Plessiossauros davam luz a seus bebês!

13 08 2011

Ilustração de um nascimento de Plessiossauro.

Novas pesquisas apontam para répteis marinhos pré-históricos – Plesiossauros – que poderiam ter sido ótimos pais, ou seja poderiam formar um núcleo familiar, porque diferente de outros répteis que se procriavam através de ovos, estes davam luz a filhotes vivos. 

F. Robin O’Keefe  da Universidade of Marshall, em Huntington, no estado da West Virginia, ao preparar um fóssil Plessiossauro para uma exposição no Museu de História Natural de Los Angeles County, na Califórnia descobriu que limpava o fóssil de uma fêmea adulta com um feto dentro dela.   A espécie, Polycotylus latippinus, que vivia a 78 milhões de anos e que pode ser facilmente identificada por um osso no membro anterior muito distinto, mostrava claramente que havia um feto dentro dessa fêmea e que não poderia ser, como havia sido sugerido, um Plesiossauro adulto que houvesse comido um bebê. Não há nenhuma evidência que leve a esta conclusão.

A evidência de gravidez é “absolutamente convincente“, disse o especialista em Plessiossauros Adam Smith , curador de ciências naturais em do Museu de Ciências em Birmingham na Grã Bretanha.   O’Keefe lembrou não ser surpreendente que répteis marinhos gestassem um embrião, porque os ovos de répteis têm casca grossa e precisam ser colocados em terra firme.  Mas isso seria muito difícil para os Plesiossauros, que além de estarem entre os principais predadores dos mares do mundo, eram animais muito grandes para subir pelas areias da praia até chegar a um local seguro para depositar seus ovos.

O surpreendente foi o achado de um único grande feto.   Levando-se em consideração o fóssil e o estágio de desenvolvimento do feto, a mãe teria 4,70 m de comprimento enquanto que o bebê teria atingido pelo menos 1,60 m, se tivesse nascido a termo. “All other Mesozoic marine reptiles had several small babies,” O’Keefe says. “Todos os outros répteis marinhos do Mesozóico tinham vários bebês pequenos“, disse O’Keefe.

Fontes: New Scientist  e Portal Terra





Mastodontes, antigos habitantes de Minas Gerais

20 04 2011
 
Mastodonte, ilustração de Jorge Blanco, 2005.

Há muito tempo, digamos há 60.000 anos atrás, uma parte de Minas Gerais era habitada por uma considerável população de mastodontes.  Mastodontes eram antepassados dos elefantes que conhecemos nos dias de hoje.  Eles viviam tanto na América do Norte como na América do Sul, e deixaram de existir há 10.000 anos atrás. 

Os mastodontes tinham aproximadamente 3 metros de altura e pesavam próximo de 7 toneladas, eram herbívoros, comiam folhas e ramos de árvores, gramíneas e frutos. Por causa disso, seus dentes eram adaptados à digestão de folhas macias. 

O nome científico dos mastodontes brasileiros é Stegomastodon waringi .  Seu tamanho era semelhante ao do elefante asiático e um pouco menor do que mastodontes encontrados em outros lugares das Américas.

—-

—-

—-

—-

Os fósseis de um grande grupo de mastodontes, com  indivíduos de todas as idades, de bebês a idosos  – quase 40 animais , o maior grupo das Américas – foram descoberto na cidade de Araxá em Minas Gerais.  A morte desses paquidermes  pode ter sido causada por uma grande enchente que enterrou todos os membros dessa mesma “tribo” ao mesmo tempo.  

O mastodonte não habitava só a área de Minas Gerais.  Era na verdade um animal bastante comum no território brasileiro;  vestígios de sua existência aparecem em 23 dos nossos estados.  Sendo animais tão interessantes é uma pena que tenham ficado sem estudo por muito tempo.  Mas eis que alguém com boa visão e espírito empreendedor, o paleontólogo Leonardo Avilla da Unirio, decidiu há alguns anos estudar os ossos desses mastodontes que haviam ficado esquecidos nas gavetas do Museu de Ciência da Terra.  Financiada pela Faperj sua pesquisa rende ótimas informações sobre a vida na pré-história brasileira e conhecimento do hábitos e costumes desses antigos animais. 

No próximo mês de maio dos dias 11 a 13 acontecerá a terceira edição da JORNADA de ZOOLOGIA DA UNIRIO, onde trabalhos relacionados aos grandes animais como preguiças de 6m de altura, estarão sendo apresentados.

FONTES: GLOBO, Jornal da Ciência,





Descobertas e mais descobertas paleontológicas no RS e na Espanha…

25 03 2011

 

Tiajudens eccentricus, no Rio Grande do Sul.

No Rio Grande do Sul

Uma equipe de paleontólogos das Universidades Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Federal do Piauí (UFPI) e de Witwatersrand (África do Sul) descobriu fósseis de um vertebrado herbívoro com dentes de sabre em Tiarajú, na região central do Rio Grande do Sul.

Segundo a UFRGS, o animal era um terápsido (antiga linhagem de vertebrados que deu origem aos mamíferos) que viveu no Período Permiano da Era Paleozoica – pelo menos 260 milhões de anos atrás.  Este período foi sucedido pelo Mesozóico, quando os dinossauros apareceram.

Apesar de não ser muito grande (tinha o tamanho de uma anta), o espécime chama a tenção por seus dentes de 12 cm.  Os pesquisadores chegaram à conclusão de que era uma nova – e estranha – espécie e a nomearam de Tiarajudens eccentricus.  Seu nome se refere a Tiaraju,  distrito de São Gabriel no estado do Rio Grande do Sul.   Além da arcada dentária o Tiajudens contava com 26 dentes largos, semelhantes aos nossos molares, no céu da boca.  Acredita-se que eles servissem para mastigar folhas.

—-

— “Os incisivos, posicionados na maxila, tinham serrilha para arrancar as plantas, muito parecidos com os que encontramos hoje nos ruminantes.  Os dentes do palato mastigavam, o que era uma novidade, porque proporcionava melhor digestão” — disse Juan Carlos Cisneros, paleontólogo da Univerdidade do Piauí.

Os pesquisadores destacam também que é o mais antigo registro de terápsido que tinha a capacidade de mastigar e o mais antigo de um herbívoro com dentes de sabre – característica comum em alguns carnívoros extintos, como o famoso tigre dentes de sabre, mas rara em herbívoros.

Os cientistas acreditam que os longos dentes eram usados em lutas entre membros da mesma espécie ou como defesa contra predadores. A descoberta está publicada na revista científica Science.

— ” Alguns estudos já haviam encontrado fósseis do Paleozóico no Pampas.  Por isso, resolvemos intensificar a pesquisa naquela região.  Foi assim que chegamoso ao Tiarajudens.  Além do crânio, encontramos vestígios de uma pata e de outras partes do corpo, que ainda estão sendo estudadas, e que permitirão, em breve, outras descobertas sobre a espécie.   Por enquanto sabemos que era um animal adulto, e provavelmente macho.  As fêmeas não deviam ter dentes de sabre ou então eles eram mais curtos.” — esclareceu Cisneros.

 —–

Enquanto isso, na Espanha….

—-

—-

Narulagus Rex
—-

—-

Pesquisadores do Instituto Catalão de Paleontologia (ICP) descobriram fósseis de um coelho gigante na ilha de Minorca, na Espanha. A descoberta foi publicada no Journal of Vertebrate Paleontology. O coelho, de nome científico Nuralagus rex, viveu há cerca de 5 milhões de anos e pesava entre 12 e 15 kg, cerca de 10 vezes o peso de um coelho nos dias de hoje.

A pesquisa indica que o mais curioso deste coelho gigante é o fato de ele não poder pular e se mover com as mãos e os pés colocados ao chão – característica de animais como ursos e capivaras. O estudo aponta que a existência deste mamífero roedor pode ser entendida pelo motivo de o ecossistema da ilha de Minorca não ter predadores para esta espécie.

A pressão seletiva sobre os ecossistemas insulares gera a limitação de recursos, o que implica a ausência de predadores. Não podemos comparar com o que acontece hoje, porque a atividade humana levou à introdução de novas espécies e à caça“, disse Meike Köhler, co-autora do artigo e chefe do grupo de pesquisa de Paleontologia do ICP.

FONTES: Portal Terra e O Globo, edição impressa.





Um gigante chileno: Atacamaticán, um dinossauro herbíforo

19 03 2011

 

Criação artística de como deveria ser o Atacamaticán.

Um gigante chileno: esta é a melhor descrição do Atacamaticán, um dinossauro herbívoro que habitou o norte do Chile há cerca de 100 milhões de anos.  Seu nome deriva do  deserto do Atacama localizado na região norte do país, um dos desertos mais áridos do mundo.  A notícia foi divulgada na revista científica Anais da Academia Brasileira de Ciências.

O Atacamatitán chilensis é o primeiro dinossauro a ser batizado no Chile“, afirmou  o paleontólogo David Rubilar, integrante da equipe que realizou a descoberta.

Esta nova espécie fóssil permitirá ampliar o conhecimento dos dinossauros na América do Sul e representa uma grande contribuição para a paleontologia nacional“, acrescentou o pesquisador.

Trata-se de uma nova espécie de dinossauro gigante, o titanossauro, herbívoro, com pescoço e cauda muito longos.  Ele teria cerca de oito metros de comprimento e pesaria próximo a  cinco toneladas. A particularidade desse dinossauro são suas pernas mais magras, reflexo da geografia do local onde esses animais viveram no passado e de sua alimentação, segundo o cientista.

Sua particularidade foi diagnosticada a partir das vértebras do dorso e da cauda e pelo formato do fêmur, mais fino do que em que qualquer titanossauro já descoberto“, explicou Rubilar.  “Não é nem o maior nem o menor, sua principal característica distintiva está no fêmur“, acrescentou o especialista.

Os restos desse dinossauro foram encontrados em 2000 onde fica hoje o deserto do Atacama, o mais árido do mundo, localizado no extremo norte do Chile com uma extensão de mais de 100.000 km2 e com períodos de até 300 anos sem chuvas.

O Atacamaticán se alimentava dos frutos das araucárias, o que indica que, naquela época, o deserto do Atacama não era um lugar tão árido como agora“, explicou Rubilar, paleontólogo do Museu de História Natural do Chile.

FONTE: AFP





No Maranhão: Espinossaurídeo Oxalaia quilombensis

17 03 2011

Espinossaurídeo Oxalaia quilombensis, ilustração de reconstrução.

 Cientistas brasileiros da Universidade Federal do Rio de Janeiro, (UFRJ), anunciaram ontem,  [16/03], no lançamento da publicação Anais da Academia Brasileira de Ciências, a descoberta de um dinossauro gigante, a que se deu o nome de Espinossaurídeo Oxalaia quilombensis.  Este é o maior dinossauro carnívoro já encontrado no Brasil. Viveu no nordeste brasileiro, mais especificamente, no Ilha de Cajual (MA), onde foi encontrado.

O Oxalaia quilombensis  — cujo nome homenageia Oxalá,  divindade masculina mais respeitada na religião africana e  também os quilombos, povoações que construídas por escravos fugidos que existiam na ilha — media de 12 a 14 metros de comprimento, pesava entre 5 e 7 toneladas e viveu há cerca de 95 milhões de anos.  

Essa descoberta foi a estrela da apresentação, onde os pesquisadores do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro mostraram que ao encontrarem os vestígios do pré-maxilar, com sete dentes, e da narina do dinossauro, constataram que o réptil tinha mais semelhanças com outros dinossauros encontrados na costa da África do que com os descobertos até hoje em terras brasileiras, tais como os répteis da Bacia do Araripe.  Verificaram também que o Oxalaia quilombensis, quando comparado a dinossauros da mesma espécie, mas encontrados na costa africana, tem dimensões significativamente maiores do que seus pares da África.   A familiaridade entre esse dinossauro e os encontrados na África nos lembra que há 115 milhões de anos as terras da América do Sul e da África ainda eram unidas, permitindo a livre migração de um lado ao outro de fauna e de flora (atrvés de sementes), pois o Oceano Atlântico ainda não separava os dois modernos continentes. 

Uma das características dos Espinossaurídeos são dentes mais finos e mais fracos  do que os encontrados em outros dinossauros carnívoros.  Essas características levou cientistas a pensarem, por muito tempo, que esses dinossauros se alimentassem de peixes.   Mas há pouco tempo foi descoberta uma mordida de um Espinossaurídeo na vértebra do pescoço de um pterossauro.  Isso mudou tudo e hoje então sabemos que eles tinham uma dieta mais variada, pois podia se alimentar de répteis.   Os Espinossaurídeos reinavam absolutos como maiores carnívoros do país.  Fora eles, não há qualquer outra espécie que ostente mais de 8 metros de comprimento no Brasil.

—-

A pesquisadora Elaine Machado mostra as partes achadas e o desenho de reconstrução.

O Espinossaurídeo Oxalaia quilombensis tinha espinhos neurais muito alongados que formavam a vela – uma estrutura nas costas como um leque.  Seu crânio lembrava o dos crocodilos porque também era longo. 

Fonte: O GLOBO, versão impressa.





Novíssimo dinossauro, saurópode, vegetariano e chutador!

25 02 2011

Desenho de como seria um brontomerus mcintoshi.

—-

Cientistas britânicos e americanos anunciaram terem descoberto uma nova espécie de dinossauro – batizada de Brontomerus mcintoshi. O nome, do grego “bronto”, que significa trovão e “merós”, que significa coxa, é uma homenagem às suas pernas traseiras, capazes de disparar poderosos chutes.  A nova espécie, é um saurópode – a família de dinossauros famosa pela sua grande cauda e longo pescoço. Os ossos apesar de bastante fragmentados estão em número suficiente para que os cientistas pudessem  concluir que estas criaturas possuíam grandes e poderosas pernas. “Se os predadores viessem atrás,ele  seria capaz de colocá-los fora do caminho”, refere Mike Taylor, da College London University.

A ossada — ombros, bacia, costelas e vértebra —  foi encontrada em Utah em 1994.  Estava numa pedreira e  tinha sido vandalizada por comerciantes de fósseis do mercado negro, provavelmente por pensarem que não tinha valor comercial.  O que restou foi,  depois, transportado para um museu, “onde ficou por cinco a dez anos até que alguns colegas e eu resolvemos analisá-la“, contou Mike Taylor.  Entre os fósseis restantes estava um íleo de grandes dimensões, maior do que os encontrados em outros dinossauros  semelhante, um fato importante, porque o quadril é uma grande área para fixação dos músculos.

Pesquisadores do museu de História Natural de Oklahoma ficaram com os ossos até que em 2007, o professor Mike Taylor, da University College London, na Grã-Bretanha, decidiu examiná-los mais detalhadamente.

—-

—-

Cientistas examinam os fósseis do Brontomerus mcintoshi.

O tamanho e a forma dos ossos da bacia permitiram a reconstituição de um novo espécime de saurópode, uma subordem dos dinossauros. Os ossos excepcionalmente grandes possibilitariam que o animal tivesse músculos particularmente poderosos, provavelmente os mais poderosos entre os saurópodes – herbívoros quadrúpedes que estão entre os maiores animais que já viveram na Terra. Diplodocus e Brachiosaurus são alguns exemplos de saurópodes.   Mike Taylor disse que os ossos gigantescos levaram-no  a deduzir  que Brontomerus  teria coxas muito fortes, musculosas e capazes de disparar chutes poderosos e que é provável que originalmente  esses coices tenham sido usados para disputar a atenção de fêmeas, evoluindo,  ao longo de milhares de anos,  para uma estratégia de defesa.  “O chute era utilizado, provavelmente, durante uma disputa entre dois machos por uma fêmea, mas com toda essa mecânica, seria impossível não crer que ele se utilizasse também do golpe para se defender de um predador“, explicou Taylor.

Os fragmentos encontrados levaram à reconstituição de uma carcaça de um adulto – provavelmente uma fêmea – e de um jovem, possivelmente sua cria. A mãe teria pesado cerca de seis toneladas, medido 14 metros de comprimento e uma altura equivalente a de um elefante grande.  Já o filhote, pesaria por volta de 200 kg, teria uma altura de um pônei, medindo aproximadamente cinco metros de comprimento.

Esse musculoso dinossauro vivia como seus pares saurópodes em um território seco e acidentado, onde suas coxas fortes teriam propulsão “como a de um carro 4×4“, segundo Matt Wedel, um membro da equipe, da Universidade de Pomona, na Califórnia.  O Brontomerus mcintoshi teria existido há 110 milhões de anos, durante o período Cretáceo.  

A omoplata do Brontomerus possui saliências anormais que provavelmente marcam os limites de músculos, sugerindo que possuía músculos do antebraço também poderosos”, explicou Matt Wedel, da Western University of Health Sciences em Pomona, California.  E completou:  “Como o saurópode foi o dinossauro mais abundante durante o período Jurássico e o mais raro durante o início do Cretáceo, há muito que havia a percepção de que os saurópodes haviam sido bem sucedidos no Jurássico para depois serem substituidos pelos Hadrossaurídeos e dinossauros com chifres no Cretáceo.  Nos últimos 20 anos, no entanto, estamos descobrindo mais saurópodes do período inicial do Cretáceo, e a nossa percepção esta mudando. Parece agora que os saurópodes podem ter sido tão diversos como o foram no período Jurássico, mas menos abundantes e assim mais difíceis de encontrar.

—-

FONTES:  National GeographicA críticaNaturlink, Terra.





Neandertais usavam penas como adorno

24 02 2011
Desenho de possível reconstruão do uso de penas por um Neandertal, de  Mauro Cutrona.

—-

—-

Arqueólogos  trabalhando num sítio arqueológico, ao norte da  Itália, afirmam ter descobertos indícios de que os Neandertais já utilizavam penas para se enfeitar —  talvez até por ritual simbólico —  há 44 mil anos. A pesquisa aumenta o debate sobre quão distantes eram os Neandertais do Homo sapiens.   O arqueólogo Marco Peresani, paleontologista da Universidade de Ferrara, e sua equipe investigaram 660 ossos de aves de 22 espécies diferentes, encontrados com ossadas de Neandertais na Grotta di Fumane — Caverna  da Fumaça,  ao norte do país. Muitos dos ossos de asas dessas aves estavam cortados e raspados onde as penas de voo estariam presas, o que sugere que as penas eram sistematicamente removidas.

Marcas de corte e raspagem são observadas exclusivamente nas asas, indicando a remoção intencional das grandes penas”,  observou Peresani.

Entre as  22 espécies de pássaros encontravam-se uma espécie de urubu barbado (Gypaetus barbatus), o falcão-da-pata-vermelha (Falco vespertinus),o  abutre preto ( Aegypius monachus), a águia dourada (Aquila chrysaetos), o pombo (Columba palumbus) e a gralha alpina (Pyrrhocorax graculus).  A coloração das penas variava entre as cores negra, azul acinzentada e a cinza alaranjada.  As penas removidas dos pássaros eram as remiges, ou seja, as penas das asas,  as mais longas e mais belas e todas. 

—-

—-

Sítio arqueológico  na Grotta di Fumane.

Assim como se acredita  que os Neandertais usavam conchas como enfeite, Peresani imagina que as penas também possam ter sido ornamentos.   Essa descoberta corrobora as investigações recentes que sugeriam que os Neandertais usariam conchas coloridas de moluscos como jóias.  Os pesquisadores nesse síitio arqueológico acreditam que plumas também eram usadas como adorno pessoal.    Na verdade, outros usos alternativos para essas penas foram descartados ao longo da pesquisa:  muitos dos pássaros que serviram de fonte  para a plumagem, eram pobres fontes de alimento e nesse período as flechas ainda não tinham sido inventadas. 

As espécies que constam nessa pesquisa;  as características anatômicas do elementos usados, e a localização das interferências humanas nessas modificações, indicam um uso muito mais chegado à esfera simbólica e de comportamento dessa população autóctone européia”, escreveram os pesquisadores.  As  descobertas acirram os debates que questiona, se os Neandertais eram uns brutamontes ou tão sofisticados quanto o Homo sapiens.

Essa pesquisa deve ajudar a descartar os preconceitos contra os Neandertais.  “Ela mostra que nossos primos extintos tinham um conceito especial a respeito de sua aparência física e identificação sócio-ambiental, que é algo frequentemente considerado uma prerrogativa dôo homem anatomicamente moderno”,  Peresani concluiu. “Sabemos que o uso de plumas de pássaros era bastante generalizado e que os humanos sempre atribuíram  grande e forte valor a essa prática, quer por sua significância social, quer para jogos, ou até mesmo na produção de objetos ornamentais e cerimoniais” disse Peresani.  “A reconstrução desse aspecto pouco conhecido e em geral bastante ocults entre os humanos já extintos é uma das metas da nossa pesquisa”.

—–

—–

Fontes: Portal Terra, Discovery, Live Science.

—–

—-

ARTIGO SOBRE AS JÒIAS DE CONCHAS DOS NEANDERTAIS








%d blogueiros gostam disto: