Convite, poema de Alfredo de Souza

12 05 2018

 

 

 

joseph_caraud_a2889_the_love_birdsDois pombinhos, 1897

Joseph Caraud (França, 1821-1905)

óleo sobre tela, 60 x 45 cm

 

 

 

Convite

 

Alfredo de Souza

 

Vem, sem demora, ver estes pombinhos

Que se beijam tão ternos, venturosos,

Deixando muito tempo os seus biquinhos

Colados em transportes amorosos;

 

Vem — mirar como fazem seus carinhos;

Ora arrulando em cantos maviosos,

Ora as asas batendo para os ninhos

— Ninhos plenos de odor, ninhos ditosos.

 

E já que tu sentiste quanto é bela

Essa cena que vimos, dando ensejo

De imitá-la por dentro da janela…

 

Resta apenas dizer-te, ó minha flor,

Que colemos os lábios, num só beijo,

Fingindo de pombinhos, meu amor!

 

 

Em: Poetas cariocas em 400 anos, ed. Frederico Trotta, Rio de Janeiro, Editora Vecchi: 1965, p. 232.

 

Alfredo de Souza  (Rio de Janeiro, 1880 — ??) — Foi jornalista e funcionário público.

Bibliografia

Aurora, sem data

 





Menina loura, poesia de Stella Leonardos

15 03 2017

 

 

VAN DIJK, WIN (1915-1990)RetratodeMariaCatarina Douat,ost, 1957,95 X 60Retrato da menina Maria Catarina Douat, 1957

Win van Dijk ( Holanda/Brasil, 1915-1990)

óleo sobre tela, 95 x 60 cm

 

 

Menina Loura

 

Stella Leonardos

 

(Para Leilá)

 

 

É uma sílfide dançando.

É uma infanta adolescendo.

Cabelo de ouro brilhando.

Alvor de lírio crescendo.

 

Coração de cristal puro,

Alma de rosa nevada,

Sonha trepada no muro.

E não sabe que é uma fada.

 

 

Em: Pedaço de Madrugada, Stella Leonardos, Rio de Janeiro, Livraria São José: 1956, p.51





Rosinha da Roda, poesia de Stella Leonardos

24 05 2016

 

 

Edvard_Munch_-_Four_Girls_in_Åsgårdstrand_-_Google_Art_ProjectQuatro meninas em Åsgårdstrand, 1903

Edvard Munch (Noruega, 1863-1944)

óleo sobre tela, 87 x 111 cm

Museu Munch, Oslo

 

 

Rosinha da Roda

 

Stella Leonardos

 

 

Elas eram quatro rosas

Sendo cada qual mais bela.

A vermelha, a cor de rosa.

A de corola amarela…

Mas a quarta era Rosinha,

Branca branca, bem singela.

Levou-a Deus manhãzinha.

Que era rosa de anjo, aquela.

 

 

Em: Pedaço de Madrugada, Stella Leonardos, Rio de Janeiro, Livraria São José:1956, p.63





Envelhecer — poema de Wilson Frade

25 08 2009

ANONIMOUS

 Senhora lendo, óleo sobre tela, anônimo.

 

ENVELHECER

                                                Wilson Frade

 

Embora todos os pretensos  à velhice

se agarrem ao espírito,

o tédio chega e vai ficando.

As nossas mãos já não escrevem com o mesmo brilho

e já não enfrentamos a vida com o mesmo espanto no olhar.

O verde já não é tão verde

e não nos atiramos no mar com a mesma gulodice.

Amamos com maior cautela,

menos febrilmente, mas, bem mais ordenadamente.

Buscamos o sabor do beijo com a febre de que ele possa acabar,

mas sentimos um frio no corpo se pensamos que tudo isso

possa terminar.

Os fios de cabelos brancos já não nos castigam

porque descobrimos mais a lua e as estrelas,

e curtimos aquele chinelo velho

em extremo desuso.

Prestamos mais atenção aos passarinhos

e no riacho que corre,

e tornamo-nos mais íntimos da morte.

Fingimos que ela é nossa amante

para que não nos leve assim tão de repente.

e não nos tire os raros momentos em que nos tornamos jovens.

Em: Poemas de um livro só, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 1991

Wilson Frade – (MG 1920-2000) jornalista, pintor, poeta, instrumentista e compositor mineiro.





As letras, poema de Fagundes Varela

12 06 2009

arvore romance donald margarida

Romance de Margarida e Donald, ilustração de Walt Disney.

 

AS LETRAS

                                       Fagundes Varella

Na tênue casca de verde arbusto

            Gravei teu nome, depois parti;

Foram-se os anos, foram-se os meses,

            Foram-se os dias, acho-me aqui.

Mas ai!  o arbusto se fez tão alto,

            Teu nome erguendo, que mais não vi!

E nessas letras que aos céus subiam,

            — Meus belos sonhos de amor perdi.

Fagundes Varella 

Luiz Nicolau Fagundes Varella, (RJ 1841 – RJ 1871) poeta; um dos patronos na Academia Brasileira de Letras.

Obras:

Noturnas – 1861

Ruínas da Glória, 1861

Pendão Auri-verde – poemas patrióticos, acerca da Questão Christie.

Vozes da América – 1864

Cantos e Fantasias – 1865

Cantos Meridionais – 1869

Cantos do Ermo e da Cidade – 1869

Anchieta ou O Evangelho nas Selvas – 1875 (publicação póstuma)

Cantos Religiosos – 1878 (publicação póstuma)

Diário de Lázaro – 1880 (publicação póstuma)





O Jequitibá: poema de Sabino de Campos

10 06 2009

jequitiba_branco_1_1

O Jequitibá

Sabino de Campos

A Esmeraldo de Campos

 

Nobre Jequitibá de minha terra,

Filho de flora exuberante e forte,

Toda beleza vegetal se encerra

Em teu imenso e majestoso porte.

Sentinela de amor, velando a serra,

A cidade natal, de Sul a Norte,

O Ribeirão que, entre verdores, erra,

— Maldito aquele que te ofenda ou corte!

Glória da terra verde e dadivosa,

Alma e sangue dos filhos de Amargosa

A cujo apelo tua voz responde.

De joelhos, e mãos postas na orvalhada,

Beijo-te o tronco de árvore sagrada

E elevo o olhar ao céu de tua fronde.

Rio, 7-9-1947

 

 

Em: Natureza: versos, Pongetti: 1960, Rio de Janeiro

sabino-de-campos-retrato-a-bico-de-pena-seth-1947 

Sabino de Campos, Retrato a bico de pena, por Seth, 1947.

Sabino de Campos (Amargosa, BA, 1893– ? ),  poeta, romancista e contista

 

 

Obras:

 

Jardim do silêncio, 1919, (poesia)

Sinfonia bárbara, 1932,  (poesia)

Catimbó: um romance nordestino, 1945 (romance e novela)

Os amigos de Jesus, 1955 (romance e novela)

Lucas, o demônio negro, 1956 – romance biográfico de Lucas da Feira (romance e novela)

Natureza: versos,  1960 (poesia)

Cantigas que o vento leva, 1964, (poesia)

Contos da terra verde, 1966 (contos)

Fui à fonte beber água, 1968 (poesia)

A voz dos tempos, memórias, 1971

Cantanto pelos caminhos, 1975

Autor, junto de Manoel Tranqüilo Bastos, do hino da cidade de Cachoeira, BA





Prêmio Lila Ripoll de Poesia

19 04 2009

escrevendo-de-noite

 

 

Na sua 4ª edição, o Prêmio Lila Ripoll de Poesia está com as inscrições abertas. O período estende-se até 30 de maio de 2009. O Prêmio tem o intuito de expressar através de poesias temas relacionados às causas sociais e de gênero. Criado para assinalar o centenário de nascimento da escritora em 2005, o concurso objetiva divulgar o trabalho de novos talentos literários.

 

 Lila Ripoll foi poeta, professora, jornalista e pianista. Gaúcha de Quaraí, nasceu em 12 de agosto de 1905. Colaborou no Correio do Povo, na Revista Universitária, em A Tribuna Gaúcha e editou a Revista Horizonte (1951). No Rio de Janeiro, junto com Graciliano Ramos e outros escritores, coeditou “Partidários da Paz” e colaborou com a revista A Leitura. A poesia de Lila vincula-se à segunda geração modernista e é marcada pelo engajamento político.

 

 As inscrições serão realizadas no período de 30 de março a 30 de maio, diretamente ou por correspondência, junto á Divisão de Protocolo e Arquivo do Departamento de Logística da Assembleia Legislativa, localizada na Praça Marechal Deodoro, número 101- andar térreo do prédio anexo, Porto Alegre, RS, CEP 90010-300, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 18 horas.








%d blogueiros gostam disto: