As nuvens e o sol, poesia de Anastácio Luiz de Bonsucesso

6 07 2020

 

 

Chuva arco-íris tondo

 

As nuvens e o sol

Anastácio Luiz de Bonsucesso

Fábula

 

O dia era fulgente, o sol brilhava,

Em vívido esplendor;

De repente mil nuvens se aglomeram,

O sol perde o fulgor.

 

E as nuvens encobrem

Do sol os lindos raios,

As terras se cobrem

De turvos desmaios;

Ninguém se conduz

Nas trevas sem luz.

 

Do sol de seu posto

Tais coisas bem via;

Das nuvens no rosto

Com força batia;

A tanto calor

Desfez-se o vapor.

 

Perdidas nos ares

As nuvens passaram,

Das zonas polares

Que rumo levaram?

Não viram o sol

O novo arrebol.

 

MORALIDADE

 

Luz um talento, os tolos anuviam

Os fogos da razão;

A luta é transitória — os zoilos morrem.

O gênio brilha então.

 

Em: Poetas cariocas em 400 anos, ed. Frederico Trotta, Rio de Jnaeiro, Editora Vecchi: 1965, pp 157-158

 

Anastácio Luiz de Bonsucesso (1833-1899) Poeta carioca, fabulista, médico, jornalista, professor, teatrólogo, membro da Sociedade Propagadora das Belas Artes e da Academia Filosófica.

Obras:

Fábulas, 1854

Maroquinhas do Apito, comédia em versos

Versos de Cisnato Lúzio

Quatro Vultos, 1867,

 

 

 

 

 





Domingo, um passeio no campo!

19 05 2019

 

 

 

MODESTO BROCOS (Espanha-Brasil, 1852 – 1936) O sitio do meu vizinho - Óleo sobre tela colado em madeira - 36x42 cmO sitio do meu vizinho

Modesto Brocos (Espanha/Brasil, 1852 – 1936)

óleo sobre tela colado em madeira, 36 x 42 cm





Rio de Janeiro, à beira da Guanabara!

26 04 2019

 

 

 

J. Ziegler,Gamboa,Óleo sobre cartão,1824,Assinado, datado 1824 inferior direito,37 x 48 cmVista do cemitério dos ingleses na Gamboa, 1824

J. Ziegler (? – ?)

óleo sobre madeira, 45 x 27 cm





“O pranto da inocência”, poesia de José Joaquim Cândido de Macedo Júnior

2 07 2018

 

 

600_156

 

 

O pranto da inocência

 

José Joaquim Cândido de Macedo Júnior (1842 – 1860)

 

Quando cismas, donzela, no teu rosto

Que linda per’la suspirando corre!

— Pranto dourado que não diz desgosto,

Que num sorriso no teu seio morre!

 

Mimo dos anjos que tua alma prende

Aos céus ridentes nesse doce encanto,

Lágrimas d’ouro que teu peito incende,

Que o amor celeste se traduz num pranto!

 

E a gota pura vem cantar um hino

Que os anjos n’alma te murmuram rindo,

Pérola branda diz um som divino

Que o peito entoa em murmurejo infindo!

 

Bela — do altar do teu virgíneo seio

Deixa esse orvalho de dulçor correr;

Minh’alma treme nesse brando enleio,

Ai! vai por ele nos teus pés morrer!

 

Chora! a inocência te sorri no choro,

São risos virgens de infantis amores,

São doces hinos de um celeste coro,

Dizem — enleios — mas não dizem dores.

 

Teu pranto puro beberão os anjos

Num doce anseio de inocente medo,

Teu sol — ó virgem — só serão arcanjos

— Teu lábio os beije no infantil segredo.

 

Chora, donzela, de teu níveo seio

Deve esse orvalho de dulçor correr;

Minh’alma treme nesse doce enleio,

Vai por teu pranto nos teus pés morrer!

 

 

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 2,  11 de setembro de 1859, p.12. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 32.





Imagem de leitura — Alexander Hugo Bakker Korff

25 05 2017

 

 

Alexander Hugo Bakker Korff ( Holanda 1824-1882) Leitura matutina, desenho, a nanquim aquarelado sobre papel, 22x18

Leitura matutina

Alexander Hugo Bakker Korff ( Holanda, 1824-1882)

desenho, nanquim aquarelado sobre papel,  22 x 18 cm

Salvar





Em três dimensões: Louis-Ernest Barrias

22 05 2017

 

 

bousaadaA menina de Bou Saada, década de 1890

Louis-Ernest Barrias (França, 1841-1905)

Mármore branco e bronze,  48 cm de altura

Coleção Particular





Imagem de leitura — Joseph Karl Stieler

29 04 2017

 

 

2a740cbdbacd71907980a41031242f72Maria Dietsch, 1850

Joseph Karl Stieler (Alemanha, 1781 – 1858)

óleo sobre tela

Schloss Nymphenburg,  Schönheitengalerie. Munique

Salvar





Imagem de leitura — Carl Ludwig Becker

11 04 2017

 

 

Becker, Carl Ludwig 1820 Berlin - 1900 ebenda,Das Neueste vom Liebsten.,Signiert. Datiert 1857. Öl-Lwd., 75 x 59 cm

Recado de amor, 1857

Carl Ludwig Becker (Alemanha, 1820-1900)

óleo sobre tela, 75 x 59 cm

 





Domingo, um passeio no campo!

9 04 2017

 

 

GRIMM Johann Georg 1846-1887 - Cascatinha em Teresópolis 1885 - óleo 62 x 47 cm

Cascatinha em Teresópolis, 1885

Johann Georg Grimm (Alemanha, 1846-1887)

óleo, 62 x 47 cm





Em três dimensões: Josef Wind

7 04 2017

 

 

snakechO encantador de serpentes

Josef Wind (Alemanha, 1864- 1898)

Mármore e bronze dourado, altura 83 cm

Coleção Particular

 

snakech1

DETALHE

O encantador de serpentes

Josef Wind (Alemanha, 1864- 1898)

Mármore e bronze dourado, altura 83 cm

Coleção Particular

 








%d blogueiros gostam disto: