Curiosidade literária: Evelyn Waugh

10 06 2019

 

 

 

EliÁguas-vivas sobre azul-anil

Eli Halpin (GB, contemporânea)

 

Em 1925, Evelyn Waugh, ainda desconhecido, sentiu-se entusiasmado com a perspectiva de trabalhar em Pisa, na Itália como secretário do escritor e tradutor Charles Kenneth Scott Moncrief, que estava naquela época envolvido com a tradução da obra de Marcel Proust,  À procura do tempo perdido, cujos primeiros dois volumes já haviam sido publicados.   Certo de que seria escolhido para a posição, Evelyn Waugh demitiu-se do trabalho como professor na Arnold House, um colégio para meninos no país de Gales.   Nesse meio tempo, ele havia mandado os primeiros capítulos de um livro que escrevia para o escritor Harold Acton [Sir Harold Mario Mitchell Acton] para que lhe desse sua opinião.  Acton não se mostrou entusiasmado.  Muito pelo contrário, reagiu de maneira bastante fria à proposta de Waugh, que ao perceber a reação do amigo de longa data, que, em parte, dizem ter inspirado o personagem ‘Anthony Blanche’ da obra Memórias de Brideshead, publicada anos mais tarde, Waugh prontamente queimou todo o manuscrito.

Logo depois de ter deixado sua posição na Arnold House, Evelyn Waugh soube que a posição de secretário de Moncrief não iria se concretizar. Essas duas derrotas, para quem estava tão certo de sucesso, foram suficientes para que Waugh entrasse em depressão e considerasse seriamente o suicídio.  É através de suas recordações que sabemos que ele levou a ideia do suicídio a sério.  Escreveu uma carta de adeus, foi à praia e deixando suas roupas embrulhadas junto com a carta, dirigiu-se ao mar com o objetivo de se afogar.  Eis que, já imerso na água, vencendo as ondas, é atacado por águas-vivas.  A dor e o desconforto foram tais, que ele voltou imediatamente para a areia, desistindo do plano.

E a literatura inglesa deve às águas-vivas a descoberta de um de seus grandes escritores do século XX.





Imagem de leitura — Lyn Fabian

8 05 2019

 

 

 

lyn fabian, (Austrália, contemp) time-out,Hora do descanso

Lyn Fabian (Austrália, contemporânea)

técnica mista

 





Ler livros para crianças

29 04 2019

 

 

 

Beth Palser, (EUA, contemporânea), Hora da Leitura, 2007, aquarelaHora da leitura, 2007

Beth  Palser (EUA, contemporânea)

aquarela

 

 

Recentemente Dr. Katherine Rundell, autora de livros infantis e também pesquisadora sobre o poeta John Donne no All Souls College, Oxford, deu entrevista ao jornal inglês The Guardian, onde explica sua teoria: adultos deveriam ler livros para crianças e adolescentes.

Não pense que ela defende essa ideia pensando em censura para os livros que seus filhos devam ou possam ler.  Nada disso.  Ela acredita que nos beneficiamos ao ler essas obras porque livros infantis lembram aos adultos o que é sonhar, desejar o impossível, pensar no que talvez não seja tão impossível.  Acreditar que pode haver justiça, amor, aventura e felicidade.  E também a ter esperança.

Tudo indica que ela não está sozinha nesta volta as livros da infância.  O mercado livreiro na Inglaterra mostra um aumento substancial de vendas de livros infantis para adultos. Numa pesquisa feita pelo jornal The Observer em 2018, foram vendidos 10 milhões e meio de livros de ficção para crianças, para serem lidos por pessoas acima dos 17 anos.  Isso reflete um aumento de 42% sobre 2015, quando só 7 milhões e 400 mil livros de crianças foram comprados para serem lidos por adultos.

Katherine Rundell acredita que isso faz parte do processo de auto conhecimento, de se voltar a ter contato com a criança que fomos. “Leia essa ficção e veja o mundo com olhos duplos: os seus e os da criança em você.”  Porque ler é uma das primeiras atividades que fazemos por nós mesmos. Ler os livros infantis que nos encantaram nos lembra de quem éramos quando criança, e mostra os elementos que fizeram a pessoa em que você se transformou.

Para leitura completa do artigo:

The Guardian





A intrigante primeira frase…

27 04 2019

 

 

 

mass-jose-gallegos

Missa, s.d.

José Gallegos y Arnosa (Espanha, 1859 – 1917)

óleo sobre tela, 51 x 71 cm

 

 

“Muito tempo antes que descobrissem que ele tinha dois filhos com mulheres diferentes, um em Drimoleague e o outro em Clonakilty, o padre James Monroe usou o altar da igreja de Nossa Senhora, Estrela do Mar, paróquia de Goleen, West Cork, para denunciar minha mãe com puta.”

 

 

John Boyne em: As fúrias invisíveis do coração, Rio de Janeiro, Companhia das Letras: 2017, página 13, primeira frase, primeiro capítulo.





Imagem de leitura — Aditya Phadke

3 04 2019

 

 

 

Luz dourada, Aditya Phadke (Índia, contemporâneo) Óleo sobre tela, 60 x 81 cmBrilho dourado

Aditya Phadke (Índia, contemporâneo)

Óleo sobre tela, 60 x 81 cm





Palavras para lembrar: Joseph Joubert

25 03 2019

 

 

 

Credit: Album / akg-imagesLeitores

Andrzej Pronaszko (Polônia, 1888 – 1961)

óleo sobre tela

 

 

“O grande inconveniente dos novos livros é que eles nos levam a ler os velhos.”

 

 

Joseph Joubert





Palavras para lembrar: Lin Yutang

20 03 2019

 

 

 

 

Leon Viorescu( Romênia,1886 - 1936)Leitura, ost, 64 x 49,5 cmLeitura

Leon Viorescu (Romênia, 1886 -1936)

óleo sobre tela, 64 x 49 cm

 

 

“Não se pode chamar leitura a essa tremenda quantidade de tempo que se perde com os jornais.”

 

Lin Yutang








%d blogueiros gostam disto: