Trova do Natal

1 12 2019

 

 

 

753b4b75

 

 

Que saudades dos folguedos

dos meus Natais mais risonhos…

em que singelos brinquedos

amanheciam meus sonhos!

 

(João Freire Filho)





Trova de Natal

18 11 2019

 

 

Margaret W TarrantIlustração Margaret Tarrant.

 

 

No meu Natal é rotina

deixar tudo no “capricho”:

no peito faço faxina e

jogo as mágoas no lixo!

 

(Élbea Priscila de S e Silva)

 





Minutos de sabedoria: Friedrich Nietzsche

7 11 2019

 

 

 

Evert Thielen (Holanda, 1954) 1993, LokkenSeduzida, 1993

Evert Thielen (Holanda, 1954)

óleo sobre tela

 

 

“Sem a música, a vida seria um erro.”

 

Friedrich Nietzsche

 

Friedrich NietzscheFriedrich Nietzsche (1844-1900)




Trova da separação

7 11 2019

 

 

 

adeus, da janela, Alice HaversIlustração de Alice Havers.

 

 

“Volta!”, eu peço, em voz bem alta!

Antes que a minha ansiedade

faça com que o “sentir falta”

passe a chamar- se… “saudade”…

(Izo Goldman)





Motivo, poema de Cecília Meireles

17 10 2019

 

 

 

Aaron Shikler (EUA, 1922–2015)Mulher lendo (esposa do pintor), 1962, pastel sobre papelão, 50 x 44 cmMulher lendo (esposa do pintor), 1962

Aaron Shikler (EUA, 1922–2015)

pastel sobre papelão, 50 x 44 cm

 

Motivo

 

Cecília Meireles

 

Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste

sou poeta.

 

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

 

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

– não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

 

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

– mais nada.

 

 

Em: Antologia Poética, Cecília Meireles,  Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira: 2001





Bucólica nostalgia, poesia de Adélia Prado

7 10 2019

 

 

 

Armínio Pascual (Brasil, 1920-2006)Paisagem colonial,1998, ose, 30 x 40 cmPaisagem colonial, 1998

Armínio Pascual (Brasil, 1920 – 2006)

óleo sobre eucatex, 30 x 40 cm

 

 

Bucólica Nostalgia

Adélia Prado

 

Ao entardecer no mato, a casa entre

bananeiras, pés de manjericão e cravo-santo,

aparece dourada. Dentro dela, agachados,

na porta da rua, sentados no fogão, ou aí mesmo,

rápidos como se fossem ao Êxodo, comem

feijão com arroz, taioba, ora-pro-nobis,

muitas vezes abóbora.

Depois, café na canequinha e pito.

O que um homem precisa pra falar,

entre enxada e sono: Louvado seja Deus!





“Para cultivar pássaros”, poesia de Dirce de Assis Cavalcanti

26 09 2019

 

 

Sally FranklinIlustração de Sally Franklin.

 

 

Para cultivar pássaros

 

Dirce de Assis Cavalcanti

 

Para cultivar pássaros

e falar com as flores

subir à montanha,

capturá-la em seus abismos

com viril delicadeza

mergulhar na amplidão

de suas formas.

 

Um mergulho perigoso

de onde se sai aos pedaços.

 

Reunir os cacos

em melancólico mosaico

recompor a paisagem

do que se foi um dia

mesmo sabendo que inteiro

não se é nunca mais.








%d blogueiros gostam disto: