Pequena resenha de “Passagem para o ocidente” de Mohsin Hamid

6 08 2019

 

 

 

Hardaker-Charles-Open-Doors-with-MetronomePortas abertas com metrônomo

Charles Hardaker (GB, 1934)

óleo sobre tela,  40 x 40 cm

 

 

Muito barulho por nada.  Este livro foi cotado como um dos melhores livros de 2017 pelo jornal The New York Times. Obra do paquistanês e britânico Mohsin Hamid, na edição brasileira traz, ainda, na capa,  a ratificação do ex-presidente dos EUA, Barack Obama — “um dos melhores livros do ano” —  que,  fica claro, não leu o que eu li naquele ano.  Este livro não faria parte da minha lista das melhores leituras de 2017, nem dos anos subsequentes.

A obra é dividida informalmente em três tempos. Trata-se da história entre um homem e uma mulher, mais para “amizade com benefícios” do que uma história de amor, que se desenrola num país qualquer, do Oriente Médio, muçulmano e em guerra.  O casal é formado por uma jovem e corajosa mulher acostumada a desafiar costumes tradicionais, e um rapaz, mais conservador do que ela, um homem sonhador e dependente emocionalmente da família.  Este primeiro terço da obra é interessante, pois quebra diversas e costumeiras suposições sobre a vida de jovens muçulmanos e do dia a dia de um lugar em conflito. Não tenho como saber se é um retrato realista dessas circunstâncias.  Mas a intenção do autor é que assim julguemos.

 

008f5098-6a97-4d94-8c9c-5a2451e14538

 

De repente, no afã de mostrar diversas possibilidades e ajustes no processo de emigração que se faz necessário para os que desejam sobreviver, somos apresentados às vantagens e problemas de imigrantes em diferentes países,  enquanto acompanhamos a vida de Nadia e Saeed em lugares do mundo variados, da Grécia aos EUA, passando pela Inglaterra, na migração sequencial em que embarcaram.

Mohsin Hamid, no segundo tempo, revira a narrativa e através de um dispositivo primário, como portas ou portais para diferentes realidades e incita o questionamento da natureza da terra natal, seu significado e relativismo.  O autor mistura gêneros, do quase realismo à fantasia.  Essa manobra me deixou fria, desinteressada.  E mais: perplexa com o sucesso deste livro.

 

Mohsin_Hamid_reading,_BrooklynMohsin Hamid

 

No terceiro tempo, passados cinquenta anos, encontramos Nadia e Saeed em sua terra natal, onde Saeed ainda sonha em viajar ao Chile para observar o cosmos. Passagem para o Ocidente é frequentemente aplaudido, pelos leitores de língua inglesa, como um texto poético, narrado com delicadeza.  No Brasil, na tradução de José Geraldo Couto, essas qualidades não foram ressaltadas.  O livro apresenta uma linguagem objetiva e seca.  Cristalina.  Sem firulas.  Não agrada, nem desmerece a leitura.

Difícil recomendar esta leitura.

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem incentivos para a promoção de livros.


Ações

Information

4 responses

6 08 2019
Marilda

Parece que, para ser reverenciado atualmente, o escritor tem que misturar estilos, histórias, criar situações pretensamente instigantes, um verdadeiro imbroglio!

6 08 2019
peregrinacultural

Estou tão cansada disso! Você não imagina.

7 08 2019
Kelly Oliveira

É esse tipo de resenha que eu gosto de ler hahaha. Parabéns!

7 08 2019
peregrinacultural

Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: