Quadrinha da pesca

13 01 2018

 

pescaria de todos, John Newton Howitt (1885 – 1958)Pescaria, John Newton Howitt (1885 – 1958)

Para não faltar o peixe,

Na mesa do nosso lar,

O pescador bem cedinho,

Sua rede atira no mar.

 

 

Em: 1001 Quadrinhas Escolares, Walter Nieble de Freitas, São Paulo, Difusora Cultural:1965





Quadrinha do luar

11 11 2016

 

luar, christine barnesLuar, ilustração de Christine Barnes.

 

 

A lua, pelo céu, passeia airosa,

A copa do arvoredo prateando,

E passando entre as folhas, sobre o lago,

Um poema de rendas vai bordando.

 

 

(Maria Thereza de Andrade Cunha)

Salvar





Quadrinha da rua e dos carros

8 11 2016

 

atravessar a rua, arthur sarnoffIlustração Arthur Sarnoff.

 

 

Observe bem a rua,

Quando for atravessar,

Pois os freios do automóvel

Às vezes podem falhar.

 

 

Em: 1001 Quadrinhas Escolares, Walter Nieble de Freitas, São Paulo, Difusora Cultural:1965

Salvar





Canção da Primavera, poesia de Mário Quintana

2 10 2016

 

 

primavera-menina-com-boneca-marie-cramerPrimavera, ilustração de Marie Cramer.

 

 

Canção da Primavera

 

Mário Quintana

 

 

Primavera cruza o rio,

Cruza o sonho que tu sonhas.

Na cidade adormecida

Primavera vem chegando.

Catavento enlouqueceu,

Ficou girando, girando,

Em torno do catavento

Dançamos todos em bando.

 

Dancemos todos, dancemos,

Amadas, mortos, Amigos,

Dancemos todos até

Não mais saber o motivo….

Até que as paineiras tenham

Por sobre os muros florido!

 

 

Em: Antologia Poética para a Infância e a Juventude, Henriqueta Lisboa, Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro: 1961, pp: 121-2.





Imagem de leitura — Lilly Martin Spencer

30 09 2016

 

 

lilly-martin-spencer-the_war_spirit_at_home_-_celebrating_the_battle_at_vicksburgO espírito da guerra em casa: comemorando a Batalha de Vicksburg, 1866

Lilly Martin Spencer (EUA, 1822 -1902)

óleo sobre tela, 76 x 83 cm

Newark Museum





Quadrinha da Caravana

29 09 2016

 

66530-0Caravana com família

Rikhard-Karl Karlovich Zommer (Alemanha, 1866-1939)

óleo sobre tela, 52 x 93 cm

 

 

 

À caravana, que de longe vem

Cansada, a se arrastar num passo incerto,

As palmeiras do oásis oferecem

Um poema de sombras, no deserto.

 

 

(Maria Thereza de Andrade Cunha)

Salvar





“O caçador de borboletas” poema de Álvaro Magalhães

2 08 2016

 

 

Armen VahramyanCaçadora de borboletas

Armen Vahramyan (Armênia, 1968)

www.vahramyan.com

 

 

 

O Caçador de borboletas

 

Álvaro Magalhães

 

 

Sorridente, ao nascer do dia,

ele sai de casa com sua rede.

Vai caçar borboletas, mas fica preso

à frescura do rio que lhe mata a sede

ou ao encanto das flores do prado.

Vê tanta beleza à sua volta

que esquece a rede em qualquer lado

e antes de caçar já foi caçado.

 

À noite regressa à casa cansado

e estranhamente feliz

porque sua caixa está vazia,

mas diz sempre, suspirando:

Que grande caçada, que belo dia!

 

Antes de entrar limpa as botas

num tapete de compridos pelos

e sacode, distraído,

as muitas borboletas de mil cores

que lhe pousaram nos ombros, nos cabelos.

 

 

Em:O Reino Perdido,  Alvaro Magalhães, Porto, ASA: 2000

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: