Livro, um ótimo presente!

15 12 2013

WolfgangALT Leitora com bebe e gato, Wolfgang Alt (2012, ost, 60x80cm).Leitora com bebê e gato, 2012

Wolfgang Alt ( Alemanha, contemporâneo)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm

Este foi um ano difícil para manter a leitura de 3 a 4 livros ficção de  por mês. Acabei lendo um pouco mais que isso, mas a maioria de não-ficção, em inglês ou francês, porque grande parte das áreas que me interessam não têm viabilidade comercial para as editoras por falta de público no Brasil. Mesmo assim tenho alguns livros para recomendar no campo da ficção como presentes de Natal. Recomendo também um de não-ficção. Todos têm resenha completa aqui, siga o link em cada título listado para maior detalhamento.

Nota: A peregrina é uma leitora assídua, há muitos anos e bastante exigente. Não recebe livros de graça para fazer resenhas, nem é paga por nenhuma casa editorial para se manifestar a respeito dos títulos listados.

Ficção:

Nihonjin, Oscar Nakasato

O melhor livro de ficção brasileira que li este ano. A história se desenvolve em torno da imigração japonesa no Brasil. A questão da identidade do imigrante e o caso especial dos japoneses.  Um poema em prosa.

Os olhos amarelos dos crocodilos, Katherine Pancol

O primeiro de uma trilogia da escritora francesa que teve sucesso internacional. É um livro que não se consegue deixar de lado.  As “aventuras” contemporâneas levam a questões de autoestima e sucesso. .  Há um pouco de fantasia. Muito bom.

O silêncio das montanhas, Khaled Hosseini

Definitivamente um romance mais complexo do que foi o O Caçador de Pipas do mesmo autor.  Achei O silêncio das montanhas mais rico e profundo, dando uma visão diferente sobre a vida no Afeganistão contemporâneo.

O ancião que saiu pela janela e desapareceu, Jonas Jonasson

Esta é uma grande viagem de aventuras extraordinárias de um dos personagens mais incríveis que encontrei recentemente. Divertidíssimo, uma narrativa que consegue compreender o século XX inteiro. Entretenimento da melhor qualidade.

Acabadora, Michela Murgia

Belíssima história que nos leva a ponderar sobre a eutanásia e sobre a ética.  Texto sensível. Recomendo.

O advogado do diabo, Morris West

Este é um clássico de meados do século passado que continua relevante.  Foca no que é necessário para que a igreja considere alguém santo.  Mas no meio do caminho nos mostra como viver.  Está em edição de bolso.

Não-Ficção

A vida não é justa, Andréa Pachá

Coletânea de casos considerados pela juíza Andréa Pachá que nos mostram que a vida de todo mundo é muito mais interessante do que o roteiro de qualquer novela.  Ótima visão da maneira de viver dos brasileiros.





Os melhores livros de 2008 na França

12 01 2009

 

marcel-dyf-1899-1985-franca-femme-lisant-ost-53x65

 

Jovem mulher lendo, sd

Marcel Dyf  (França, 1899 – 1985)

Óleo sobre tela 53 x 65cm

 

 

 

 

 

É melhor ficar de olho!  2009 é o ano da França no Brasil. O primeiro ministro francês estará visitando o Brasil ainda uma vez, para comemorar.  É possível que as nossas editoras se empolguem e publiquem alguns dos livros que vêm movimentando a cena literária na França.  Poderemos, portanto, ficar na expectativa de alguns dos títulos listados abaixo;  pelo menos os que foram escritos originalmente em francês

 

 

Os melhores livros de 2008 na França de acordo com a revista LIRE.

 

1 – O Melhor do ano

 

France: ce que le jour doit à la nuit  de Yasmina Khadra  — ao que eu saiba, este título ainda não está traduzido para o português do Brasil, mas imagino que seja publicado pela Sa Editora que publicou por aqui outros títulos do mesmo autor: O atentado, As andorinhas de Cabul e As sirenas de Bagdá.   Yasmina Khadra é o pseudônimo do escritor argelino, Mohammed Moulessehoul um official do exército da Argélia que adotou um nome de mulher para escapar da censura militar.  Apesar de ter tido sucesso com diversos livros na Argélia, Moulessehoul só veio a revelar sua identidade em 2001, quando deixou o exército e partiu para exílio e reclusão na França. an officer in the Algerian army, adopted a woman’s pseudonym to avoid military censorship. Despite the publication of many successful novels in Algeria, Moulessehoul only revealed his true identity in 2001 after leaving the army and going into exile and seclusion in France.

 

 

2 –  La Route de Cormac McCarthy  — original em inglês; este já se encontra publicado no Brasil,  pela Alfaguara Brasil: A estrada.

 

3 —  Le déferlantes de Claudie Gallay  — original em francês, ainda não traduzido.

 

4 —  La montagne volante de Christoph Ransmayr – original em alemão; ainda não traduzido.

 

5    Les anées de Annie Ernaux – original em francês, nenhum dos livros dela traduzidos para o português.

 

6    Zone de Mathias Enard – original em francês, nenhum dos livros dele traduzidos para o português

 

7 —  La vie em sourdine de David Lodge, original em inglês;  muitos de seus livros já foram traduzidos, mas não este.

 

8 —  Beautiful people. Saint Laurent Leggerfeld.  Splendeurs et misères de la mode   de Alicia Drake – original em inglês, sem tradução

 

9 —  Le soldat et le gramophone de Sasa Stanisic, original em servo-croata, ainda não traduzido no Brasil.  Já publicado em Portugal, Como o soldado conserta o gramofone: Círculo de leitores.

 

10 – La meilleur part des hommes de  Tristan Garcia – original em francês, sem tradução.





A elegância do ouriço — o melhor do ano para o LIVRO ERRANTE

14 12 2008

 

 

 

 

 

A comunidade do Orkut chamada de LIVRO ERRANTE acaba de publicar a lista dos melhores livros lidos por seus membros no ano de 2008.  Para participar da lista o livro deveria ter sido recomendado por um membro e passado de mão em mão por membros da comunidade, ou seja, “Errado pelo Brasil”.  O que faz a escolha ainda mais interessante é que nem todos os livros são os que acabaram de ser publicados.  Junto com Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios, de Marçal Aquino estava concorrendo este ano, por exemplo, O velho e o mar de Ernest Hemingway.

 

Os vencedores este ano foram:

 

O melhor livro lido em 2008, segundo votação da comunidade Livro Errante:

 

A elegância do Ouriço – Muriel Barbery

 

 

 

A Elegância do Ouriço, Muriel Barbery, Companhia das Letras, Capa.

A Elegância do Ouriço, Muriel Barbery, Companhia das Letras, Capa.

 

 

 

Publiquei uma resenha deste livro aqui, para ler, clique AQUI.

 

 

Empatados em segundo lugar na preferência da comunidade L.E. com o mesmo número de votos:

 

 

A História do Rei Transparente – Rosa Montero

O castelo de Vidro – Jeanete Walls

Memorial de Maria Moura – Raquel de Queiroz

 

 

 

Em terceiro lugar ficaram:

 

A Louca da Casa – Rosa Montero

A Catedral do Mar – Ildefonso Falcones

 

 

 

 

 

Para a lista completa, visite o BLOG do LIVRO ERRANTE.

 

 

O que é a comunidade do Livro Errante?

 

É um grupo, composto por aproximadamente 270 leitores do Brasil inteiro que passa o ano emprestando, trocando e discutindo livros entre seus membros.  Estes são leitores compulsivos, inveterados.  Admitem que aí encontraram um meio de se conectar com pessoas com valores semelhantes, de todas as idades imagináveis e profissões diversas.    É uma das grandes histórias de sucesso deste portal de relacionamento.  Mais tarde, num outro post descreverei outras ramificações de sucesso que fizeram deste grupo de pessoas uma comunidade ímpar.  Eu mesma faço parte do grupo e reconheço sua grande influência na minha vida profissional e pessoal.  Apesar de ser uma leitora assídua, que dava conta em geral de uns 50 livros por ano, desde entrei para o LIVRO ERRANTE minha leitura não só aumentou em número como no leque de interesses.  E a possibilidade de trocar idéias com pessoas que leram os mesmos livros é fascinante.

 

A comunidade está aberta e pública, mas há regras na participação e há compromissos a serem feitos.  Participação é essencial.  Diferente de outras comunidades no Orkut, ninguém pode simplesmente entrar na comunidade para mostrar que aprova a idéia ou para dizer que é membro, ou melhorar o seu perfil.  Sem participação efetiva a comunidade retira o participante do grupo.  Esta é uma das regras. 

 

 





Autores estrangeiros nos EUA: os cinco mais cotados pela NPR

10 12 2008

 

Como parte dos rituais de fim de ano a NPR: National Public Radio, Washignton DC, EUA revelou a lista dos cinco melhores livros estrangeiros publicados naquele país em 2008.  É sempre muito interessante ver, não só para onde a indústria editorial está levando seus leitores nos EUA, mas também, ver o que foi considerado importante o suficiente para merecer o trabalho de um tradutor.  Os EUA são conhecidos por sua insularidade cultural, apesar do grande número de leitores no país.  O americano é notório por preferir autores nacionais no lugar dos estrangeiros.  E dos estrangeiros preferem os de língua inglesa, ao invés das publicações em que há necessidade de traduções.

 

A lista deste ano inclui dois livros escritos em espanhol, um em húngaro, um em italiano.  O outro foi escrito em inglês, mas seu autor é escocês.  Será que estes livros virão a interessar o leitor brasileiro?

 

 

 

senselessness_200

 

 

 

1 – SENSELESSNESS ( em espanhol: A insensatez) de Horácio Castellanos Moya — escritor de Honduras.  Uma sátira sobre um escritor latino americano que se encontra exilado e pobre.  Arranja um emprego para editar um documento descrevendo detalhadamente as torturas infringidas pelo governo ditatorial militar aos índios locais, num país vizinho. 

 

 

 

kelman_200

 

 

 

 

 

2 – KIERON SMITH, BOY do escocês James Kelman é um romance que tem como personagens centrais dois irmãos: Kieron e Matt.  Matt é considerado o mais inteligente, o favorito e é tratado diferentemente pelos avós que os criam em Glascow  O livro PE narrado por Kieron.

 

 

 

bolano_200

3 – 2666, Roberto Bolaño do escritor chileno/mexicano, que morreu recentemente (2003), já havia arrebatado os críticos nos EUA, no ano passado quando seu livro Os detetives selvagens [no Brasil: Cia das Letras: 2006] foi lançado.  Originalmente imaginado com um grupo de cinco livros diferentes, 2666 é um volume grosso, quase mil páginas em inglês, que começa com a vida de um escritor alemão no México.

 

 

 

 

metropole_200

 

 

 

 

 

4 – METROPOLE de Ferenc Karinthy, autor húngaro, que neste livro descreve a saga de Budai, um homem que se encontra perdido num país desconhecido, numa cidade com milhões de pessoas que n ao falam a sua língua e incapaz de se comunicar o suficiente para evitar um final previsível e caótico.

 

 

 

 

 

 

ferrante_200

 

 

 

 

 

5 – THE LOST DAUGHTER – a Itália se faz representar nesta lista com a obra de Elena Ferrante, cujos romances anteriores já haviam sido publicados nos EUA.  Este é um pseudônimo adotado para os trabalhos mais controversos deste/desta escritor.  Aqui é explorado, aparentemente com grande suspense, os sentimentos de uma mãe que não gosta de suas filhas.








%d blogueiros gostam disto: