Poeta no museu: Hélio Pellegrino

2 07 2020

 

 

Minke_Wagenaar_-_Vincent_van_Gogh_1888_The_yellow_house_('The_street')_-_detailA casa amarela, 1888

Vincent Van Gogh (Holanda, 1853 – 1890)

óleo sobre tela

Museu de Van Gogh, Amsterdã

 

 

Van Gogh em Amsterdã

 

Hélio Pellegrino

 

Por debaixo de tudo:

diques, dunas, frontões;

 

Por debaixo de tudo:

nobres pedras, canais

onde remam cisnes;

 

Por debaixo do mundo

lavra um incêndio.

 

Amsterdã, 1º/1/1981

 

Em: Minérios Domados, Hélio Pellegrino, Rio de Janeiro, Rocco:1993, p.39





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

4 06 2020

 

 

policial, cidade calma, disneyIlustração Disney Estúdios.

 

 

“A oportunidade faz o ladrão.”





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

20 05 2020

 

 

CARLOS LEÃO, Natureza morta - Óleo sobre tela - 38x46 cm - ACID 1974 (Coleção do Professor e Dr. Luiz Fernando da Costa e Silva)Natureza morta, 1974

Carlos Leão (Brasil, 1906 -1983)

óleo sobre tela, 38 x 46 cm





O relógio, poema de Jorge de Lima

17 05 2020

 

 

l27horlogedesapience28theclockofwisdom29fromabout1450O relógio do saber, século XV. — L’Horloge de Sapience (Bruxelles, Bibliothèque Royale , ms. IV 111

 

O relógio…

 

Jorge de Lima

 

Relógio, meu amigo, és a Vida em Segundos…

Consulto-te: um segundo!  E quem sabe se agora,

Como eu próprio, a pensar, pensará doutros mundos

Alma que filosofa e investiga e labora?

 

Há de a morte ceifar somas de moribundos.

O relógio trabalha… E um sorri e outro chora,

Nas cavernas, no mar ou nos antros profundos

Ou no abismo que assombra e que assusta e apavora…

 

Relógio, meu amigo, és o meu companheiro,

Que aos vencidos, aos réus, aos párias e ao morfético

Tem posturas de algoz e gestos de coveiro…

 

Relógio, meu amigo, as blasfêmias e a prece,

Tudo encerra o segundo, insólito — sintético:

A volúpia do beijo e a mágoa que enlouquece!

 

[A Instrução, Maceió, 1907]

 

Em: Poesias Completas, Jorge de Lima, vol. I, Rio de Janeiro, Cia. José Aguilar Editora: 1974.p. 45





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

11 05 2020

 

 

 

rãsDesconheço o ilustrador.

 

“A necessidade faz o sapo pular.”

 





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

10 02 2020

 

 

DSC01064Magali não resiste à comida, ilustração de Maurício de Souza.

 

 

A hóspede comedor, mais água na sopa.




São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro

20 01 2020

 

 

 

Djanira São Sebastião, ost, 1966, 73 x 59 cmSão Sebastião, 1966

Djanira da Motta e Silva (Brasil, 1914-1979)

óleo sobre tela, 73 x 59 cm

 

 

20 de janeiro, dia de São Sebastião: a cidade em festa!




“A foca” poesia infantil de Vinícius de Moraes

4 11 2019

 

StacyCurtis19_7aslf4Ilustração Stacy Curtis.

 

 

A foca

 

Vinícius de Moraes

 

Quer ver a foca

Ficar feliz?

É por uma bola

No seu nariz.

 

Quer ver a foca

Bater palminha?

É dar a ela

Uma sardinha.

 

Quer ver a foca

Fazer uma briga?

É espetar ela

Bem na barriga!

 

 

Em: A arca de Noé, Vinícius de Moraes, Livraria José Olympio Editora: 1984; Rio de Janeiro; 14ª edição, página 67-69.





Rio de Janeiro, à beira da Guanabara!

6 09 2019

 

 

 

Sergio Piancó, (Brasil, contemporâneo)4.monumento aos pracinhas

Monumento aos pracinhas, 2014

[Monumento Nacional aos Mortos na Segunda Guerra Mundial]

Sérgio Piancó (Brasil, contemporâneo)

acrílica





A palmeira, poesia infantil de Walter Nieble de Freitas

4 09 2019

 

 

 

ANYSIO DANTAS - Tropicana I , serigrafia tiragem 76-100, assinado no canto inferior direito e datado de 1985. 89 x66 cm.

Tropicana I, 1985

Anysio Dantas (Brasil, 1933 – 1990)

serigrafia tiragem 76-100, 89 x 66 cm

 

 

A palmeira

 

Walter Nieble de Freitas

 

Alta, esguia, majestosa,

De uma beleza sem par,

Contemplo a esbelta palmeiraaaaa

Banhada pelo luar.

 

A seus pés um lago azul,

Onde em calma ela se mira,

Põe na paisagem noturna

Cintilações de safira.

 

De longe, chega em surdina

A voz rouca das cascatas:

É a sinfonia dos rios

Soluçando serenatas.

 

Nessa hora em que a noite é um templo,

E o firmamento, um altar,

Sob os círios das estrelas

Em silêncio a vi rezar.

 

Na linguagem da saudade,

O coração da palmeira,

Pedia as bênçãos do céu

Para a terra brasileira.

 

 

Em: Barquinhos de Papel: poesias infantis, Walter Nieble de Freitas, São Paulo, Difusora Cultural:1961, pp. 61-62








%d blogueiros gostam disto: