Esmerado: Tabuleiro de xadrez e gamão, 1537

20 07 2018

 

 

louvre-echiquier-jeu-trictrac

Tabuleiro de xadrez e gamão, 1537

Obra de Léonard Limosin, em Limoges

Cobre esmaltado, 46 x 47 cm

Museu do Louvre, Paris

 

Tabuleiro de dois lados, para xadrez e gamão.  Composto de 64 quadrados preto e branco xadrez para e tabuleiro para gamão com borda em verde escuro e quatro grandes losangos com retratos em perfil.  Os tabuleiros são emoldurados com 16 longos painéis decorados por elementos derivados dos troféus clássicos.  Um objeto bastante refinado, datado e assinado por Léonard Limosin.

 

6b79598065668b8130ff42a99da32789.jpg

 





Peça de xadrez do séc. XIII descoberta na Noruega

3 02 2018

 

 

aHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMDAwLzA5OC8wMjcvb3JpZ2luYWwvY2hlc3MtcGllY2UuanBn

 

 

No final de 2017 cientistas noruegueses descobriram esta peça de xadrez, um peão, em Tønsberg, Noruega.  A peça feita em chifre provavelmente tinha uma parte de ferro por dentro para dar estabilidade.  A peça, além da decoração abstrata de círculos e linhas incisas, tem uma protuberância como um “nariz ou focinho”.  Quando comparada a outras peças do antigo jogo chamado shatranj [que deu origem à palavra xadrez] pode-se deduzir que seria um cavalo no xadrez moderno.

O jogo de xadrez foi adotado pelos árabes depois que conquistaram a Pérsia no século VII.  Daí foi introduzido na Espanha no século X pelos mouros.  Da Espanha o xadrez se espalhou rapidamente pela Europa e pode ter aparecido na Escandinávia logo depois de ser apreciado na Espanha.

O grupo de arqueólogos do Norwegian Institute for Cultural Heritage Research (NIKU) disse que mesmo rara, essa peça de xadrez com influência árabe na decoração, é semelhante a outra peça do século X encontrada em Lund na Suécia.

 

Fonte: Live Science





Esmerado: Jogo de xadrez do Rajastão, início do século XIX

24 09 2014

 

 

rare-rajasthan-set2677                                                                                                                                                                                  Foto: Bailey Dolenc

Jogo de xadrez do Rajastão, início do século XIX.

Tabuleiro de marfim indiano filigranado, meados do século XIX

Peças de marfim indiano

Rei: 10 cm de altura

Tabuleiro: marfim e metal

Tamanho: 46 x 46 cm

 

Esse jogo de xadrez é feito em duas cores: damasco e verde. Foi feito no Rajastão, um estado ao noroeste da Índia. É raro por um estilo híbrido: reis, rainhas e peões seguem o estilo tradicional do local. Os bispos, cavalos e torres são camelos, cavalos e elefantes, semelhantes aos jogos encontrados nos jogos Sikh ou Sahib. A cor avermelhada pode ser uma referência a Jaipur, a capital do Rajastão, que leva o cognome de “Cidade Cor de Rosa”.





Trova da sabedoria do xadrez

5 09 2014

 

Diana de Méridor. Chess is ArtDiana de Meridor (personagem de Alexandre Dumas) em jogo… Ilustração de autoria desconhecida.

 

 

O xadrez repete a vida

em sucessivas lições:

quando a nobreza é atingida

sacrificam-se os peões.

 

(Sinval Emílio da Cruz)








%d blogueiros gostam disto: