Domingo, um passeio no campo!

15 03 2020

 

 

OSCAR PEREIRA DA SILVA - Paisagem rural - Óleo sobre madeira - 30 x 23,5Paisagem rural

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867-1939)

óleo sobre madeira, 30 x 23 cm

 





Descobrimento do Brasil: 22 de abril de 1500

22 04 2019

 

 

 

DESEMBARQUE DE PEDRO ÁLVARES CABRAL EM PORTO SEGURO – OSCAR PEREIRA DA SILVA – 1922Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro, 1922

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867 – 1939)

óleo sobre tela, 190 x 333 cm

Museu Paulista, São Paulo





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

12 12 2018

 

 

Oscar-Pereira-da-Silva-Composição-com-frutas-óleo-sobre-tela-medindo-60cm-x-101cm-1Natureza morta com mamão, maçãs e uvas
Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867-1939)
óleo sobre tela, 60 x 101 cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

26 09 2018

 

 

Oscar Pereira da Silva (1867-1939) Romãs 1910Óleo sobre tela 48 x 60 cm.Romãs e uvas sobre a mesa, 1910

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867 – 1939)

óleo sobre tela, 48 x 60 cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

7 02 2018

 

 

OSCAR PEREIRA DA SILVA,Natureza morta, O.S.T49x80cm.

Natureza morta: cerejas, laranjas, pêssegos

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867 – 1939)

óleo sobre tela, 49 x 80 cm





Crianças do Brasil, no Dia da Criança!

12 10 2017

 

AURÉLIO DE FIGUEIREDO - Menina ao piano - Óleo sobre tela - 60 x 90 - Coleção FadelMenina ao piano

Aurélio de Figueiredo (Brasil, 1856 – 1916)

òleo sobre tela, 60 x 90

Coleção Fadel

 

Alberto da Veiga Guignard, Menino, 1941,Menino, 1941

Alberto da Veiga Guignard (Brasil, 1896-1962)

óleo sobre madeira, 41 x 33 cm

 

henriquecavalleiro, Menina, osm,1940 - 54 x 45 cm

Menina, 1940

Henrique Cavalleiro (Brasil, 1892-1975)

óleo sobre madeira,  54 x 45 cm

 

ÉLON BRASIL - Curumim - ost, 40x40cm, assinado.Curumim

Élon Brasil (Brasil, 1957)

óleo sobre tela, 40 x 40 cm

 

Gino Bruno, Menina, 1932, ost,41 x 30 cm Col. PartMenina, 1932

Gino Bruno (Itália/Brasil, 1899-1977)

óleo sobre tela, 41 x 30 cm

Coleção Particular

 

ANTONIO FERRIGNO - (1863 - 1940) Meninos pescando - osm - 20 x 28 - cid - São Paulo

Meninos pescando em São Paulo

Antonio Ferrigno (Itália, 1863 – 1940)

óleo sobre madeira,  20 x 28 cm

 

Santa, Irmãs no bosque,2004, ost, 50x50cmIrmãs no bosque, 2004

Santa (Brasil, contemporânea)

óleo sobre tela, 50 x 50 cm

 

Eliseu Visconti, retratos de familiaAmigos inseparáveis, 1921

Eliseu Visconti (Itália/Brasil, 1866 – 1944)

óleo sobre tela, 27 x 35 cm

Coleção Particular

 

Sergio berber, passeio-na-mare-baixa-2011, ost, 70 x 50Passeio na maré baixa, 2011

Sergio Berber (Brasil, 1941)

óleo sobre tela, 70 x 50 cm

 

PRESCILIANO SILVA (1883-1965)Retrato.ost,1933, 49 x 39 cmRetrato de menino, 1933

Presciliano Silva (Brasil, 1883-1965)

óleo sobre tela, 49 x 39 cm

 

AURELIO D'ALLINCOURT (1919-1990)Tati com Vestido Vermelho, óleo s eucatex, 32 X 24. Assinado no c.s.d.Tati com vestido vermelho

Aurélio d’Alincourt (Brasil, 1919-1990)

óleo sobre eucatex, 32 x 24 cm

 

Oscar_Pereira_da_Silva_-_1895_-_Criação_da_Vovó, ost, 122 × 94 cm, PESPCriação da vovó, 1895

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867-1939)

óleo sobre tela 122 × 94 cm

Pinacoteca do Estado de São Paulo [PESP]





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

6 09 2017

 

 

OSCAR PEREIRA DA SILVA (1867 - 1939) Natureza Morta,ost,40 x 54 cm,1929Natureza morta, 1929

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867 – 1939)

óleo sobre tela, 40 x 54 cm





Algumas mulheres na arte brasileira, vistas por eles

8 03 2015

ADELSON DO PRADO (1944) Flores Amarelas, o.s.t. - 61 x 50 cm. Ass. dat. 2002Flores amarelas,2002

Adelson do Prado (Brasil, 1944)

acrílica sobre tela, 61 x 50 cm

 

Alberto da Veiga Guignard, A jovem colegial, 1955, osm, 50 x 40cm,Museu de Arte da PampulhaA jovem colegial,1955

Alberto da Veiga Guignard (Brasil, 1896-1962)

óleo sobre madeira, 50 x 40 cm

Museu de Arte da Pampulha

 

ARLINDO CASTELLANE,Retrato de Adelina, 1942,ost,46 x 38 cm, Instituto de artes, ufrgsRetrato de Adelina, 1942

Arlindo Castellani (Brasil, 1910-1985)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

Instituto de Artes, UFRGS

 

CLAUDIO FONTES - As Três Graças (XXX) - ost - 90 x 120 - Datado 2003As três graças, 2003

Cláudio Fontes (Brasil, 1939)

óleo sobre tela, 90 x 120 cm

 

DI CAVALCANTI - Retrato feminino - OST  - 70 x 90 cmRetrato feminino, s.d.

Di Cavalcanti (Brasil, 1897-1976)

óleo sobre tela, 70 x 90 cm

 

 

Eugênio Paxelly (Brasil, contemp) No salão azul, ano 2012, 59x44,5,cm,  Acrilica sobre TelaNo salão azul, 2012

Eugênio Paxelly (Brasil, contemporâneo)

acrílica sobre tela, 59 x 44 cm

 

Gustavo Rosa, (Brasil 1946) Mulher com ros, 2005, ost,65x54cmMulher com rosa, 2005

Gustavo Rosa (Brasil, 1946-2013)

óleo sobre tela, 65 x 54 cm

 

HENRIQUE BERNADELLI - Moça OST, 1919. Med. 65x45 cm.Moça, 1919

Henrique Bernardelli (Chile/Brasil, 1857-1936)

óleo sobre tela, 65 x 45 cm

 

 

Henrique Cavalleiro,Baiana,1943,ost- 96,5 x 76,5 cmBaiana, 1943

Henrique Cavalleiro (Brasil, 1892-1975)

óleo sobre tela, 96 x 76 cm

 

 

Orlando Teruz, Mulata, ost, 1965, 75 x 60 cmMulata, 1963

Orlando Teruz (Brasil, 1902-1984)

óleo sobre tela, 75 x 60 cm

 

Oscar Pereira da Silva,Mulher e borboleta,1937,oscartão - 28 x 23 cmMulher e borboleta, 1937

Oscar Pereira da Silva (Brasil,1865-1939)

óleo sobre cartão, 28 x 23 cm

 

Siron Franco, Uma rainha qualquer, 1981, ost, 50x60Uma rainha qualquer, 1981

Siron Franco (Brasil, 1947)

óleo sobre tela, 50 x 60 cm

 

Heros Lima (1916-1987)Mulher(1975)Óleo sobre tela55 x 45 cmMulher, 1975

Heros Lima (Brasil, 1916-1987)

óleo sobre tela, 55 x 45 cm





Oscar Pereira da Silva um homem de seu tempo

22 06 2012

Capa da Revista LIFE, de setembro de 1928, por Russell Patterson (EUA, 1893-1977)

Zeitgeist  é uma palavra alemã largamente adotada, assim mesmo, em alemão, nas cadeiras humanísticas para expressar o espírito de uma época, representado pelo clima cultural, intelectual, espiritual, ético e político de um grupo de pessoas, de nações.   [A pronúncia é: ”zaitgaist”]. Para quem lida com a história da arte, da arquitetura, das manifestações artísticas e culturais em geral, essa palavrinha é um sinal taquigráfico indicando uma semelhança de pensamentos, comportamentos, de estética.  Já usamos essa expressão muitas vezes aqui no blog, mas como faz parte de um jargão profissional é interessante lembrá-lo principalmente quando nos deparamos com uma semelhança de imagens.

O conceito de zeitgeist é importante para o estudo da história da arte porque auxilia na determinação das fontes inspiradoras dos artistas.  Desde que o mundo é mundo, desde a  Grécia, de Roma, da Idade Média, Renascença, e aí por diante que pintores, escultores, artistas gráficos, se inspiram na obra de seus antecessores.  Às vezes as inspirações são óbvias, às vezes precisa-se de muito tempo e pesquisa para provarmos que este pintor ou aquele escultor estava familiarizado com o trabalho de um determinado antecessor.  Muitos e muitos estudiosos passam um bocado de tempo tentando re-organizar o passado para melhor compreender como se manisfesta ou como se perpetua uma determinada tendência nas artes.  E é sobre essa divulgação de formas e conceitos que hoje examino um trabalho de Oscar Pereira da Silva, um dos nossos grandes pintores do século XX.

Recentemente estive, por razões diversas, verificando as imagens gráficas das capas de partituras de músicas populares, para piano e canto do início do século XX.  Passei horas e horas em grande deleite, observando o trabalho de muitos artistas gráficos anônimos e alguns bastante conhecidos.  Até que me deparei com a capa para a música Dear Heart, de 1919.  Não sei se foi um grande sucesso na época, mas achei referências a ela na web.  Com música de W. C. Polla and Willard Goldsmith, e letra de Jean Lefarve, a partitura foi publicada em 1919 pela C. C. Church and Co. de Hartford, Connecticut.  Se você quiser ouvir a música, clique aqui.

Dear Heart, 1919. de Jean Lefarve e W. C. Polla and Willard Goldsmith, ilustração de Rolf Armstrong.

A ilustração da partitura acima é de Rolf Armstrong.  Foi usada na capa da revista americana Metropolitan de 1919.  Nela vejo uma bela melindrosa que olha diretamente para mim, o leitor, enfentiçando-me com seus grandes e amendoados olhos azuis.  O turbante cor de laranja esconde os cabelos negros, cortados à la garçonne típicos da época, deixando entrever mechas, coquetemente enroscadas no que se denominava “pega rapaz“, que é aquela mecha de cabelos em forma de vírgula.  A rosa vermelha próxima ao nó do turbante compensa a longa linha do pescoço e reflete o carmim da boca entreaberta, convidativa, que parece dizer que essa melindrosa está pronta para se divertir, para sair dançando o charleston. Ela é misteriosa e sedutora.

Assim que bati com os olhos na capa dessa partitura me lembrei do quadro na Pinacoteca do Estado de São Paulo, Mulher com turbante, de Oscar Pereira da Silva, com uma moça semelhante. Não me lembrava da data, mas eu sabia que Oscar Pereira da Silva já havia falecido por volta dos anos 40.  Há exatamente 11 anos entre a capa da revista Metropolitan, da partitura para Dear Heart e o quadro brasileiro.  Lá está o mesmo espírito, o retrato do mundo pre-Segunda Guerra Mundial.  Melindrosas eram o tema nas artes gráficas através desses anos todos,  como a capa da revista Life, desenhada por Russell Patterson e publicada em setembro de 1928, reproduzida acima, demonstra.

Mulher com turbante, 1930

Oscar Pereira da Silva (Brasil,1867-1939)

óleo sobre tela, 41 x 33 cm

PESP — Pinacoteca do Estado de São Paulo

Há semelhanças bastante perceptíveis.  Uma melindrosa, morena, com olhos azuis, rasgados e brilhantes de excitação olha diretamente para o observador.  Um turbante cor de laranja esconde seu cabelo escuro, cortado a la garçonne, com  sensuais mechas encaracoladas próximas às orelhas.  Na versão brasileira a melindrosa tem os lábios da cor do fundo do quadro, e um sorriso mais aberto, mais convidativo à diversão.  No lugar da rosa da capa acima, temos um ombro nu, sensual, que ajuda como a rosa anteriormente a compensar a longa linha de um pescoço colossal.  A versão tropical é muito mais exuberante, menos misteriosa mas tão sedutora quanto sua companheira americana.

Sabemos que no Rio de Janeiro do início do século XX o piano ainda era um instrumento encontrado na maioria das casas da classe média, com moçoilas casadouras.  Mesmo no início do século XX, muitas famílias ainda mantinham saraus e todas as moças da casa aprendiam a tocar piano. Muitas dessas partituras vinham do exterior.  Oscar Pereira da Silva conhecia bem esse hábito dos saraus.  Há um de seus quadros na Pinacoteca do Estado de São Paulo, A hora de música , reproduzido abaixo, que mostra exatamente esse uso do piano na família.

Hora de música, 1901

Oscar Pereira da Silva (Brasil,1867-1939)

óleo sobre tela

Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Oscar Pereira da Silva foi um pintor que pemaneceu dentro dos parâmetros da pintura histórica e realista, não abrindo espaço em sua produção para as “novidades” das técnicas mais modernas.  Foi um retratista, um pintor de cenas históricas e sempre teve uma boa e tradicional clientela que o manteve produzindo até o fim.  Suas pinturas de gênero tendem a ser bastante detalhistas e é realmente só na maturidade que vemos um trabalho como A mulher com turbante, que tem uma leveza de traço, uma rapidez de pincelada, que se deve muito mais aos moldes modernos de pintura do que ao realismo minucioso ao qual Oscar Pereira da Silva é sempre associado.

Agora, levando em consideração a popularidade de certas canções, e a familiaridade do pintor e de todos na época com partituras para piano, a pergunta a fazer é:

Oscar Pereira da Silva conhecia essa capa de música?  Ou é isso simplesmente Zeitgeist?

©Ladyce West,2012





Imagem de leitura — Oscar Pereira da Silva

13 01 2012

Leitura, 1937

Oscar Pereira da Silva ( Brasil, 1867 — 1939 )

óleo sobre tela

Oscar Pereira da Silva nasceu em São Fidelis, no estado do Rio de Janeito em 1867.  Foi pintor e professor. Ganhou em 1887, no último em que cursou a Academia Imperial das Belas Artes no Rio de Janeiro, o prêmio de viagem à Europa.  Ficou em Paris e 1889 a 1896. Lá prosseguiu seus estudos com Bonnat e Léon Gerôme.  Voltando ao Brasil fixou-se em São Paulo.  Conquistou no SPBA a grande medalha de ouro em 1933 e o segundo prêmio Prefeitura de São Paulo em 1936.  Faleceu em 1939 em São Paulo.








%d blogueiros gostam disto: