Resenha: “Kafka e a boneca viajante”de Jordi Sierra i Fabra

11 02 2017

 

 

 

 

 

1939-524_wFooting no Central Park, 1905

William Glackens (EUA, 1870- 1938)

óleo sobre tela, 64 x 81 cm

Cleveland Art Museum

 

 

Em 2007 o Ministério da Cultura da Espanha deu a esse livro, Kafka e a boneca viajante, o Prêmio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil. Desde então a publicação tem recebido atenção não só do público infanto-juvenil, mas sobretudo do leitor maduro, aquele que também sonha com um lado suave do escritor checo Franz Kafka, conhecido por obras angustiantes, de cunho surrealista como A metamorfose e O processo. A razão é simples não conhecemos toda a obra de Kafka, mesmo ele tendo morrido aos 40 anos em 1924.

Há ainda manuscritos de Kafka que não foram destruídos após sua morte, como o escritor havia instruído seu testamenteiro Max Brod. A ordem foi, na verdade, prontamente desobedecida. E alguns livros publicados. Mas nem todos. Estima-se que haja centenas de obras acabadas ou não, sem publicação. Hoje, são fruto de uma interminável batalha entre as atuais herdeiras e o estado de Israel. Além disso, Kafka, que era conhecido por muitos casos românticos, deixou em poder de sua última amante uma série de cadernos e cartas que foram confiscados pela Gestapo. Tudo isso suscitou através de décadas muitas teorias fantasiosas sobre o que restou. Entre elas estariam algumas cartas que Kafka escreveu de consolo a uma menina que ele encontrou chorando, num parque de Berlim. Ela estava triste com a perda de sua boneca. Essas cartas, que nunca foram encontradas, fazem parte das lendas do remanescente legado do escritor. Baseando-se neste causo romântico Jordi Sierra i Fabra escreveu a deliciosa e lírica narrativa de Kafka e a boneca viajante.

 

kafka_e_a_boneca_viajante_1305303527b

 

Firmemente apoiado nos relatos de Dora Diamant, última companheira de Kafka, que mencionou a existência das cartas, o autor tece uma história comovente, criativa e delicada de um “carteiro de bonecas” que recebe e lê as cartas que Brígida, a boneca fujona escreve para Elsi, a menina inconformada, de diversos lugares do mundo.

Jordi Sierra i Fabra entrelaça dados conhecidos da vida de Franz Kafka com o romance das cartas e o resultado é uma obra fina, sutil, sensível e agradável. Um relato em que o jovem leitor aprende um tantinho sobre o autor checo e pode se encantar com a história de Brígida.

A obra ganha muito com as ricas ilustrações de Pep Monserrat.

 

jordi-sierra-i-fabraJordi Sierra i Fabra

 

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem qualquer incentivo para a promoção de livros.

 





Em três dimensões: Anônimo

5 07 2016

 

 

Bronze statuette of a veiled and masked dancerDançarina, século III a. E. C.

[conhecida como The Baker Dancer]*

Bronze, 20 cm de altura

Metropolitan Museum, N.Y.

 

*  Pelo nome do colecionador que doou a escultura ao museu: Walter C. Baker





Imagem de leitura — Reginald Marsh

29 10 2015

 

Reginald Marsh (1898 – 1954) haumptmann-must-dieHauptmann deve morrer, 1935

Reginald Marsh (EUA, 1898-1954)

Têmpera sobre madeira, 70 x 90 cm

Indianapolis Museum of Art

 





Imagem de leitura — Pablo Picasso

31 08 2015

 

woman-reading-olga-1920.jpg!BlogOlga lendo, 1920

Pablo Picasso (Espanha, 1881-1973)

carvão sobre papel, 100 x 73 cm





Imagem de leitura — Pablo Picasso

30 06 2015

 

 

picassoTrês banhistas, agosto de 1920

Pablo Picasso (Espanha, 1881-1973)

pastel, óleo, tinta e grafite sobre papel,  47 x 61 cm

Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York





Esmerado: Diana e o cervo, autômato,1610

4 06 2015

 

 

Diana and the Stag, by Joachim Friess, ca 1610.Diana e o cervo, 1610

Joachim Friess (Alemanha, ca. 1579–1620)

Prata, parcialmente banhada a ouro,esmalte, pedras preciosas; movimento feito em ferro e madeira,  37 x 24 cm

Metropolitan Museum, Nova York

 

Esta é uma das diversas peças da época contendo um pequeno motor, chamadas autômatos. Teria sido usada em jogo de bebidas. O corpo do cervo é oco e pode ser usado como um copo/cálice. Um mecanismo seria ativado durante brincadeiras de beber em que a base, dando-se corda, pode rodar livremente sobre rodas escondidas até parar em frente a um dos participantes à mesa, que teria que beber todo o conteúdo do copo.

 

Fonte: Metropolitan Museum





Nova York, texto de Sra. Leandro Dupré

1 06 2015

 

 

Reginald Marsh (March 14, 1898 – July 3, 1954) czecks500.000 checos na fronteira nazista, 1938

Reginald Marsh (EUA, 1898-1954)

Têmpera sobre eucatex, 61 x 45 cm

Coleção Particular

 

 

“Depois de termos visto os principais teatros e dancings de New York, começamos a levar uma vida mais estável e sossegada. Artur começou a estudar mais e a escrever o livro com vontade. Eu lia muito também. Andava pelas livrarias catando novidades e lia em inglês tudo o que podia. De vez em quando recebia carta de Elisabeth e Simone, com presságios tristes sobre a situação europeia. Não tinham mais esperanças de paz e se preparavam para enfrentar “uma época Terrível”, como escreveu Elisabeth com T grande.

À noite, gostávamos de andar a pé na Broadway observando os hábitos dos americanos, admirando os inumeráveis anúncios luminosos e o movimento surpreendente.  Mais de uma vez jantamos nos automáticos. Eu gostava de por o níquel para ver o pratinho cair em baixo com uma torta de frango e salada; mais adiante um pouco de morangos e creme. Colocávamos tudo na bandeja e escolhíamos uma mesa de canto, onde saboreávamos nosso jantar improvisado, acompanhado de grandes copos de chope espumando e e escorrendo pela mesa de mármore.

Ríamos das nossas travessuras, como se fôssemos crianças sem juízo.

Eu notava como as moças e senhoras eram respeitadas em New York; muitas vezes à meia noite encontrávamos em plena Broadway um grupo de três ou quatro moças que vinham do teatro ou do cinema, tomavam qualquer coisa numa confeitaria e iam tranquilamente para suas casas, falando e rindo alegremente, quase sem serem notadas pela multidão.  Outras vezes víamos duas ou mais senhoras, já matronas, algumas de  óculos, jantando juntas num restaurante em trajes de baile, rindo e fumando, depois iam ao teatro e atravessavam as ruas movimentadas, sem ninguém olhar sequer para elas. E, às vezes, já era tarde, fora de horas.

Eu dizia a Artur:

— Eu gostaria de viver aqui, mulher nesse país tem personalidade, não precisa viver acompanhada por homens para ser alguém.

Artur confirmava e admirava-se também da independência absoluta das mulheres nos Estados Unidos.”

 

 

Em: O romance de Teresa Bernard, Sra. Leandro Dupré [Maria José Dupré], São Paulo, Ed. Brasiliense Ltda: 1945, 4ª edição, pp. 371-2  [Primeira edição:1941]








%d blogueiros gostam disto: