vez por outra aparece um pretendente. Nesse meio tempo há eventos do cotidiano: crianças crescendo, doenças, passeios em família, mudança de endereço e assim por diante.Aos poucos temos uma visão precisa de como era a vida antes da Segunda Guerra Mundial. Li esse livro nas férias, em três semanas.  Aproveitei o tempo letárgico do verão quente para parar a cada capítulo (eles são pequenos) e procurar na internet imagens do Festival das Cerejeiras, do Dia das Meninas, a distância entre Osaka e Tóquio para entender o trauma de uma mudança de lá para cá. Procurei fotos de glicínias e outras flores mencionadas.  Fui atrás de explicações para as partes de um quimono, assim como os rituais mencionados. Tive por causa disso outros meios de apreciar a leitura. Enfim, tive o luxo de poder dar tempo à narrativa, deixá-la criar raízes.

 

 

d6c2e4fce76e5dfabeb10ad04be00704

Jun’shiro Tanizaki

 

 

Esse é um belíssimo livro, retrato de uma época.  Foi escrito durante os anos da guerra entre o Japão e a China e publicado em 1948.  Tem sido desde então considerado uma obra-prima da literatura japonesa do século XX.  É fácil entender a razão: é a saga de uma família para sobreviver num mundo que muda rapidamente.  Durante a narrativa o Japão comemora 2.600 anos de existência.  Muitos dos rituais da corte e da sociedade japonesa ainda preserva antigos hábitos em descompasso com a ocidentalização, que já vinha se estabelecendo na terra do sol nascente desde o século XVIII através do comércio com a Holanda. O que se testemunha na leitura é um adeus às velhas maneiras.  Algo que não acontece de repente, não até perder a Segunda Guerra Mundial e ser ocupado pelas forças aliadas de reconstrução de 1945 a 1952.

Definitivamente essa leitura é um requisito para o leitor interessado da grande literatura e naquela produzida pelo Japão.

 

 

 

Salvar





Receitas e outras interrupções irrelevantes na literatura

14 08 2016

 

 

 

5360fec4fe2a7d52e71384213339efff

 

 

Moda? Tendência?  Já notou como está na moda a sequência de notas totalmente irrelevantes ao desenvolvimento de uma narrativa, no meio de um texto?  Digamos um romance?  Não consigo imaginar a razão desse fenômeno.  Há alguns anos parecia uma característica de um ou outro escritor, mas agora, talvez por coincidência, parece que estou rodeada desses textos.  Nessas férias li dois livros seguidos com interrupções da narrativa para a apresentação de receitas culinárias.  Para quê?  Para parecer mais real?  Por que tenho que ler como se faz um risoto de aspargos quando os personagens de A delicadeza, de David Foenkinos, estão num restaurante conversando sobre outras coisas, não relacionadas à culinária?  Por que de repente me encontro com a receita do prato que eles pediram para o garçom?  Por que  isso é relevante?   Por que gastar a energia e a atenção do leitor quando esse detalhe não terá nenhuma relevância na história?

O mesmo ocorre com o recém-lançado Etta e Otto e Russell e James de Emma Hooper,  onde de repente, na página 54, não é suficiente sabermos que “Otto pegou  um cartão da seção de café da manhã/lanches” – e fez pãezinhos de acordo com a receita que encontrou.  Não.  Temos que gastar o nosso tempo de leitura com toda a receita, verbatim, de Pãezinhos de canela, para  logo em seguida, na página 56, sermos apresentados à receita de Testar o fermento, para os referidos pãezinhos.  Nada além disso irá acontecer a respeito desses pães.  Ninguém vira padeiro, ninguém é envenenado.  É uma aparição gratuita.

Não se trata em nenhum desses casos da história de um personagem envolvido numa cozinha, cozinheiro, ajudante de cozinha, ou alguém num programa de televisão de culinária.  Não.  São personagens com outras profissões. Com outros problemas. Não se trata de obras como A festa de Babette,  filme de 1987, onde o próprio fazer de uma refeição é o ponto central da trama.

Entendo que é uma moda: a mistura de receitas com texto.  Mas há que haver uma razão para isso, como houve  em  2011.  O oficial dos casamentos, livro do inglês Anthony Capella é um exemplo.  Um romance leve sobre o finalzinho da Segunda Guerra Mundial na Itália.  Havia receitas no texto, mas havia também uma cozinheira que era um personagem principal.

Reclamo de toda essa informação  descartável, desnecessária, desimportante que atola a imaginação do leitor com dados  insignificantes e totalmente desprezíveis.

Emma Hooper abusa do truque da informação irrelevante.  Depois da personagem Etta receber uma carta, a autora lista verbatim, cada carta resposta possível que Etta não escreveu. São sete as cartas começadas com a seguinte introdução:  “Quando Etta respondeu, não disse, [seguida de uma carta].  Sete vezes esse detalhamento do que não aconteceu.  Na oitava versão, a introdução: “O que ela disse foi, [páginas 140 e 141].  Ora pura preguiça de narrar e selecionar o que  é importante.

Espero que passe logo essa nova estética de “reality show” na literatura. Porque se eu quisesse novas receitas, acreditem ligaria a televisão nos canais especializados em culinária e aprenderia a fazer um jantar com os melhores professores, não iria ser um romancista a me dar aulas de pãezinhos ou risoto.  Posso aprender com os grandes chefes, diretamente de suas cozinhas.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar





Rosinha da Roda, poesia de Stella Leonardos

24 05 2016

 

 

Edvard_Munch_-_Four_Girls_in_Åsgårdstrand_-_Google_Art_ProjectQuatro meninas em Åsgårdstrand, 1903

Edvard Munch (Noruega, 1863-1944)

óleo sobre tela, 87 x 111 cm

Museu Munch, Oslo

 

 

Rosinha da Roda

 

Stella Leonardos

 

 

Elas eram quatro rosas

Sendo cada qual mais bela.

A vermelha, a cor de rosa.

A de corola amarela…

Mas a quarta era Rosinha,

Branca branca, bem singela.

Levou-a Deus manhãzinha.

Que era rosa de anjo, aquela.

 

 

Em: Pedaço de Madrugada, Stella Leonardos, Rio de Janeiro, Livraria São José:1956, p.63





A intrigante primeira frase …

9 05 2016

 

1-hippo-watercolor-painting-juan-boscoIlustração Juan Bosco.

 

 

“O primeiro dos hipopótamos, macho da cor das pérolas negras e tonelada e meia de peso, caiu morto em meados de 2009.”

 

 

Juan Gabriel Vásquez em O ruído das coisas ao cair, Rio de Janeiro, Objetiva: 2013, página 13, primeira frase, primeiro capítulo.








%d blogueiros gostam disto: