Revolução de 1932, observações de Ivna Thaumaturgo

9 07 2011

Foto antiga de Itajubá, MG.

Lembranças da Revolução de 1932

A revolução paulista desencadeia na cidade um febre política que contamina toda a população.  Pela situação estratégica, Itajubá passa a ser o ponto central para onde afluem as tropas que vão combater os revoltosos e também por estar próxima ao túnel, onde se instalam as tropas paulistas para impredir o avanço dos legalistas.  Há muitos contingentes aquartelados em toda a cidade.  Até o Grupo Escolar, acabado de construir, da noite para o dia, se transformou em praça de guerra.  As paredes estão cobertas de mapas contendo a zona em que se encontram os revolucionários.  Entramos na sala em que está aquartelado o P.C. da 1ª DI.  O general Trompowsky faz as honras de dono da casa ao receber as senhoras dos oficiais que estão no front.  Manda servir café e depois chama um soldado que é hábil saxofonista e taca o Tico-tico no fubá.  Ouvimos o barulho do motor de um avião e corremos lá fora para ver.  Ele distribui manifestos pela cidade, enquanto o povo mineiro entusiasma-se dando vivas aos paulistas.  Mamãe nos leva para casa, o tiroteio começa, alguma bala desgarrada pode nos atingir.  O avião, cada vez mais alto, sai do campo de ação.  Depois desaparece.

Os boatos fervem o dia todo.  O ex-presidente Wenceslau Braz quer a adesão de Minas à causa paulista.  Os paulistas estão de tal forma empolgados, que venderam todo o ouro que tinham para comprar armas.   Em troca receberam um anel de aço onde está escrito: “Dei ouro para o bem de São Paulo”.  Nossa casa atrai visitantes, políticos, militares, civis.  Muitos, principalmente os políticos, estão empenhados em obter do papai, comandante do 4º B/E, a adesão a São Paulo.  Se isso acontecer, naturalmente os outros estados também hão de aderir.  A meu pai repugna trair o chefe da nação.  A oficialidade se reúne no QG das forças legalistas.  Góis Monteiro, Eurico Dutra, Trompowsky, Horta Barbosa.  Decidem com meu pai permanecer fiéis ao governo de Getúlio Vargas.  O desfecho desagrada ao povo mineiro.  Wenceslau Braz se empenha e consegue a transferência do oficial da arma de Engenharia, Miguel Salazar Mendes de Moraes, de Itajubá para o Rio de Janeiro.

Autora: Ivna Thaumaturgo [ Ivna Thaumaturgo Mendes de Moraes Duvivier]. Nascida em 1915, neta do marechal Gregório Thaumaturgo de Azevedo, primeiro chefe de uma comissão mista Brasil-Bolívia encarregada de demarcar a fronteira entre esses países e neta, por parte de pai, do general Feliciano Mendes de Moraes. A família era toda de militares sendo Ivna filha do futuro marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes.

Em: A família de guizos: história e memória, de Ivna Thaumaturgo, Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1997





Lista dos presos em 1932 — Revolução Constitucionalista

26 10 2008

 

Estou repetindo aqui a entrada fotográfica da lista de presos que publiquei na postagem do dia 23 de agosto de 2008, com a listagem em separado, para que seja mais fácil a leitura do nome dos presos. 

Relação dos presos na cidade do Rio de Janeiro, na Revoluçao de 1932

Relação dos presos na cidade do Rio de Janeiro, na Revoluçao de 1932

Leitura da lista dos presos de 1932

 

 

Grupo de presos políticos da Revolução Paulista de 1932, na Casa de Correção do Rio de Janeiro, em Outubro de 1932

 

 

1 –       Austregésilo de Athayde                   jornalista dos Diários Associados

2 –       Capitão Martin Cavalcanti                da Polícia Militar 

3 –       Oswaldo Chateaubriand                   jornalista dos Diários Associados

4 –       Eurico Martins                                  jornalista A Gazeta

5 –       Luiz Américo de Freitas.                   Presidente do Instituto do Café

6 –       Guilherme de Almeida                       Poeta

7 –       Ataliba Leonel                                  PRP

8 –       Thyrso Martins                                 ex-chefe de polícia

9 –       Sylvio de Campos                            PRP

10 –      Francisco Cunha Junqueira               ex-secretario da Agricultura

11 –      Casper Líbero                                  jornalista A Gazeta

12 –      Haroldo Pacheco e Silva                  Legião Paulista

13-       Oscar Machado                               MMDC

14-       Levos Vampré                                 MMDC

15-       Luiz Piza Sobrinho                           MMDC

16-       Joaquim Sampaio Vidal                   ex-diretor Dep. Municipal

17-       Pádua Salles                                    PRP

18-       Aureliano Leite                                PD

19-       J. Castro Carvalho                          PRP

20-       Júlio Mesquita Filho                        jornalista O Estado de São Paulo

21-       Ibrahim Nobre                                promotor público

22-       Lauro Parente                                 engenheiro

23        Aviador Tito Delon(?)

24-       ?                                                     PD

25-       Luiz Dutra                                       advogado no Rio

26-       Mylario Freire                                 PRP

27-       Paulo Salles                                     Minas

28-       Prudente de Moraes Netto               MMDC

29-       J. Cardoso de Almeida Sobrinho      engenheiro,Rio

30-       A. C. Pacheco e Silva                      F. P. Paulista

31-       Antonio Silva Bernardes                   Minas

32-       Cel Azariss Silva                              PP Paulista

33-       Carlos de Souza Nazareth                Pres. Assoc. Com.  MMDC

 

 

 

#1        Belarmino Maria Austregésilo Augusto de Athayde (Caruaru, 25 de setembro de 1898 — Rio de Janeiro, 13 de setembro de 1993) foi um jornalista e professor, cronista, ensaísta e orador brasileiro. Formou-se em direito, trabalhou como escritor e jornalista, chegando a dirigente dos Diários Associados, a convite de Assis Chateaubriand.  Sua declarada oposição à revolução de 1930 e o apoio ao movimento constitucionalista de São Paulo (1932) levou-o a prisão e exílio na Europa e depois na Argentina.  Permaneceu muitos meses em Portugal, Espanha, França e Inglaterra e de lá se dirigiu a Buenos Aires, onde residiu por dois anos (1933-1934).

 

#2       

 

 

#3        Oswaldo Chateaubriand é irmão do Sr. Assis Chateaubriand (proprietário dos Diários Associados) e diretor do “Diário de São Paulo”.

 

# 7       Ataliba Leonel (Itapetininga, 15 de maio de 1875 — Piraju, 29 de outubro de 1934) foi um militar e político brasileiro.  Formado na Faculdade de Direito de São Paulo, foi um dos preparadores do movimento de 23 de maio, quando, na capital do Estado, tombaram as quatro figuras históricas cujos nomes passaram a constituir o símbolo M.M.D.C.. Iniciada a revolução em 9 de julho, organizou a Brigada do Sul, da qual foi comandante-geral. Com a vitória da ditadura, foi preso e exilado em Portugal, residindo em São João do Estoril, com outros brasileiros ex-combatentes da mesma causa. Membro da C.D. do Partido Republicano, representou São Paulo na Câmara Federal, onde relatou a Receita da União na Comissão de Finanças, produzindo trabalhos notáveis, que honra a cultura paulista.

 

O Exílio

 

 

Assim que detidos, foram aprisionados no navio-presídio “Pedro 1º” e transferidos, em seguida, para o navio “Siqueira Campos” que, em 18 de novembro de 1932, chegava a Portugal, desembarcando, entre outros, os generais Bertoldo Klinger, Isidoro Dias Lopes (nos seus quase setenta anos), coronel Euclides Figueiredo, major Mena Barreto, o tenente Agildo Barata Ribeiro; os civis Álvaro de Carvalho, Altino Arantes, Austragésilo de Ataíde, Carlos de Souza Nazaré, Francisco de Mesquita, Guilherme de Almeida, Ibrahim Nobre, Júlio de Mesquita Filho, Luís de Toledo Pisa Sobrinho, Oswaldo Chateaubriand, Prudente de Morais Neto e Paulo Duarte, entre dezenas de outros mais. Eram ao todo 73 brasileiros banidos de sua pátria, que iam se juntar aos exilados de 1930.





Aviões para bombardear Buri — Revolução de 1932

24 08 2008

 

Avião usado pelos Constitucionalistas em 1932.

                    Avião usado pelos Constitucionalistas em 1932.

20 de agosto de 1932

 

 

Muito boato.   Levantes por toda parte: Rio, Minas, Rio Grande, Paraná,  Amazonas.  Se boatos ganhassem batalhas, a luta se teria terminado hoje.

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Tropas do RS acampadas no campus do Instituto Biológico em 1932.

Tropas do RS acampadas no campus do Instituto Biológico em 1932.

 

 

21 de agosto de 1932

 

Nada de importante a registrar hoje.  Um avião de caça e uma esquadrilha foram bombardear Buri.

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

300 soldados governistas passam para o lado Constitucionalista.

300 soldados governistas passam para o lado Constitucionalista.

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 138, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Batalha nas trincheiras.  Foto Coleção Carlos de Souza Nazar.

Batalha nas trincheiras. Foto Coleção Carlos de Souza Nazar.





Em cada cabeça… uma opinião. Revolução de 1932

19 08 2008
Ouro para o bem de São Paulo

Ouro para o bem de São Paulo

 

 

15 de agosto de 1932

 

 

 

Relativa calma na cidade.  Fisionomia tristonha de muita gente.  As opiniões são várias.  Quod capita  Para uns a demora do desfecho final é favorável a São Paulo, para outros, quem mais lucra com a demora é o governo federal!

 

 

 

 

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 137, em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Ouro doado para a causa constitucionalista

              Doações de metais preciosos para a causa constitucionalista.

Todos contribuiram, em solidariedade nunca antes antecipada!

         Todos contribuiram em solidariedade nunca antes antecipada!








%d blogueiros gostam disto: