Notas familiares: Revolução de ’32

12 03 2011
Batalhão de Pouso Alegre, MG

FOTO: Empório de notícias.

—-

—-

Quem visita este blog já sabe que tenho predileção por ler diários e publicações de pessoas comuns;  quero saber como viviam, do seu dia a dia, e se possível, ter a noção de como reagiram a eventos históricos.  Acho que qualquer período ganha tridimensionalidade, quando conseguimos ter muitas visões de como as coisas aconteceram; quando usufruimos da interpretação das mais diversas fontes…  Foi com essa intenção que em 2008, coloquei aqui as anotações sobre a Revolução de 1932, que meu avô, Gessner Pompílo Pompêo de Barros, fizera quando trabalhava nos Correios e Telégrafos de Itapetininga, SP.     Hoje volto ao assunto, mas com as observações do Diário de Vera, um capítulo do livro A família de Guizos: história e memórias de Ivna Thaumaturgo [ Ivna Thaumaturgo Mendes de Moraes Duvivier].  Nascida em 1915, ela é neta do marechal Gregório Thaumaturgo de Azevedo, primeiro chefe de uma comissão mista Brasil-Bolívia encarregada de demarcar a fronteira entre esses países e neta, por parte de pai, do general Feliciano Mendes de Moraes.  A família era toda de militares sendo Ivna filha do futuro marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes.   Como as observações de meu avô aqui postadas anteriormente,  essas também não dão qualquer informação de fatos históricos além do que já se conhece, mas dão um “gosto” da época.  

Em 1932, Miguel Salazar  Mendes de Moraes,  estava em Itajubá como comandante do 4º Batalhão do Exército.   Assim a família eventualmente se muda para essa pequena cidade mineira de grande importância geográfica.  A descrição abaixo acontece nessa cidade.

—-

—-

Antiga Itajubá, foto: Bruno Casarini/Flicker.  Bruno Casirini Grillo

—–

—-

9 de Julho de 1932

Estive hoje na praça com Moraes e presenciamos um pequeno meeting ocasionado pelo falatório que partia de um café.  Aproximando-me, pude notar a voz aguda de um locutor que avisava ao Brasil inteiro que São Paulo fizera uma revolução.  O tenente Valença e sua mulher Amália estavam em frente, num banco da praça, e ouviram atentos, enquanto ele tomava notas de tudo que ouviam.  No entusiasmo que se apossou dela, dizia: “Vai, Valença, vai, se você morrer fica um herói. “

À noite esteve em nossa casa dona Luiza Lebon, nora do Dr. Wenceslau Braz, com o marido, dr. Mário Braz.  Trouxeram um convite para irmos à sua fazenda em Campos do Jordão.  Papai, que não é muito dado a passeios resolvidos por outros, não prometeu aceitar, não mostrou mesmo nenhuma vontade de aderir ao tal convite, apesar dos nossos pedidos para que fosse.  Por fim, para que não o amolássemos mais, disse que não iria e nem nos deixaria ir.

Não falamos mais no assunto e fomos dormir.

De madrugada veio um soldado trazendo para papai um telegrama.  Imediatamente ele saiu, depois de ter se fardado apressadamente.

De manhã, soubemos, pela mamãe, que ele fora chamado no quartel porquanto rompera uma revolta em São Paulo, sendo necessária a presença do comandante e oficiais no quartel, para as mais urgentes providências.

Tomamos café sem papai, que não virá em casa enquanto não se normalizar a situação.  O mesmo está acontecendo com os outros oficiais, cujas esposas vêm todas para nossa casa à procura de conforto, pois somos calmas e otimistas.  Desde já vemos os governistas vencendo os paulistas, apesar de dizerem que estes são valentes e estão armados até os dentes.

Hoje vi um oficial amigo do papai que disse que seguirá breve para São Paulo para combater as forças do general Klinger, que avançam.  Apareceu também aqui pela manhã a Luiza Lebon, que se mostrou muito penalizada por não poder levar avante o passeio e entrou logo no assunto da revolução.  Vimos logo que era uma “revolta”, assim como o seu sogro e todo o povo mineiro.  Encheu-nos de boatos e afirmou que os paulistas avançavam, dispostos a tomar os quartéis de Minas.  Mamãe ficou aflita e tocou o telefone oficial para o papai, que se limitou a dizer para não acreditarmos em boatos, pois ia tudo muito bem.  Luiza Lebon, vendo que nada arranjava, começou a diminuir suas visitas, até que desapareceu.  Ela queria ver se conseguia “sublevar” o batalhão.  E o tal convite feito às pressas?  Não seria para afastar o papai daqui e colocá-lo na boca do lobo?

—-

—-

Itajubá, Estação de trens.

FOTO: ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS

—–

—-

No terceiro dia da revolta, começaram a chegar tropas do Rio e de Juiz de Fora.  Os trens passavam repletos de soldados muito bem equipados que, apesar de irem para o front, mostravam grande indiferença e sangue-frio dizendo adeus todos risonhos.  Dirigiam-se para o B/E, onde ficarão alojados até seguir viagem para as linhas de frente. O 28º B.C. desembarcou aqui pela manhã e o 4º R.C.D. à tarde, ficando alojados no Grupo Escolar recentemente acabado de construir.  Os mineiros estão furiosos…  Inventam horrores dos soldados governistas, dizendo que roubam nas horas vagas.  O mais engraçado é que o dr. Wenceslau não cumprimenta a família Mendes de Moraes.  Os boatos continuam cada vez mais ferozes.  Vovó, lá do Rio, anda aflita, pois, conforme nos mandou dizer, ouviu o rádio anunciar a prisão do major Mendes de Moraes em São Paulo, quando saía de um café…  Fala-se no embarque do B/E para Itapira, a fim de construir pontes rapidamente, pois os paulistas estão bombardeando tudo para impedir a passagem dos governistas.  Diariamente chegam tropas de todas as partes do Brasil.  Até do Norte chegaram duas companhias do Batalhão de Caçadores.  Vemos sempre o trem chegando, pois a estrada passa bem atrás da nossa casa.  Agora estamos ficando mais tristes porque a viagem para Itapira está senda marcada para muito breve.

Papai já chegou a Itapira e de lá escreveu duas cartas cheias de novidades.  Recebemos também um retrato ótimo tirado pelo tenente Braga, onde ele aparece no novo QG. 

Sempre que se apresenta um portador, mandamos os melhores petiscos feitos em casa.  Os tijolinhos de milho da mamãe vão em primeiro lugar.   Da mesma forma, sabemos, quando os oficiais vêm de lá gozando um período de férias, das novidades do front.   Há dias tivemos a visita do Arquimedes, filho do subcomandante Masson Jacques, que contou haver tomado parte num feroz combate.  Disse que os paulistas jogaram um canhão dos governistas pela ribanceira abaixo e mais tarde, quando foi iniciado o tiroteio, eles gritavam do morro onde  estavam entrincheirados.

— Vem pra cá, seus tolos!  Lutem por São Paulo!

20 de julho de 1932

Este mês tem sido bastante difícil para mamãe, que anda assustadíssima porque papai partiu para Campinas com o fim de reconstruir uma linda ponte bombardeada pelos revoltosos paulistas e causou a morte de seis soldados, entre os quais um do batalhão que tinha sido promovido a cabo por merecimento. 

Papai mandou  por um mensageiro apetrechos dos soldados prisioneiros durante um combate em Mogi-Mirim.  Capacetes de aço novinhos, cinturões, cantis etc. e uma caixa de papelão que continha um pão de forma, uma lata de carne em conserva e um papel escrito em letras vermelhas:  Refeição de emergência para a trincheira.

Papai brevemente estará de volta, graças a Deus.  Romualdo e Morato passaram por aqui, trouxeram boas notícias.  Os dois estavam barbados, gozadíssimos!

………

Em:  A família de guizos: história e memória, de Ivna Thaumaturgo, Rio de Janeiro, Ed. Civilazação Brasileira, 1997.





São Paulo perde de cabeça erguida! Revolução 1932

23 10 2008

4 de outubro de 1932

 

 

Eu não sei fazer um juízo exato do móvel da revolução de 9 de julho.

 

A revolução encabeçada por São Paulo e seguida por Mato Grosso, dizia-se constitucionalista.  Entretanto, também o governo provisório dizia-se constitucionalista e o Brasil todo o é inegavelmente, e, apesar de tudo, o Brasil todo veio combater São Paulo e Mato Grosso, ao lado do governo central.  Para mim, como expliquei na nota do dia 11 de julho, a revolução foi precipitada pelo Gal Klinger e não foi um movimento constitucionalista no seu íntimo.  São Paulo não podia nem devia pegar em armas pela constitucionalização do país, no dia 9 de julho, uma vez que na época da eleição já se achava marcada pelo governo para 3 de maio do ano vindouro, data com a qual São Paulo já tinha concordado.  O governo provisório, por seu turno, fez mal em aceitar a luta com São Paulo, sem parlamentar com ele, ou ceder um pouco no  prazo do pleito eleitoral, pois, se ele governo, é constitucionalista, não lhe ficava bem tentar abafar pelas armas, um movimento que se dizia ser pela restauração da constituição e da lei eleitoral.  A luta armada só poderia retardar o advento da lei.  Empenhando-se nela, São Paulo, que se dizia constitucionalista, retardava a constitucionalização do país; tentando abafá-la pelas armas, o governo federal que se diz também pela volta da constituição ao país, prolongava o regime ditatorial e prolongava-o com sérios prejuízos ao país, morais, materiais e de vidas preciosas que se iam tombando na guerra entre irmãos.  Logo, nem o governo federal é pela constituição, nem São Paulo fez revolução de caráter constitucionalista.  O motivo da revolução deve ser outro.

 

São Paulo é um povo que cultua um justo orgulho do seu valor cívico, moral, material, intelectual.  Rico, poderoso, populoso, o maior estado do Brasil, que tinha no seu escudo o famoso – non ducor, ducoˡ – achava-se humilhado pela sua ocupação militar desde outubro de 1930.  Essa humilhação prolongava-se e seu orgulho crescia dia a dia.  Sua ira transbordou-se; e, sem motivo plausível, sem uma justificativa séria, pegou em armas, resoluto, para ver se abreviava a constitucionalização do país pela força.

 

A luta armada foi cruenta.  São Paulo todo se mobilizou, e pode dizer-se que o Brasil teve a 9 de julho sua primeira revolução.  Foi uma verdadeira guerra.  Guerra de trincheira, encarniçada, feroz, violenta, demorada.  Guerra de aviões, medonha, implacável.  Guerra verdadeira, na extensão da palavra, porque todos se prontificaram para os combates e tudo foi mobilizado: civis, militares, velhos, crianças, mulheres, índios de Mato Grosso, comerciantes, professores, industriais, alunos, funcionários, etc.  Fábricas trabalhavam dia e noite confeccionando fardamentos, pólvoras, balas, munições em geral.  Fabricaram-se granadas, tanques, carros blindados.  E São Paulo mobilizou cerca de 120.000 homens para a luta e mandou-os para as trincheiras.  O comércio e o povo ajudaram muito.  Subscrições populares se abriram para a compra de tudo.  E o soldado paulista tinha de tudo: roupas, fardamento completo, coletes de lã, cache-cols, capas impermeáveis, capacetes de aço, cobre-capacetes, capacetes de cortiça, cobre-orelhas, bom passadio, alimentação abundante, tudo que se possa imaginar. 

 

E o mais notável em tudo foi a elevação moral do soldado.  Os paulistas iam para as trincheiras, cantando!  Os lares se abriam para soltarem os voluntários, principalmente no norte do estado (aqui em Itapetininga reinou mais o desânimo).  As cartas todas (pela censura se via) eram, com raríssimas exceções, cartas de coragem.  O povo dava dinheiro, jóias, alianças para a vitória de São Paulo. 

 

Vivemos em São Paulo, como anotei no outro dia, o tempo pretérito da antiga e aguerrida Sparta.  Tal qual a espartana que não queria saber se o filho morrera, mas unicamente se Sparta vencera, a paulista em geral recomendava ao marido, ao filho, ao irmão que partia: não voltes sem a vitória de São Paulo!

 

Essa luta foi mantida pelo orgulho do paulista.  São Paulo lutou quase três meses.  Cedia terreno pouco a pouco, quando já não podia resistir o inimigo muito mais numeroso e melhor armado.  Sabia que ia perder a campanha.  Sabia-o, mas atirava-se novamente à sangrenta guerra.  Era um delírio.  Havia qualquer coisa de louco no procedimento do povo paulista, ou qualquer laivo de suicídio em massa.

 

Formavam-se batalhões e batalhões de voluntários.  Fabricavam-se granadas de mão.  Mobilizaram-se batalhões de granadeiros.  Inventaram-se aparelhos lança-chamas e canhões lança-minas, e dizem que fabricaram gases lacrimogêneos, asfixiantes e mais uma outra espécie de invenção paulista que não chegou a ser usada. 

 

Foi a primeira revolução do Brasil, porque as anteriores não se comparam com dois dias desta de 9 de julho.  A verdade é que São Paulo forneceu à historia pátria uma página que pode traduzir leviandade de conduta, precipitação e orgulho, mas também traduz no seu reverso, um exemplo edificante de união, coesão e força. 

 

Apesar de ter havido uma série de traições à causa que São Paulo defendia, traições à coesão, em parte justificadas pela ausência de motivo plausível para semelhante luta fratricida, apesar disso, pode dizer-se que o povo esteve na sua grande maioria unido, nos dias mais amargos e tétricos, sentindo prazer dessa união na desgraça, parecendo repetir aquela frase de Hugo: S’aimer dans l’affliiction, c’est le bonheur du malheur!²

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

NOTAS:

 

1 – NON DUCOR DUCO = expressão em latim: não sou conduzido, conduzo.  Presente na bandeira de São Paulo

 

2 – [Tradução da frase de Vitor Hugo: Amar-se nos momentos dolorosos é a felicidade da infelicidade].

 

 

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 151-156 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

 

 

 





Cessou o movimento revolucionário!

16 10 2008

                    Aos que morreram na Revolução.

3 de outubro de 1932

 

Cessou definitivamente o movimento revolucionário.  As tropas paulistas se renderam, incondicionalmente dizem os jornais.  As tropas federais, ocupam Itapetininga e Sorocaba.  Regressei para Itapetininga e, no regresso vim só, de trem, observando a paisagem tristonha do São Paulo vencido.  

 

Vinha de Sorocaba, de trem, sem saber o que se estava passando em Itapetininga, sabedor apenas de que tinha havido ocupação militar da cidade.  Parecia-me que o trem não saía do lugar.  E eu vinha com a imagem de São Paulo vencido a brincar na minha imaginação.  Tudo, no caminho, para mim, assemelhava-se a um ser vencido, mesmo as coisas inanimadas.  E quase do alto da entrada eu avistei a cidade meio metida no mato, ao longe, a matriz de Itapetininga com suas duas torres erguidas sobre o mato, afigurou-se que gritava como um soldado vencido, de braços para cima: não me matem!

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Vargas

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 150-151 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

Soldados Revolucionários

 





Houve pânico na cidade — Revolução de 1932

12 10 2008

Soldados paulistas, Foto Claro Johnson
Soldados paulistas, Foto Claro Johnson

 

2 de outubro de 1932

 

 

Houve pânico na cidade.  Os autos trabalharam  toda a noite anterior e a madrugada de hoje.  Caminhões não cessavam de correr à noite e de madrugada.  Constava que a linha de resistência das tropas ia ser no rio Itapetininga, a 1 légua desta cidade.  Falava-se que as tropas paulistas continuariam o ataque até o extermínio.  A prefeitura põe à disposição dos habitantes  trens da Sorocabana.  Houve evasão de quase metade da população, durante a noite anterior, a madrugada e todo o dia dois.

 

– – –

 

Levei a família à Sorocaba, onde ficará até cessar o movimento.  

 

— —

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Trem blindado, 1932, Canhão Schneider 150mm, Araçu, SorocabanaTrem blindado, 1932, Canhão Schneider 150mm, Araçu, Sorocabana

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 150 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Ruas da cidade de São Paulo durante a Revolução Constitucionalista de 1932.





Descontentamento com o armistício? Revolução 1932

9 10 2008

RanchoRancho

1° de outubro de 1932

 

 

Formou-se, ao que parece, uma corrente dos que não querem a paz, talvez receosos que essa paz seja algo deprimente para São Paulo.  Nota-se descontentamento para com a proposta de armistício do General Klinger, por parte de alguns oficiais inferiores, os quais estão dispostos a prosseguir a luta.

 

****

 

A cidade está tranqüila se bem  que paira certo ar de descontentamento entre os paulistas, receosos do acordo e da paz ferirem o brio paulista.

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 149 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

 

Tropas legalistas em São Paulo

Tropas legalistas em São Paulo





A cidade amanheceu radiante. Revolução de 1932

6 10 2008

 

 

 

 

 

30 de setembro de 1932

 

A cidade amanheceu radiante: os boatos de pacificação se alastraram desde as 7 horas da manhã.  Em verdade, porém, o que há é um armistício para entendimentos entre São Paulo e a Ditadura, o qual será levado a efeito ainda hoje ou amanhã.  Jornais publicam hoje haver sido assinado o armistício e terem entrado em confabulações para a par os representantes de São Paulo e da Ditadura.  

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 149 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

 





Metralharam o avião da ditadura. Revolução de 1932

4 10 2008

 

Ataque à fortaleza.  1932Ataque à fortaleza. 1932

 

29 de setembro de 1932

 

 

Nos dias anteriores houve relativa calma.  Alguns boatos somente.  Fala-se que esteve iminente a ocupação de Campinas pelas tropas federais e que as trincheiras que guarneciam aquela cidade eram nos arrabaldes, tanto que as tropas iam de bonde para o front!  Hoje corre com insistência o boato da ocupação pelas forças federais da cidade de Ribeirão Preto o que causou certo abatimento entre a população paulista.  Fala-se que o combate do setor na frente de Campinas é decisivo.  Voou sobre esta cidade um avião da ditadura.  Metralharam-no e fugiu sem ter bombardeado.

 

 

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

 

Transcrição do Diário de Gessner Pompílio Pompêo de Barros (MT 1896 – RJ 1960), Itapetininga, SP, página 148 em referência à Revolução Constitucionalista de 1932.

 

Tunel da Mantiqueira, 1932.








%d blogueiros gostam disto: