Jornada com Rupert, de Salim Miguel

13 02 2010

Maria Fumaça, s/d

João Barcelos ( Brasil, contemporâneo)

óleo sobre linóleo, 38 x 46 cm

Os americanos têm uma expressão —  “coming of age” –  [chegada à idade] que resume a passagem de um período da vida para outro, a superação dos conflitos em cada um de nós, quando descobrimos que deixamos a adolescência para entrarmos numa outra fase da vida.  Quando finalmente encontramos a nossa identidade, independente daquela que herdamos de nossas famílias ou da cultura à nossa volta.  Este período, esta mudança, tem servido há muitas décadas como tema de inúmeros romances, filmes e peças teatrais, principalmente no mundo anglo fônico.  A idade em que essa mudança ocorre difere de cultura para cultura, de pessoa para pessoa.  Dentre os mais famosos romances em língua inglesa que retratam essa transformação estão: Grandes Esperanças, [Great expectations], de Charles Dickens, O apanhador no campo de centeio, [Catcher in the Rye] de J. D. Salinger,  O sol é para todos [To Kill a Mockingbird] de Harper Lee, A insígnia vermelha da coragem [The Red Badge of Courage] de Stephen Crane.  Mas a lista é numerosa.    Na Alemanha, o “Das Bildungsroman” — o equivalente do romance de iniciação — tem no Os sofrimentos do jovem Werther, [Die Leiden  des jungen Werther] de Goethe, um grande exemplo.  No Brasil esta temática não é tão popular, talvez mesmo porque, na nossa cultura, custamos a deixar a casa paterna em busca do nosso próprio destino.  É uma questão cultural.  E é justamente esta transformação, este momento de autoconhecimento que o romance de Salim Miguel, Jornada com Rupert [Record: 2008] retrata com mestria.

Rupert, o nosso protagonista, chega à vida adulta tarde.  Está com 30 anos quando cria suficiente coragem para deixar para trás o lar paterno e procurar sua própria vida, sua independência.   Encontramos Rupert começando sua viagem para o desconhecido.  E nos lembramos com ele da vida que deixou para trás, das expectativas de seus pais para o seu futuro, expectativas impossíveis de serem preenchidas pelo jovem.    

Nesse ínterim somos levados a considerar as tradições familiares herdadas por Rupert, neto de imigrantes alemães.  E, por causa da memória familiar, das histórias recontadas, sempre que possível, sobre a chegada dos avós ao Brasil,  viajamos no tempo, observando esses primeiros imigrantes, em Santa Catarina, suas expectativas e seus sonhos pelo estabelecimento de uma sociedade mais justa do que a que haviam deixado em solo europeu.  Este relato é maravilhoso pelo contexto histórico que oferece, e ninguém melhor que o filho de imigrantes (Salim Miguel chegou ao Brasil aos 3 anos de idade] para retratar esse complexo de emoções trazidas nas bagagens dos que aqui aportaram em busca de um futuro, de uma vida melhor. 

À medida que a viagem ao passado se desenrola podemos perceber que o problema de Rupert não é só causado pela chegada à vida adulta, solucionável  pela partida da casa dos pais, mas é, sobretudo, um problema de identidade.   Diferente da colônia portuguesa, por exemplo, que no Rio de Janeiro teve seus integrantes assimilados rapidamente na cultura local, os imigrantes alemães, vieram para o Brasil e formaram comunidades, onde língua, hábitos, comidas tudo se reportava ao país de origem.  Essa vida, em pequenas aglomerações de outros alemães, fomentava uma cultura paralela, não só à brasileira, mas também à alemã.  É interessantíssimo seguir a narrativa de Salim Miguel e ver que a realidade que fez com que esses imigrantes deixassem a Alemanha em meados do século XIX, vai sendo romanceada à medida que é recontada.  Aos poucos, o lugar que deixaram é diferente, é idealizado, é sonhado.  É muito melhor do que anteriormente.

Salim Miguel

Quando nos anos 40 do século XX, encontramos Rupert, mais de cem anos depois da imigração de seus avós, vemos seus pais apoiando Hitler.  Rupert, que se considera primeiro brasileiro, não os apóia, nem a Hitler.  Mais do que uma questão política, para ele, o apoio ou não a Hitler foi uma questão de identidade, de identidade brasileira.   E cada qual, desses netos de imigrantes, dessa geração que chegou à idade adulta na década de quarenta, acha sua maneira de expressar a sua brasilidade.   Ilze, a amiga de infância de Rupert, chega primeiro à independência, ao conforto de deixar co-habitarem suas raízes alemãs e brasileiras, simultaneamente.  Embarca para o Rio de Janeiro e consegue, vivendo como tradutora, fundir todas as partes numa só.  Acredita-se que Rupert saberá fazer o mesmo, e terá sucesso nessa empreitada.  É o que esperamos, mas para Rupert a viagem só começava. 

Muito bom.  Vale a leitura e, sem dúvida, uma re-leitura.


Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: