Texto do perdão natalino, Marques Rebelo

3 12 2015

 

natal com neve

 

 

“25 de dezembro [1940]

 

As luzes tão débeis das velinhas coloridas derretem a escura neve que a fieira dos dias acumula nos corações. Vera e Lúcio são como retratos do passado – o mesmo espanto, os mesmo gritos! E os olhos sentem que foram criados para o êxtase das bolas multicores, das estrelas brilhantes, dos brinquedos ricos ou pobres. O verde da Árvore é o verde da esperança. Invisíveis pássaros de paz fazem ninho nos ramos enfeitados. Poderemos ouvir os seus cantos de paz.

Perdão para os nossos inimigos, perdão para os nossos amigos, perdão para nós próprios. Gosto de amor na boca. Boca – espelho do coração”.

 

Em: A mudança, Marques Rebelo, 2º volume de O Espelho Partido, São Paulo, Martins: 1962





Entrando no espírito da estação com antigos desenhos de Disney

24 11 2015

 

presente para o mickeyMickey recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

presente para clarabelaClarabela recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o horacioHorácio recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para minieMinie recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o patetaPateta recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o pato donaldPato Donald recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.

 

 

presente para o plutoPluto recebe um presente de Natal, ilustração Walt Disney.




5 livros publicados para cada 1.000 habitantes, por ano, na Islândia

5 01 2015

 

Crook, P.J. (1945-...) 9th November, 20029 de novembro, 2002

P. J. Crook (Inglaterra, 1945)

[Pamela June Crook]

www.pjcrook.com

 

 

Um exemplo de povo que lê nos chega de bem longe, quase da terra do Papai Noel. Na Islândia, dar e receber livros é uma das tradições natalinas. E isso é uma tradição de muitas e muitas décadas.

A Islândia publica mais livros per capita do que qualquer outro país do mundo, com cinco títulos publicados para cada 1.000 islandeses. Mas o que é realmente incomum é a época em que esses livro são vendidos: do final de setembro ao início de novembro. Tudo por causa da tradição nacional, de celebrar o Natal com livros. Eles dão o nome a esse fenômeno cultural: “Enchente de Livros de Natal  [Jolabokaflod].

O hábito da população é trocar presentes na noite do dia 24 de dezembro. E as pessoas passam a noite de 24 para o dia 25 lendo. Esse hábito faz com que as vendas dessa época sejam a espinha dorsal dos negócios editorais islandesas. Como a semana do Natal e do Ano Novo é em geral de feriados seguidos, a tradição é passar essas “férias” tendo a leitura como entretenimento.

Com 320.000 pessoas, o país tem estatísticas impressionantes sobre a leitura. Em 2009, os empréstimos de livros na biblioteca municipal de Reykjavik chegaram a 1.200.000 – um milhão e duzentos mil — para a população de 200.000 pessoas na cidade.

Os islandeses amam a leitura. E não é só um grupo de pessoas que compra a maior parte dos títulos como acontece em países com uma saudável indústria editorial como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos. Na Islândia toda a população é leitora e compradora de livros. Entre os tipos de livros preferidos pelos islandeses estão biografias e ficção – esta de todos os gêneros da histórica ao suspense – passando por todos os outros subgêneros.

O hábito da leitura nas férias é comum nos países mais letrados. Há até nos Estados Unidos publicações mais leves a que são dadas o cognome de “beach read” – leitura para praia – que são livros divertidos, que não exigem muita concentração.

A leitura de mistérios e livros leves também foi uma tradição da minha família. Nos meses de verão, que antecediam o Carnaval, líamos mistérios, romances leves, livros de espionagem: histórias com gosto de férias. E vocês? Vocês leem nas férias? Levam livros nas malas junto aos biquínis e às pranchas de surfe?

 

Fonte: NPR





Livro, um ótimo presente!

15 12 2013

WolfgangALT Leitora com bebe e gato, Wolfgang Alt (2012, ost, 60x80cm).Leitora com bebê e gato, 2012

Wolfgang Alt ( Alemanha, contemporâneo)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm

Este foi um ano difícil para manter a leitura de 3 a 4 livros ficção de  por mês. Acabei lendo um pouco mais que isso, mas a maioria de não-ficção, em inglês ou francês, porque grande parte das áreas que me interessam não têm viabilidade comercial para as editoras por falta de público no Brasil. Mesmo assim tenho alguns livros para recomendar no campo da ficção como presentes de Natal. Recomendo também um de não-ficção. Todos têm resenha completa aqui, siga o link em cada título listado para maior detalhamento.

Nota: A peregrina é uma leitora assídua, há muitos anos e bastante exigente. Não recebe livros de graça para fazer resenhas, nem é paga por nenhuma casa editorial para se manifestar a respeito dos títulos listados.

Ficção:

Nihonjin, Oscar Nakasato

O melhor livro de ficção brasileira que li este ano. A história se desenvolve em torno da imigração japonesa no Brasil. A questão da identidade do imigrante e o caso especial dos japoneses.  Um poema em prosa.

Os olhos amarelos dos crocodilos, Katherine Pancol

O primeiro de uma trilogia da escritora francesa que teve sucesso internacional. É um livro que não se consegue deixar de lado.  As “aventuras” contemporâneas levam a questões de autoestima e sucesso. .  Há um pouco de fantasia. Muito bom.

O silêncio das montanhas, Khaled Hosseini

Definitivamente um romance mais complexo do que foi o O Caçador de Pipas do mesmo autor.  Achei O silêncio das montanhas mais rico e profundo, dando uma visão diferente sobre a vida no Afeganistão contemporâneo.

O ancião que saiu pela janela e desapareceu, Jonas Jonasson

Esta é uma grande viagem de aventuras extraordinárias de um dos personagens mais incríveis que encontrei recentemente. Divertidíssimo, uma narrativa que consegue compreender o século XX inteiro. Entretenimento da melhor qualidade.

Acabadora, Michela Murgia

Belíssima história que nos leva a ponderar sobre a eutanásia e sobre a ética.  Texto sensível. Recomendo.

O advogado do diabo, Morris West

Este é um clássico de meados do século passado que continua relevante.  Foca no que é necessário para que a igreja considere alguém santo.  Mas no meio do caminho nos mostra como viver.  Está em edição de bolso.

Não-Ficção

A vida não é justa, Andréa Pachá

Coletânea de casos considerados pela juíza Andréa Pachá que nos mostram que a vida de todo mundo é muito mais interessante do que o roteiro de qualquer novela.  Ótima visão da maneira de viver dos brasileiros.





Livros de presente? Algumas sugestões em ficção

18 12 2012

Michele Usibelli

Leitora, Michele Usebelli www.micheleusebelli.com

Todos os anos venho aqui sugerir alguns livros de presente.  Este ano li poucos livros para os quais daria indiscutivelmente cinco estrelas, ou seja a nota máxima.  De modo que a seleção será pequena.  Não sei se li menos ou se fiz más escolhas.  Fato é que tenho pouco a recomendar sem restrições.  Mas os livros selecionados abaixo vão sem nenhuma restrição para o leitor ávido por boa literatura.

Dulce Maria Cardoso, O Retorno, Tinta da China

O Retorno, de Dulce Maria Cardoso

SINOPSE

Em 1975, um ano após a Revolução dos Cravos, Portugal perde as suas colônias. Em poucos meses, o país recebe mais de meio milhão de retornados, que de uma hora para a outra precisam abandonar as suas casas. É nesse contexto que conhecemos a história do narrador: Rui, um adolescente nascido em Luanda. Dulce Maria Cardosos alcança, com O retorno, uma linguagem de uma precisão absoluta. Uma linguagem lírica, delicada, mas também áspera e seca, oscilando entre os sentimentos com a habilidade que só os grandes têm. O universo da trama é tão bem construído que o leitor ri, chora, espera o pai, torce pelos personagens, como se os conhecesse. A vida salta do livro com suas mazelas e alegrias, com a potência do que é real. Tão real que a gente nem sabe por quê. Só sabe que é.


ISBN: 9788565500012
PÁGINAS: 272
ANO DE EDIÇÃO: 2012

Este é um livro que encanta e nos mostra um ângulo da história contemporânea raramente abordado. Magnífica linguagem.

letreiros
O Pintor de Letreiros, de R. K. Narayan.

SINOPSE

Malgudi é uma efervescente pequena cidade no Sul da Índia, onde se respira a força da cultura tradicional indiana unida ao anseio de integração no mundo moderno e global, um lugar em que palavras como ética, democracia, liberdade sexual e igualdade entre os sexos, individualismo e bem comum não só têm importância e sentido, como não estão necessariamente em conflito com a tradição. Um fio percorre e conecta a vida de uma inteira comunidade – são os letreiros de Raman. Do advogado ao comerciante, do sacerdote ao charlatão, é a escrita que os une. Raman prepara os letreiros no seu ateliê de fundo de quintal, onde vive sozinho com a tia, numa casa à beira do rio. Durante as solitárias leituras vespertinas ou pedalando a bicicleta a serviço dos fregueses e à caça de novos clientes, sua imaginação prevalece e torna incoerentes as convicções e certezas que defende e apregoa, fazendo-o cair em frequentes contradições, que geram situações embaraçosas e hilariantes ao mesmo tempo. Porém este equilíbrio na rotina metódica do pintor de letreiros é rompido com a chegada de uma forasteira. Idealista e determinada, ela contrata os seus serviços e o envolve numa viagem cheia de aventuras pela zona rural. Durante o percurso, Raman realiza uma dupla travessia – a atribulada viagem num carro-de-boi e o mergulho insidioso pelos meandros da paixão carnal e do romantismo.

ISBN: 9788599537190
PÁGINAS: 252
ANO DE EDIÇÃO: 2011

Um romance refinado de um dos maiores escritores indianos do século XX que só agora chega ao Brasil.  Um retrato curioso do processo de modernização na Índia.

Livro das horas, Nélida PiñonLivro das horas, de Nélida Piñon.

SINOPSE

Um livro magistral da mais importante escritora contemporânea brasileira. Em uma narrativa comovente e sensível, Nélida revive memórias afetivas que emergem a partir de um vertiginoso turbilhão de lembranças e emoções. E a cada página lida, fica claro ao leitor que independente de sua vivência ou da riqueza de suas lembranças, sua história de amor sempre foi uma só: com a palavra.

ISBN: 9788501099785
PÁGINAS: 208
ANO DE EDIÇÃO: 2012

Tomando como inspiração o livro de reflexões religiosas — os breviários — da Idade Média, Nelida Piñon pondera sobre diversos aspectos da vida pessoal e profissional.  Uma leitura pausada trará maior contentamento.

sonhei que a neve ferviaSonhei que a neve fervia, de Fal Azevedo.

SINOPSE

Em agosto de 2007, a morte do marido pegou a paulista Fal Azevedo – dona de um dos blogs mais acessados da internet, o Drops da Fal – de surpresa. Incredulidade, raiva e tristeza se misturaram ao conforto das mensagens de solidariedade e carinho de amigos e desconhecidos, leitores fiéis do blog. Sonhei que a neve fervia revê, através de e-mails e textos publicados na web, a jornada da tradutora e autora do elogiado Minúsculos assassinatos e alguns copos de leite para encontrar força e (re)encontrar a voz – culta, engraçada, ferina, mas, acima de tudo, honesta e transparente – que conquistou leitores no mundo virtual e fora dele.

ISBN: 9788532526595
PÁGINAS: 384
ANO DE EDIÇÃO: 2012

Belo e triste relato do processo de luto por que as pessoas, e nesse caso a autora, passam ao perder o companheiro de vida.

A_LTIMA_FACANHA_DO_MAJOR_PETTIGREW_1302655650PA última façanha do Major Pettigrew, Helen Simonson.

SINOPSE

Entre os mais vendidos do New York Times e do Washington Post, em 2010, A última façanha do Major Pettigrew narra uma história de amor e amizade marcada pelo rompimento de valores tradicionais entre um viúvo inglês de 68 anos e uma paquistanesa, também viúva, que é excluída da comunidade por sua herança cultural, sua aparência e seus costumes. Ambientado em uma pequena cidade da Inglaterra, o livro acompanha os percalços enfrentados pelos protagonistas para assumir o seu amor. Aposentado pelo exército inglês, o Major Ernest Pettigrew considera a honra, a disciplina e as boas maneiras virtudes essenciais. Ele parece satisfeito com sua pacata rotina de viúvo – idas semanais ao clube de golfe, telefonemas esparsos para o filho, leitura de poemas clássicos – até perder o irmão, Bertie, e perceber que está mais sozinho do que imaginava. É a solidão repentina que o aproxima da paquistanesa Jasmina Ali, 58 anos. Ela é dona de um mercadinho da região e, assim como o major, grande apreciadora de obras literárias. Aos olhos dos moradores da vila, fofoqueiros e apegados à tradição, a diferença cultural entre eles é quase insustentável. Para o major, no entanto, Jasmina é uma nova e surpreendente companhia. Neste delicioso romance de estreia, que alcançou as principais listas dos mais vendidos norte-americana, Helen Simonson lança um olhar sobre o sistema de classes britânico com uma trama que é um misto de comédia de costumes com história de amor. Seu grande mérito foi construir dois personagens igualmente admiráveis e divertidos, num livro sobre o inesperado milagre do amor tardio.

ISBN: 9788532526298
PÁGINAS: 429
ANO DE EDIÇÃO: 2011

Uma deliciosa comédia retratando a maneira de viver na Inglaterra moderna, com seus novos habitantes vindos das antigas colônias.  Humor fino na tradição de Jane Austen.





Os presentes de Natal, texto de Marques Rebelo

7 12 2012

brinquedos 2, blanche wrightIlustração de Blanche Fisher Wright.

27 de dezembro [1936]

O presente mais lindo não é o mais caro, é o mais frágil – a caixa de cubos com os quais as mãozinhas inexpertas poderão formar um prado florido, dois cachorrinhos brincando, a galinha branca, orgulhosa dos pintainhos.

Há ainda a bola de sete cores como um arco-íris de borracha, a piorra cantadeira e o pelotão de chumbo pregado no papelão.

Paro um instante comovido – ah, a roda da vida, roda da vida rangente ou azeitada! Quando acordei, acordei general  – trinta e seis soldadinhos me esperavam ao pé da cama, túnica azul, calça vermelha, baionetas em riste. As trincheiras foram abertas debaixo das begônias, as roseiras deixavam cair as pétalas sobre os herois, todo o jardim sofreu com as batalhas delirantes, enquanto Madalena fazia comidinhas para a nova boneca e Emanuel folheava, no alpendre, o livro de gravuras de Rabier.

Deposito o último brinquedo com cuidado, não fosse despertá-las. Porejadas  de suor, as crianças dormem. Na parede, como prego, dorme também o pernilongo, pesado de sangue que também é um pouco meu, apesar da incredulidade rancorosa de Mariquinhas”.

***

Em: O trapicheiro, Marques Rebelo, 1º volume de O Espelho Partido, São Paulo, Martins: 1959, 1ª edição, numerada.








%d blogueiros gostam disto: