Café, poesia de Ribeiro Couto

15 10 2016

 

cafe-uma-xicara-dePato Donald pede um café © Walt Disney
Café

Ribeiro Couto

Sabor de antigamente, sabor de família

Café que foi torrado em casa,

Que foi feito no fogão de casa com lenha do mato de casa.

Café para as visitas de cerimônia,

Café para as visitas de intimidade,

Café para os desconhecidos, para os que pedem pousada, para toda gente.

Café para de manhã, para de tardinha, para de noite,

Café para todas as horas do riso ou da pena,

Café para as mãos leais e os corações abertos,

Café da franqueza inefável,

Riqueza de todos os lares pobres,

Na luz hospitaleira do Brasil.

Em: Poemas para a Infância: antologia escolar, editado por Henriqueta Lisboa, s/d, São Paulo: Edições de Ouro, p. 50

Salvar





Entrando no espírito da estação com antigos desenhos de Disney

24 11 2015

 

presente para o mickeyMickey recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

presente para clarabelaClarabela recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o horacioHorácio recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para minieMinie recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o patetaPateta recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o pato donaldPato Donald recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o plutoPluto recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.




Escolhas, texto de Marcio Tavares D’Amaral

23 11 2015

 

 

café, uma xícara dePato Donald, vai ao café da cidade, ilustração de Walt Disney.

 

“Não faço questão”

Essa expressão, tão comum, não parece conter toda uma atitude diante do mundo.

“Quer um café?”

“Não faço questão. Como você quiser.”

Ora, não é difícil saber se queremos tomar o café que alguém nos oferece. A incapacidade de decidir sobre coisa tão simples pode indicar algo maior do que uma hesitação. Pode ser indiferença. Anemia afetiva. Medo de se comprometer. Essa bem pode estar sendo nossa atitude, hoje, diante do mundo. Passiva. Que deixa correr. E isso é perigoso. O mundo pede emoção e inteligência. Espera que façamos questão dele. Eis a questão.”

 

Em: “Não faço questão”, Márcio Tavares D’Amaral, O Globo, 24/10/2015, 2º caderno, página 2.





Pato Donald, fonte de inspiração em Hollywood, na Ciência e no Japão

16 02 2011
Tio Patinhas considera uma história para roteiro de filme, ilustração Walt Disney.

—-

Muita gente que conheço se surpreende com a coleção de quadrinhos que tenho.  A maioria foi comprada depois de adulta.  A surpresa também acontece quando as pessoas percebem que tenho muitas vezes a pachorra de tirar fotos de alguns quadrinhos para postagem neste blog.  Este é um dos meus instrumentos de comunicação visual.  Muitos quadrinhos conseguem, numa só cena, contar uma idéia ou uma historieta inteira, principalmente quando estamos familiarizados com seus personagens. 

Lá em casa histórias em quadrinhos nunca foram proibidas.  Aliás, nenhum tipo de leitura foi proibido.  Meu gosto pelos quadrinhos vem desde pequenina, sempre os li e minha mãe também.  Ela era uma ávida leitora de gibis.  Papai, que era mais chegado aos textos científicos por sua própria profissão, também se deliciava com as invenções do Professor Pardal, chegando a conversar conosco sobre as possibilidades dessa ou daquela invenção estar no caminho certo de uma nova descoberta.  Todos nós na família éramos adeptos do  Pato Donald, que foi sempre um preferido; mais até do que o Mickey.  Mas sabíamos de cor e salteado todos os nomes dos personagens das revistinhas – inclusive os nomes dos personagens coadjuvantes e um dos passatempos favoritos de quando éramos crianças, nas longas viagens de carro, consistia em  nomearmos os diversos personagens de Patópolis, dos mais óbvios aos mais insignificantes. 

—–

—-

Pateta lê os quadrinhos do jornal, ilustração Walt Disney.

—–

—–

Ontem, para minha surpresa, meu marido me mandou um link para um artigo na revista CRACKED: 5 amazing things invented by Donald Duck, seriously, [5 coisas surpreendentes inventadas pelo Pato Donald, verdade.].  Neste longo ensaio sobre os quadrinhos do Pato Donald como fonte de inspiração, D. McCallum mostra, passo a passo,  como dois filmes de sucesso, vindos de Hollywood, têm semelhanças descabidas nas sequências de texto com histórias famosas dos personagens de Patópolis.

Entre os roteiros baseados nas histórias dos quadrinhos do Pato Donald estão:

1)      A origem, [Inception](2010), de Christopher Nolan,  cujos sonhos de personagens em comum, de roubo de pensamentos, de purgatório psicológico e de fuga do inconsciente transcorrem na mesma sequencia em que aparecem nas história  Tio Patinhas e o sonho de uma vidaUncle Scrooge and the Dream of a Life-time, publicada em 2002, 8 anos antes do filme.   

2)      Indiana Jones e os caçadores da Arca Perdida, ( Raiders of the Lost Arc] (1981) de Steven Spielberg, baseado na história de George Lucas.  Não, não, não, não não!  Aparentemente Lucas e Spielberg se inspiraram separadamente em duas histórias do Tio Patinhas.  Steven Spielberg admitiu que duas idéias:  a pedra que o ídolo deslanchou e o raio que corre atrás de Indiana Jones, foram inspirados na história – Sete Cidades de CibolaThe Seven Cities of Cibola, publicada em 1954.  Já Lucas se inspirou na história de 1959, The Prize of Pizarro, O Prêmio de Pizarro, com o corredor de flechas e os nativos hostis em perseguição a Indiana Jones.  Ambos Spielberg e Lucas admitem terem se inspirado no Tio Patinhas por serem grandes fãs de suas histórias.

O robô traz a solução de um problema para o Professor Ludovico, ilustração Walt Disney.

—-

—-

Na ciência aplicada, as histórias do Pato Donaldo também foram fonte de inspiração.  O dinamarquês Karl Kroyer, em 1964 seguiu a idéia da história The Sunken Yacht, os seja, O Iate submerso, escrita por Carl Barkes e publicada em 1949, quinze anos antes.   Inspirado, achou a solução para trazer à tona um navio que havia afundado na costa do Kuait.  Kroyer conseguiu suspender o navio cargueiro em questão enchendo-o com 27 milhões de bolas flutuantes injetadas através de um tubo.   Quando quis patentear sua idéia, teve problemas.  Sua solução foi aceita na Alemanha e na Grã-Bretanha.  Mas quando quis patenteá-la na Holanda, não aceitaram o caso, pois a idéia havia sido publicada anteriormente, na revista do Pato Donald.  Na história O Iate Submerso, os sobrinhos do Pato Donald, trazem das profundezas do mar, um navio do Tio Patinhas que havia afundado.  Procurando por uma solução bem baratinha, — e não poderia ser diferente — o método que usaram foi simples: encheram-no de bolas de pingue-pongue.   Visitem o site da Cracked, para observarem tanto os desenhos de Kroyer como a história do Donald, e terão a certeza de que o governo holandês estava correto.

Foi Carl Barkes (EUA, 1901-2000), que escrevia as histórias do Pato Donald, quem antecipou a descoberta de uma nova molécula nos quadrinhos de  1944.  A história se chamava The Mad CientistO cientista maluco, e girava em volta de um trabalho de ciências que Luizinho, Huguinho e Zezinho faziam para a escola.  Tentando ajudar, Donald, acaba levando uma pancada na cabeça e descobrindo um explosivo chamado “Duckmite”, [“Patomite”].  Nesta história, em uma espécie de transe, Donald descreve uma molécula CH2, aparentemente 20 anos antes dela mesma ser descoberta ou melhor encontrada, pelo mundo científico. 

Tio Patinhas e Pato Donald, ganham uma carona graças à revista que deram de presente ao carroceiro em um lugar longínquo, ilustração Walt Disney.

—-

—-

Talvez a maior influência que Carl Barkes e principalmente seus personagens possam ter tido através das histórias do Tio Patinhas e consequentemente, Pato Donald e seus familiares, tenha sido sobre o cartunista, desenhista e ilustrador Ozamu Tesuka (Japão 1928-1989), um magaká, ou melhor, um desenhista de mangás, conhecido também como  O Pai dos Mangás [apesar de não ter sido o criador dos mangás, ele leva esse cognome por ter popularizado o gênero], O Padrinho dos Anime,  e O Criador do Astro Boy, entre outros personagens de mangás.   Ozamu Tesuka é o primeiro reconhecer sua dívida com Carl Barkes, na criação dos mangás, a qual se dedicou logo após o término da Segunda Guerra Mundial.  Todos os anos até sua morte mandava um cartão de Boas Festas a Carl Barkes com agradecimentos sobre sua influência no seu trabalho.

Esse artigo de D. McCallum, vale a pena ler, inteiramente.  O que temos aqui é apenas um sumário de seu trabalho e mesmo que você possa não entender inglês vá até o site do artigo para ver as ilustrações de todos os pontos aqui mencionados.    O autor promete que há mais fatos de interesse sobre o Pato Donald, no livro editado pela Cracked chamado: You Might Be a Zombie and Other Bad News: Shocking but Utterly True Facts, Plume: 2010.  

Com essa nota de humor, deixo aqui um pequeno vídeo de Astro Boy, com vozes lusitanas.  Divirtam-se.

—–

—–

—–

VÍDEO DO ASTRO BOY:

—–

—–

 





Humor: você se identifica com o Pato Donald? Tem certeza?

10 06 2009

escorregão 2

Pato Donald, que completou ontem 75 anos.  Ilustração, Walt Disney!

 

No aniversário de 75 anos do Pato Donald, (9 de junho), o portal Terra publicou um artigo de Claúdio Pucci que reproduzo, como uma pequena homenagem a este personagem de HQ que é tão querido e aparece frequentemente neste blog.  Divirtam-se.

 

10 coisas que fazem do Pato Donald um legítimo brasileiro  

 

Claudio R. S. Pucci

 Uma pesquisa informal na década de 80 mostrou que o brasileiro se identificava mais com o Pato Donald do que com o Zé Carioca, esse sim produto da política de boa vizinhança americana em tempos de Segunda Guerra e uma caricatura do carioca romântico. Para quem gosta de quadrinhos não é difícil saber o porquê. Donald, que comemora 75 anos em 09 de junho, reúne o melhor e pior dos habitantes das terras de Santa Cruz, até mesmo quando está falando inglês. Confira abaixo os motivos:

 Ele trabalha muito e está sempre devendo: Donald se mata para colocar o arroz e feijão no prato da família, mas chega ao final do mês sempre falta um pouquinho para comprar algo que ele realmente quer. Parece alguém que você conhece? Sem contar que está sempre devendo para alguém, especialmente ao seu tio.

 Ele anda de carro velho e não troca por nada neste mundo: o velho 1313 pode enguiçar de vez em quando, mas está com o pato faz décadas e ele nem pensa em se livrar da charanga. Até mesmo quando se tornou o Superpato, preferiu colocar acessórios no calhambeque a sair por aí com um Aston Martin.

 Ele tem primos que agem como cunhados: Peninha e Gastão são o próprio reflexo dos típicos irmãos de esposa. Um só aparece para filar a bóia, enquanto o outro fica se gabando de seu próprio sucesso e relembrando Donald de seu papel de fracassado.

 Ele é explorado no trabalho: o famoso Tio Patinhas (cuja fortuna, em 2006, foi estimada pela Forbes  — isso é sério — em 10,9 bilhões de dólares, perdendo para Montgomey Burns dos Simpsons e para — Daddy Warbucks da pequena órfã Annie) sempre consegue um empreguinho para o pobre pato, mas com salários irrisórios como 0,05 centavos de pataca a hora ou o colocando em cargos esdrúxulos como arrancar as penas de preocupação ou polir as milhões de moedinhas na caixa-forte. E isso sem pagamento de hora extra.

 Ele tem vizinhos irritantes: seguramente todo mundo que mora em prédio teve ou tem um Silva na vida. Aquele vizinho chato, que reclama de tudo, incomoda ao extremo e depois parte para a briga.

 Ele cria o filho dos outros: Huguinho, Zezinho e Luisinho são filhos de sua irmã gêmea, Dumbella, que largou as pestes com ele e não mais apareceu. O brasileiro também é assim. Assume os problemas alheios como seus,  não se importa com as conseqüências e parte para a luta. E é lógico que geralmente se dá mal.

 Sua namorada o faz de gato e sapato: Margarida está com ele há 69 anos e, apesar do romance entre os dois, adora provocá-lo seja fazendo ciúmes com o Gastão, seja colocando-o para carregar os inúmeros pacotes de compras. E é óbvio que ela quer mudar o jeito dele de qualquer maneira. Assim, como a sua esposa faz com você.

 Mesmo quando é especialista em algo, se dá mal: Donald já foi mestre-relojoeiro e destruiu os vidros de Patópolis. Também foi mestre-demolidor e pôs abaixo um asilo de multimilionários. Qualquer semelhança entre ele e a seleção brasileira de futebol em copas do mundo não é mera coincidência.

 Ele quer uma vida pacata: o tio tenta de qualquer maneira mostrar ao sobrinho as vantagens e maravilhas de ser um empresário milionário de sucesso, mas o que Donald quer mesmo é apenas curtir uma tarde no parque tomando sorvete. Para que ter as preocupações e estresses de um ricaço? Sem contar que há sempre a possibilidade de se herdar algo ou ganhar na Mega Sena, não é mesmo?

 Apesar de tudo isso, ele não desiste nunca: nenhuma adversidade tira o pato de seu rumo ou de conseguir o que quer. As coisas podem dar errado aqui e ele vai tentar algo novo lá. Mais ou menos como o brasileiro. Ou você acha que chegamos à posição de segundo povo mais otimista do mundo à toa?

 FONTE:  Terra








%d blogueiros gostam disto: