Uma mulher botânica no século XVII

8 03 2019

 

 

 

Mary_Capel_(1630–1715),_Later_Duchess_of_Beaufort,_and_Her_Sister_Elizabeth_(1633–1678),_Countess_of_Carnarvon (2)DETALHE — Lady Mary Capell, Duquesa de Beaufort

Peter Lely (Holanda-Inglaterra, 1618 – 1680)

óleo sobre tela, 130 x 170 cm

Metropolitan Museum of Art, Nova York

 

 

Lady Mary Somerset [Capell], primeira Duquesa de Beaufort na Inglaterra, (1630 -1715) manteve um grande complexo de jardins na sua propriedade em Badminton.  Foi muito mais do que uma pessoa dedicada ao canteiros e jardins, foi uma séria estudiosa e investigadora de plantas.  Seus jardins não eram um hobby para ela, suas observações e experimentos documentam interesse científico sério que trouxe ao conhecimento da época muitas novidades.

Ativa em se corresponder com botânicos conhecidos como Southwell e Sir Hans Sloane e também com Sir Robert Southwell, Presidente da Royal Society, ela manteve notas preciosas sobre plantas, observações sobre a manutenção delas, germinação de sementes, poda e alimentação de plantas raras.

Selecionou folhas e flores colocando-os em livro. Desenhou com cuidado plantas de seu interesse que ainda podem ser vistos hoje nos 12 volumes que formam o seu Herbário.  Infelizmente sua obra nunca foi publicada.  Mas sobreviveu por mais de 300 anos e hoje se encontra na Biblioteca Botânica do Natural History Museum, Londres.

 

duchess-of-beauforts-hortusSpecimens from the Duchess of Beaufort’s Hortus Siccus, Natural History Museum, London.Espécimes do Hortus Siccus,  da Duquesa de Beaufort, no Museu de História Natural de Londres.

 

A propriedade em Badminton no século XIX

BadmintonMorris_edited

Hoje

Badminton_House

 

5b3b80dea040d01037b8b6fc_IMG_7376

 

Abaixo a obra completa dos retratos das irmãs Capell

 

Mary_Capel_(1630–1715),_Later_Duchess_of_Beaufort,_and_Her_Sister_Elizabeth_(1633–1678),_Countess_of_Carnarvon (3)Lady Mary Capell, Duquesa de Beaufort e sua irmã Elizabeth Capell, Condessa de Carnarvon




Eu, pintor: David Bailly

14 02 2019

 

 

 

BAILLY, David, Self-Portrait with Vanitas Symbols, 1651,Oil on wood, 65 x 97,5 cm,Stedelijk Museum De Lakenhal, LeidenAutorretrato com símbolos de Vanitas, 1651

David Bailly (Holanda, 1584 – 1657)

óleo sobre madeira, 65 x 97 cm

Stedelijk Museum De Lakenhal, Leiden, Holanda





Eu, pintor: David Bailly

22 02 2018

 

 

 

BAILLY, David, Self-Portrait with Vanitas Symbols, 1651,Oil on wood, 65 x 97,5 cm,Stedelijk Museum De Lakenhal, LeidenAutorretrato com símbolos de vanitas, 1651

David Bailly (Holanda, 1584 — 1657)

óleo sobre madeira, 65 x 97 cm

Stedelijk Museum De Lakenhal, Leiden





Em três dimensões: Nicolas Cordier

25 08 2017

 

 

gypsy

Jovem cigana [Zingarella], 1612

Nicolas Cordier (França, 1567 – 1612)

Mármores branco e cinza, bronze,  140 cm de altura

Galeria Borghese, Roma





Palavras para lembrar — Jean-Baptiste Say

19 06 2017

 

 

Gerard_Terborch_-_A_Lady_Reading_a_LetterSenhora lendo carta, 1662

Gerard Terborch ou ter Borch (Holanda, 1617 – 1681)

óleo sobre tela, 45 x 33 cm

Wallace Collection, Londres

 

 

“Entre um pensador e um erudito existe a mesma diferença que entre um livro e seu sumário.”

 

 

Jean-Baptiste Say

 

 

 

 





Esmerado: Cofre com bordados

16 05 2016

 

 

Needlework casket. Silk needlework, English , late 17th century. Courtesy Royal Collection Trust (C) Her Majesty Queen Elizabeth II 2013Cofre com bordados, final do século XVII

Bordados em seda, Inglaterra

Royal Collection Trust (C) Her Majesty Queen Elizabeth II

 

 

Esse pequeno cofre está coberto por bordados feitos em seda, com uma cena de pessoas na paisagem na parte de cima, que se abre e uma figura humana em cada porta. Ele pode ser aberto em três locais e inclui divisões, nichos, gavetinhas e compartimentos escondidos, assim como diversos pequenos objetos.

Conhecido como “Cofre Little Gidding”, foi provavelmente feito por uma das Senhoritas Colletts, sobrinhas de Nicholas Ferrar que fundaram a comunidade Little Gidding, em Huntingdondhire em 1626.  Ambas as jovens, que ficaram famosas pelas suas habilidades como bordadeiras, cresceram nessa comunidade que se dedicava às preces, ao jejum e aos atos de caridade.





Eu, pintora: Élisabeth Vigée-Lebrun

13 04 2016

 

 

selfportAuto-retrato com chapéu de palha, depois de 1782

Élisabeth-Louise Vigée-Lebrun (França, 1755-1842)

óleo sobre tela, 98 x 70 cm

National Gallery, Londres








%d blogueiros gostam disto: