Resenha: “NW” de Zadie Smith

16 10 2017

 

 

The tube stationEstação do metrô, c. 1932

Cyril Edward Power (GB, 1872-1951)

Gravura em linóleo, 29 x 35 cm

 

Há tempos meu marido insiste que eu leia Zadie Smith.  Por isso tenho ambos Dentes brancos e Sobre a beleza, em português e inglês. Mas não foi por aí que conheci a autora. Meu grupo de leitura votou por ler NW  e fiquei entusiasmada.  Sabia que era uma autora excepcional.  Talvez eu tenha exagerado na expectativa, porque achei NW um livro bom mas com problemas. Pelo menos não me agradou como esperava.

O próprio título sugere que o personagem principal de NW não é uma pessoa, mas um lugar: a região de Londres habitada em sua maioria por imigrantes da Jamaica, Irlanda, Índia, China, que se encontra exatamente a noroeste na cidade. É uma área mais pobre, com cultura própria, internacional, ecumênica e, aqui, descrita de maneira vívida e realista. No entanto, às vezes a atenção aos detalhes parece esconder a trama, ou ela é inexistente. Por isso, por ser a história de um local, a narrativa vai para todo lado, sem direção e o texto é picado ainda que às vezes lírico. Não é fácil de seguir, não é user friendly. Mas prende.  Seduz.  Envolve como a atmosfera de um lugar parece rodear tudo o que ali se faz. Lembra maresia em cidade praiana, ou o ar cinza de uma cidade com minas de carvão.  No noroeste de Londres, a colcha de retalhos de culturas se ajustando à inglesa produz uma cacofonia própria, barreira transponível só depois de imersão profunda.

 

NW_1396657414B

 

Há quatro personagens, amigos que se conhecem de infância (Leah, Natalie, Félix e Nathan), vidas comuns, que seguimos através de sketches do dia a dia, em staccato, numa narrativa não linear. Mesmo assim, eles são bem desenvolvidos, tridimensionais, existem em nossa imaginação bem caracterizados.  Eles dão apoio a observações sensíveis que consideram preconceitos de classe e raça.

Talvez a mais impressionante característica desse livro sejam os habilidosos diálogos, que soam verdadeiramente “como se fala” [imagino o trabalho que devem ter dado para traduzir], com o impromptu de interrupções de pensamento e lógica. De fato, Zadie Smith parece querer trazer o caos das conversas simultâneas das grandes metrópoles para perto de nós. Esses diálogos, cheios de gírias e de coloquialismos ecoam a desordenada linha narrativa e ajudam o entendimento do caos que envolve os moradores dos grandes centros urbanos.  Também retrata, em paralelo à conturbada vida citadina, a monotonia de vidas que seguem rotinas por vezes insensatas e o tédio que as permeia. O resultado é um livro que leva à introspecção, apesar do ‘barulho’ que o cerca.

 

01836_ggZadie Smith

 

Difícil dizer porque, mesmo assim, achei esta obra digna de quatro estrelas de um total de cinco.  É como se fosse um voto de confiança. Sinto em Zadie Smith uma escritora que tenta ultrapassar os limites da narrativa linear.  Quase cubista, vendo o mundo por diversos ângulos simultaneamente, ela nem sempre tem sucesso.  O resultado, por mais difícil que a leitura tenha sido em partes, é ainda acima da média dos romancistas que conheço.  Talvez não tenha sido a melhor maneira de ser apresentada à escritora. Mas se este livro marca, deixa vínculo, fica na memória, nada mais lógico do que ler e esperar mais da escritora.  Agora irei em “busca do tempo perdido”. Neste fim de ano  vou me dedicar à leitura de Dentes brancos e/ou  Sobre a beleza.  Estou certa de que não me decepcionarão.

 

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem qualquer incentivo para a promoção de livros.





Livros, os melhores do século XXI pela BBC, quais deles você já leu?

11 02 2015

 

Alex Cree contemporary Great Britain Bridget Reading 2005Bridget lendo, 2005

Alex Cree (Inglaterra, contemporâneo)

www.alexcree.co.uk

 

Os ingleses são mestres de listas.  Já expliquei anteriormente que gosto de listas porque ela me fazem pensar sobre assuntos que passariam em branco… Os melhores livros do século XXI já foram causa de postagem aqui em abril do ano passado quando o jornal inglês The Guardian fez a pergunta a seus leitores: “daqui a cem anos que livros publicados no século XXI ainda serão lidos?”  — Se interessado, aqui está a minha resposta.

Desta vez, falo da lista feita pela BBC sobre os melhores livros do século até o momento e pergunto: você já leu algum deles?

 

1 – A fantástica vida breve de Oscar Wao — de Junot Diaz, publicado no Brasil pela Record.

2 – O mundo conhecido — de Edward P. Jones, publicado no Brasil pela José Olympio

3 – Wolf Hall — de Hilary Mantel, publicado no Brasil pela Record.

4 –  Gilead — de Marilynne Robinson, publicado no Brasil pela Nova Fronteira.

5 –  As Correções — de Jonathan Frazen, publicado no Brasil pela Cia das Letras

6 – As incríveis aventuras de Kavalier e Clay — de Michael Chabon, publicado no Brasil pela Record

7 –  A visita cruel do tempo — de Jennifer Egan, publicado no Brasil pela Intrínseca

8 – Billy Lean’s Long Hallftime Walk — de  Ben Fountain, sem publicação no Brasil

9 – Reparação —  de Ian McEwan — publicado no Brasil pela Cia das Letras

10 – Meio Sol Amarelo — de Chimamanda Ngozi Adichie, publicado no Brasil pela Cia das Letras

11 – Dentes Brancos — Zadie Smith, publicado no Brasil pela Cia das Letras

12 – Middlesex — de Jeffrey Eugenides, publicado no Brasil pela Cia das Letras

 

LISTA DA BBC

 

De posse desta lista vou passar o Carnaval no ar condicionado, lendo. Na mesinha de cabeceira estão: Middlesex — versão em inglês comprado no seu lançamento (2003) e ainda não lido, mas outros membros da casa leram e gostaram.  Dentes Brancos, versão em português também não lido apesar de comprado quando publicado no Brasil, por recomendação do marido.  Wolf Hall que está na mesma situação. MAS, há algo a meu favor: conheço boa parte dos autores por outras publicações…  Por que ainda não li estes livros?  Prestem atenção ao número de páginas…. Tem que ser muito bom para que valha toda a dedicação.  Há alguns autores que têm crédito comigo: Hilary Mantel é uma autora cujas obras conheço desde os tempos em que morei fora do Brasil. Já li muitos de seus romances… Já ouvi ótimas opiniões sobre Meio Sol Amarelo, mas acabo de ler Americanah da mesma autora e vou dar um tempo. Ian McEwan também é velho conhecido e Reparação já vi duas vezes no cinema.  Preciso espaçar o envolvimento com o tema, apesar de gostar bastante de sua prosa.

Mas saio deste Carnaval certamente enriquecida por alguma excelente leitura.

E você, o que vai ler neste Carnaval?




10 regras para o escritor, por Zadie Smith

27 01 2015

 

ournal des Dames et des Modes (1811).Ilustração do Journal des Dames et des Modes, 1811 (França)

 

Zadie Smith, autora de  Sobre a Beleza, tem 10 conselhos para quem deseja ser escritor:

 

1 – Ainda criança trate de ler muitos livros. Passe mais tempo fazendo isso do que qualquer outra atividade.

2 – Já adulto, tente ler seu próprio trabalho como uma pessoa estranha o faria, ou melhor, como faria o seu inimigo.

3 – Não romantize a sua vocação.Você ou escreve bem, boas frases, ou não escreve. Não há isso de estilo de vida de escritor.  O que importa é o que você deixa escrito no papel.

4 – Evite seus pontos fracos.  Mas não se convença de que o que você não consegue fazer não vale a pena fazer.  Não esconda as dúvidas que você tem sobre sua própria capacidade com a máscara do desprezo.

5 – Deixe um bom tempo entre escrever alguma coisa e editá-la.

6 – Evite grupinhos, turmas e bandos. A presença de um grupo não irá fazer a sua escrita melhor do que ela é.

7 – Trabalhe em um computador que não esteja ligado à internet.

8 – Proteja o tempo e o espaço em que você escreve. Mantenha todo mundo do lado de fora, até mesmo as pessoas que lhe são mais caras.

9 – Não confunda honrarias com realizações.

10 – Fale a verdade através de qualquer uma das roupagens com que ela venha, mas diga a verdade. Resigne-se à tristeza pela vida inteira, por do não estar nunca satisfeito.

 

The Guardian








%d blogueiros gostam disto: