Arqueologia do futuro poderá ser debaixo d’água

7 03 2014

Raising-the-Korean-Flag-in-the-South-Pole-11Foto sem indicação de autoria. Provavelmente do filme 2012.

Pesquisadores alemães alertam que, caso emissões de gases de efeito estufa continuem no ritmo atual, um quinto dos monumentos e locais protegidos pela Unesco desapareceriam nos próximos dois mil anos.

O aumento dos níveis dos mares por causa aquecimento global pode levar, nos próximos dois mil anos, ao desaparecimento de mais de 130 dos cerca de 750 Patrimônios Mundiais da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), alerta um estudo divulgado no início de março.

Se não limitarmos as mudanças climáticas, no futuro os arqueólogos terão que procurar uma grande parte de nossos patrimônios culturais no mar“, afirma o pesquisador Ben Marzeion, da Universidade de Innsbruck e um dos autores do estudo.

Essa notícia me faz lembrar o impactante livro: Seis Graus, de Mark Lynas, lançado no Brasil em 2008. Ele conseguiu que eu mudasse alguns pequenos hábitos diários.  Sou a formiguinha que acredita que o trabalho em conjunto nos levará às necessárias soluções, apesar de sermos testemunhas das pilhas de lixo deixadas no Rio de Janeiro, numa greve fomentada por interesses políticos que deveriam ser enquadrados em crime contra o meio ambiente. Em novembro de 2008 já aqui no blog publicamos uma entrevista com Mark Lynas – Seis graus e as soluções alternativas. Recomendo a leitura desse livro. Livro bom pode ser lido a qualquer hora, mesmo que tenha sido publicado há seis anos.

Não temos tempo a perder. Como os pesquisadores alemães ressaltam um aquecimento menor também já é uma ameaça para uma boa parte desses locais. O aumento de apenas 1 grau na temperatura seria suficiente para colocar em risco a existência de 40 dos Patrimônios Mundiais da Unesco.

A elevação do nível do mar também será responsável por uma diminuição considerável da superfície terrestre. Com um aumento de 3 graus 12 países perderiam mais da metade de seus territórios, a maioria deles localizada no Sudeste Asiático.

A temperatura global média aumentou cerca de 0,8 grau em comparação com a era pré-industrial. Se as emissões de gases do efeito estufa crescerem como ocorreu até o momento, devemos calcular um aquecimento global de até 5 graus no final do século“, aponta o pesquisador Anders Levermann, coautor do estudo.

FONTE: TERRA

Com essa postagem, voltamos a divulgar notícias de ciências e meio ambiente. A pedidos.





Um olho na Serra do Mar e outro na China: devastação e replantio

30 01 2011
Tecido estampado com paisagem chinesa.

—-

—-

Dois eventos nesse início de ano deveriam nos fazer redobrar os cuidados com o meio ambiente —  imediatamente!   As chuvas devastadoras na Serra do Mar, e o anúncio do governo da China admitindo que seus esforços no combate à desertificação do país  (muito maiores do que os que fazemos por aqui) estão simplesmente colocando o avanço do deserto em cheque e que serão necessários pelo  menos 300 anos para que a China consiga recuperar a área perdida para o deserto de terra produtiva e de florestas. 

O programa chinês para retomada do deserto é a maior campanha de replantio do mundo.  Mesmo assim,  serão necessários mais de três séculos  para que o equilíbrio ambiental volte a se estabelecer.   Não será para a geração dos nossos filhos, nem dos nossos netos, nem bisnetos.  Estamos a 15 gerações de um equilíbrio ecológico na China, se eles mantiverem os esforços ambientais nos termos que têm hoje.

Mais de um quarto do território chinês está coberto por deserto ou terra sob os efeitos de desertificação, enquanto que só 14% da China está coberta de florestas, a maioria destes territórios em zonas montanhosas. As últimas grandes extensões de floresta estão no nordeste da Manchúria.

 —-

—-

Tecido com estampado oriental.

—–

—–

O processo de desertificação foi causado por uma série de fatores, alguns deles conhecidos nossos: excesso de pastagem e de técnicas agrícolas inadequadas, exploração agrícola e madeireira ilegais e queimadas.  Estes fatores consumiam até 5.000 quilômetros quadrados de floresta virgem, na China, a cada ano.   A indústria de móveis também tem seu papel de responsabilidade no desastre ecológico chinês: ela engole grandes quantidades de madeira chinesa, assim como madeira cortada ilegalmente da floresta tropical da Indonésia e em outros lugares vizinhos.

De 1990 a meados dos anos 2000 a China passou de importadora de produtos de madeira,  para um dos principais exportadores mundiais de madeira, móveis e piso.  O custo foi o meio ambiente.  Além disso, a China é um grande consumidor de papel.  Apesar de muito do papel usado na China já ser reciclado, a demanda é muito maior do que a oferta. 

—-

—-

Papel de parede com cena oriental.

—-

—-

O desmatamento chinês já é responsável pelo declínio de 4% das chuvas naquele país inteiro e de 15% no período da estiagem, na área de Xishuangbanna de Yunnan, onde 50% da floresta já desapareceu. 

No entanto, esses imensos esforços nos últimos 10 anos ainda não são o suficiente para a recuperação ambiental da China e do mundo.  Como o Sr. Liu Tuo, responsável pelo programa de reflorestamento do país explicou: “Há cerca de 1.730.000 quilômetros quadrados de terras degradadas na China, além de cerca de 530.000 quilômetros quadrados que deveriam ser tratados.”  Para nossa referência: 1.730.000 Km²  é um território maior do que estado do Amazonas.  O replantio tem sido de 1.717 km² por ano.

—-

—-

——

—–

 O processo recente de desmatamento na China, trouxe consequências severas para a população, e examinando o caminho chinês talvez possamos aprender a meio caminho, o que não fazer, e o que não deixar fazerem. 

O corte das florestas para uso da madeira e do pastoreio transformou  grandes áreas da província de Qinghai em deserto. Nesse meio tempo, grandes extensões de floresta também foram cortadas nas províncias de Sichuan e Shaanxi.  O corte das árvores e conseqüente destruição da floresta trouxe como resultado a erosão da bacia do rio Yangtze, que por sua vez foi responsável por inundações devastadoras, desabamentos e deslizamentos de terra que já mataram milhares de pessoas, destruíram estradas além de causar bilhões de dólares de danos. O desmatamento sem freios tornou até os mais delicados regatos de água doce em rios de água marrom enlameada.   Deslizamentos das encostas montanhosas já desarborizadas tem sido um dos mais importantes fatores para a inundação excessiva do rio Yangtze.

—-

—-

Tecido com estamparia de cena chinesa.

—-

—-

Desde 1998 grandes projetos de reflorestamento estão sendo implantados. A China proibiu a indústria madeireira em florestas naturais, destinou US $ 10 bilhões para projetos de reflorestamento e planejou gastar US $ 1 bilhão por ano durante 30 anos para expandir as áreas protegidas. Para reduzir o consumo de madeira a China impôs uma taxa de 5% ao piso de madeira e até mesmo aos pauzinhos, tradicionais objetos no consumo das refeições.  Cortadores das indústrias madeireiras foram treinados para plantar árvores enquanto que exploração da madeira foi completamente proibida em algumas áreas das províncias de Sichuan e Hubei.

O esforço governamental não é de hoje.  Começou  na década de 1970 quando o plantio de milhões de árvores transformou em florestas muitas áreas que já estavam estéreis.  Foram as enchentes anuais  e a erosão do terreno os principais motivos dessa empreitada governamental.  O que foi ótimo, porque  fez também uma contribuição significante contra o aquecimento global, já que as florestas plantadas são responsáveis por re-absorverem um boa quantidade de gás carbônico.   Foram 35 bilhões de árvores plantadas  ao longo de 4.500 km no norte da China que formaram um cinturão verde.  O plantio tem sido feito em faixas de terreno de um quilômetro e meio de largura e tem tido 70% de sucesso de sobrevivência das plantas nas áreas de reflorestamento.  Outro cinturão de árvores foi plantado no sudoeste da China, como medida de proteção aos tufões.  

—-

Tecido para estofado com estamparia oriental.

—–

—-

O plano original, e alcançado, era cobrir 20% das áreas devastadas até 2010, através do programa de plantio de árvores.  O plantio de árvores é considerado um dever cívico na China, que deve ser realizado por todas as pessoas.   Depois das enchentes do Yangtze, em 1998, uma proibição do corte de florestas naturais foi imposta e o reflorestamento maciço na bacia hidrográfica do Yangtze foi levado adiante.  Terraços em declives superiores a 25º foram plantados com gramíneas, arbustos e árvores.  Grandes extensões de terras aráveis foram convertidas em pastagens, florestas e lagos típicos de zonas úmidas.  

 Como funciona?  —  Parte do trabalho de reflorestamento é feito por garimpeiros que cavam os buracos, e que recebem como pagamento por um dia de trabalho, quatro ou cinco pacotes de macarrão instantâneo, que eles consomem ao seco, porque não há água potável disponível.

—-

—-

Tecido com estamparia de paisagem com flores e passarinho.

—-

—-

Acho um absurdo o que o governo chinês paga aos seus conterrâneos para o plantio de mudas. E não estou aqui defendendo que se faça no Brasil, semelhante exploração de outro ser humano.  Mas acredito que temos que fazer muito mais do que estamos fazendo.

Temos culturalmente duas características que nos levam a perder muito tempo: queremos agradar a todos  (mãe, pai, avô, cachorro e periquito) e adoramos teorizar.  A primeira característica é difícil de ser contornada.  Podemos dar uma olhada no nosso código civil para vermos porque muitos criminosos conseguem não serem punidos.  Há sempre mais uma chance a ser dada, há sempre um aspecto que os inocenta (da infância pobre à falta de conhecimento da lei).  Somos um país de “coitadinhos”.  É difícil para o brasileiro ser durão, porque precisa ser querido por todos.  Haja visto a nossa preocupação com o que os outros países pensam de nós.  Tivemos um presidente da República que personificou essa característica ao extremo e o povo o adora, talvez até mesmo por isso.

O segundo traço do nosso caráter é tão arraigado quanto o primeiro, pois vem de uma tradição luso-francesa, acadêmica, em que tudo precisa ser teorizado, estudado, debatido.  E quando finalmente chegamos a alguma conclusão, o tempo já nos passou para trás.  Somos excelentes debatedores desde que saibamos nossas teorias, é claro.  Tendemos a ver tudo sob a luz de perfis políticos, sociais e filosóficos e perdemos muito, muito tempo com blá, blá, blá, com debates sem importância, equivalentes à descoberta de quantos anjos cabem na cabeça de um alfinete.  Isso é um resquício de uma aristocracia  do saber,  formada por  uma meia-dúzia de gatos pingados que tinham alguma educação e por uma nobreza que deixava os intelectuais entrarem nos seus salões para divertí-la e para que ela também se sentisse culta.  Uma atitude que não cabe numa democracia, numa sociedade com a nossa,  que hoje, mesmo com as falhas que temos na educação, é muito mais pluralista de pensamentos, experiência e saber.  Essa habilidade de discutir, de debater teorias, só satisfaz ao ego dos debatedores, que acreditam que o debate em si, já é alguma coisa.  E saem das discussões felizes com a impressão de que fizeram algo, qua contribuiram, mas que deixam para os outros, os  menos intelectuais, a tarefa de sujar as mãos, ou melhor, de colocar as mãos na massa.  

—-

—-

Tecido estampado com araras no ninho.

—–

—–

Cresci aqui no Brasil, me formei numa das melhores escolas brasileiras, o Colégio Pedro II, grande incentivador de debates. Fiz aqui, também, alguns anos de faculdade, mas saí do Brasil, me formei lá fora e vivi no estrangeiro mais de duas décadas: em mais de um país e em três continentes.  Posso dizer que invejo o pragmatismo americano e o orgulhoso espírito empreendedor espanhol.  E desejaria que pudéssemos aprender com ambos um pouco mais:  que fôssemos mais à luta, de maneira pragmática do que simplesmente com debate; que fôssemos mais rápidos no gatilho, mais ambiciosos por soluções.  E finalmente menos apegados à burocracia da mente. 

—-

—-

Tecido para estofado com araras.

—-

—-

Então, o que precisamos fazer para que não aconteça com o Brasil, com a Serra do Mar, com a Mata Atlântica, o que aconteceu na China?  O que precisamos fazer para que não tenhamos que esperar 15 gerações — pode ser até que os humanos já não possam viver Nesta Terra — para que haja um equilíbrio ecológico?  Quais são os próximos passos para que as cenas bucólicas da natureza em paz com o ser humano não existam unicamente na pintura de tecidos de hoje ou dos séculos passados? 

—-

—-

Veja a enchente de 1998 no Rio Yangtze:
—–

—–

—-
—-

 

Fontes: ItamaratyUSGS, BBC, Facts and details





Projeto inglês plantará 1.000.000 árvores em 4 anos

5 12 2010
Ilustração, autor desconhecido.-

—-

No dia 2 de dezembro, passado, o governo britânico anunciou um programa de plantio de 1.000.000 um milhão de árvores nas zonas urbanas da Inglaterra.  Um plano semelhante não havia sido posto em prática desde 1970.  O projeto planeja o plantio dessas árvores ao longo de quatro anos.  

O programa será introduzido com o apoio de organizações de proteção à flora já existente.  O hábito da jardinagem é comum na Inglaterra e as autoridades reconhecem que o auxílio das entidades florestais locais, associado ao entusiasmo da população, será de grande valia, já que se saberia que árvores melhor se adaptam a cada local.  

Na Inglaterra, país com uma área de 130. 410 km², [Para referência: o Brasil tem uma área total de 8.514.876,599 km², ou seja, cabem nele 62,5 Inglaterras] plantam-se aproximadamente seis milhões de árvores por ano.  O objetivo desse projeto é aumentar esse número para 20 milhões de árvores pelos próximos 50 anos.  

Em junho desse ano, disse Hilary Allison, diretora da Woodland Trust, disse, “lançamos nossa campanha Quanto Mais Árvores Melhor [More trees, more good] para pautar que precisamos de duas vezes mais árvores nativas e bosques para que a nossa vida selvagem continue a sobreviver e para preservação do meio ambiente.  Escolas, grupos comunitários , parceiros corporativos donos de grandes extensões de terra, nos  apoiaram entusiasticamente.”  

Para que o programa de plantio de 1.000.000 de árvores seja bem sucedido será preciso ter o apoio integral da população, fazendo disso um “hábito nacional”.  

Griff Rhys Jones, presidente da Civic Voice, uma organização que tem como objetivo tornar lugares mais agradáveis, bonitos e distintos, lembra que  esse projeto será a maneira perfeita para as pessoas das comunidades se encontrarem, para vizinhos se conhecerem.

FONTE: BBC





Iceberg gigante na Costa da Austrália

25 11 2009

Um leão marinho descansa na praia, com Iceberg ao fundo.  Foto: AP

 

Cientistas da Divisão Australiana da Antártida divulgaram na terça-feira, 24 de novembro, novas imagens da passagem de icebergs pela Ilha Macquarie, 1,5 km a sudeste da Tasmânia, na Austrália.

As imagens, registradas no dia 16 de novembro, mostram um iceberg próximo da praia de Sandy Bay, na costa leste da ilha. Segundo os cientistas, é muito raro observar icebergs na região. Outras imagens já haviam sido divulgadas no dia 12 de novembro, na ocasião, os cientistas anunciaram que o iceberg tinha 500m de comprimento e estava a cerca de 8km da ilha de Macquarie.

 

Foto: AP

 

O investigador da Divisão Australiana da Antártida, Neal Young, afirmou que outros icebergs foram levados em direção ao norte pelas correntes oceânicas. No entanto, nunca tinham se aproximado tanto da ilha, onde as águas são mais quentes. Segundo os cientistas, as massas de gelo dos icebergs devem se romper e derreter rapidamente em sua ascensão ao norte.





Uma floresta conectada!

2 08 2009

mataatlantica02parque nacional itatiaiaMata Atlântica, Parque Nacional de Itatiaia.

 

Em outubro deste ano será implantada uma nova tecnologia que, ao longo de 30 dias, possibilitará um mapeamento detalhado em tempo real das variações de temperatura e das condições da umidade relativa do ar, entre muitos outros dados, numa área de 10 km² do Parque Estadual da Serra do Mar, reserva de mata ecológica localizada em São Luiz do Paraitinga (SP).

Uma rede experimental com 50 sensores sem fios fará a coleta de diversos dados ambientais, 24 horas por dia. A iniciativa nasceu pela necessidade de se colocar em prática alternativas mais baratas e simples de combater os males da poluição em tempo real e em três dimensões, afirma o autor, o engenheiro eletrônico Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e coordenador do programa de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais da Fundação do Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

 A escolha do local se deu pelo fácil acesso, já que os 50 sensores wi-fi podem precisar de manutenção. Com o sistema, os cientistas poderão conhecer a concentração de gás carbônico na atmosfera local, por exemplo, e cuidar melhor da preservação das matas.

 

 Pietro Ciafferi ( Itália, 1600-1654)

Piero Ciafferi ( Itália 1600-1654)

 

Diretamente ligado à realização desse trabalho, Humberto Ribeiro da Rocha, livre-docente do Departamento de Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP), explica que a oportunidade é única para se conhecer mais a fundo todas as dificuldades e limitações deste sistema.

 Rob Fatland (Microsoft) e Doug Carlson (John Hopkins University), ambos dos Estados Unidos, estiveram presentes no Brasil no início de julho para visitar o local e conhecer a nova tecnologia. O sistema poderá depois ser aplicado depois em florestas do mundo inteiro.

 

FONTE: Terra





Conversões urbanas: como tornar a sua cidade numa cidade verde, sem demolições.

5 07 2009

 

city-of-green-rings-1

 

No dia 28 de junho o jornal Boston Globe publicou um interessante artigo de Michael Fitzgerald com uma lista de algumas das alternativas — já experimentadas e com sucesso — para transformar uma cidade já existente, numa cidade verde, com uma pegada carbônica muito menor do que a atual.   É claro que ele se concentra no que acha possível ser aplicado à cidade de Boston.  Mas como essas alternativas funcionaram em outros lugares, não custa darmos uma olhadinha para vermos o que anda sendo feito.  A tradução é minha e é bastante livre. 

Conversões urbanas: como tornar uma cidade verde, sem demolições.

 À medida que o mundo aquece, ele se torna também cada vez mais urbano.  Mais da metade da população mundial já vive em cidades ou muito próxima dos centros urbanos.  Então, quando se trata de vida sustentável, as cidades representam um desafio crescente.

Há muitas vantagens que já encontramos nas cidades:  elas têm transporte público, têm uma distribuição eficiente de energia elétrica, e uma densidade populacional compacta, que pode dispensar o uso do automóvel.  Além disso, pessoas que vivem e trabalham em edifícios altos, em vez de construções espalhadas pela paisagem, conservam uma enorme quantidade de energia per capta.

Mas as cidades também têm um grande problema: elas já estão construídas.  Podemos inventar todas as tecnologias “verdes” de que gostamos, mas não podemos derrubar quarteirões cheios de velhas estruturas e iniciar tudo do ponto zero.  Isso, para não falar na trama de ruas, ladeadas por cabos, tubos, túneis,  que se desenvolveram através de décadas, ou até mesmo séculos. O problema é especialmente sentido em cidades antigas como Boston.

Então, vem a pergunta: como para melhorar as cidades que temos? A resposta, através de conversões arquitetônicas.  Em anos recentes, engenheiros, planejadores urbanos, e empresários procuraram novas formas, imaginativas,  de tomar o que conhecemos hoje num uso de energia mais eficiente, enxertar  esse sistema tecnológico nas cidades existentes sem ter que arrasar o que já existe.   Aqui estão algumas idéias já testadas, incluindo algumas que podem vir a funcionar em Boston.

zorluecocity

 

BICICLETAS DISPONÍVEIS

 Bicicletas só usam suor como combustível, por isso são um item favorito e essencial para qualquer plano verde de trânsito, em qualquer lugar do mundo. Mas, a não ser que você seja um ciclista dedicado, nem sempre terá sua bicicleta com você quando precisar fazer um giro rápido.  É aí, nesse ponto que aparecem programas de compartilhamento que oferecem um bicicletário de bicicletas públicas, que podem ser utilizadas para circulação na cidade.   Apesar de muitas variantes desses programas já terem sido tentadas e não darem certo nos últimos 20 anos; hoje, há esperanças de que venham a funcionar.  Na França aparecem os primeiros sinais de sucesso: desde de 2005 que a cidade de Lyon lançou um programa que funciona com este fim e agora ele aparece de novo, adaptado em Paris.   É simples.  O programa se baseia num bilhete vendido pela cidade, custando aproximadamente R$80,00.  Ele serve por um ano de acesso ao uso de 20.000 bicicletas disponíveis em 1.500 estações na cidade.   O preço da bicicleta (o que seria o aluguel)  não custa nada pelos primeiros 30 minutos.  Depois disso há uma escala crescente de custos que são aplicáveis ao uso.  Há aproximadamente outras 25 cidades no mundo que oferecem programas semelhantes, de Barcelona a Washington DC.   Muitos desses programas são subsidiados por propaganda nas bicicletas ou outro tipo de publicidade. 

 

bicicleta

 

UMA REDE INTELIGENTE

A rede que fornece a nossa eletricidade é complexa, mas nem sempre é bem utilizada.    Lembre-se do telefone casa da vovó – aquele que não tem identificador de chamadas, e que não consegue receber mensagens de texto ou vídeo.  Se fosse um telefone “inteligente” poderia se comunicar com a sua casa, e vice-versa.   A nível residencial isso significaria que você saberia exatamente que aparelhos estariam desperdiçando energia e como usá-los de forma mais eficiente.   A nível municipal, uma rede inteligente pode mudar o modo do consumo de energia.  A municipalidade poderia facilmente cobrar mais dinheiro pela energia em horas de grande uso.  O indivíduo poderia até mesmo vender o excesso de energia renovável sem uso de volta para a rede.  Algumas cidades pioneiras e alguns consumidores já usam redes inteligentes: na cidade de Boulder, no estado do Colorado, a companhia Xcel Energy lançou um plano piloto de contadores inteligentes que permite aos consumidores de verem a cada segundo as estatísticas sobre o seu gasto de energia e que permite também a mudança de temperatura da casa ou outras variáveis de maneira automática.

casa inteligente 1

 

PODCARS

 

A cidade de Masdar, a ser construída em Abu Dhabi tem em plano experimental “pós-petróleo”.  Ela será a primeira cidade do mundo a apresentar em grande escala um sistema rápido trânsito de pessoas.  Será um pequeno túnel subterrâneo movido a baterias, servindo a 4 pessoas por veículo.   Esquemas semelhantes estãosendo testados em Londres, no aeroporto Heathrow;  e em Uppsala, na Suécia.  Todos esses podcars usam rodas, o que significa que eles precisam de faixas nas ruas da cidade.  Mas há locais, como a cidade de Boston, que poderiam ser melhor servidos com o uso da tecnologia de levitação magnética, semelhante a utilizada nos trens de alta velocidade.  A empresa californiana Unimodais Systems construiu um protótipo mag-lev podcar no sistema da NASA Ames Research Center.  Ela afirma que o sistema é leve o suficiente para usar postes de luz como pontos de apoio.  Há muito tempo que um projeto de podcars da Universidade de West Virginia em Morgantown foi financiado durante a administração Nixon, e ainda está até hoje transportando estudantes pelo campus universitário.

 

podcar1

 

ESTAÇÕES DE PERMUTA

 Para trânsito alternativo há muitas idéias brotando em inúmeras cidades usando empresas que dividem serviços de carros e motos.  Um dos problemas que todas encontram é a falta de conexão entre pontos, especialmente quando se engloba distâncias mais afastadas do centro das cidades.  Estações de permuta, bem planejadas, poderiam ligar estes serviços, da mesma maneira que eles funcionam nas linhas de trens urbanos, ou nos metrôs, e com serviços de taxi.    A cidade de Bremen, na Alemanha criou um sistema que conecta ônibus e trem, motos, táxis, e grupos de caronas para que residentes possam se locomover com mais facilidade, sem ter um carro. Um sistema integrado de pagamento significa que eles podem fazer toda a viagem com apenas um cartão, ou até mesmo um celular.  Outras “estações de permuta” já estão organizadas em cidades como Washington, São Paulo, Cidade do Cabo, e Chennai, na Índia.  Entusiastas também vislumbram  online mapas inteligentes que liguem todos os meios de trânsito disponíveis ao público, com GPS e estimativas de tempo de viagem.

 

HUB ProjectPage_Transportation_TranshudsonExpress_1

 

RE-CONFIGURAÇÃO DE IMÓVEIS  

 Edifícios novos e eficientes são ótimos.  Mas não se pode simplesmente derrubar os edifícios já existentes para construir novos. Em vez disso, os construtores começam a reconfigurar o acabamento externo de concreto dos edifícios mais velhos, esfoliando as suas superfícies e acrescentando novas camadas térmicas.  Estas invertem a tendência normal de absorção do calor no verão e de perda deste mesmo calor no inverno.  Uma cuidadosa reconfiguração pode cortar o gasto de energia pela metade enquanto que o novo acabamento pode também englobar uma melhoria nas tubulações de serviços essenciais assim como nas tubulações elétricas.  É a cidade de Berlim que lidera neste caminho.  Com a esfoliação de um complexo de edifícios de 40 anos compreendendo 16.000 apartamentos.  Um edifício de escritórios em Manchester, na Inglaterra, foi reconfigurado com células foto-voltaicas.  Até mesmo edifícios ícones, parte da paisagem de cidades turísticas  podem passar por esse processo.  Um exemplo é o Empire State Building  que está em processo de reconfiguração começando de seu interior, e adicionando janelas com 3 painéis, além de atualizações mecânicas.  O resultado será a economia de USD 4.400.000 por ano em gastos de energia.  E tudo isso sem alterar sua aparência exterior.  O grande problema destes projetos é que eles são difíceis de serem repetidos em outros edifícios.  A Zerofootprint, uma organização sem fins lucrativos em Toronto criou um prêmio de USD $ 1 milhão para um projeto de reestruturação exterior que possa ser facilmente adaptado para muitas cidades.

 

building_reskinning_competition_zf210509_eb_2

 

ALUGUEL DE ENERGIA SOLAR

Um dos maiores obstáculos para os donos de casas  mudarem suas residências para a energia solar, é o custo.  Em média custa nos EUA cerca de USD $ 25.000 para um conjunto de painéis de telhado.  Cidades como São Francisco conseguiram atrair subsídios federais  para reduzir esses custos pela metade.  Mesmo assim ainda é muito dispendioso.  Agora empresas privadas como SolarCity e SunRun andam seduzindo consumidores com uma outra maneira para consumo de energia solar.  Com o pagamento de USD $ 1.000 iniciais, proprietários de imóveis  podem alugar painéis solares por uma pequena quantia mensal baseada no uso de eletricidade por unidade. Inicialmente estas companhias se concentraram em partes ensolaradas do país, principalmente na Costa Oeste dos EUA.  Mas a SunRun começou recentemente,  no início deste ano, um programa de locação de painéis  em Massachusetts.

 ***

 

solar%20panel%20roof





1949: a natureza em MG, Francisco de Barros Júnior

21 06 2009

minasgerais, mineraçãodomanganês,eucalol

Estampa Eucalol: Mineração do manganês em Minas Gerais

          No meio do debate sobre desmatamento versus preservação, a semana que passou foi pontuada por palavras do presidente Lula, favorecendo o desmatamento em função de um possível progresso.  Os resultados de planos como esse infelizmente não trazem as benfeitorias sociais de longo prazo tão anunciadas.  Isso já foi demonstrado dezenas de vezes por estudiosos do assunto.  Hoje, esses são discursos difíceis de serem aceitos por qualquer um de nós,  brasileiros, que se importa com o meio ambiente.  É quase inacreditável que mesmo com as conseqüências já bastante conhecidas e  prejudiciais ao planeta, haja líderes eleitos, como os nossos, que ainda defendam o desmatamento.  É um discurso antigo.

          Vale lembrar algumas mudanças que já se fizeram notar no nosso meio ambiente, mudanças que ocorreram através da exploração de minerais, de minério de ferro, de manganês, de ouro, que contribuíram para alguns dos problemas do meio ambiente enfrentados no  Brasil, nos dias de hoje.  Não especifico, aqui, mudanças no meio ambiente através de séculos de exploração, mas das mudanças que ocorreram, nos últimos 50, 60 anos. 

 Transcrevo a seguir, um pequeno texto, publicado em 1949, de Francisco de Barros Júnior para consideração.  

alberto da veiga guignard,Sabará, 1949,osm 38x47,

Sabará, 1949

Guignard (Brasil 1896-1962)

Óleo sobre madeira, 38 x 47 cm

          De um lado, o Paraíba demandando, em saltos e corredeiras através das gargantas da serra, as planícies campistas.  Do outro, a majestosa Mantiqueira coberta de pastagens que substituíram as matas, de onde saíram as caviúnas e jacarandás para as preciosas arcas, mesas e camas entalhadas, que adornavam os lares de nossos maiores, e que nos mesmos lugares há mais de cem anos devem ainda estar nas salas , quartos e alpendres daquela fazenda da margem esquerda, situada a meia encosta.  Com seu pomar onde avultam as enormes mangueiras, com a grande casa senhorial assobradada, ostentando portais e janelas em arco, discretamente velada pelo renque de altíssimas palmeiras imperiais, com os muros do “quadrado” em que viviam os escravos, com as grandes cocheiras e estábulos, os quartos de arreios, os galpões onde talvez ainda durmam poeirentos, os banguês e berlindas ricamente decorados e os amplos terreiros de largas lajes, são um testemunho do fausto em que viviam seus orgulhosos senhores.

          Usando do privilégio de narrador, vamos prosseguir de dia, pois se continuássemos pelo mesmo trem, nada veríamos da terra mineira.  Façamos de conta que, vindos pelo noturno paulista, tomamos em Barra do Piraí o primeiro rápido mineiro, ruma a Belo Horizonte.

          A locomotiva galga lerda e resfolegante os aclives máximos, fazendo-nos mergulhar com freqüência nas trevas de curtos túneis.  A terra é montanhosa, dificilmente se vê uma planície, e o coração dos que pela primeira vez viajam por essas paragens fica constantemente apertado, quando o desengonçado comboio passa em vertiginosa velocidade a cavaleiro de insondáveis abismos…

          Passamos pela linda Juiz de Fora a que seus filhos chamam orgulhosamente de “Manchester Mineira”, e que julgam rival da Capital, pelo seu comércio e convívio social selecionado…  Depois, Palmira, hoje Santos Dumont, em homenagem ao genial patrício nascido em fazenda de seu município.  Cidade pequena e graciosamente espalhada por duas colinas, o que lhe dá um aspecto de mimoso presépio.  È o refúgio das vítimas do cruel bacilo de Koch, graças ao ameno clima de seus novecentos metros de altitude.

          Agora, Barbacena, alcandorada no tope da montanha, e que nos aparece de grande distância, vestida de branco.  À chegada, passamos pelos imponentes edifícios do Patronato Agrícola, de administração federal, onde os barbacenenses vão buscar ótimos legumes, figos, uvas, ameixas, e saborosos caquis.

          Até aqui, a zona pastoril, terra do leite, manteiga e queijos deliciosos.  A seguir mergulhamos no domínio das matérias-primas, por cuja porta – Lafaiete – sai o manganês puríssimo de suas inesgotáveis jazidas.  Intermináveis comboios estão nos desvios, abarrotados desse precioso minério, esperando linha para descer até o Rio, e de lá no bojo de transatlânticos, irão para a América do Norte, endurecer o aço dos canhões e das couraças…  Sobre diversas colinas íngremes, à nossa direita, está Congonhas do Campo, em cujas igrejas se perpetuou o gênio do Aleijadinho, essa tosca encarnação de Miguel Ângelo, arquiteto, pintor e escultor.

          Pelas estradas marginais, trotam em fila dezenas de cargueiros carregados de carvão vegetal para alimento dos altos fornos de Itabirito, que, na penumbra da tarde, lançam para o céu o fogacho rubro de suas entranhas, de onde escorre o ferro moldando-se em lingotes, que irão para a insaciável indústria paulista.

          As necessidades da siderurgia vêm devastando as matas há muitos anos, e de longe deve estar chegando esse carvão.  Os caçadores dessa zona têm de ir a grandes distâncias para encontrar codornas e perdizes, afugentadas com as plantações de capim gordura, em cujo meio não podem viver.

          É noite fechada, e a poderosa iluminação da capital projeta-se contra nuvens baixas, localizando-a a muitos quilômetros.

          Os apressados despem o guarda-pó ainda muito em uso nesse Estado, reúnem embrulhos e malas que arrumam sobre os bancos, e muito antes de chegar à plataforma, já estão com meio corpo fora da janela chamando pelos carregadores, na ânsia de serem os primeiros a desembarcar.  Demoro-me bastante para retirar a bagagem despachada, e minha atenção vai para um carrinho que roda em direção a um vagão de bagagem, especial, ligado ao noturno, já pronto para descer rumo ao Rio.  Cercam-no cinco ou seis soldados e vários sujeitos carrancudos com ares de ferrabrazes de opereta.  Nele, vão quatro ou cinco caixotes fortemente arqueados e lacrados, e sou rudemente afastado por um dos referidos capangas, quando pretendo aproximar-me do misterioso cortejo…  È meia tonelada de ouro puro em lingotes, produto de todo um mês de trabalho nas minas de Morro Velho, destinados aos cofres do Banco do Brasil.  Deixa o ilustre itinerante sua obscura morada onde viveu milhões de anos a três mil e seiscentos metros abaixo da superfície do mar, na mais profunda mina do mundo, para um palácio confortável, onde terá uma corte vigilante e respeitosa.

          Começa o reinado de sua majestade o Ouro!

          Terra Brasileira!

          Nossa terra!…

 

***

Em: Caçando e pescando por todo o Brasil, 3ª série: Planalto Mineiro, O São Francisco e Bahia, Francisco de Barros Júnior, São Paulo, Melhoramentos: 1949, 2ª edição, páginas 25-28.

minademanganêsemconslafaiete

Mina de Manganês em Conselheiro Lafaiete, MG.

Francisco Carvalho de Barros Júnior (Campinas, 14 de dezembro de 1883 — 1969) foi um escritor e naturalista brasileiro que ganhou em 1961 o Prêmio Jabuti de Literatura, na categorua de literatura infanto-juvenil.

Francisco Carvalho de Barros Júnior, patrono da cadeira n° 16 da Academia Jundiaiense de Letras, colaborou em vários jornais e revistas e é o autor da série Caçando e Pescando Por Todo o Brasil, um relato de viagens pelo Brasil na primeira metade do século XX, descrevendo diversos aspectos das regiões visitadas (entre outros botânica, animais e populações caboclas e indígenas).

Obras:

Série Caçando e Pescando Por Todo o Brasil

Primeira série: Brasil-Sul, 1945

Segunda Série: Mato Grosso Goiás, 1947

Terceira Série: Planalto Mineiro – o São Francisco e a Bahia, 1949

Quarta Série: Norte,  Nordeste,  Marajó, Grandes Lagos, o Madeira, o Mamoré, 1950

Quinta Série: Purus e Acre, 1952

Sexta Série: Araguaia e Tocantins, 1952

Tragédias Caboclas, 1955, contos  

Três Garotos em Férias no Rio Tietê, 1951, infanto-juvenil

Três Escoteiros em Férias no Rio Paraná, infanto-juvenil

Três Escoteiros em Férias no Rio Paraguai, infanto-juvenil

Três Escoteiros em Férias no Rio Aquidauana, infanto-juvenil

guignardAlberto da Veiga Guignard

 

Alberto da Veiga Guignard (Nova Friburgo, 25 de fevereiro de 1896Belo Horizonte, 25 de junho de 1962) foi pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador mas acima de tudo um famoso pintor brasileiro, conhecido principalmente por retratar paisagens mineiras. Fluminense por nascimento, mas mineiro por opção, registrou, na maioria dos seus quadros, as belezas naturais de Minas Gerais, em especial de Ouro Preto: «Ouro Preto é a sua cidade, amor, inspiração.»  É o próprio pintor que faz, por escrito, nesta singela frase, sua declaração de amor à histórica cidade mineira, antiga capital do Estado, berço de Aleijadinho e inspiração de tantos outros artistas. Guignard participou dos Salões de 1924, 1929, 1939 e 1942, no Rio de Janeiro; realizou algumas exposições individuais dentro e fora do país; marcou presença na 1ª Bienal de São Paulo. Houve, ainda, várias exposições após sua morte, a maioria delas em Belo Horizonte.

Texto: Pitoresco








%d blogueiros gostam disto: