Tradução, uma coisa complicada: variações do SONETO 18 de Shakespeare

4 08 2019

 

 

 

Aldo Balding (GB)KATIE, 70 X 50 CMKatie

Aldo Balding (GB, 1960)

óleo sobre tela, 70 x 50 cm

 

No ano passado, coloquei aqui no blog, a tradução de Bárbara Heliodora, do Soneto 18 de Shakespeare, um dos mais conhecidos mundialmente.  Mas, há outras, muitas outras, e se compararmos podemos ver como a cada tradução o poema muda um tanto…  São todas boas e traduzidas por conhecidos poetas, mas a dificuldade da tradução de poesias é evidente. Vejamos, por curiosidade o que acontece.

O soneto pode aparecer nesta forma 4-4-3-3 ou seguido.  Optei por 4-4-3-3 para aumentar a legibilidade na tela.

ORIGINAL EM INGLÊS

 

SONNET 18

 

Shall I compare thee to a summer’s day?

Thou art more lovely and more temperate:

Rough winds do shake the darling buds of May,

And summer’s lease hath all too short a date:

 

Sometime too hot the eye of heaven shines,

And often is his gold complexion dimm’d;

And every fair from fair sometime declines,

By chance, or nature’s changing course, untrimm’d;

 

But thy eternal summer shall not fade

Nor lose possession of that fair thou ow’st;

Nor shall Death brag thou wander’st in his shade,

 

When in eternal lines to time thou grow’st;

So long as men can breathe or eyes can see,

So long lives this, and this gives life to thee.

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

NA TRADUÇÃO DE BÁRBARA HELIODORA  (Brasil 1923 — 2015)

 

Se te comparo a um dia de verão

És por certo mais belo e mais ameno

O vento espalha as folhas pelo chão

E o tempo do verão é bem pequeno.

 

Às vezes brilha o Sol em demasia

Outras vezes desmaia com frieza;

O que é belo declina num só dia,

Na terna mutação da natureza.

 

Mas em ti o verão será eterno,

E a beleza que tens não perderás;

Nem chegarás da morte ao triste inverno:

 

Nestas linhas com o tempo crescerás.

E enquanto nesta terra houver um ser,

Meus versos vivos te farão viver.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

NA TRADUÇÃO DE EMMANUEL SANTIAGO  (Brasil, 1984)

 

Poderei comparar-te ao fulgor do verão?

Tu és tão mais amável e tão mais ameno:

A tormenta de maio a flor tolhe em botão

E o verão se consome num prazo pequeno.

 

Quando faz calor, o olho do céu nos fulmina,

Outras vezes oculta a dourada nudeza;

E, de tudo que é belo, a beleza declina

Por acaso ou por sua fugaz natureza.

 

Mas, sem fim, teu verão não conhece fastio,

Nem sequer perde o viço no curso das eras,

Nem a Morte te envolve em seu manto sombrio,

 

Pois no verso indelével o tempo superas:

…….. Enquanto homens houver, e olhos prontos a ver,

…….. Enquanto isto for lido, tu hás de viver.

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

NA TRADUÇÃO DE VASCO GRAÇA MOURA (Portugal, 1942 – 2014)

 

Que és um dia de verão não sei se diga.

És mais suave e tens mais formosura:

vento agreste botões frágeis fustiga

em Maio e um verão a prazo pouco dura.

 

O olho do céu vezes sem conta abrasa,

outras a tez dourada lhe escurece,

todo o belo do belo se desfasa,

por caso ou pelo curso a que obedece

 

da Natureza; mas teu eterno verão

nem murcha, nem te tira teus pertences,

nem a morte te torna assombração

 

quando o tempo em eternas linhas vences:

enquanto alguém respire ou possa ver

e viva isto e a ti faça viver.

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

NA TRADUÇÃO DE PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS (Brasil, 1919 – 1992)

 

A um dia de verão como hei de comparar-te?

Vencendo-o em equilíbrio, és sempre mais amável:

Em maio o vendaval ternos botões disparate,

E o estio se consome em prazo não durável;

 

Às vezes, muito quente, o olho do céu fulgura,

Outras vezes se ofuscava a sua tez dourada;

Decai da formosura, é certo, a formosura,

Pelo tempo ou o acaso enfim desadornada:

 

Mas teu verão é eterno, e não desmaiará,

Nem hás de a possessão perder de tuas galas;

Vagando em sua sombra o Fim não te verá,

 

Pois neste verso eterno ao tempo te igualas:

Enquanto o homem respire, e os olhos possam ver,

Meu canto existirá, e nele hás de viver.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

NA TRADUÇÃO DE CARLOS DE OLIVEIRA (Brasil/Portugal 1921 – 1981)

 

Comparar-te a um dia de verão?

Há mais ternura em ti, ainda assim:

um maio em flor às mãos do furacão,

o foral do verão que chega ao fim.

 

Por vezes brilha ardendo o olhar do céu;

outras, desfaz-se a compleição doirada,

perde beleza a beleza; e o que perdeu

vai no acaso, na natureza, em nada.

 

Mas juro-te que o teu humano verão

será eterno; sempre crescerás

indiferente ao tempo na canção;

 

e, na canção sem morte, viverás:

Porque o mundo, que vê e que respira,

te verá respirar na minha lira.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

NA TRADUÇÂO DE GERALDO CARNEIRO (Brasil, 1952)

 

Te comparar com um dia de verão?

Tu és mais temperada e adorável.

Vento balança em maio a flor-botão

E o império do verão não é durável.

 

O sol às vezes brilha com rigor,

Ou sua tez dourada é mais escura;

Toda beleza enfim perde o esplendor,

Por acaso ou descaso da Natura;

 

Mas teu verão nunca se apagará,

Perdendo a posse da beleza tua,

Nem a morte rirá por te ofuscar,

 

Se em versos imortais te perpetuas.

Enquanto alguém respire e veja e viva,

Viva este poema, e nele sobrevivas.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

 

NA TRADUÇÃO DE IVO BARROSO  (Brasil, 1929)

 

Devo igualar-te a um dia de verão?

Mais afável e belo é o teu semblante:

O vento esfolha Maio inda em botão,

Dura o termo estival um breve instante.

 

Muitas vezes a luz do céu calcina,

Mas o áureo tom também perde a clareza:

De seu belo a beleza enfim declina,

Ao léu ou pelas leis da Natureza.

 

Só teu verão eterno não se acaba

Nem a posse de tua formosura;

De impor-te a sombra a Morte não se gaba

 

Pois que esta estrofe eterna ao Tempo dura.

Enquanto houver viventes nesta lida,

Há-de viver meu verso e te dar vida.

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

NA TRADUÇÃO DE THEREZA CHRISTINA ROQUE DA MOTTA (Brasil, 1957)

 

Como hei de comparar-te a um dia de verão?

És muito mais amável e mais amenas

Os ventos sopram os doces botões de maio,

E o verão finda antes que possamos começá-lo:

 

Por vezes, o sol lança seus cálidos raios,

Ou esconde o rosto dourado sob a névoa;

E tudo que é belo um dia acaba,

Seja pelo acaso ou por sua natureza;

 

Mas teu eterno verão jamais se extingue,

Nem perde o frescor que só tu possuis;

Nem a Morte virá arrastar-te sob a sombra,

 

Quando os versos te elevarem à eternidade:

Enquanto a humanidade puder respirar e ver,

Viverá meu canto, e ele te fará viver.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

NA TRADUÇÃO DE JORGE WANDERLEY   (Brasil, 1938 -1999)

 

Comparar-te com um dia de verão?

Tens mais doçura e mais amenidade:

Flores de maio, ao vento rude vão

Como o estio se vai, com brevidade:

 

O sol às vezes em calor se exalta

Ou tem a essência de ouro sem firmeza

E o que é formoso, à formosura falta,

Por sorte ou por mudar-se a natureza.

 

Mas teu verão eterno brilha a ver-te

Guardando o belo que em ti permanece.

Nem a morte rirá de ensombrecer-te,

 

Quando em verso imortal, no tempo cresces.

Enquanto o homem respire, o olhar aqueça,

Viva o meu verso e a vida te ofereça.

 





Imagem de leitura –Washington Allston

9 10 2016

 

 

allston-washington-1779-1843-hermia-and-helena-ca-1818Hermia e Helena, c. 1818

Washington Allston (EUA, 1779-1843)

óleo sobre tela, 77 x 64 cm

Smithsonian Museum of American Art

Salvar





Shakespeare e Cervantes: efemérides combinadas

12 04 2016

 

 

8109413_origIlustração mostrando a diferença de dias entre os calendário juliano e gregoriano, no ano e mês de sua adoção.

 

O mundo comemora este ano os 400 anos de morte de duas das maiores figuras das letras na cultura ocidental. Cervantes e Shakespeare são autores que revolucionaram as convenções estabelecidas para criações literárias. Suas influências são sentidas até hoje.

Cervantes e Shakespeare morreram no mesmo ano e, curiosamente, estabeleceu-se que ambos morreram também no mesmo dia. Mas isso não passa de uma convenção, de uma combinação do mundo literário. Não há dúvida de que ambos morreram no dia 23 de abril de 1616. Mas o dia 23 de abril de 1616 era em época diferente entre a Espanha e a Inglaterra.  Como?

Simples: enquanto a Espanha já havia adotado o calendário gregoriano em 1616, a Inglaterra ainda usava o calendário juliano, que mostra o dia 23 de abril com 11 dias de atraso.

A Inglaterra só adotou o calendário gregoriano em 1752.





Curiosidade sobre Shakespeare

11 04 2016

 

 

01actorsAtores da Comédie Française, 1712

Jean-Antoine Watteau (França,1684-1721)

óleo sobre madeira, 20 x 25 cm

Hermitage, São Petersburgo, Rússia

 

 

Shakespeare era um homem bastante confortável financeiramente quando morreu.  Não era muito rico.  Mas tinha fortuna maior do que a de se todos os seus colegas de trabalho da companhia de atores a que pertencia, conhecida como King’s Men.  Mas sua situação financeira não chegou a se igualar às fortunas adquiridas pelos donos do teatro e seus gerentes.  O grande rival de Shakespeare, Ben Jonson, esse sim ficou muito rico.  Diferente de Shakespeare, Jonson se recusou a ser um acionista na companhia teatral, preferindo o patrocínio da aristocracia e as grandes comissões pelos ricos eventos de entretenimento, algo que Shakespeare nunca fez.

 

 

Informações no artigo: How rich was Shakespeare? de Robert Bearman, na Revista Prospect de março de 2016.





Em três dimensões: Yves Pires

15 09 2015

 

 

Yves Pires - French SculptorÉs, para mim, como o alimento para a vida

[Shakespeare, soneto: LXXV, So are you to my thoughts as food to life]

Yves Pires (França, 1958)

www.yvespires.com





“O fio da vida” de Kate Atkinson, uma performance fascinante

9 11 2014

 

Salvador Collell,mujer_leyendoMulher lendo

Salvador Collell (Espanha, 1949)

óleo sobre tela

 

Dois leitores e uma mesma obra não leem a mesma história. Cada qual traz uma percepção única. Por isso trocar ideias depois de uma leitura é uma excelente opção para expandir os horizontes, um exercício de ver através dos olhos do outro. Há livros tão ricos que as possibilidades de interpretação são inúmeras, mesmo para um único leitor. Este é um deles.

Uma história de difícil resumo relata vidas paralelas de um mesmo personagem central, nascido no mesmo dia, na mesma família. Só que as variadas existências, desde a primeira, quando o bebê morre ao nascer, parecem ilustrar o conhecido Efeito Borboleta, as consequências impensáveis de a uma pequena variação na história. Essas variações podem ser tão simples quanto um acidente com um animal em uma fazenda vizinha, levar à sobrevivência ou não de uma criança que acabou de nascer, dependendo da interrupção ou não do trajeto do médico que a atenderia. É como a autora diz na página 288, Você às vezes não se pergunta… se apenas uma pequena coisa tivesse sido mudada, no passado, …. as coisas seriam diferentes?

 

83f89fc2-34ae-4ac8-9de3-1344dd13c5d5

 

Ao contrário do que a sinopse sugere O fio da vida não oferece uma leitura ilustrativa de vidas passadas, ainda que em alguns momentos alguém se refira a esse fenômeno. Tampouco a história ilustra a ideia de re-encarnação. Não se trata disso. Pelo menos na minha leitura. Nela vejo apenas as possibilidades inerentes a uma mesma vida, realidades paralelas, vividas simultaneamente. Não, não precisamos entender física quântica para ler o livro, mas há paralelos com esse fenômeno e o caminho do entendimento pode se adequar a essa leitura. Não se trata de ficção científica, pelo menos no sentido mais estrito da classificação.

O fio da vida mostra a pluralidade que existe em cada um de nós e como cada uma dessas diferentes pessoas que poderíamos ser se desenvolveria, se qualificaria, se comportaria e até mesmo como morreria quando uma determinada virada do destino se apresenta. São diversas vidas de um mesmo personagem nascido no mesmo dia, e na mesma hora, dos mesmos pais, na mesma cidade, tendo o mesmo lugar entre os irmãos. Pode até parecer confuso, mas é uma leitura fascinante na circularidade e no aprofundamento do conhecimento que temos de Úrsula, personagem principal. Através dela se questiona: se pudéssemos viver diversas vidas em diferentes circunstâncias, o que de nós seria constante? O que faz de nós o que somos? De que é composto o núcleo do que somos? O que é a essencialidade do ser humano? Como se apresenta?

Ao fim, passado um grande número de vidas e mortes de Úrsula, somos lembrados que vida e morte podem ser tão casuais quanto qualquer outro evento. Não há garantias. Não há futuro necessariamente, o passado é justamente isso: algo que já desapareceu. Possibilidade perdida. A única coisa com que podemos contar é o momento presente.  A circularidade do universo. O tempo é um constructo, na realidade tudo flui, sem passado ou presente, apenas o agora. (p.502)

 

Kate-Atkinson-002Kate Atkinson

 

Este não é o primeiro romance de Kate Atkinson que leio. Há alguns anos li Por trás das imagens do museu, publicado no Brasil em 1998. Mas aquela obra não me preparou para esperar de O fio da vida a força narrativa da autora e a destreza com que ela consegue gerenciar personagens e tramas tão complexas: a cada curva do caminho um novo mundo se descortina. Além da trama há algo maravilhosamente bem engatado na narrativa: as alusões e citações a obras literárias conhecidas de todos nós: Shakespeare, Bacon, Heráclito, Píndaro, Hawthorne, Keats, Colette, Coleridge e muitos outros. Esses autores demonstram sua atualidade pois as citações, bem tecidas no texto, se mostram relevantes no entendimento do que nos faz humanos.

Se você prefere uma narrativa linear, esse livro não deve lhe seduzir. Mas se você aceita a experimentação literária, vai se deliciar com esse romance.  Recomendo.








%d blogueiros gostam disto: