Os Arcos da Lapa, por um visitante em 1807

18 08 2009

Arcos da Lapa, Heitor dos Prazeres,(1898-1966), ost, 1964, Samba nos Arcos da LapaSamba nos Arcos da Lapa, 1964

Heitor dos Prazeres ( Brasil 1898-1966)

Óleo sobre tela

 

Às vezes um assunto fica na cabeça da gente, como um refrão de música popular que não conseguimos esquecer.    Foi isso o que aconteceu comigo e Os Arcos da Lapa.  Para me exorcizar volto ao assunto, 24 horas mais tarde.    Passei a tarde a procura de um ou dois textos que me lembrava ter lido, mas não sabia onde.  Bem aqui está um deles. 

 

Texto do visitante James Hardy Vaux, no Rio de Janeiro em 1807:

 

Tendo mencionado as fontes públicas – em grande número nesta cidade – não posso deixar de descrevê-las.  Em razão de haver poucas nascentes no Rio de Janeiro, a água é coletada no pico de uma elevada montanha e conduzida à cidade por um majestoso aqueduto, que atravessa um vale de muitas milhas de distância.  Ao chegar à urbe a água é distribuída pelas fontes situadas nas ruas principais.  Essas fontes, todas muito bonitas, são construídas em pedra e contam com uma grande cisterna para armazenar a água.  Essa escoa daí por umas bicas de metal fundido, muito bem trabalhado, que têm a forma de bicos de ganso, de pato e de outras aves.

 Em: Outras visões do Rio de Janeiro Colonial 1582-1808; antologia de textos, editado por Jean Marcel Carvalho França, Rio de Janeiro, José Olympio: 2000,  p. 305

 

Thomas Ender Chafariz do Largo do Moura

Chafariz do Largo do Moura, Rio de Janeiro, 1817

Thomas Ender (Áustria 1793-1875)

aquarela





Os Arcos da Lapa no Rio de Janeiro

17 08 2009

Lucia de Lima, arcos da lapa, acrílica sobre tela,Os Arcos da Lapa,  2005

Lúcia de Lima ( Brasil, contemporânea)

Acrílica sobre tela

Coleção Particular

 

 

As notícias de hoje me levaram aos Arcos da Lapa no Rio de Janeiro.  Um acidente com o bondinho de Santa Teresa me fez pensar como seria triste a vida nesta cidade sem o bondinho passeando por cima dos Arcos da Lapa, um dos locais mais interessantes e atraentes do Rio de Janeiro.   

Este não é só o símbolo da Lapa, tradicional bairro boêmio da cidade.  Mas um símbolo do Rio de Janeiro.   É,  sem dúvida,  uma das primeiras obras grandiosas da cidade.  Com o passar dos séculos obras gigantescas quase se tornaram lugar comum na cidade, com governantes derrubando morros, fazendo aterros, perfurando montanhas de granito para abrirem longos  túneis urbanos.  Tudo de um gigantismo, de uma grandiosidade, raramente igualadas em qualquer outro lugar do mundo.   

 

arcos da lapa1

 Lagoa do Boqueirão com o Aqueduto da Carioca ao fundo

Leandro Joaquim ( Brasil, c. 1738 – c. 1798)

óleo sobre madeira, originalmente para um dos Pavilhões do Passeio Público.

Museu Histórico Nacional,  Rio de Janeiro

 

 

Os Arcos da Lapa estão entre as primeiras grandes interferências arquitetônicas no Rio de Janeiro.  É a obra de maiores dimensões e maior impacto do período colonial.  Seu nome original — Aqueduto da Carioca — quase explica  sua função.  Essa construção de pedra e argamassa, em estilo romano, com dupla arcada,  42 arcos e óculos, edificada nos anos entre 1744 e 1750, trazia para o centro da cidade as águas do Rio da Carioca.

Mas por incrível que pareça, estes não foram os primeiros arcos construídos como parte do Aqueduto da Carioca.  Os  Arcos que conhecemos hoje, vieram para substituir os Arcos Velhos.  Os primeiros arcos do Rio de Janeiro foram decididos por ordem régia de 1672.  Mas só foram inaugurados em 1723,  junto com o Chafariz da Carioca.  Sua função como a dos Arcos que vemos hoje na cidade era trazer as águas do Rio da Carioca até o Largo da Carioca.   Esta obra,  bastante ambiciosa,  só começou a tomar forma no governo de Ayres de Saldanha [ e Albuquerque] (1719-26).  Mas seu traçado repleto de curvas mostrou-se imprático, sem resistência, chegando às ruínas com grande rapidez.

Foi no governo de Gomes Freire de Andrade,  último governador do Rio de Janeiro (1733 a 1763) — antes de ser criado o Vice-reinado –, que  o Aqueduto da Carioca, que hoje conhecemos, foi construido e inaugurado.

 

eletrificação do bonde_arcosOs arcos, no finalzinho do século XIX, quando os bondes foram eletrificados, 1896.

 

No final do século XIX o sistema de adução das águas do Rio da Carioca tornou-se obsoleto e o aqueduto foi desativado.  Eis que surge, então,  em 1896, a oportunidade de transformar tamanha construção em rota para o bonde elétrico, servindo assim aos moradores do bairro de Santa Teresa.  

 

O bairro possui a única linha urbana remanescente de bondes do Brasil.  A Companhia Ferro-Carril Carioca, que introduziu o serviço de bondes no bairro na década de 1870, eletrificou as linhas em 1896.  E  aproveitou a construção colonial como via de acesso ao bairro. Por ter sido feito onde corria o aqueduto, os bondes de Santa Teresa trafegam usando uma  bitola especial, bastante estreita,  de 1,10m.

 

Arcos-da-Lapa-1925

Os Arcos da Lapa, Cartão Postal, 1925.





O Grande Caramanchão da Casa de Rui Barbosa

2 07 2008

 

 

Casa de Rui Barbosa, Jardim, vista com caramanchão e banco

 

Os jardins da Casa de Rui Barbosa na rua São Clemente em Botafogo estão na minha longa lista de lugares favoritos para flanar no Rio de Janeiro.   A casa por si só já é espetacular o suficiente,  mas visito com muito mais freqüência seus jardins,  uma tentadora ilha de  tranqüilidade dentro do populoso bairro de Botafogo.   O jardim é tentador  em seus diversos recantos, laguinhos, falsas ilhas e sobretudo pelo fabuloso caramanchão feito com estrutura de metal, coberto por parreiras que dá um aconchego ao lugar irresistível.  Ele por si só é a razão de minhas freqüentes visitas, principalmente depois que a estação Metro-Botafogo pode deixar o visitante a menos de 300 metros do local.  São  9.000 metros quadrados de um jardim calmo e muito bem cuidado.   A maior parte do jardim está nos fundos da casa.  

 

 

Caramanchão da Casa de Rui Barbosa

 

 

A casa foi construída em 1850 para o Barão da Lagoa.  No estilo neo-clássico tem todas as suas portas e janelas com portais em granito e na frente há quatro esculturas representando os quatro continentes da época.  Tem quatro andares.  Rui Barbosa, que a comprou em 1895 das mãos de um inglês John Roscoe Allen,  morou ali por 28 anos.  Antes  de John Roscoe Allen  a casa teria pertencido ao Comendador Albino D’Oliveira Guimarães.  

 

 

Jardim, vista geral, Casa de Rui Barbosa

 

 

É impressionante como se pode desfrutar de um recanto com tanta paz, cujos únicos sons são os cantos dos pássaros e o rufar de asas dos pombos, quando se está tão próximo de uma rua muito movimentada. A natureza é uma excelente barreira de som.

 

 

Vista com Quiosque, casa de Rui Barbosa

 

 

Este jardim tem uma variedade muito grande de vegetação tropical, palmeiras e árvores frutíferas que deixam a imaginação do visitante voltar aos meados do século XIX com facilidade.  É fácil percorrer as alamedas deste espaço, sentar num banco de jardim e abrir um livro de Alencar, de Machado ou Taunay e imaginar nossos heróis e heroínas populando o espaço com roupas de época, nos saraus das noites cariocas.

Jardim da Casa de Rui Barbosa com 1 dos laguinhos








%d blogueiros gostam disto: