Resenha: “As mulheres do meu pai” de José Eduardo Agualusa

1 08 2016

 

 

Tamara_Natalie_Madden's,_The Black Queen (2010) by Tamara Natalie Madden.A rainha negra, 2010

Tamara Natalie Madden (Jamaica, contemporânea)

técnica mista

 

 

Este é a quinta obra de José Eduardo Agualusa que leio. O vendedor de passados, Teoria geral do esquecimento, Manual prático da levitação e Um estranho em Goa foram livros deliciosos que misturavam um tanto de fantasia com realidade, num estilo típico do autor.  As mulheres do meu pai toma um caminho um pouco diferente: a obra inteira é escrita na linha fronteiriça entre o sonho e a realidade.  Agualusa trabalha como psicopompo guiando o leitor entre o mundo interior e o exterior.

O meio é uma viagem.  Laurentina, uma diretora de cinema, decide fazer um documentário sobre a vida do falecido pai, famoso músico angolano, que ao morrer deixou sete viúvas e dezoito filhos.  Sai com sua equipe à procura das viúvase dos passos e eventos marcantes na vida de Faustino Manso. Para tanto precisa viajar de Angola a Moçambique passando por todo o sul do continente africano. O próprio título já se mostra um tanto fantástico instalando a incredulidade linear e aristotélica no leitor ocidental.  “Como mulheres de meu pai? Como sete viúvas?

 

 

AS_MULHERES_DO_MEU_PAI_1349724856B

 

A proposta é genial e permite que Agualusa mostre a variedade cultural ao sul do continente que sofre da visão ocidental de considerá-lo um todo, único, sólido e imutável, quer as pessoas retratadas estejam no norte, no centro ou no sul. E ainda faz mais, Agualusa mostra o contraste entre duas ex-colônias portuguesas em lados opostos do continente.

No entanto, o que mais impressiona o leitor é a destreza com que somos levados do onírico ao tangível com facilidade e garbo.  Vinhetas de viagem são uma das maneiras de narrar; outras são as histórias contadas oralmente aos viajantes; outra ainda é a maneira particular de julgamento entre o importante e o trivial dos personagens encontrados ao longo dessa excursão. Ao fim viajamos todos, dentro e fora de nós mesmos, marchando de maneira inclemente na fronteira entre a divagação e a realidade.

 

josé-eduardo-agualusa-696x466José Eduardo Agualusa

 

 

Enquanto reconstruimos os passos de Faustino Manso somos expostos ao lirismo do autor, à poesia africana.  As mulheres de meu pai é, como o próprio nome indica, plural. A narrativa se vale de diversas formas da escrita de poemas a cartas, histórias contadas à reflexão do viajante e consegue ao final, com cada retalho a que somos apresentados, formar uma grande colcha de retalhos abraçando a multiplicidade do continente e fazendo com ela uma única obra, espiritual e confortadora.

Belíssimo trabalho.

 

PS: Esta resenha foi re-editada no dia 7/8/2016.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar


Ações

Information

4 responses

2 08 2016
Regina Porto

Isso, Ladyce!! Vejo em Agualusa e em Mia Couto excelentes aulas de sociologia e ou história da África. Também gostei muito desse livro.

2 08 2016
peregrinacultural

Pois é. Ainda prefiro Agualusa a Mia Couto, é uma questão de preferência, acredito, o vocabulário de Mia Couto me cansa um pouco. Mas ambos trazem um ar de frescor na literatura em português, inigualável. Gosto bastante de Ondjaki também.

2 08 2016
Regina Porto

Gostei do que li de Ondjaki, excetuando “há prendisajens com o xão”. Meu mais recente Mia Couto foi Poesias Reunidas que achei lindo. Agualusa tem um bem maluquinho que eu adorei: A Vida No Céu, quer ler?

2 08 2016
peregrinacultural

Se eu puder ler mais tarde no ano… no momento minhas leituras estão em total demanda do meu tempo… e eu adoro!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: