Resenha: “A caderneta vermelha” de Antoine Laurain

24 05 2016

 

 

Christine Reilly (Austrália, contemporânea)-StGermain, o+acr. sobre telaSt. Germain

Christine Reilly (Austrália, contemporânea)

óleo e acrílica sobre tela,  40 x 60 cm

www.christinereillyartist.com

 

 

Está precisando de um momento de descanso?  Precisa acreditar que a vida é boa, que no fim tudo vai dar certo, não importa os percalços do caminho? Quer passar um fim de semana tranquilo, sorridente e inconsequente?  Esse livro é para você.  Ele lhe trará sorrisos, encantamento e refúgio.  Trará luz num dia chuvoso.  Aquecerá seu coração como um chocolate quente tomado em casa de pijama e meias, com seu gatinho enrolado no colo. Porque este é um delicioso conto de fadas, uma história que acaba bem.  Não me surpreenderia se aparecesse em versão cinematográfica.  Aliás, só me surpreenderei se não se tornar um filme.  Eu colocaria Pio Marmaï como ator principal fazendo Laurent, livreiro, dono da Le Cahier Rouge e Laetitia Casta seria Laure, nossa heroína, possuidora de uma profissão singular – douradora.

 

 

A_CADERNETA_VERMELHA_1458149088572126SK1458149088B

 

Trata-se da história de uma mulher que ao ser assaltada perde tudo: sua bolsa, carteira com documentos e dinheiro, o celular. É madrugada e o assalto acontece na porta de seu edifício.  Sua bolsa com todo o conteúdo menos o celular e a carteira são encontrados pelo livreiro Laurent Letellier, que próximo dos quarenta anos, divorciado, com uma filha adolescente, acha-se fascinado pelo conteúdo da bolsa lilás.  Resolve descobrir a quem ela pertencia. Mas é uma tarefa difícil que lhe dará bastante trabalho. O resto ficará para o leitor apreciar. Há reviravoltas e incompreensões.  Mas tudo acaba bem.

Recentemente muitos dos livros franceses traduzidos aqui no Brasil, não sei se por escolha dos editores ou se por preferência nacional do país europeu, têm sido leves, poéticos, românticos no escopo mais largo da palavra.  Refúgios para o caos do dia a dia, cheios de certa ternura, repletos de personagens sensíveis, inteligentes, amorosos, carinhosos, com  respeito pelo outro além de grande interação entre gerações nem sempre vista na vida ou literatura de outros países.  Incluo nesta lista os livros de Anna Gavalda, Muriel Barbery, Benoîte Groult, Katherine Pancol, Denis Tillinac, Jean-Paul Didierlaurent, e agora Antoine Laurain. É claro que aqui há o viés da leitora, assim como a consciente eliminação de outros autores de sucesso da ficção francesa como Laurent Gaudé, Michel Houellebecq, Marc Levy e outros. Mas esse lado suave da vida me parece mais frequente nas obras francesas contemporâneas. Em termos de cinema, esses livros se classificariam em comédias românticas.

 

 

antoinelaurain_bymbtoffoli_p10907661Antoine Laurain.  Foto de Marissa Bell Toffoli (2013)

 

A caderneta vermelha é uma dessas obras.  Bem escrita, com capítulos pequenos, um número reduzido de personagens, traz à tona um romance previsível desde os primeiros capítulos ainda que sua resolução seja mais complexa e criativa do que se poderia esperar.  Não chega a ser chick-lit, mas é romântico, doce; reconfortante, uma ilha de bem-estar num mundo insensato.





Sublinhando…

29 07 2015

 

 

The Three Sisters (1917) Henri Matisse. Musée de l'Orangerie, Paris.As três irmãs, 1917

Henri Matisse (França, 1869-1954)

óleo sobre tela

Musée de l’Orangerie, Paris

 

 

“Da terra são todas as flores,
Mas as hortênsias são do céu.”

 

 

Martins Fontes (1884-1937) Balada Azul, do livro Guanabara, 1936.

 

 





Imagem de leitura — Berthe Morisot

7 05 2015

 

626426-morisot_berthe_paule_gobillard.jpgmarmottanPaule Gobillard à la potiche, 1889

Berthe Morisot (França, 1841-1895)

Coleção Particular

Em exposição temporária no Museu Marmottan, Paris





Minutos de sabedoria: Voltaire

11 01 2015

 

 

asterix-jesuischarlieDesenho de Uderzo, no dia 07 de janeiro de 2015, aos 87 anos, em resposta aos ataques terroristas ao jornal semanário francês, Charlie Hebdo.  Astérix, o herói francês dos quadrinhos, aqui luta contra os terroristas e diz: “Eu também sou Charlie”.

 

 

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”

 

 

i401701Voltaire

 





Esmerado: capa de espelho em marfim, século XIV

20 05 2014

 

 

 

Louvre258ivoryHorseWomenCoolSmCapa de espelho [lado de trás] em marfim com cena de enamorados a cavalo, século XIV.

Museu do Louvre, Paris





Imagem de leitura — Pedro Lira

17 03 2014

Pedro Lira (Chilean, 1846-1912). Ileitura interrompidaLeitura interrompida, s/d

Pedro Lira (Chile, 1846-1912)

óleo

Pedro Lira (Chile, 1846-1912) dividiu a sua carreira entre a produção de pinturas notáveis ​​e o trabalho de melhorar a qualidade das artes plásticas no Chile. Era de família abastada. Estudou em Santiago no Instituto Nacional e, aos 16 anos, inscreveu-se na Academia de Pintura, que na época estava sob a direção do artista de origem italiana Alejandro Cicarelli. Além de estudar pintura, também se formou em Direito pela Universidade Nacional. Mas decidiu dedicar-se exclusivamente à pintura. Em 1865, começou a treinar sob a direção do paisagista Antonio Smith. Smith foi influente na primeira fase da carreira de Lira, principalmente nas paisagens. Em 1873, Pedro Lira mudou-se para Paris continuando seus estudos artísticos, onde permaneceu até 1884.





Curiosidade: o tamanho das cidades na Era Medieval

9 02 2014

carcassonne_cite2Entrada para a cidade medieval francesa, Carcassone.

Por volta de 1200 as maiores cidades do norte da Europa eram Londres, Paris e Ghent.  Cada qual tinha uma população que variava entre 30.000 a 40.000 habitantes.  No entanto, na mesma época, no sul da Europa,  cidades como Veneza e Florença tinham populações acima de 100.000 pessoas.

No século XIV, calcula-se 1/3 de toda a população europeia tenha morrido através da Peste Bubônica, que durou quatro anos.  Mas a Europa precisou dos 150 anos seguintes para recuperar a população que havia tido na primeira metade do século XIV.








%d blogueiros gostam disto: