Lembranças de alguns SETES de SETEMBRO

6 09 2010

 3º REGIMENTO DE CARROS DE COMBATE levando o pavilhão nacional. Parada de 7/09/1969 em frente ao Ministério do Exército, antigo Ministério da Guerra, Rio de Janeiro. Foto: Exército Brasileiro. [http://www.defesanet.com.br/history/m-3.htm]

Até os meus nove anos, o feriado da Independência do Brasil trazia a invariável recordação de muito calor, sol a pino, uso obrigatório de chapeuzinho de palha, fome, sede, irritação, nervos a flor da pele e grande incômodo ao chegar em casa, com a minha pele muito clara, queimada, vermelha, a pinicar pelo resto do dia.  Não era conseqüência de uma ida à praia.  Não. Praia era coisa corriqueira aqui no Rio de Janeiro, para os fins-de-semana comuns do resto do ano, gastos com manhãs no Arpoador, onde o mar, com ondas baixinhas, era próprio para crianças.  As memórias do incômodo apontam para papai que sempre nos levava para ver a parada de Sete de Setembro, no centro da cidade.

Todo ano era a mesma coisa: garrafa térmica com água e lanchinho na merendeira escolar: uma caixinha miniatura de passas sem caroço.  E lá partíamos nós para observar o interminável desfilar de soldados, militares, ex-combatentes, tropas da Marinha, do Exército, da Aeronáutica.  Vinham canhões.  Passavam sobre nossas cabeças aviões fazendo malabarismos.  Do desfile eu só gostava mesmo da cavalaria e principalmente dos Dragões da Independência.  Ah, como eram bonitos!  E elegantes!  E o pelo de seus cavalos tinha um lustre dourado, um brilho cuidadosamente obtido pelo escovar e tratar do pelo.  Eram magníficos.  Mas custavam a chegar, se não me engano eles fechavam o desfile…

Meu pai deveria ter ido à guerra.  À Segunda Guerra Mundial.   Mas era muito míope, demais mesmo.  Ficou por cá.  Trabalhou na censura de cartas dos Correios e Telégrafos,  já que lia fluentemente o alemão, além do inglês e francês.  Na minha imaginação, ele trabalhou muito bem, como parte da “resistência brasileira.”  Mas pai é sempre herói para filha encantada…   Hoje, no entanto, olhando para trás, acho que sua empolgação com a parada de Sete de Setembro tinha muito a ver com isso.  O não ter ido lutar na Itália.  O saber de amigos e companheiros perdidos em solo europeu. 

—-

Periscópio de papelão e espelhos.

De todo o evento, no entanto, o que mais me atraía, e acabava me seduzindo a voltar no próximo ano, eram os periscópios que levávamos.  Eu era fascinada com o objeto.  Como uma caixa de papelão, comprida, aberta nas pontas, com um espelho em cada lado, podia me mostrar o que se passava lá na frente, além daquele mundaréu de gente que obstruía a visão das tropas desfilando?  Como funcionava?   Eu gostava tanto da peça que já maiorzinha, abdicava em favor do meu irmão do meio, a montaria nos ombros de papai, para melhor me posicionar para o desfile.  A grande fascinação vinha ao descobrir que a caixa era vazada, e não tinha motor!   E eram bonitos os nossos periscópios, provavelmente comprados em camelôs especializados na data, porque tinham uma bandeirinha do Brasil colada em duas faces diferentes das caixas…  Eram especiais! 

De volta à casa, depois das paradas, os periscópios rolavam ainda por aqui e ali, ao longo do dia, antes que mamãe — que nunca nos acompanhava — desaparecesse com eles, sabe-se lá para onde.  Mas nesse ínterim brincávamos de guerra — eu e meu irmão —  cada qual com seu submarino imaginário, escondidos por trás do caimento da toalha, ao redor da mesa  ainda posta do almoço, enquanto os adultos, pai, mãe, avós se deliciavam com um cafezinho e jogavam conversa fora.   Lembrei-me dessas brincadeiras quando vi há uns poucos dias a ilustração abaixo, que trouxe essa enorme onda de memórias…  Ah! o poder das imagens!

©Ladyce West, Rio de Janeiro: 2010

—-

—-

 

 


Ações

Information

4 responses

7 09 2010
CHRISTIANE

MT INTERESSANTE… SAO COISAS Q PRETENDO RESGATAR COM O MATHEUS.

7 09 2010
Cristina

Engraçado, pensei logo no meu marido que quebrou a perna e não pode ir a guerra! O que pode parecer incrível, para ele também ficou um gostinho de queria ter ido mas não pode! Coisas de patriota!
Bjos

8 09 2010
Murilo

Tambem fui algumas vezes com papai. Acho que era coisa de uma época que se foi e que valorizava certas datas. Hoje não temos mais tempo, muito a nos distrair.
Meus pais não eram religiosos mas íamos à igreja na Sexta-Feira Santa. Não tinham nada a ver com os militares mas víamos a Parada de Sete de Setembro. No Carnaval, bem pequenos, íamos ver o movimento dos foliões na Avenida Rio Branco. Não havia televisão ainda … nem internet !
Ainda bem que o marido da Cristina não pode ir à guerra, ora essa !

10 09 2010
sonia maria machado

Boa noite
Gosto muito de trabalhar com memorias , isso nos faz voltar o tempo,relebrar as coisas boas.Sete de setembro é uma data maravilhosa , , sempre fui a menor da turma imagina só , sempre no final da fila, me divertia muito nas paradas. Teve um ano que sai de japonesa, colocaram um chapéu parecia um cone, e naquele dia ventava muito , e o meu chapéu voou , sai correndo atrás coisa de criança foi muito engraçado.Bons tempos aqueles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: