Resenha: “A distância entre nós”, Thrity Umrigar

25 06 2020

 

 

Girl reading, Painting by Vishalandra Dakur (India), Oil on Wood. Its dimensions are 25.4x20.3x0.5 cm.Jovem lendo

Vishalandra Dakur (India, contemporâneo)

óleo sobre madeira, 24 x20 cm

 

Na geometria projetiva duas linhas paralelas se encontram no infinito.  No livro A distância entre nós de  Thrity Umrigar elas não só se encontram como colidem por volta da página trezentos.  Trata-se da história de duas famílias lideradas por mulheres viúvas, na maior e mais importante cidade indiana, Bombaim.  Sera Dubash é uma mulher de classe média alta, parsi, que vive confortavelmente num apartamento na zona residencial da metrópole.  Tem uma filha, casada, passando pela primeira gravidez e cuida da sogra idosa e acamada.  Sera tem uma empregada doméstica há mais de vinte anos, Bhima, com mais de sessenta anos, cujas dores do corpo maltratado precisa ignorar para trabalhar e manter a neta estudando.  Bhima é extremamente pobre. Vive numa favela na cidade, numa casa sem banheiro próprio. Necessita usar o sanitário comum do local e,  sem móveis, dorme no chão.

Ainda que Sera e Bhima vivam em mundos distantes, cada qual, à sua maneira, trata da outra, conhecendo os segredos que cada uma esconde, a vergonha social que as domina.  Sera foi protagonista de casamento violento e foi constantemente maltratada pela sogra que hoje depende de sua assistência. Bhima foi abandonada pelo marido, que ao sair de casa levou com ele o filho, deixando para trás a pequena irmã do menino.  Ao longo das décadas de serviço as duas mulheres vieram a se solidarizar com os sacrifícios que sabiam a outra fazia.  Bhima perde a filha e o genro para a AIDS e cria, agora, nos últimos anos de vida a neta, que, recipiente da generosidade de Sera, estuda na universidade, o que seria impossível de outra forma.  No entanto, quando o livro inicia, sabemos que uma grande desgraça acontece com Maya, neta de Bhima.  Ela engravida ainda solteira, enquanto cursa a faculdade e  Bhima se vê sem meios de resolver o problema a não ser com a ajuda de Sera e sua família. A solução e as razões evocadas para tal são fonte de grande conflito interior para Bhima e Maya e só no final, entendemos perfeitamente os motivos de tanto sofrimento.

 

A_DISTANCIA_ENTRE_NOS_1228172001B

 

Temos, portanto, uma prato cheio de emoções conflitantes. agravadas por preconceitos sociais, pobreza, intolerância e separação de castas sociais culturalmente mantidas, a despeito da constituição indiana de 1947, que as abole.

Thrity Umrigar é excelente escritora.  Mantém bom ritmo na narrativa, descreve, através dos pensamentos dos personagens, ambientes à sua volta. Diálogos e linhas de pensamento, reflexões sobre eventos passados abrem a porta para vislumbramos conflitos presentes. O texto corre solto, sem soluços,  visita cada família esboçada, e reflete das dúvidas às ações nem sempre dignas dos personagens.  Em menos tempo do que se imagina, é possível ver que as duas famílias se espelham e o paralelismo entre as realidades é conduzido com maestria.

 

MG_3278_mcavottaThrity Umrigar

 

Há leitores e leitores. Nos meus grupos de leitura A distância entre nós teve aprovação quase unânime.  O livro foi considerado repleto de questões relevantes, uma entrada para a cultura milenar da Índia, reflexivo sobre as emoções humanas mais conhecidas, arrebatadoras. Amor, traição, decepção, esperança, sacrifício, felicidade são todas emoções fortes, tratadas no desenvolver da história.  Sinto revelar que fui a voz da discórdia. Justamente porque há leitores e leitores.  A mim, agradam textos mais sutis. A meia palavra fere mais do que a altercação. Querelas sentimentais me cansam.  Não sou adepta da novela, muito menos das explosões emotivas tradicionalmente retratadas nos seriados mexicanos, por exemplo.  Arroubos de emoção (seja ela a que for) me distanciam.  Acho-os de difícil empatia. E a escrita de Thrity Umrigar, neste livro, detalha as fortes emoções que levam a decisões extremas.  Um pouco fora da minha preferência.

Mas, se você acredita nas emoções violentas, nas emoções mais básicas do ser humano, do amor à traição e não se incomoda com os dramalhões.  Se você é noveleiro, se entende e simpatiza com o sofrimento escancarado dos personagens, este livro é para você. Boa história, resolução final esperançosa.  Vá em frente. Você vai gostar.

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem incentivos para a promoção de livros.





Meus favoritos: Anônimo, século XVII

1 02 2020

 

 

 

Netherlandish School, 17th Century, STILL LIFE OF AN ILLUMINATED MANUSCRIPT, oil on panel, 70x 65cmNatureza morta, um manuscrito iluminado, século XVII

Escola holandesa

óleo sobre madeira, 70x 65cm





Esmerado: Capa de livro, século IX

10 09 2018

 

 

02lorsc1Capa de livro, c. ano 810

Autor desconhecido

Alemanha, marfim

Victoria and Albert Museum, Londres

 

 

Essa capa de livro já enfeitou o Evangelho de Lorsch.

No centro a Virgem Maria é retratada sentada no trono celestial segurando Jesus Cristo, ela está acompanhada de Zacarias, ao seu lado direito, que aparece com o hábito religioso e, à esquerda, de São João Batista que segura um pergaminho em branco.

Abaixo cenas: Natividade, Presépio e Anúncio dos Anjos aos Pastores no campo.

 

 

02lorsc3

Capa detrás do Evangelho de Lorsch.

As molduras de metal torneado, que embelezam cada um dos cinco painéis decorativos produzidos no século IX, foram adicionadas mais tarde para que servissem de par com a capa da frente, que está em Roma.

No painel central vemos Cristo Salvador, com  dois anjos a seu lado.  Abaixo, cena da corte de Herodes, e  Adoração dos Reis Magos.

 





Imagem de leitura — Alexandros Christofis

11 02 2018

 

 

Alexandros Christofis (1882-1953) Boy readingMenino lendo

Alexandros Christofis (Grécia, 1882-1953)

óleo sobre tela, 36 x 27 cm





Minha arma … Rosa Montero em “A História do rei transparente”

15 08 2017

 

 

RAMON CASAS (Espanha, 1866-1932)Entre capítulos, 1890-, ost, 41x 32, Museu Nacional d_art de Catalunya.Entre capítulos, 1890

Ramon Casas (Espanha, 1866-1932)

óleo sobre tela, 41 x 32 cm

Museu Nacional de Catalunha

 

 

“… A pena treme entre meus dedos a cada vez que o aríete investe contra a porta. Um sólido portão de metal e madeira que não tardará a despedaçar-se. Pesados e suados homens de ferro se amontoam na entrada. Vêm à nossa procura. As Boas Mulheres rezam. Eu escrevo. É a minha maior vitória, minha conquista, o dom do qual me sinto mais orgulhosa; e as palavras, embora estejam sendo devoradas pelo grande silêncio, hoje constituem minha única arma.”

 

 

Em: História do rei transparente, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Ediouro:2005, página 9





Grandes começos…

25 06 2017

 

 

 

Carlos ygoa ( espanha, 1963)-Lendo, ost, 60x73Lendo

Carlos Ygoa (Espanha, 1963)

Óleo sobre tela, 60 x 73 cm

 

 

“Sou mulher e escrevo. Sou plebeia e sei ler. Nasci serva e sou livre.”

 

 

Em: História do rei transparente, Rosa Montero, Rio de Janeiro, Ediouro:2005 — primeiras frases …






Palavras para lembrar: Padre Antônio Vieira

30 05 2016

 

 

Heinz_Pinggera(Austria, n. 1900- )Poesia, ostPoesia

Heinz Pinggera (Itália, 1900 – ?)

óleo sobre madeira, 31 x 26 cm

 

 

“O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morte que vive.”

 

 

Pe. Antônio Vieira





Imagem de leitura — Bessie MacNicol

29 05 2016

 

 

Bessie MacNicol (Escócia)Elizabeth lendo, 1897

Bessie MacNicol (Escócia, 1869-1907)

óleo sobre tela





Imagem de leitura — William Savage Cooper

26 05 2016

 

William Savage Cooper, A sombrinha vermelha, ostA sombrinha vermelha

William Savage Cooper (GB, 1880-1926)

óleo sobre tela

 








%d blogueiros gostam disto: