Nossas cidades: Natal, RN

17 10 2016

 

 

maurenice-lopes-rua-chile-2006-guap-5-anos-natal-rnRua Chile, Natal, 2006

Maurenice Lopes (Brasil, contemporânea)

 





Nossas cidades — Acari, RN

27 07 2015

 

 

Gerlúzia Alves, Acari, Igreja do Rosário, 2006, GUAP, Natal, RNIgreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, Acari, RN, 2006

Gerlúzia Alves(?)

aquarela, bico de pena

GUAP, Natal, RN





Pitangueira, poesia de Palmira Wanderley

14 05 2015

 

TúlioMugnaini (Brasil, 1895-1975), Paisagem,ostcm, 27x 30cmColeção ParticularPaisagem

Túlio Mugnaini (Brasil, 1895-1975)

Óleo sobre tela colado em madeira, 27 x 30 cm

Coleção Particular

 

 

Pitangueira
 

Palmira Wanderley

 

 

Termina Agosto… A pitangueira flora…

A úmbela verde cobre-se de alvura;

E, antes que Setembro finde a aurora,

Enrubece a pitanga… Está madura.

 

Da flor, o fruto é de esmeralda, agora…

Num topázio, depois, se transfigura,

E, pouco a pouco, um sol de estio a cora,

Dando a cor dos rubis à canadura.

 

A pele é fina, a carne é veludosa,

Vermelha como o sangue, perfumosa

Como se humana a sua carne fosse…

 

Do fruto, às vezes, roxo como o espargo,

A polpa tem um travo doce-amargo,

— O sabor da Saudade, amargo e doce…

 

 

Em: Panorama da Poesia Norte- Rio-Grandense, Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, p. 144-5.





Crepúsculo, soneto de Agnelo de Souza

6 05 2015

 

 

Night-Taos-Pueblo-by-Pedro-Joseph-de-LemosNoite, Pueblo Taos, 1921

Pedro Joseph de Lemos (EUA, 1882-1954)

pastel e carvão sobre papel tecido cinza

 

 

Crespúsculo

 

 

Agnelo de Souza

 

 

Hora crepuscular! Tarde. Agonia.

Dobres de sinos, murmurar de prece!

Luz benfazeja que desaparece,

Deixando na alma funda nostalgia.

 

Serenamente vai morrendo o dia

E o véu da noite sobre a terra desce!

É o véu sombrio que ela mesma tece

Para o noivado da melancolia!

 

Hora de tédio e de recolhimento,

Hora criada para o meu tormento,

Hora feita de prantos e gemidos!…

 

Dentro de ti e pela noite densa,

Passam gemendo, nessa mágoa imensa,

Sonhos desfeitos, corações partidos.

 

 

Em: Panorama da poesia norte-rio-grandense, Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, p. 155.





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

28 01 2015

 

mangas-espada-1-flc3a1vio-freitasA tela Mangas Espada, acrílica sobre tela 116 x 116 cm, é do artista plástico, velejador e trompetista Flávio FreitasMangas-espada

Flávio Freitas (Brasil, 1961)

acrílica sobre tela, 116 x 116 cm





Sob o esplendor do céu da Guanabara, poema de Rômulo C. Wanderley

20 01 2015

 

ARAUJO LIMA - Baia da Guanabara, vista do Morro Dona Marta óleo sobre tela, 32X44cmBaía de Guanabara vista do Morro D. Marta, s/d

Araújo Lima (Portugal/Brasil, 1883-1958)

óleo sobre tela, 32 x 44 cm

 

 

Sob o esplendor do céu da Guanabara

 

Rômulo C. Wanderley

 

 

Seria para mim uma aventura rara

se o Destino, ficando mais amigo,

deixasse contigo

viver, tranquilamente, o nosso amor,

sob o edênico esplendor

do céu da Guanabara.

 

Céu azul, que recorda o Norte do Brasil,

e, às vezes, a manhãs da fria Escandinávia…

E como um artista apaixonado, eu traçaria

o teu gracioso perfil

junto à Pedra da Gávea.

 

Depois,

bem felizes os dois,

inebriados diante da paisagem,

e ardendo ao calor desse profundo amor,

cairíamos febris, em frente ao mar,

para amar…

para amar…

 

Rio – Novembro 1950

 

Em: Panorama da Poesia Norte- Rio-Grandense, Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, p. 83





O girassol, poema de Maurílio Leite

27 01 2013

Lorenzato – Girassóis--ose - 1979 - 48x36 cmGirassóis, 1979

Amadeu Luciano Lorenzato (Brasil, 1900-1995)

óleo sobre eucatex, 48 x 36 cm

Coleção Particular

O Girassol *

Maurílio Leite

Quando o sol nasce em pompa radioso

De luz banhando o universo inteiro,

O girassol desperta no canteiro

Para seguir-lhe o rastro luminoso.

E fica assim, à terra preso e em gozo,

Apesar da distância o rotineiro,

Corola aberta ao beijos do luzeiro,

Cada vez mais distante e mais formoso.

Comparo o girassol à nossa lida;

Cada vez a distância é mais sentida

No infinito do espaço em que vivemos.

Vivo sempre a seguir-te em pensamento,

Não poder alcançar-te é o meu tormento.

Sou como a flor… tu és meu sol … Giremos.

* Este soneto foi musicado pelo autor.

Em: Panorama da poesia norte-riograndense, coletado por Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, introdução Luiz da Câmara Cascudo.

Maurílio Leite (RN 1904- RJ 1939)  nasceu em Natal, no Rio Grande do Norte em 1904.  Foi aluno do Grupo Escolar Augusto Severo, e depois do Ateneu Norte-Riograndense e da Escola de Comércio de Natal.  Desde o curso primário demonstrou vocação para a música e para a poesia.  Mudou-se para o Rio de Janeiro onde continuou compondo versos e músicas, aproveitando temas folclóricos e líricos.  Percorreu o Brasil como musicista e compositor.  Morreu subitamente em 1939, no Rio de Janeiro, após  executar uma das Polonaises de Chopin. Em 1942, seus restos mortais foram trasladados para o Cemitério do Alecrim em Natal.








%d blogueiros gostam disto: