Trova dos jangadeiros

17 06 2019

 

 

 

VAN DIJK, Wim (1915 1990)Jangada de Ceará, o.s.t. 46 x 55. Assinado cid e verso, datado 1988Jangada do Ceará,  1988

Win Van Dijk (Holanda/Brasil, 1915-1990)

óleo sobre tela,  46 x 55 cm

 

 

Conversas de marinheiro

ouço nas conchas do mar.

São almas de jangadeiros

Que não puderam voltar.

 

(Hegel Pontes)





O som mais triste… poesia, Ladyce West

20 05 2019

 

 

 

Lasar Segall- titulo Auto-Retrato Retratando o Cotidino em Vina-Lituânia, óleo sobre placa de papelão, medindo 67cm x 47cmAuto-retrato, Retratando o cotidiano em Vina-Lituânia, s/d

Lasar Segall (Lituânia/Brasil, 1889 – 1957)

óleo sobre papelão, 67 x 47 cm

 

 

O som mais triste…

 

Ladyce West

 

Na indolência de um domingo de verão,

quando o sol cerceia o movimento e o calor detém a brisa,

 

Quando o bafo quente das calçadas se ergue lento,

envolve o corpo e reprime pensamentos,

 

Quando a inércia paralisa insetos,

cala pássaros, esconde peixes,

 

No meio da tarde indiferente,

preguiçosa, frouxa e incandescente,

 

Um solitário acordeon se faz ouvir.

 

É gemido desditoso, lamento sofrido.

Queixume penoso.

 

No ar estagnado do bairro,

por entre casas sonolentas e mudas torres de igrejas,

 

por cima do asfalto amolecido das ruas,

mascarando o borbulhar do riacho,

 

vibram notas saudosas, melodias sofridas,

canções de outras eras, de outras terras.

 

Gemidas.

 

A nostalgia se espalha.

Manta transparente, que envolve.

Aderente.

 

Libação sonora, suadouro enlutado,

carpindo na tarde.

 

Canto solitário de imigrante europeu,

Chora a terra, a distância,

a perda do lugar em que nasceu.

 

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, 2019.





Pessoas são diferentes, poesia infantil de Ruth Rocha

13 05 2019

 

 

 

lindasLuluzinha, Glória e Plínio da revista em quadrinhos Luluzinha, criação de Marjorie Henderson Buell.

 

 

 

Pessoas são diferentes

 

Ruth Rocha

 

São duas crianças lindas

Mas são muito diferentes!

Uma é toda desdentada,

A outra é cheia de dentes…

 

Uma anda descabelada,

A outra é cheia de pentes!

Uma delas usa óculos,

E a outra só usa lentes.

 

Uma gosta de gelados,

A outra gosta de quentes.

Uma tem cabelos longos,

A outra corta eles rentes.

 

Não queira que sejam iguais,

Aliás, nem mesmo tentes!

São duas crianças lindas,

Mas são muito diferentes.

 





A uma víbora,Vitor Caruso

7 05 2019

 

 

 

il_794xN.848049075_gr21Ilustração de Walter Heubach.

 

 

 

A uma víbora

 

Vitor Caruso

 

Maldosa como ninguém

Finge que reza, na igreja.

Porém não reza, pragueja

Acrescentando um “Amém”…

 

 

Em: 232 Poetas Paulistas:antologia,  ed. e col. Pedro de Alcântara Worms, São Paulo, Conquista: 1968, p. 149





Trova da igreja

4 05 2019

 

 

 

maurice-utrillo-église-de-montmagny-(seine-et-oise)Igreja de Montmagny (Seine-et-Oise)

Maurice Utrillo (França, 1883 – 1955)

óleo sobre tela,  46 x 55 cm

 

 

Na velha igreja te ouço

sino alegre … Estás dizendo

que há muito coração moço

em peito velho batendo.

 

(Lilinha Fernandes)





Guarda-chuvas, poesia infantil de Rosana Rios

2 05 2019

 

 

 

DSC01042Monica pega chuva voltando do mercado, Ilustração Maurício de Sousa.

 

 

 

Guarda-chuvas

 

Rosana Rios

 

Tenho quatro guarda-chuvas

todos os quatro com defeito;

Um emperra quando abre,

outro não fecha direito.

 

Um deles vira ao contrário

seu eu abro sem ter cuidado.

Outro, então, solta as varetas

e fica todo amassado.

 

O quarto é bem pequenino,

pra carregar por aí;

Porém, toda vez que chove,

eu descubro que esqueci…

 

Por isso, não falha nunca:

se começa a trovejar,

nenhum dos quatro me vale –

eu sei que vou me molhar.

 

Quem me dera um guarda-chuva

pequeno como uma luva

Que abrisse sem emperrar

ao ver a chuva chegar!

 

Tenho quatro guarda-chuvas

que não me servem de nada;

Quando chove de repente,

acabo toda encharcada.

 

E que fria cai a água

sobre a pele ressecada!

Ai…





Minutos de sabedoria: T. S. Eliot

30 04 2019

 

 

 

 

Corregio St Catherine Reading (c.1530-2). Antonio Allegri Correggio (Italian, 1489-1534). Oil on canvas. The Royal CollectionSanta Catarina lendo, c. 1530-32

Antonio Allegri Correggio (Itália, 1489-1534)

Óleo sobre tela

The Royal Collection, Grã Bretanha

 

 

“Só os que se arriscam a ir longe demais são capazes de descobrir o quão longe se pode ir.”

 

T. S. Eliot

 

 

MV5BNGY3MDY5MzMtMzY0ZS00YzIyLWEzYTEtOWY4NzZmMmQ2MGJiL2ltYWdlL2ltYWdlXkEyXkFqcGdeQXVyMTc4MzI2NQ@@._V1_UY317_CR17,0,214,317_AL_T. S. Eliot (1888 – 1965)

 








%d blogueiros gostam disto: