Meninas: maior igualdade, melhor em matemática

9 01 2010

Um estudo realizado nos EUA mostra que, em países onde há mais igualdade entre os sexos, as meninas tendem a ter um melhor desempenho em matemática do que os meninos – apesar de terem menos confiança do que eles na matéria.

A pesquisa, realizada em três universidades americanas e publicada na revista da Associação Americana de Psicologia, mostra ainda que a falta de confiança das meninas em suas habilidades, no mundo inteiro, pode explicar por que elas acabam optando menos por carreiras em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.  “Estereótipos sobre inferioridade feminina em matemática são um contraste claro com os verdadeiros dados científicos“, disse Nicole Else-Quest, professora de psicologia da Villanova University e principal autora do estudo.

Nossos resultados mostram que as meninas obtêm os mesmos resultados que os meninos quando recebem as ferramentas educacionais corretas e têm modelos de mulheres que fazem sucesso na carreira científica.”  Else-Quest e sua equipe analisaram dados de dois estudos internacionais que, juntos, englobam mais de 493 mil estudantes entre 14 e 16 anos, em 69 países.

Um estudo se concentra no conhecimento geral do aluno sobre matemática, e o outro avalia a habilidade de cada um de usar suas habilidades matemáticas no mundo real, além de verificarem o nível de confiança do estudante e o quanto acreditavam que saber matemática seria importante em suas carreiras.    Segundo os cientistas, os resultados apresentavam poucas diferenças em relação ao sexo do aluno, mas havia muitas variações entre meninos e meninas de país para país.

Os pesquisadores também perceberam que, em países onde o nível da educação das mulheres e seu envolvimento político era melhor, as meninas tendiam a ter um melhor desempenho em matemática.   “Esta análise nos mostra que, enquanto a qualidade da educação e o currículo afetam o aprendizado das crianças, também pesam o valor que escolas, professores e pais dão a ele. As meninas podem ter um desempenho igual ao dos meninos se forem incentivadas“, afirmou Else-Quest.

Fonte: Terra





Apoiando a menina Geek

6 08 2009

girl-reading-on-chair-with-cat

 

A revista Wired está com um artigo muito interessante sobre modos de ajudar na educação de sua filha GEEK.  Esta é uma tradução liberal e adaptação de alguns pontos que o autora, Natania Barron, leva em consideração.  Primeiro ela lembra que educar um filho ou filha GEEK, não é lá muito fácil, mas que uma menina GEEK pode ter ainda mais problemas que um menino.

 

Problema n° 1 – O fator leitura

 

Todo GEEK lê.  Lê muito.  Todas as meninas GEEK logo descobrem uma maneira de se perderam nas fantasias de ficção científica, mistério, horror, e outras leituras do gênero não realista.  Enquanto suas colegas de turma estão se dedicando ao livros mais românticos, a menina GEEK provavelmente já leu mais do que elas e pode até  — para se entrosar com o grupo — tentar esconder este fato, o que seria uma vergonha!

 

Solução:

 

 Envolva-se com a leitura de sua filha GEEK.  Se você não conhece o suficiente sobre literatura que irá interessar a sua filha, sugira ou a ajude a formar um “clube de leitura GEEK” ou ela poderá se encontrar com outra meninas que tenham as mesmas preferências que ela.  Procure na livraria mais próxima de sua casa livros que possam vir a interessá-la e sugira ao gerente um encontro de meninas que gostem deste tipo de leitura.  Pode até influenciar nas vendas.  Dê apoio.

 

girllunarexplorer

 

 

Problema n° 2 –  Cultura POP

 

As meninas GEEK não vêem os programas mais populares na TV; não assistem aos filmes que todas as outras meninas vão ver; não se interessam pelas músicas mais populares entre outras adolescentes da mesma idade.  Freqüentemente as meninas GEEK  têm poucas amigas com quem trocar idéias, apesar de em geral se sentirem bastante apaixonadas pelo que lêem e fazem.  Essa falta de muitas amigas pode levá-la ao isolamento social na escola, à brincadeiras de mau gosto vindas dos outros adolescente e até mesmo podem levar à depressão.  

 

Solução:

 

 

Dê incentivo às coisas de que ela gosta, procurando achar meios dela poder se expressar através do que gosta.  Por exemplo se a sua filha fala Klingon fluentemente [Para os que não sabem: Klingon é a língua falada pelos extra-terrestres na série Star Trek  — e é uma língua, mesmo, tem até dicionário na web] ela vai precisar se encontrar com outros adolescentes ou jovens que estejam interessados em Klingonês.  Por exemplo ajude-a a entrar para comunidades sociais na internet – com a sua supervisão – em que outros jovens que falam Klingon também estejam.  Ou se o interesse dela está em estudos medievais, com os rituais e roupas medievais, considere um grupo do tipo Sociedade para a Criatividade Anacrônica.   Veja o site SCA.  Se não tem um grupo na sua cidade  (eu não encontrei nenhum no Brasil, mas achei na Austrália e na Nova Zelândia ) ajude a formar um, ou abra um semelhante, adaptado à realidade brasileira.  Vá até o clube que você freqüenta, veja se não há outros pais interessados em darem apoio a seus filhos.    Se sua filha gosta de ficção científica, pensa em levá-la a um festival de filmes de ficção científica.  Inscreva-a num curso de filmes de ficção científica.  Lembre-se que a internet pode facilitar muito as coisas.  O que é mais importante é que sua filha se sinta parte de uma estrutura social.  

 

geek boys

 

Problema n° 3 –  Os rapazes

 

Há muito mais meninos GEEK do que meninas.  É um fato.  Ainda que pareça interessante o fato de sua filha adolescente ter mais amigos homens do que mulheres, socialmente ela precisa da companhia de outra meninas.  É preciso que sua adolescente não se ache com uma falta de conexão com outras adolescentes.  As amizades femininas lhes serão muito importante para o resto da vida.  

 

Solução:

 

Procure entre a meninas mais chegadas, aquelas que cresceram cm sua filha ou as primas  ( primas são sempre ótimas, porque não são irmãs, mas não são desconhecidas).  Mesmo que essas meninas não sejam GEEKS, é importante que laços de amizade com meninas sejam fortificados.  Lembre a ela também que já existiram muitas e maravilhosas mulheres GEEK, no passado.  Lembre-a de Madame Curie, Maria Quitéria, Maria de Sanabria, Anita Garibaldi.  Faça-a orgulhosa de ser mulher e GEEK.

 

estudandomn6

 

 

Problema n° 4 – Inteligência

 

A maioria das meninas GEEK é bastante esperta.  Quer seja, Matemática, Ciência, Português ou Arte, ou até todas as matérias citadas, o fato é que elas se dão muito bem na escola têm habilidades intelectuais que podem e com freqüência intimidam colegas.  Além disso elas lêem muito.  Todas essas são características que não ajudam muito no campo da popularidade.  Colegas de turma darão risinhos, farão pequenas mas cortantes observações depreciativas que acabam ferindo o amor-próprio da adolescente.

 

Solução

 

Você não quer que a sua menina fique encabulada de ser inteligente e ainda por cima mais inteligente do que o resto da turma.  Preste atenção para ver se as notas dela estão baixando.  Não interfira diretamente, mas lembre-a dos objetivos futuros, da universidade, do carreira.  Mostre que você gostaria que ela se esforçasse mais um pouco se houver problemas com notas.  Mas nunca, nunca pare de incentivá-la nas coisas de que gosta.

 

autoconfiança

 

Problema n° 5 – auto-confiança

 

Muitas meninas, mesmo nos dias de hoje, nem descobrem que são GEEK.  Só sabem que gostam de coisas estranhas, de que ninguém gosta; sabem que tiram melhores notas que os demais.  Isso muitas vezes faz com que se sintam fora de contexto, como se não se entrosassem bem com o resto de seus pares.  Mesmo que venham a dizer que preferem ficar sozinhas no seus cantos, o fato é que a adolescência é a época de experimentarmos nossas habilidades sociais.  

 

Solução

 

De novo, incentive sua filha a seguir suas inclinações, mesmo que você não goste particularmente delas.  Se ela quer jogar futebol.  Deixe-a e incentive-a.  Se ela quiser jogar xadrez, a mesma coisa, incentive-a.  O importante é que ela encontre entre aquilo de que gosta de fazer pessoas jovens como ela que também se dedicam a esses passatempos.  

 

Não importa se sua filha é uma verdadeira GEEK ou se tem só algumas características, a coisa mais importante que você pode fazer por ela:  dar apoio.  Apóie-a naquilo de que ela gosta, pelo qual se interessa.  Fortaleça assim, sua auto-confiança, imagem que tem de si mesma.








%d blogueiros gostam disto: