Esmerado: Capa de livro, século IX

10 09 2018

 

 

02lorsc1Capa de livro, c. ano 810

Autor desconhecido

Alemanha, marfim

Victoria and Albert Museum, Londres

 

 

Essa capa de livro já enfeitou o Evangelho de Lorsch.

No centro a Virgem Maria é retratada sentada no trono celestial segurando Jesus Cristo, ela está acompanhada de Zacarias, ao seu lado direito, que aparece com o hábito religioso e, à esquerda, de São João Batista que segura um pergaminho em branco.

Abaixo cenas: Natividade, Presépio e Anúncio dos Anjos aos Pastores no campo.

 

 

02lorsc3

Capa detrás do Evangelho de Lorsch.

As molduras de metal torneado, que embelezam cada um dos cinco painéis decorativos produzidos no século IX, foram adicionadas mais tarde para que servissem de par com a capa da frente, que está em Roma.

No painel central vemos Cristo Salvador, com  dois anjos a seu lado.  Abaixo, cena da corte de Herodes, e  Adoração dos Reis Magos.

 





Esmerado: Tabuleiro de xadrez e gamão, 1537

20 07 2018

 

 

louvre-echiquier-jeu-trictrac

Tabuleiro de xadrez e gamão, 1537

Obra de Léonard Limosin, em Limoges

Cobre esmaltado, 46 x 47 cm

Museu do Louvre, Paris

 

Tabuleiro de dois lados, para xadrez e gamão.  Composto de 64 quadrados preto e branco xadrez para e tabuleiro para gamão com borda em verde escuro e quatro grandes losangos com retratos em perfil.  Os tabuleiros são emoldurados com 16 longos painéis decorados por elementos derivados dos troféus clássicos.  Um objeto bastante refinado, datado e assinado por Léonard Limosin.

 

6b79598065668b8130ff42a99da32789.jpg

 





Cuidado, quebra!

18 01 2018

 

 

34016da5cd59349bbe46ab31ea946dbaJarra com aplique de bacante, anos 50 a 75 E. C.

Provavelmente, norte da Itália

Vidro, 19 x 10 cm

Corning Museum of Glass

 

Essa jarra mostra embaixo da alça um aplique de máscara de bacante, uma seguidora do deus Baco, deus do vinho. Dois métodos de formação e de adesão de apliques que eram usados na Europa durante e depois da Renascença também foram usados na era romana. No primeiro o vidreiro preenche acima do nível uma forma com vidro fundido,  pressiona a forma de encontro à jarra e esquenta de novo a jarra para retirar o excesso de vidro em volta da decoração.  No segundo método o vidreiro aplica uma bola de vidro fundido à jarra e imprime nela o molde (a forma) do desenho desejado, como se faria com uma estampa. Quanto maior o vidro fundido aplicado, maior a extensão da jarra que será “amaciada” no fogo, e isso muitas vezes conduz a distorções da forma.  Por isso mesmo, grandes apliques grandes aplique são em geral moldados e fundidos à vasilha (neste caso uma jarra) depois que a peça tenha esfriado um bocado.  Mas pequenos apliques são em geral colocados pelo método da estamparia, como descrito acima.





Esmerado: verso de espelho em marfim, c. 1330-1360

25 10 2016

 

 

f8cc283805552693be56a3db00e5dd2bVerso de espelho com grupo de falcoaria, 1330-1360

Marfim

Artesania francesa, 9,5 x 9,5 x 1 cm

Metropolitan Museum, Nova York

 

 

Muitos espelhos na época eram emoldurados em marfim esculpido por escultores denominados “pigniers” que também se especializavam em pentes.  Entre os produtos mais populares  dos eborários góticos, estavam os espelhos, em geral feitos aos pares para serem guardados virados um para o outro para proteger a superfície de metal polido, comumente vendidos em estojos de couro.  O tema neste caso é uma atividade nobre, falcoaria, e indica que o espelho foi feito para um cliente aristocrático. Inventários medievais confirmam que esses objetos frequentemente pertenciam a famílias nobres.

Metropolitan Museum

 

Nota: eborário é a pessoa que trabalha esculpindo o marfim.

Salvar

Salvar





Esmerado: Centro de mesa, Porcelana Minton

1 07 2016

 

MINTON PORCELAIN FIGURAL CENTERPIECECentro de mesa figurativo com mulher lendo, c. 1875

Projeto de A. Carrier-Belleuse

Manufatura Minton, 46 cm de altura

Inglaterra

 

“A leitora”, centro de mesa de porcelana da fábrica Minton, mostra uma figura de mulher de pé, lendo, vestida de maneira clássica, encostada numa coluna atrás de uma vasilha de forma ovoide, como um capacete invertido sobre uma base. Tudo em cor turquesa e branco, com desenho de A. Carrier-Belleuse, 46 cm de altura.

Salvar





Esmerado: Insígnia “The Strafford George”

24 08 2015

 

 

After Raphael, Lesser George, ‘The Strafford George’, Onyx, brown, light grey, dark grey, gold, silver, enamel, Dutch rose-cut diamonds, 25 years 17th century. Courtesy Royal Collection Trust .Her Majesty Queen Elizabeth II 2013Insígnia conhecida como: The Strafford George, século XVII
[D’Après Rafael]
Ônix marrom, cinza claro, ouro, prata esmalte, diamantes
Courtesia: Royal Collection Trust .Her Majesty Queen Elizabeth II

 

A miniatura em esmalte de São Jorge e o dragão, no reverso dessa insígnia é uma cópia de um quadro de Rafael, de 1506, hoje na National Gallery em Washington D.C.

 

Saint_george_raphaelSão Jorge e o dragão, 1506
Raphael Sanzio (Urbino, 1483-1520)
óleo sobre madeira, 28 x 21 cm
National Gallery, Washington DC




Tesouros de mais de 4.000 anos do Afeganistão

28 07 2015

 

afghan-ram-cp-museumcivOrnamento para cabelo no formato de uma cabra de ouro datando do século I a.E.C. ao século I da nossa era, parte do tesouro descoberto em Báctria no sítio arqueológico de Tillya Tepe. (Foto: Thierry Ollivier/Museé Guimet)

 

Eu estava procurando uma iluminura medieval, se possível, da cidade de Báctria, hoje no Afeganistão, para ilustrar mais uma postagem sobre as viagens de Marco Polo quando me deparei com essa exposição de tesouros de mais de 2.000 anos de origem afegã, em 2009.

 

dragonOrnamento chamado Dragão Mestre, em ouro, é um dos objetos encontrados em Tillya Tepe, “a montanha do ouro”. (Foto: Afghanistan; Hidden Treasures)

 

Fiquei absolutamente encantada com as obras expostas e achei por bem trazê-las para nosso prazer e conhecimento. O norte do Afeganistão foi um grande centro de comércio e trocas na Rota da Seda há mais de 4.000 anos. Tudo vindo da China, da Índia, Pérsia e Mesopotâmia acabou sendo comercializado nessa parte do mundo.

 

afghanistan-comp-nomadic-crown-tillyatepeCoroa nômade que colapsa para transporte, em ouro .  Tillya Tepe. Século I a.E.C. Foto: Thierry Ollivier / National Geographic

 

Acreditava-se que esses objetos, esculturas, joias e artigos em ouro tinham sido perdidos para sempre depois da invasão soviética no Afeganistão em 1979 e o aparecimento do Taleban em 1996.

 

afghbuck2Fivela para bota, com charrete puxada por dragões. Ouro, turquesas e coralinas. Tillya Tepe, Tumba IV, século I. © musée Guimet / Thierry Ollivier

 

Na verdade, esses tesouros nacionais haviam sido escondidos secretamente em cofres do Museu Nacional de Cabul. Os cofres foram abertos em 2003 e os tesouros reapresentados à nação.

 

31626387_pFragmento de uma vasilha em ouro, decorada com touros barbados de Tepe Fullol, 2200 a 1900 a.E.C. Museu Nacional do Afeganistão, ©Thierry Ollivier / Musée Guimet

 

 

31626405_pCopo com decoração de figuras durante a colheita, ano 200 E.C., vidro pintado, Museu Nacional do Afeganistão ©Thierry Ollivier / Musée Guimet

 

 5626280-3x2-940x627Antigo artefato do Afeganistão, © ABC News

 

 676251-afghanistan-hidden-treasuresTaça esmaltada com cena de caça do norte do Egito, © Ollivier Thierry.

 

676310-afghanistan-hidden-treasuresMedalhão cerimonial com a imagem da deusa Cibele.© Ollivier Thierry.

 

675891-afghanistan-hidden-treasuresFragmento de marfim esculpido com imagens de duas mulheres de pé na passagem de portões.© Ollivier Thierry.

 

671209-afghanistan-hidden-treasuresCabo de punhal decorada em estilo siberiano. © Ollivier Thierry.

 

676488-afghanistan-hidden-treasuresCinto feito com fios de ouro trançados intercalados com medalhões de ouro. © Ollivier Thierry.

 

676397-afghanistan-hidden-treasuresMedalhão em bronze com representação do Deus Silenus, escultura Greco-romana. © Ollivier Thierry.

 

afghan-woman-makara-cp-museumcivGrande figura esculpida em marfim, provavelmente perna de uma mesa. © Ollivier Thierry.

 

Boa terça-feira para vocês.








%d blogueiros gostam disto: