Convite, poema de Alfredo de Souza

12 05 2018

 

 

 

joseph_caraud_a2889_the_love_birdsDois pombinhos, 1897

Joseph Caraud (França, 1821-1905)

óleo sobre tela, 60 x 45 cm

 

 

 

Convite

 

Alfredo de Souza

 

Vem, sem demora, ver estes pombinhos

Que se beijam tão ternos, venturosos,

Deixando muito tempo os seus biquinhos

Colados em transportes amorosos;

 

Vem — mirar como fazem seus carinhos;

Ora arrulando em cantos maviosos,

Ora as asas batendo para os ninhos

— Ninhos plenos de odor, ninhos ditosos.

 

E já que tu sentiste quanto é bela

Essa cena que vimos, dando ensejo

De imitá-la por dentro da janela…

 

Resta apenas dizer-te, ó minha flor,

Que colemos os lábios, num só beijo,

Fingindo de pombinhos, meu amor!

 

 

Em: Poetas cariocas em 400 anos, ed. Frederico Trotta, Rio de Janeiro, Editora Vecchi: 1965, p. 232.

 

Alfredo de Souza  (Rio de Janeiro, 1880 — ??) — Foi jornalista e funcionário público.

Bibliografia

Aurora, sem data

 





Oceano, poema de Manuel Bandeira

2 04 2018

 

 

il_340x270.1167755797_2ng2

 

 

Oceano

 

Manuel Bandeira

 

Olho a praia. A treva é densa.

Ulula o mar, que não vejo,

Naquela voz sem consolo,

Naquela tristeza imensa

Que há na voz do meu desejo.

 

E nesse tom sem consolo

Ouço a voz do meu destino:

Má sina que desconheço,

Vem vindo desde eu menino,

Cresce quanto em anos cresço.

 

– Voz de oceano que não vejo

Da praia do meu desejo…

 

Em: Estrela da Vida Inteira- poesias reunidas, Manuel Bandeira, Rio de Janeiro, José Olympio: 1979, pp 30.





Trova da fotografia

18 02 2018

 

 

 

fotografop-iaa3_Mort_EngelIlustração de Mort Engel.

 

 

 

Teu retrato, enraivecida,

eu rasguei, sem embaraços…

mas a saudade, atrevida,

juntou de novo os pedaços!…

 

(Marilúcia Rezende)





Jogos de sombras, poema de Hermes Fontes

15 02 2018

 

 

 

giorgio-de-chiricoPiazza d’Italia, 1960

Giorgio de Chirico (Itália, 1888 – 1978)

óleo sobre tela

 

 

 

Jogos de sombras

 

Hermes Fontes

 

 

Sempre que me procuro e não me encontro em mim,

pois há pedaços do meu ser que andam dispersos

nas sombras do jardim,

nos silêncios da noite,

nas músicas do mar,

e sinto os olhos, sob as pálpebras, imersos

nesta serena unção crepuscular

que lhes prolonga o trágico tresnoite

da vigília sem fim,

abro meu coração, como um jardim,

e desfolho a corola dos meus versos,

faz-me lembrar a alma que esteve em mim,

e que, um dia, perdi e vivo a procurar

nos silêncios da noite,

nas sombras do jardim,

na música do mar…

 

(1930)

 

 

Em: Poesias escolhidas, Hermes Fontes , Rio de Janeiro, Epasa: 1944, p.362-363.





“Lembrança do mundo antigo”, poema de Carlos Drummond de Andrade

5 02 2018

 

 

domingo claudio dantasDomingo

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela

 

 

Lembrança do mundo antigo

 

Carlos Drummond de Andrade

 

 

Clara passeava no jardim com as crianças.

O céu era verde sobre o gramado,

a água era dourada sob as pontes,

outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,

o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,

a menina pisou na relva para pegar um pássaro.

O mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranquilo ao redor de Clara.

As crianças olhavam para o céu… Não era proibido!

A boca, o nariz, os olhos estavam abertos…

Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.

Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,

esperava cartas que custavam a chegar,

nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava no jardim pela manhã!!!

Havia jardins, havia manhãs, naquele tempo!!!

 

 

Em: Poemas para a Infância: antologia escolar, editado por Henriqueta Lisboa, s/d, São Paulo: Edições de Ouro, p. 26-7





Trova do banqueiro

14 10 2017

 

bancoIlustração, ©Walt Disney

 

 

O trabalho do banqueiro

está no seu jogo impuro:

tem lucro com meu dinheiro

e ainda me cobra juro.

 

(Olympio Coutinho)





O último poema, Manuel Bandeira

4 09 2017

 

 

1927 Jane Rogers Interior SceneInterior, 1927

Jane Rogers (EUA, 1896 – ?)

óleo sobre tela

 

 

O último poema

 

Manuel Bandeira

 

Assim eu quereria meu último poema

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais

Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas

Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume

A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos

A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

 

Em: Estrela da Vida Inteira- poesias reunidas, Manuel Bandeira, Rio de Janeiro, José Olympio: 1979, p. 119

 








%d blogueiros gostam disto: