Trova das lembranças

15 06 2021
Ilustração de Steven Noble.

 

Lembranças, quem não cultiva ?

Afinal, a nossa mente,

faz questão de manter viva,

além do fruto, a semente…

 

(Nélio Bessant dos Santos)





Trova do nosso encontro

31 05 2021
Ilustração, Laurence Stephen Lowry, R.A. (1887-1976)

Um pelo outro, passamos,

com os olhos fitos no chão…

_ Mas, com que ardor nos olhamos

com os olhos do coração!

(Lilinha Fernandes)





Trova da noite escura

6 05 2021
Ilustração de Coles Phillips, Capa de Good Housekeeping, Fevereiro de 1916.

Noite escura!… De repente,

dois faróis surgem na estrada…

E a escuridão sai da frente

como quem foge, assustada.

(Durval Mendonça)





Medo do escuro, poesia de Helena Lima

3 05 2021
Noite, ilustração de Yan Nascimbene

 

Medo de escuro

 

Helena Lima

 

Era uma vez a Lua.

Ela tinha medo do escuro.

Era uma vez o Céu.

Ele também tinha medo do escuro.

A Lua pedia emprestada a luz do Sol.

Ele emprestava, às vezes.

O Céu pedia para a Lua acender.

Ela acendia quando podia.

Se o Sol estivesse de bom humor,

a Lua ganhava luminosidade em trezentos e sessenta graus.

Mas quando o mar não estava para peixes e o Sol não estava para estrelas,

não emprestava nada.

Nadinha.

E o Céu ficava escuro.

Escurinho.

A Lua sentia calafrios.

O Céu sentia solidão.

O medo da Lua era de cair e morrer no mar.

O medo do Céu era de fechar e não voltar a clarear.

Um dia, Céu e Lua decidiram:

“Pra acabar com o escuro e a solidão, a gente vai se casar”.

Desde então, os dois passam  o dia inteirinho

contando os  minutos para o Sol se retirar.

 

Em: Amores virados pra cá, Helena Lima e Isabelle Borges, Rio de Janeiro, Lago Baikal: 2019, p. 130





Trova do perfume

27 04 2021
Monica se perfuma.  Ilustração Maurício de Sousa.

Que me traias, tu me negas,

mas, traindo-me, te trais:

– O perfume com que chegas,

nunca é o mesmo com que sais…

 

(Cesídio Ambrogi)





Trova do espelho

21 04 2021
Ilustração de Edmund Franklin Ward (EUA, 1892-1990)

 

 

A saudade é simplesmente

Um claro espelho encantado;

mira-se nele o presente      

e ele reflete o passado.

(Geralda Armond)





Saudade, poesia de Da Costa e Silva

1 03 2021

Reflexão, 1970

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

Saudade

 

Da Costa e Silva

 

Saudade! Olhar de minha mãe rezando,

E o pranto lento deslizando em fio…

Saudade! Amor de minha terra… O rio

Cantigas de águas claras soluçando.

 

Noites de junho… O caburé com frio,

Ao luar, sobre o arvoredo,piando, piando…

E, ao vento, folhas lívidas cantando

A saudade imortal de um sol de estio.

 

Saudade! Asa de dor do Pensamento!

Gemidos vãos de canaviais ao vento…

As mortalhas de névoa sobre a serra…

 

Saudade! O Parnaíba − velho monge

As barbas brancas alongando… E, ao longe,

O mugido dos bois da minha terra…

 

Em: Da Costa e Silva, Poesias Completas, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985 [edição do centenário] p.69

 

 





Agradecimentos

23 01 2021

Este livro está à venda nos seguinte locais:

Amazon do Brasil

Livraria da Travessa no Rio de Janeiro

e direto na própria editora no seguinte link:

https://www.autografia.com.br/produto/a-meia-voz-2/

Haverá edição em e-book em breve. Agradeço todos os contatos.

Livro lançado durante a pandemia do CORONA VIRUS no Rio de Janeiro. Não há como ter um volume autografado no momento. Não houve noite de autógrafos por causa das circunstâncias de saúde da cidade.

Caso precisem me contatar: ladyce@terra.com.br

GRATA!





Trova do ciúmes

14 01 2021

Morena de olhos castanhos,

teu encanto é a minha pena;

quem dera que olhos estranhos

te achassem feia, morena!     

 

(Bastos Tigre)





Despedida, poesia de Maria Braga Horta

11 01 2021

À luz de lampião, 1890

Harriet Backler (Noruega 1845-1932)

óleo sobre tela, 55 x 66 cm

 

Despedida

 

Maria Braga Horta

 

Não levarei comigo nada meu

nem de ninguém.

Devolvo a todos o quinhão da vida

que viveram comigo e por mim

e os liberto

do ritual das flores no jazigo

que nada mais (depois) contém

que os vestígios de um corpo

que em verdade jamais me pertenceu.

 

 

Simples sombra (invisível) chegarei

diante do espelho

em que foi o meu tempo refletido

e inserido em gradações de forma e cores.

 

 

Do que era teu em mim –

separados os lados –

sepultarás o morto.

 

 

O vivo ficará perdido

nos teus olhos

procurando o infinito.

 

Em: Caminho de Estrelas, Maria Braga Horta, São Paulo,  Massao Ohno Editor: 1996, p. 122








%d blogueiros gostam disto: