“A festa de São João”, poesia de Cornélio Pires

29 07 2019

 

 

 

PAPAS STEFANOS. Festa junina - o.s.m. - 80 x 60 cm - assinado no cid.Festa junina

Papas Stéfanos (Grécia/Brasil, 1948)

óleo sobre madeira, 8- x 60 cm

 

 

A festa de São João

 

Cornélio Pires

 

No casarão antigo da Fazenda,

tudo é jogos, brinquedos e festança:

na varanda do lado jogam prenda

e no salão o baile não descansa;

 

A fogueira, tão célebre na lenda,

estala em labaredas.  Canta e dança,

o povo do batuque, na contenda,

aos pulos e aos requebros da folgança.

 

No cururu manhoso a caboclada,

rasca nas violas, canta ao desafio,

provocando constante gargalhada,

 

Depois, das diversões cortando o fio,

o povo em procissão, de madrugada,

vai lavar o São João, além, no rio.

 

Cornélio Pires (Brasil, 1884 — 1958).





Quadrinha de São João

10 06 2012

Festa de Santo Antonio

Camilo Tavares (Brasil,1932)

acrílica sobre tela, 50×40 cm

Ao redor de uma fogueira,

nas noites de São João,

eu soltei a vida inteira

os meus balões de ilusão!

(Amélia Ferreira de Carvalho)





São João, poesia de Paulo Setúbal

17 06 2010

 Festa na roça, s/d

Papas Stéfanos ( Rhodes, Grécia, 1948, radicado no Brasil)

Óleo sobre tela, 60 x 80 cm

São João

—-

                            Paulo Setúbal

                                                           A Luiz Piza Sobº

—-

É noite…  O santo famoso,

O doce, o meigo S. João,

Tivera um dia glorioso,

Dia de festa e de gozo,

Que encheu de estrondo o sertão.

Já cedo, em meio aos clamores,

Aos vivas do poviléu,

Lindo, enramado de flores,

Um mastro de quentes cores,

Subira em triunfo ao céu!

—-

—–

E agora, enquanto, alva e lesta,

Palpita a lua hibernal,

Na fazenda, toda festa,

Referve a alegria honesta

Da noite tradicional.

—-

—-

Dentro, com grande aparato,

Brilha enfeitado o salão:

Que há, nessa festa do mato,

Pessoas de fino trato,

Chegadas para o S. João…

—-

—-

Destaca-se entre essa gente

A flor do mundo local:

O padre, o juiz, o intendente,

— O próprio doutor Vicente

Que é deputado estadual!

Ante o auditório pasmado,

Que, num enlevo, sorri,

A Isabelinha Machado

Batuca, sobre o teclado,

Uns trechos do Guarani…

—-

—-

Tudo o que toca e assassina,

Recebe imensa ovação;

Todos, quando ela termina,

Põem-se a exclamar: ” Que menina!

Dá gosto!  Que vocação!”

 

 —-

E ela, entre ingênua e brejeira,

Com ares de se vingar:

Agora, queira ou não queira,

Seu Saturnino Pereira

Há de também recitar.”

 

Surge, à força o Saturnino…

Rugem palmas ao redor!

É um tipo, esgalgado e fino,

Que sabe desdde menino,

Dizer Castro Alves de cor.

Na sala, muda e tranquila,

Tombam, com chama, os versos seus;

E ele, o letrado da vila,

Ao som da velha Dalila,

Lá vai: ” Foi desgraça, meu Deus...”

—-

—-

Após ouvir a  estupenda

Flamância do seu falar,

No amplo salão da fazenda,

Os velhos jogos de prenda

Reclamam o seu lugar.

—-

—-

Começa então a berlinda.

Risos. Cochichos. Zum-zum.

— De pé, donairosa e linda.

Pergunta a D. Florinda

Os dotes de cada um:

Por que razão, seu Martinho,

Foi à berlinda a Lelê?

— ” Porque olha muito ao vizinho”;

“Porque é má; porque é um anjinho”;

“Porque é vaidosa”; “porque…”

 —-

 —-

E todo o mundo, a porfia,

Põe farpas na indiscreção…

E enquanto, ingênua e sadia,

Essa campônea alegria

Faz tumultuar o salão.

—-

—-

Lá fora, alegre e gabola,

Nun terreiro de café,

Ao rude som da viola,

A caboclada rebola

Num tremendo bate-pé!

—-

—-

A filha do Zé-Moreira

É o mimo deste São João;

À luz da rubra fogueira,

Requebra a guapa trigueira

Ao lado de Chico Peão.

—-

—-

Candoca, a noiva do Jango,

Baila num passo taful;

É a flor que, nesse fandango,

Tem lábios cor de morango,

Vestido de chita azul.

—-

No sapateio se nota,

Aos risos dos que lá estão,

Nhô Lau, de esporas e bota.

Dançando junto à nhá Cota,

Viuva do Conceição….

—-

—-

A voz do pinho que chora,

Por sob a paz do luar,

Fremindo vai, noite afora,

Essa alegria sonora

Da caboclada a bailar!

—-

E do salão, qua ainda brilha

Num faiscante esplendor,

Chegam os sons da quadrilha,

Que alguém ao piano dedilha

Com indomável furor.

—-

E no sarau campezino,

Nessa festa alegre e chã

Ruge a voz do Saturnino,

Que grita, esgalgado e fino:

Balancez!  Tour!  En avant...”

—-

—–

Em: Alma cabocla, Paulo Setúbal, São Paulo, Ed. Carlos Pereira:s/d, 5ª edição [ Primeira edição foi em 1920]

—-

—-

Paulo Setúbal

Paulo de Oliveira Leite Setúbal (São Paulo, 1893 — São Paulo, 1937), advogado, escritor brasileiro, trabalhou como colaborador do jornal O Estado de S. Paulo, deputado estadual de 1928 a 1930, renunciamdo ao mandato por ter agravada sua tuberculose.

Obras:

Alma cabocla, poesia, 1920

A marquesa de Santos, romance-histórico, 1925

O príncipe de Nassau, romance histórico, 1926

As maluquices do Imperador, contos-históricos, 1927

Nos bastidores da história, contos, 1928

O ouro de Cuiabá, história, 1933

Os irmãos Leme, romance, 1933

El-dourado, história, 1934

O romance da prata, história, 1935

O sonho das esmeraldas, 1935

Um sarau no Paço de São Cristóvão, 1936

A fé na formação da nacionalidade, ensaio, 1936

Confiteor, memórias, 1937








%d blogueiros gostam disto: