Trova da liberdade

18 08 2019

 

 

 

bird-cage-art-floral-birdcage-by-canvas-artworkAutoria desconhecida.

 

 

Por mais conforto e carinho

numa gaiola dourada,

a ave não esquece o ninho

e a liberdade ceifada.

 

(Severino Campelo)

 

 





Trova do adeus

25 07 2019

 

 

 

adeus, a e martyIlustração, A. E. Marty

 

 

Meu lenço, na despedida,

tu não viste, em movimento:

lenço molhado, querida,

não pode agitar-se ao vento.

 

(Carlos Guimarães)





Trilha da saudade, poesia de Sonia Carneiro Leão

1 06 2019

 

 

 

GOTUZZO, Leopoldo (1887 - 1983) Paisagem, o.s.t. - 61 x 46 cm. Assinado.Paisagem

Leopoldo  Gotuzzo (Brasil, 1887 – 1983)

óleo sobre tela,  61 x 46 cm

 

 

 

Trilha da saudade

 

Sonia Carneiro Leão

 

Gotinha meiga e mansa

acaricia meu rosto,

descendo suave

a trilha da saudade.

 

Lá fora as rosas rosas

E os hibiscos dourados

saúdam o outono.

 

Negro curió entre os poleiros

saltita de júbilo e gorjeia,

mesmo nos confins

das grades da vida.

 

Só eu,

do outro lado das coisas,

choro.

 

Tornei-me o poro por onde passa,

no vazio de uma lágrima,

o peso de tua falta.

 





Trova dos nossos caminhos

30 05 2019

 

 

Misty Morning Sunshine is an original watercolor painting by Beth Whitney featuring a shady Blue Hill,Sol na manhã enevoada, Beth Whitney, aquarela.

 

 

Nossa estrada, que era igual,

dividiu-se em dois caminhos:

eu, regando o roseiral,

você…contando os espinhos.

 

(Vanda Fagundes Queiroz)





O som mais triste… poesia, Ladyce West

20 05 2019

 

 

 

Lasar Segall- titulo Auto-Retrato Retratando o Cotidino em Vina-Lituânia, óleo sobre placa de papelão, medindo 67cm x 47cmAuto-retrato, Retratando o cotidiano em Vina-Lituânia, s/d

Lasar Segall (Lituânia/Brasil, 1889 – 1957)

óleo sobre papelão, 67 x 47 cm

 

 

O som mais triste…

 

Ladyce West

 

Na indolência de um domingo de verão,

quando o sol cerceia o movimento e o calor detém a brisa,

 

Quando o bafo quente das calçadas se ergue lento,

envolve o corpo e reprime pensamentos,

 

Quando a inércia paralisa insetos,

cala pássaros, esconde peixes,

 

No meio da tarde indiferente,

preguiçosa, frouxa e incandescente,

 

Um solitário acordeon se faz ouvir.

 

É gemido desditoso, lamento sofrido.

Queixume penoso.

 

No ar estagnado do bairro,

por entre casas sonolentas e mudas torres de igrejas,

 

por cima do asfalto amolecido das ruas,

mascarando o borbulhar do riacho,

 

vibram notas saudosas, melodias sofridas,

canções de outras eras, de outras terras.

 

Gemidas.

 

A nostalgia se espalha.

Manta transparente, que envolve.

Aderente.

 

Libação sonora, suadouro enlutado,

carpindo na tarde.

 

Canto solitário de imigrante europeu,

Chora a terra, a distância,

a perda do lugar em que nasceu.

 

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, 2019.





Pessoas são diferentes, poesia infantil de Ruth Rocha

13 05 2019

 

 

 

lindasLuluzinha, Glória e Plínio da revista em quadrinhos Luluzinha, criação de Marjorie Henderson Buell.

 

 

 

Pessoas são diferentes

 

Ruth Rocha

 

São duas crianças lindas

Mas são muito diferentes!

Uma é toda desdentada,

A outra é cheia de dentes…

 

Uma anda descabelada,

A outra é cheia de pentes!

Uma delas usa óculos,

E a outra só usa lentes.

 

Uma gosta de gelados,

A outra gosta de quentes.

Uma tem cabelos longos,

A outra corta eles rentes.

 

Não queira que sejam iguais,

Aliás, nem mesmo tentes!

São duas crianças lindas,

Mas são muito diferentes.

 





Estela e Nize, soneto de Alvarenga Peixoto

11 04 2019

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)SSem título,  2014

[No camarote]

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo sobre tela

 

 

Estela e Nize

 

Alvarenga Peixoto

 

Eu vi a linda Estela, e namorado

Fiz logo eterno voto de querê-la;

Mas vi depois a Nize, e é tão bela,

Que merece igualmente o meu cuidado.

 

A qual escolherei, se neste estado

Não posso distinguir Nize d’Estela?

Se Nize vir aqui, morro por ela;

Se Estela agora vir, fico abrasado.

 

Mas, ah! que aquela me despreza amante,

Pois sabe que estou preso em outros braços,

E esta não me quer por inconstante.

 

Vem, Cupido, soltar-me destes laços,

Ou faz de dois semblantes um semblante,

Ou divide o meu peito em dois pedaços!

 

Em: Alvarenga Peixoto, Obras Poéticas.  Edição da Prefeitura do Município de São Paulo, [Coleção Documentos – Clube da Poesia], 1956, p.29.

 

Alvarenga Peixoto (Brasil, 1742-1793) advogado e poeta do círculo da Inconfidência Mineira.  Foi preso e degredado para a África.








%d blogueiros gostam disto: