Violeta, poesia de Raquel Naveira

18 04 2017

 

 

 

manet bouquet-of-violets-1872Ramo de violetas, 1872

Edouard Manet (França, 1832 – 1883)

óleo sobre tela, 22 x 27 cm

Coleção Particular

Violeta

 

Raquel Naveira

 

 

Estou em perigo:

Uma angústia,

Um desejo de morrer,

Minhas pétalas murcham

Num roxo mortiço,

Perco o viço,

De amor tão intenso

Desfaleço.

 

Estou em perigo:

Uma felicidade,

Um deleite,

Minhas raízes sugam húmus,

Encharcam-se,

Amoleço.

 

Estou em perigo,

Nada no mundo me vale nesse transe;

Num jardim cheio de sombras

Permaneço.

 

Quando Ele me toma

Entre seus dedos de sol

E me sopra ânimo e coragem,

Fortaleço.

 

Sem encontrar apoio na terra,

Sem poder subir ao céu,

Vivo frágil,

Presa num caule suspenso.

 

 

Em: Casa e Castelo, Raquel Naveira, São Paulo, Escrituras: 2002, p.61

 

 

Salvar





Palavras para lembrar — Charles Simic

17 04 2017

 

 

 

Abraham Solomon - Retrato de duas meninas e sua babá,Abraham Solomon (1823–1862)Retrato de duas meninas e sua governanta

Abraham Solomon (GB, 1823-1862)

óleo sobre tela

 

 

“O poema é um segredo dividido por pessoas que não se encontraram.”

 

Charles Simic

Salvar





Trova da quermesse

13 04 2017

 

 

10502245_721343421241422_7627934190969854766_n

 

 

Nos leilões e nas quermesses

das festas de nossa aldeia,

apesar de minhas preces,

foste prenda em mão alheia!

 

 

(Roberto Medeiros)





O nome da gente, poesia Pedro Bandeira

12 04 2017

 

árvore de familia treecarpiÁrvore da família Donald. ©Estúdios Disney.

 

 

O nome da gente

 

Pedro Bandeira

 

Por que é que eu me chamo isso

E não me chamo aquilo?

Por que é que o jacaré

Não se chama crocodilo?

 

Eu não gosto

do meu nome,

não fui eu

quem escolheu.

Eu não sei porque se metem

com um nome que é só meu!

 

O nenê

que vai nascer

vai chamar

como o padrinho,

vai chamar

como o vovô,

mas ninguém vai perguntar

o que pensa

o coitadinho.

 

Foi meu pai quem decidiu

que o meu nome fosse aquele.

Isso só seria justo

se eu escolhesse

o nome dele.

 

Quando eu tiver um filho,

não vou pôr nome nenhum.

Quando ele for bem grande,

ele que escolha um!

 

 

Em: Cavalgando o arco-íris, Pedro Bandeira,  São Paulo, Moderna: 1984, páginas 12-13.

Salvar

Salvar





Trova da ida à igreja

9 04 2017

 

Andrew Loomis, Church, Vintage, Illustrations,Igreja, ilustração de Andrew Loomis.

 

 

Ela possui tal encanto,

que quando na igreja entrou,

em vez de beijar o santo,

foi o santo que a beijou.

 

 

(José Nogueira da Costa)

Salvar

Salvar





Um dia de chuva, poema de Alberto Caeiro

30 03 2017

 

 

Carmelo gentil Filho,(Brasil, 1955) São Paulo Antiga, ost, 60 x 80 cmSão Paulo antiga

Carmelo Gentil Filho (Brasil, 1955)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm

 

 

Um dia de chuva

 

Alberto Caeiro

 

Um dia de chuva

é tão belo

como um dia de sol.

Ambos existem;

cada um como é.

 

 

Em: Poemas completos de Alberto Caeiro, Mensagem, Fernando Pessoa, Lima, Peru, Los Libros Mas Pequeños del Mundo: 2011, página, 296

 

 





Trova do nosso ninho

29 03 2017

 

 

 

Andorinha8 wallpaperNinho de andorinhas.

 

 

Nosso ninho, bem tecido,

com fios de lealdade,

sempre estará protegido

contra chuva e tempestade.

 

(José Lucas de Barros)

 

 

 

 

 

 

Salvar








%d blogueiros gostam disto: