Trova do caminho

21 09 2021

Não te desvies da estrada,

buscando atalhos bisonhos;

a vida não vale nada

se sufocares teus sonhos…

 

(Ercy Maria Marques de Faria)





Trova da partida

18 08 2021
Ilustração de Ethel Parkinson,

 

 

Partir é quase morrer.

É deixar na despedida

um pouco do próprio ser

e muito da própria vida…

 

(Izo Goldman)





Plaza Mayor, poesia de Reynaldo Valinho Alvarez

26 07 2021

O casamento, [A boda], 1792

Francisco de Goya (Espanha, 1746 -1828)

óleo sobre tela, 269 x 396 cm

Museu do Prado

 
 
Plaza maior

 

Reynaldo Valinho Alvarez

 

 
O mundo, em guerra, não permite abraços.
Mas, nos rostos da rua, há os mesmos traços.

 

 

Diante de Goya, no Museu do Prado,

vejo sombras que as sombras circundantes

parecem reencarnar. Voltando à rua,

vou para o centro velho. Nestes rostos

que me fitam ou não, há retrarados

do mesmo Goya. Sombras tão goyescas

quanto as sombras que vi entre outras sombras.

Assombra-me o prodígio ao sol ardente

de uma Espanha estival. Que liame estreita

os vínculos dos tempos num só tempo?

Que força une as cadeias com que Cronos

ligou as mãos de tantos entre os séculos?

Agora encaro a praça e vou contando,

como os níqueis do bolso,  tantos Goyas.

 

 

Em: A faca pelo fio: poemas reunidos, Reynaldo Valinho Alvarez, Rio de Janeiro, Imago: 1999, p.59

NOTA: esta postagem é uma homenagem a Reynaldo Valinho Alvarez que faleceu esta semana, aos noventa anos. Um dos poetas contemporâneos de que mais gosto, com provam as diversas poesias de alguns de seus livros que possuo.





Jardim, poesia infantil de Henriqueta Lisboa

22 07 2021
Ilustração de Corinne Malvern
 

Jardim

 

Henriqueta Lisboa

 

 

— Menina faceira

de laço de fita

não vás tão bonita

sozinha ao jardim.

Se pensar Beija-Flor

que teu laço é flor,

pelos ares levará

um anel dos teus cabelos.

 

— Mamãe, não tenha cuidado,

eu sei dar laço bem dado.

 

— Menina trigueira

de faces vermelhas

no jardim sem teu irmão

não fiques, não.

 

Se Beija-Flor imagina

que teu rosto é flor,

menina, minha menina,

de certo um beijo te dá.

 

— Quando ele me der um beijo,

nas minhas mãos estará.

 

Em: O menino poeta, Henriqueta Lisboa, (Edição ampliada) Imprensa Oficial de Belo Horizonte, Governo do Estado de Minas Gerais: 1975, pp 65-66





Trova do telefone

19 07 2021
Ilustração Carl Shreve

 

Telefonei-te, outro dia

e ninguém me respondeu.

Confundi-me, que ironia!

— Teu telefone era o meu.

 

(Alberto Lima)

 





Trova das lembranças

15 06 2021
Ilustração de Steven Noble.

 

Lembranças, quem não cultiva ?

Afinal, a nossa mente,

faz questão de manter viva,

além do fruto, a semente…

 

(Nélio Bessant dos Santos)





Trova da noite escura

6 05 2021
Ilustração de Coles Phillips, Capa de Good Housekeeping, Fevereiro de 1916.

Noite escura!… De repente,

dois faróis surgem na estrada…

E a escuridão sai da frente

como quem foge, assustada.

(Durval Mendonça)





Medo do escuro, poesia de Helena Lima

3 05 2021
Noite, ilustração de Yan Nascimbene

 

Medo de escuro

 

Helena Lima

 

Era uma vez a Lua.

Ela tinha medo do escuro.

Era uma vez o Céu.

Ele também tinha medo do escuro.

A Lua pedia emprestada a luz do Sol.

Ele emprestava, às vezes.

O Céu pedia para a Lua acender.

Ela acendia quando podia.

Se o Sol estivesse de bom humor,

a Lua ganhava luminosidade em trezentos e sessenta graus.

Mas quando o mar não estava para peixes e o Sol não estava para estrelas,

não emprestava nada.

Nadinha.

E o Céu ficava escuro.

Escurinho.

A Lua sentia calafrios.

O Céu sentia solidão.

O medo da Lua era de cair e morrer no mar.

O medo do Céu era de fechar e não voltar a clarear.

Um dia, Céu e Lua decidiram:

“Pra acabar com o escuro e a solidão, a gente vai se casar”.

Desde então, os dois passam  o dia inteirinho

contando os  minutos para o Sol se retirar.

 

Em: Amores virados pra cá, Helena Lima e Isabelle Borges, Rio de Janeiro, Lago Baikal: 2019, p. 130





Trova do perfume

27 04 2021
Monica se perfuma.  Ilustração Maurício de Sousa.

Que me traias, tu me negas,

mas, traindo-me, te trais:

– O perfume com que chegas,

nunca é o mesmo com que sais…

 

(Cesídio Ambrogi)





Trova do espelho

21 04 2021
Ilustração de Edmund Franklin Ward (EUA, 1892-1990)

 

 

A saudade é simplesmente

Um claro espelho encantado;

mira-se nele o presente      

e ele reflete o passado.

(Geralda Armond)








%d blogueiros gostam disto: