Imagem de leitura — Jacek Malczewski

27 08 2015

 

Jacek Malczewski (1854–1929)A modelo, sd, ostA modelo, s.d.

Jacek Malczewski (Polônia, 1854-1929)

óleo sobre tela





25 anos, soneto de Menotti del Picchia

8 06 2015

 

75e570ac2d6c8ac4e71bc03d71d14182Menino com cesto e cão, 1861

Édouard Manet (França,1832-1883)

Óleo sobe tela, 92 x 72 cm

Coleção Particular, Paris

 

25 anos

 

Menotti del Picchia

 

Quase me desconheço. Onde anda o imbele

menino alegre, de calcinha curta,

cantando, sempre aos saltos entre a murta,

entre os cafeeiros tão amigos dele?

 

Cresceu: ei-lo descrente… Eu sou aquele menino alegre.

A vida logo encurta as ilusões, a idade os risos furta…

E quem diria agora que eu sou ele?

Hoje me desconheço.

 

O outro, a criança lembro,

toda risonha, ao sol ardente

pelos campos em flor vagando a esmo…

 

Mas, sempre que me vem isto à lembrança,

sinto-me tão mudado e diferente

que chego a ter saudades de mim mesmo.

 

 

Em: Entardecer, Menotti del Picchia, São Paulo, MPM propaganda: 1978, p. 57.





Imagem de leitura — Camille Pissarro

14 04 2015

Camille_Pissarro,_Jeanne_Pissarro,_Called_Cocotte,_Reading,_1899._Oil_on_canvasJeanne [Cocotte] Pissarro lendo, 1899

Camille Pissarro (França, 1830-1903)

óleo sobre tela

Coleção Ann e Gordon Getty





Imagem de leitura — Hans Olaf Heyerdhal

31 03 2015

At the Window. 1881 Hans Olaf Heyerdahl. Swedish, (1857-1913)À janela, 1881

Hans Olaf Heyerdhal (Noruega, 1857-1913)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

Galeria Nacional, Oslo





Imagem de leitura — Arjan van Gent

19 02 2015

 

ArjanVanGent, EpílogoEpílogo

Arjan van Gent (Holanda, 1970)

www.arjanvengent.nl

 





Imagem de leitura — Denis Gringas

3 12 2014

 

 

Denis Gringas, (França), Leitura na praia, óleo sobre tela, 75 x 90 cmLeitura na praia

Denis Gringas (França)

óleo sobre tela, 75 x 90 cm

 





A rede, poesia de Martins Fontes

5 11 2014

 

 

REDE Jan van Beers in the haNa rede

Jan van Beers (Bélgica, 1852-1927)

óleo sobre tela, 24 x 35 cm

 

 

A rede

 

Martins Fontes

 

Ao ronronar da rede preguiçosa,

ela, — morena de olhos de ouro, –embala

a esbraseante volúpia que se exala

dos seus vinte e dois anos cor de rosa.

 

Verão. O sol embriaga. Em plena orgia,

fundem-se os cheiros cálidos da terra.

E a moça abre o roupão, os olhos cerra,

e o que espera e deseja fantasia.

 

E a rede para. A viração marinha

Beija-a, lânguida e longa, loucamente…

E ela, os olhos abrindo, de repente,

Fica surpresa, por se ver sozinha!

 

(Volúpia)

 

Em: Nossos clássicos: Martins Fontes, poesia, Rio de Janeiro, Agir:1959, p.66








%d blogueiros gostam disto: