Na tradição clássica: Nascimento de Dionísio

10 01 2019

 

 

 

dyonisos

 

Ânfora com o nascimento de Dionísio, entre 500 — 490 a. E.C.  [DETALHE]

Atribuído ao Pintor de Diosfos

Local de criação: Grécia, Sterea Hellas Evoia, Ática

Estilo grego, arcaico, com figuras negras

Argila, 20,5 cm, 12, 8 cm, 11, 8 cm diâmetro

Bibliothèque nationale de France

 

Lado oposto: Cena com Atenas e Hércules

 

 

O nascimento de Dionísio, deus grego, se prestou a diversas representações nas artes desde éa Grécia Antiga aos dias de hoje.  Dionísio teve como progenitores Zeus e Sêmele, que foi uma princesa de Tebas, filha de Cadmo, herói fundador daquela cidade.  Sêmele, de grande beleza, acabou seduzida por  Zeus , que se disfarçou de homem comum.   Para conquistá-la  Zeus prometeu a Sêmele  nunca lhe negar qualquer desejo.  Nesse meio tempo,  Hera, que já era casada com Zeus, não gostou da traição do marido e irmão.  Tomada por ciúmes,  Hera construiu um plano para se desfazer de Sêmele.  Disfarçou-se  de serva da princesa, e acabou por convencer a jovem a pedir uma prova de amor de Zeus. Queria que ele demonstrasse que  era quem dizia ser e que viesse vê-la com as roupas mais brilhantes que conseguisse.

É preciso lembrar algo importante para o desenrolar desta história.  A existência do rio Styx (Estige)  fronteira entre o céu e o inferno e caminho para a entrada ao submundo depois da morte, tinha águas com poderes milagrosos, tornando invulnerável quem nelas mergulhasse. Uma promessa feita  pelo rio Styx (Estige) era o voto mais sagrado que poderia ser feito.  E qualquer promessa não cumprida, Styx cobraria. Por isso, todos os juramentos feitos pelos deuses eram feitos à margem de suas águas, sendo obrigados a cumpri-los.  Por isso Zeus se  encontrou-se em dificuldades para atender ao pedido de Sêmele.  Acabaria por contrariar sua própria palavra ao Styx.

Zeus cumpriu a promessa feita à amada, consciente do que algo terrível lhe aconteceria, porque havia jurado pelo Styx,  rio da imortalidade, coisa que nem mesmo uma divindade poderia romper. Foi, então punido.  Sêmele transformou-se em pó.  Transformou-se em pó por não aguentar o brilho das vestimentas de Zeus.  Tudo que ele pode fazer foi salvar seu filho, retirando-o do ventre materno  aos seis meses de gestação, gerando-o em sua própria coxa, até o nascimento.

 

 

219a





Em três dimensões: Giambologna

26 07 2016

 

 

Giambolognas-Rape-of-the-Sabine-Women-3O rapto das Sabinas, 1583

Giambologna (Florença, 1524-1608)

Mármore, 410 cm

Loggia della Signoria, Florença

Salvar





Em três dimensões: Giambologna

6 08 2015

 

 

giambologna-hercules

Hércules e o Centauro, 1600

Giambologna (França, 1529-1608)

Mármore, 269 cm de altura

Loggia dei Lanzi, Florença





Hábitos milenares trazidos pelos portugueses!

7 07 2015

 

 

192b04902f59d3ba9e9d9cbd82bed264A travessia de Caronte, 1919
José Banlliure y Gil (Espanha, 1855-1937)
Óleo sobre tela , 176 x 103 cm
Museu de Belas Artes de Valencia, Espanha

 

 

“Ainda persiste o hábito nas pequenas cidades do interior de colocar moedas nos olhos dos defuntos sob o pretexto de manter suas pálpebras cerradas.

O costume foi herdado dos portugueses, nos tempos coloniais, e mudou com o correr dos anos. Primitivamente se colocava um pão e uma moeda debaixo da cabeça do morto.

O pão era para mostrar que não morrera de fome. O dinheiro para entregar a São Pedro, a fim de que abrisse as portas do céu.

Os portugueses não tiraram essa superstição do nada. Veio dos gregos que acreditavam em um rio subterrâneo, separando o mundo dos vivos do mundo do além. Um cão de três cabeças, Cérbero, guardava a porta do reino da morte.

Os gregos punham moedas na boca do defunto e um bolo nas suas mãos. As moedas serviam para pagar Caronte, o barqueiro que fazia a travessia do rio. O bolo era para acalmar a fúria de Cérbero.

Como a corrupção é tão antiga quanto o homem, as famílias mais ricas enchiam a boca do finado de moedas, na suposição de que Caronte o faria passar antes dos demais defuntos.

Com o correr dos tempos, a religião dos gregos, povoada de deuses e deusas muito humanos, foi cedendo lugar a outras crenças. Mas as superstições ficaram, com algumas modificações no ritual e profunda transformação nas justificativas.”

 

Em: Notas curiosas da espécie humana, Jayme Copstein, Porto Alegre, Editora AGE:2002, p.108





Camille Paglia e o ensino dos clássicos

3 04 2015

 

 

 

Raffaello,_concilio_degli_dei_02O conselho dos deuses, 1518

Rafael Sanzio (Urbino, 1483-1583)

Afresco

Villa Farnesina, Roma

 

 

 

Sean Salai, S. J. — Na sua opinião como classicista, o que os antigos gregos e romanos nos ensinam como seres humanos?

Camille Paglia — Sigo os passos de meu herói cultural, Oscar Wilde, não concordo com a implícita suposição moralista que a literatura ou a arte “ensinam” algo para nós. Elas simplesmente abrem a nossa visão para um mundo maior, ou nos permitem ver o mundo através de uma lente diferente. A cultura greco-romana que está se afastando rapidamente da educação universitária americana, é uma das duas tradições fundamentais da civilização ocidental; a outra é a judaico-cristã. Essas tradições se entrelaçaram e se influenciaram mutuamente ao longo dos séculos, produzindo uma complexidade titânica do ocidente, tanto para o bem quanto para o mal. Ignorar ou minimizar o passado greco-romano é colocar antolhos intelectuais, mas é isso que vem exatamente acontecendo à medida que as faculdades abandonam gradualmente, a grande, cronológica, visão panorâmica da antiguidade clássica, em cursos de dois semestres, que fora enfatizada no passado. A trajetória, agora, está no “presentismo”, uma concentração míope na sociedade desde a Renascença – por falar nisso, um termo humanístico nobre, que está sendo descartado implacavelmente e substituído pela amorfa entidade marxista, “Proto-Modernidade”.

 

 

Em: “The Catholic Pagan:10 questions for Camille Paglia“, America: the national catholic review, 25 de fevereiro de 2015.

[Tradução é minha]

LINK





Em três dimensões — Bernini

25 05 2014

 

 

Apolo e Dafne - Bernini

Apolo e Dafne, 1622-1625
Gian Lorenzo Bernini ( Itália, 1598-1680)
Mármore branco, 243 cm altura
Galeria Borghese, Roma





FELIZ ANO NOVO! Um bom 2013 para todos!

31 12 2012

# 38 Zhong Sheng  Phoenix Woman Conte

Mulher e Fênix

ZONG SHENG  (Yunnan, China)

Baseado no famoso quadro do mesmo nome

de TING SHAO KUANG

Aquarela sobre papel de arroz,  36cm x 36 cm

Este ano ao invés da tradicional imagem de fogos de artifício que costumo postar escolhi essa imagem de uma ave fênix.

A fênix é uma ave da mitologia grega.  Não só vive muito tempo, como tem a habilidade de se regenerar, de renascer ciclicamente, formando-se das cinzas da ave anterior. Tem uma enorme força o que a leva a transportar cargas pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Pode  também se transformar em uma ave de fogo.

Fênix, Bestiario, Manuscrito Aberdeen sec xii,

Fênix, entre duas árvores de mirra, século XII

Bestiário de Aberdeen

Manuscrito iluminado

Biblioteca do Palácio de Westminster

Inglaterra

Acredita-se que traga boa sorte, que viva eternamente pois renasce de suas próprias cinzas e que seja o mais belo pássaro conhecido.  Como ave mitológica tem a vida tão longa quanto a do ser humano na terra.  Em diferentes versões a fênix aparece nas culturas da antiguidade, mas sua origem deve estar no antigo Egito, ainda que esta teoria não tenha sido confirmada satisfatoriamente.

Aves míticas semelhantes à fênix existem na antiga China [fenghuang] no Japão [ho-oh], no mundo árabe [Anka], na antiga cultura indiana [ garuda e chiva], na Rússia [pássaro de fogo], na antiguidade persa [ simorgh] na Turquia [kerkes] assim como no Tibete [Me byi karmo].

No mundo cristão foi sempre associada à figura de Cristo por servir de metáfora à Sua ressurreição. Apesar disso, há poucas pinturas ou ilustrações desse pássaro na arte cristã, além de umas poucas iluminuras.  O tema só chega se fazer presente  no mundo das artes plásticas mais assiduamente a partir do século XIX e XX.

Todos os anos deveriam ser novas fênix!

Feliz 2013 a todos!





Narciso e o Regato — poema de Bastos Tigre

2 09 2012

Eco e Narciso, 1903

John William Waterhouse (Inglaterra, 1849-1917)

óleo sobre tela, 109 x 189 cm

Walker Art Gallery, Liverpool

Narciso e o Regato

Bastos Tigre

Sobre um tema de Oscar Wilde

Morreu Narciso. A triste nova

Correu, veloz, vale e colina,

Em luto, as flores todas da campina,

De pesar como prova,

Choraram longamente a morte de Narciso.

De repente, cessou o alegre riso

Que enchia o campo todas as manhãs.

Narciso era a beleza

Que iluminava a Natureza

E espalhava no espaço harmonias pagãs.

Por isso as flores todas da campina

Choraram tanto, tanto,

Que já não tinha gotas a neblina

Com que pudesse alimentar o pranto

Das desoladas flores.

Resolveram pedir a linfa cristalina

Do regato, um bocado de sua água;

E falaram-lhe assim:  — Narciso é morto!

À  nossa dor à nossa funda mágoa

O pranto falta que nos dê conforto.

Dá-nos uma pouco de tua água pura.

Mas o regato retorquiu: — Não posso…

Meu sofrimento inda é maior que o vosso!

A água que tenho não me basta

Para afogar a minha própria dor…

Sabeis? Narciso a sua face linda

Mirava, todo o dia, em minha face…

— E amavas tanto vê-lo? interroga uma flor

— Não é que o não amasse

(Volve o regato) mas o meu desgosto

Aqui vo-lo revelo,

Não é a falta de lhe ver o rosto

Mas porque, quando em mim se contemplava,

Nos olhos de Narciso eu me mirava

E me achava tão belo! E me achava tão belo!

Em: Antologia Poética, Bastos Tigre, vol. I, Rio de Janeiro, Editora Francisco Alves: 1982





As Parcas, ou Moiras, temidas por todos

24 08 2009

As Parcas, 1587, Jocob Matham, (Holanda,  1571-1631)Gravura em metal, Museu de Arte do Condado de Los Angeles, EUAAs Parcas, 1587

Jacob Matham ( Holanda 1571-1631)

Gravura em metal

Museu de Arte do Condado de Los Angeles, EUA

 

A discussão do livro Um Toque na estrela, de Benoîte Groult,  fica mais interessante quando se sabe quem são as Parcas ou as Moiras.  Assim, antes de postar algumas notas sobre o livro, achei que deveria me lembrar com maior detalhe sobre as Parcas.

As Parcas, [Moiras, em grego], são personagens mitológicas da Grécia antiga.  Mais tarde,  o mito grego foi importado pelos romanos. Na península italiana, elas ficaram conhecidas como Parcae, em português Parcas. 

 

 As Parcas, william-blake, 1795, bico de pena e aquarela sobre papel, Tate Gallery, Londres

As Parcas, 1795

Wlliam Blake (Inglaterra 1757-1827)

Bico de pena e aquarela sobre papel

Tate Gallery, Londres

 

São filhas das Trevas [Érebo] com sua irmã Noite [Nix].   E são três: 

Nona [Clotho] que tece o fio da vida, tecendo os dias,  atua com outros deuses aos nascimentos e partos.

Décima [Lacheisis] cujo nome em grego significa “sortear”, puxa e enrola o fio tecido, calculando seu comprimento, enquanto gira o fuso ou roldana e determina o nosso destino.  É ela a responsável pelo quinhão de atribuições que se ganha em vida.

Morta [Átropos] cujo nome em grego significa “afastar”, corta o fio da vida, determinando o momento de nossa partida. 

 

as parcas, Sampo Kaikkonen (Finlandia) ost

As Parcas, 2008

Sampo Kaikkonem ( Finlândia, contemporâneo)

óleo sobre tela.

 

Nona tem seu nome alinhado aos nove meses de gestação dos humanos.  Nove luas.

Décima tem seu nome alinhado ao nascimento, quando a vida se determina. Dez luas.

Morta tem seu nome alinhado ao momento final da vida terrena.

 

Dizem que até hoje em certas partes da Grécia acredita-se na existência destas entidades. 

As Parcas, 1513, Hans Baldung Green ( Alemanha 1484-1545) xilogravura, Museu de Arte do Condado de Los Angeles, EUA

As Parcas, 1513

Hans Baldung Green ( Alemanha 1484-1545)

Xilogravura

Museu de Arte do Condado de Los Angeles, EUA

 

Nas artes plásticas estas três personagens são em geral identificadas por três mulheres.  Mas há raros casos em que seres sem distinção de sexo também representam as Parcas.  Em geral elas são representadas fiando, medindo e cortando um fio.  Nona tem o fuso na mão.  Às vezes, mas muito raramente ela tem como atributo uma roca de fiar.  Décima tem uma roldana por onde passa o fio e Morta, a a mais terrível de todas, segura uma tesoura.  Há ocasiões em que Nona segura o fuso e Décima mede com um bastão o fio.  Também com freqüência vemos uma cesta no chão repleta de fusos.   Em geral elas aparecem como personagens numa composição alegórica de grandes proporções, próximas à imagem da Morte, um esqueleto com uma foice, que pode ou não estar dirigindo uma carruagem.  [Dictionary of Subjects and Symbols in Art, James Hall)

 John Strudwick, Um fio de ouro,  1885, ost

Um fio de ouro, 1885

John Strudwick ( Inglaterra, 1849-1937)

Óleo sobre tela

 

Observação:

 

Não sou lingüista,  Mas vejo algumas semelhanças lingüísticas que ajudam a memorizarmos os nomes:

Clotho – em grego – para Nona, que tece o fio da vida, deve ser a origem da palavra cloth em inglês, que é significa tecido.

As Parcas também eram conhecidas com Fatas no mundo romano.  Daí certamente:

Fate, em inglês, que quer dizer destino.

Fada em português que é uma entidade que pode influir e transformar o destino da vida humana.

Fado em português que significa destino, sorte.

 

 

 

As Parcas, artista_Ai_Don, caneta

As Parcas, 2008

Ai Don (contemporâneo)

Caneta e “Magic marker” sobre papel.

 

 

As Parcas aparecem freqüentemente na literatura clássica.  A cena da tapeçaria belga, abaixo, representa o 3° tema do poema Os Triunfos, de Petrarca ( Itália 1304-1374), O Triunfo da Morte.

 

as parcas, 1510-1520 tapeçaria belga

As Parcas, 1510-1520

Tapeçaria Belga

Victoria & Albert Museum, Londres

 

Para ler o poema de Petrarca, com tradução de Luís de Camões, continue na sequência.

Continue lendo »








%d blogueiros gostam disto: