Anedota da vida de Voltaire

7 10 2014

 

 

post-chaise-in-the-era-of-louis-xvIlustração L. Caplain.

 

“Voltaire querendo entrar ocultamente em Paris, foi detido nas barreiras entre os malsins que lhe perguntaram se traria na carruagem alguma cousa que pagasse direitos.

— Não senhores, respondeu ele; o único contrabando que aqui vem, sou eu.”

 

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.12. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC: 2008, p. 218.

 

NOTA DA PEREGRINA:

Malsim, plural Malsins: polícia ou fiscal alfandegário.





Os imortais: o caçador de Harz, texto de Machado de Assis

25 09 2014

 

 

Hunt_of_the_Unicorn_-_the_Hunt_BeginsCaça ao unicórnio, 1495-1505

[As Tapeçarias do Unicórnio]

Uma tapeçaria de um conjunto de Sete

The Cloisters Museum, Nova York

 

 

Os Imortais

(Lendas)

I

O Caçador de Harz

Machado de Assis

As lendas são a poesia do povo; elas correm de tribo em tribo, de lar em lar, como a história doméstica das ideias e dos fatos; como o pão bento da instrução familiar.

Entre essas lendas aparecem os contos populares dos imortais; em muitos povos há uma legenda de criaturas votadas à vida perpétua por uma fatalidade qualquer. Sabido é o mito do paganismo grego que mostrava Prometeu atado  ao rochedo do Cáucaso em castigo de seu arrojo contra o céu, onde se guardavam as chaves da vida. Um abutre a rasgar-lhe as vísceras, o fígado a renascer à proporção que era devorado, e depois um Hércules, individualidade meio ideal, e meio verdadeira — que o desata das correntes eternas — tudo isto embeleza a arrojada concepção do grande povo da antiguidade.

Um apanhado ligeiro de algumas dessas lendas, vai o leitor contemplar diante de si. Começo por uma balada alemã; o povo alemão é o primeiro povo para essas concepções fantásticas, como um livro de seu compatriota Hoffmann. As margens do Reno são uma procissão continuada de tradições e de mitos, em que um espírito profundamente supersticioso se manifesta. É lá a verdadeira terra da fantasia.

Reza a tradição popular, que um cavalheiro daquelas regiões era doido pela caça a que se entregava de corpo e alma como o rei Carlos IX, que não tinha outro mérito além desse, exceto o de fazer matar huguenotes, doce emprego para um rei imbecil, como era.

Era pois o cavalheiro da lenda um caçador consumado, e tanto que fazia da caça o seu cuidado favorito, único, exclusivo. Esmolas? ele não as dava quando na estrada se lhe apresentava a mão descarnada do mendigo; curvo sobre o seu cavalo fogoso lá ia ele por montes e vales, como o furacão do inverno; tudo destruía, tudo derrubava, ao pobre lavrador que gastava tempo e vida nas suas messes; passava pela igreja como pela porta de uma taverna; nem lá entrava para orar — ao menos pelo descanso de seus antepassados; o sino que chamava os fiéis à oração não chegava aos seus ouvidos ensurdecidos pelo som da corneta; era a raiva da caça. Deus cansou-se com aquela vida de destruição,e o feriu com sua mão providencial. O castigo caiu sobre a cabeça desse cavalheiro condenado a vagar pelas florestas das montanhas de Harz, envoltos ele, cavalo e monteiros no turbilhão de uma caça fantástica. Todas as noites o povo crê ouvir o caçador eterno com toda a sua comitiva em busca de vítimas na floresta. Não é talvez mais que um efeito de imaginação esse rumor da montanha produzido pelo sopro de um vento dominante nessa floresta; mas o povo crê e não convém destruir as fábulas do povo.

Se é um fato, se é a demonstração de uma máxima, não podemos aqui discutir; eis aí a tradição que o engenho popular construiu, e a religião das lendas tem conservado. Há talvez aqui uma bela análise; talvez uma definição que se compadeça com os destinos do povo. Esse cultivo dos mitos não é, talvez, o aguardar laborioso das verdades eternas?

É o que não sabemos.

(1859)

Em:  O Espelho:revista de literatura, modas, indústria e artes, 18 de setembro de 1859, p.6. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008





Prelúdios, poesia de J. Dantas de Sousa

25 05 2014

 

 

margetson-william-henry-1861-a lady of qualityUma jovem de classe, s.d.
William Henry Margetson (Inglaterra, 1861-1940)
Aquarela e lápis sobre papel

 

Prelúdios

J. Dantas de Sousa

 

Por que em tua face angélica,

Meiga donzela formosa,

A cor purpúrea da rosa

Foi gratamente pairar

Quando outro dia eu em dúvida

Junto de ti quase a medo

Fui de minh’alma um segredo

Em segredo te falar?

 

Com sorriso terno e cândido,

No seio a fronte pendida,

Dizes não saber, querida,

Porque mudas-te de cor;

Pois eu sei:  — mimosa, ingênua,

Tu coraste, feiticeira,

Por essa a vez primeira

Que ouvias falar d’ amor.

 

Dize agora: se os meus lábios

Abrasados de desejos

Aos teus furtarem mil beijos

Hás de corar como então?…

Ai, não respondes; mas, lânguidos,

Dizem teus olhos brejeiros

Que hás de corar…aos primeiros:

Mas aos segundos — já não…

 

(Setembro de 1859)

 

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  23 de outubro de 1859, p.11. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 107.





Anedota sobre a ginástica na revista O Espelho de 1859

26 09 2013

1910-mens-gymnastics-historic-imageCartão postal de 1910.

” Um sujeito gabava as vantagens higiênicas da ginástica.

— Não há nada melhor para a saúde, dizia ele: duplica as forças e prolonga a vida.

Respondeu-lhe alguém:

— Mas nossos antepassados não faziam uso da ginástica e contudo…

— Sim, é verdade, não faziam uso dela; mas vejam, morreram todos…”

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.12. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 218.





Anedota sobre Fontenelle na revista O Espelho de 1859

14 09 2013

charles-henry-tenre-the-interval-at-the-theatre-145479Intervalo no teatro

Charles Henry Tenré (França, 1864-1926)

óleo sobre tela

Fontenelle estava na Ópera, em Paris, e tinha nessa ocasião cem anos. Um inglês entra-lhe pelo camarote e diz:

— Vim de propósito de Londres para ver o autor de Thetis e Peleu.

— Pois, senhor, respondeu Fontenelle; dei-lhe bastante tempo para isso.”

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.11. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 230.





Anedota sobre Alexandre Dumas Pai na revista O Espelho de 1859

4 09 2013

Eileen, c1949. Anne Redpath (Scottish, 1895-1965)

Eileen, c. 1949

Ann Redpath (Escócia, 1895-1965)

óleo sobre madeira

Ferens Art Gallery, Hull Museums, Grã Bretanha

“Na noite da primeira representação da Dama das Camélias, de A. Dumas filho, um folhetinista encontrando A. Dumas pai junto à escada do vaudeville, disse-lhe com ar malicioso:

— Ora confesse que o Sr. entrou nesta peça, que toma nela alguma parte.

— Pois não! respondeu o espirituoso romancista: fui eu que fiz o autor.”

***

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.11. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 218.





Anedota sobre Napoleão na revista O Espelho de 1859

21 08 2013

DETALHE Paul Delaroche Napoleão Alpes, 1850, ost, Walker Art

DETALHE

Napoleão Bonaparte atravessando os Alpes, 1850

Hippolyte Paul Delaroche (França, 1797 – 1856)

Óleo sobre tela, 279 x 214cm

Walker Art Gallery, Liverpool

“Depois de uma íntima conversação com o imperador Napoleão I, uma célebre atriz pediu ao conquistador o seu retrato.

— Aqui tem, respondeu o imperador, tirando do bolso uma moeda”.

***

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 17,  25 de dezembro de 1859, p.11. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 218.

delarochePaul Delaroche, Napoleão atravessando os Alpes, 1850







%d blogueiros gostam disto: