O verde do meu bairro: Palmeira Bismarck

14 05 2018

 

 

 

DSC03312assPalmeira Bismarck iluminada pelo sol, Praça Santos Dumont, na Gávea, no Rio de Janeiro.

 

 

Sempre gostei desta palmeira [Bismarckia nobilis] com seus grandes “abanos” prateados que contrastam tão bem com os verdes do jardim!  Esses leques naturais não passam de duas dezenas na planta madura, e sempre têm cor pálida, cinza, como prata à luz do sol.  Suas  folhas dão a impressão de estarem seguras pelas mãos de bailarinas invisíveis, amarradas em um único tronco, que abrem seus leques em dança delicada, sensual,  à moda oriental.

Esta palmeirinha pode chegar a altura de 25m, mas só a conheço pequena, talvez com no máximo 8-10 metros.  Ao lado das palmeiras reais, e de outras árvores de grande porte, parece pequena, quase uma joia, como a que vemos na foto.

Gosta de sol pleno ou pouca sombra. Precisa de muito espaço em uma área de paisagem, de boa drenagem e de boa irrigação.  Não é natural do Brasil.  Original de Madagascar, e introduzida aqui, no século passado, chama-se Palmeira Bismarck em homenagem ao primeiro chanceler do Império Alemão Otto von Bismarck.  No Brasil também é conhecida como palmeira azul.  Pode ser plantada em clima tropical e subtropical, em ambientes úmidos ou secos. Para reprodução precisa de palmeiras macho e fêmea plantadas próximas para polinização.  Ambas florescem e dão uma semente em cada fruto.

Por causa de sua aparência espetacular é favorita entre paisagistas de grandes jardins.





Domingo, um passeio no campo!

3 11 2013

Claudio Tozzi, Paisagem, sd, ast, 120x120Paisagem, s/d

Cláudio Tozzi (Brasil, 1944)

acrílica sobre tela, 120 x 120cm





Manhã de sol no Rio de Janeiro, passeio no Jardim Botânico

9 10 2011

Jardim Botânico, aléia das palmeiras reais, entrada principal.

A primavera chegou quente e ensolarada.  Hoje a máxima parece ter chegado aos 30ºC  — pelo menos foi o que prometeram nos jornais — pelo calor eu diria que foi mais, mas é possível que a temperatura tenha caído rapidamente porque a tarde se cobriu de nuvens.  Foi, no entanto, uma bela manhã para um passeio no Jardim Botânico.  Tenho a felicidade de morar próximo desse belíssimo parque e o prazer de andar por suas aléias é constante.

Entrada para o Jardim Oriental, dentro do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

O jardim oriental passou por uma grande reforma nos últimos anos.  Está hoje mais ZEN.   Tem mais pedras, exibe aquela  simplicidade de pureza de formas que não tinha anteriormente. Diminuíram a extensão da ponte vermelha.  Parece a mesma, mas se contarmos o número de segmentos, vemos que a ponte ficou menor, menos extensa. Uma foto mais antiga que tenho, de um outro ângulo, talvez ajude a mostrar a diferença.  E o  entorno do lago está bastante mudado, vejam abaixo.

O novo Jardim oriental tem muitos caminhos de pedras.

Foto mais antiga, de 2007, do mesmo lago, outro ângulo, no Jardim Oriental do Jardim Botânico.

Acredito que a ponte antiga seja uma interpretação mais romântica do que seria um jardim oriental.  Enquanto que a disposição mais moderna, incluindo o comprimento menor da ponte, sejam mais realistas quanto a estética oriental.  Gosto mais da interpretação romântica, com uma ponte mais esticada, apesar de não desgostar da que temos hoje.

Raizes de uma andiroba.

Aléia das andirobas.

E assim terminou o passeio de hoje, numa das minhas aléias favoritas: árvores gigantescas, com raízes imponentes.  Lembre-se de não plantar uma andiroba ao ladinho da sua casa…  Mas próximo à divisa do seu terreno ficaria maravilhosa!  Sim, é natural do Brasil.





A notícia, poema de Cassiano Ricardo

14 03 2009

bruno-lechowski-polonia-1887-brasil-1942-renque-de-palmeiras-1927aquarela-44-x-49cm-col-wanda-lechowski

Renque de palmeiras, 1927

Bruno Lechowski (Polônia 1887 – Brasil 1942)

Aquarela

49 x 44 cm

Coleção Wanda Lechowski.

—-

 

A Notícia

 

 

                            Cassiano Ricardo

 

 

Então o vento

lá dentro da serra,

onde apenas havia

o barulho insensato

das coisas sem nome

começou a bater

a bater rataplã

no tambor da manhã.

 

 

Então os ecos

saíram das grutas

levando a notícia

por todos os lados.

 

 

Então as palmeiras

ao fogo do dia,

em verde tumulto,

pareciam marchar

carregando bandeiras.

 

 

Depois veio a Noite

e os morros soturnos

levavam estrelas

por vales e rochas

como uma silente

corrida de tochas…

 

 

Em: Martim Cererê.

 

Cassiano Ricardo Leite (São José dos Campos, 26 de julho de 1895 — Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 1974) foi um jornalista, poeta e ensaísta brasileiro.

 

Obras:

Dentro da noite, poesia, 1915

A flauta de Pã, poesia, 1917

Jardim das Hespérides, poesia, 1920

Atalanta, poesia, 1923

A mentirosa de olhos verdes, poesia, 1924

Borrões de verde e amarelo, poesia, 1925

Vamos caçar papagaios, 1926

Martim Cererê, poesia, 1928

Canções da minha ternura, poesia, 1930

Deixa estar, jacaré, poesia, 1931

O Brasil no original,  crítica, teoria e história literárias, 1937  

O Negro na Bandeira, crítica, teoria e história literárias, 1938  

Pedro Luís: visto pelos modernos, crítica, teoria e história literárias, 1939

Academia e a poesia moderna, crítica, teoria e história literárias, 1939      

Marcha para Oeste, crítica, teoria e história literárias, 1942  

O sangue das horas, poesia, 1943

Paulo Setúbal, o poeta,  crítica, teoria e história literárias,  1943

A academia e a língua brasileira, crítica, teoria e história literárias, 1943       

Um dia depois do outro (1944-1946),  poesia 1947  

Poemas murais, 1947-1948, poesia, 1950

A face perdida, poesia, 1950

Vinte e cinco sonetos, poesia, 1952

Poesia na técnica do romance, crítica, teoria e história literárias, 1953

O Tratado de Petrópolis, crítica, teoria e história literárias, 1954 

Meu caminho até ontem, poesia, 1955 

O arranha-céu de vidro, poesia, 1956

João Torto e a fábula : 1951-1953, poesia 1956  

Pequeno Ensaio de Bandeirologia, crítica, teoria e história literárias, 1956  

Poesias completas, poesias,  1957

Poesia, poesia,  1959

Martins Fontes, 1959 

Homem Cordial, crítica, teoria e história literárias,  1959      

Montanha russa, poesia, 1960

A difícil manhã, poesia, 1960

O Indianismo de Gonçalves Dias, 1964

A floresta e a agricultura, crítica, teoria e história literárias, 1964  

Algumas Reflexôes Sobre Poética de Vanguarda, 1964      

Poesia praxis e 22, crítica, teoria e história literárias, 1966  

Jeremias sem-chorar (1964)

Viagem no tempo e no espaço (Memórias) poesia, 1970  

Serenata sintética, poesia XX

Sobreviventes, mais um poema Circunstancial , poesia, 1971  

Seleta em Prosa e Verso, miscelânea, 1972  

Sabiá e sintaxe, crítica, teoria e história literárias,  1974  

 

Invenção de Orfeu (e outros pequenos estudos sobre poesia), poesia, 1974  

 





Boatos sobre sublevação de tropas. Revolução de 1932

2 10 2008

25 de setembro de 1932

 

 

Chegam tropas do norte para reforço da frente sul.  A cidade está cheia de soldados.  Há treinos de exercícios de lança-minas e bombardas.   Dizem que foram para o fronte dois caminhões blindados.  Boatos de sublevação de tropas na cidade do Rio Grande e de entendimentos entre o Sr. J. Neves e tropas do sul, na frente sul de São Paulo.

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 148 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 





Em Palmeiras, uma esposa casadoura! Revolução de 1932

27 09 2008

Militares em Santos

Militares em Santos

24 de setembro de 1932

 

 

Um soldado voluntário, caipira, reclama hoje, lamuriento falta de noticias de sua esposa em Palmeiras.  E explicava:

 

“ Na outra revolução ( a de outubro de 1930) que durou só vinte dias, ela não recebia também minhas cartas e como contasse que eu fora morto em combate, em Itararé, minha mulher, quando eu voltei, já estava de casamento tratado com outro!”

 

E, desta vez, com certeza, o lamuriento voluntário, após 74 dias de ausência, tinha, e com carradas de razão, o pensamento voltado para Palmeiras, onde se achava a sua casadoura esposa!!

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Revista O Cruzeiro

Revista O Cruzeiro

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 147 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Militares de Caçapava, na Revolução de 1932

Militares de Caçapava, na Revolução de 1932

 








%d blogueiros gostam disto: